Receba as notícias:

Endro, concorrente ou companheira da erva-doce no Nordeste Brasileiro?

Artigo

2006-11-15
Por Paulo Alves Wanderley(1); Maria J. Araújo Wanderley (2) e Juliana Lucas de Sousa (3) *
Paulo Alves Wanderley explica como o endro sobrevive no Brasil
Paulo Alves Wanderley explica como o endro sobrevive no Brasil

O endro também conhecido como Aneto ou Dill é uma erva aromática muito utilizada na medicina popular. De origem Asiática e pertencente à família Umbeliferae assim como a erva-doce (Foeniculum vulgare Miller), essas duas culturas convivem juntas nas regiões mais altas do Nordeste do Brasil há pelo menos 60 anos. Arbusto de porte mais baixo e de ciclo anual ao contrário da erva-doce que vive mais de dez anos produzindo bem, o endro divide com a erva-doce as mesmas áreas, mesmos insectos polinizadores e também hospeda as mesmas pragas nessa região. Com aparentes desvantagens botânicas de porte e ciclo, o endro desenvolveu estratégias surpreendentes para sobreviver e conseguir perpetuar -se diante do seu parente muito mais imponente, a erva-doce.

* 1. Professor da Universidade Federal da Paraíba - Brasil/ Departamento de Agropecuária;
2. Professora do Centro de cultura Anglo Americana/ Brasil;
3. Aluna do Curso de Bacharelato em Administração da Universidade Federal da Paraíba – Brasil

Últimas notícias

Investigação sobre Cancro, AVC e descontaminação da água
por medicamentos distingue jovens investigadoras

UTAD investiga valor nutricional do leite de golfinhos

Terapia amiga do ambiente descontamina
águas das pisciculturas

Portas abertas para novos tratamentos
para a artrite reumatóide

Gosta de merujes? Vão aparecer na sua mesa!

Estudantes de medicina apostam
na formação científica e humana

Investigadora da Universidade de Coimbra premiada
pela Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas

UC estuda o impacto do novo metro igeiro de Macau

Hepatite C: nova realidade, novos horizontes

Saúde do cérebro e do coração começa na boca

Descoberto o responsável pelo surgimento
de problemas de memória

UA combate contrafacção com códigos DNA para marcas

Investigadores belgas e franceses medem
a temperatura do coração das estrelas

Estudante da UA imprime circuitos electrónicos em papel

Je suis Charlie

Investigações sobre cromossomas e doença de Huntington
premiadas hoje pela FLAD

Investigadora da UTAD distinguida na Galiza
com Prémio “Vicente Risco”

Compostos descobertos na casca do eucalipto
já têm método de extracção

Em 2015 continuo a supor que poderíamos ter pedido baunilha…

Investigadores de Coimbra querem melhorar
prognóstico do transplante de fígado

Curador do primeiro planetário da América
vai ser português

Humilhação dos 7-1 leva o Brasil
a olhar para a ciência

Carlos Ribeiro eleito para o primeiro grupo
dos FENS-Kavli Scholars

Rotundas virtuais vão projectar rotundas reais
seguras e amigas do ambiente

Dê azeite ao seu coração

Dois jovens cientistas portugueses
entre oito distinguidos pela EMBO

Neste Ano Novo dê o seu apoio ao Ciência Hoje

Efeitos da cafeína diferem com ou sem açúcar?

António Fernandes da Fonseca deixou a “sua marca”
na passagem pelo Mundo!

É possível estudar «cientificamente» os enchidos?
Universidades de Lisboa, Évora e Trás-os-Montes e Alto Douro fizeram investigação