Receba as notícias:

EUREKA! Uma Viagem ao Mundo da Física

Espectáculo de teatro para a infância estreou ontem em Coimbra

2005-11-20

Eureka – Uma Viagem ao Mundo da Física é um espectáculo de âmbito multidisciplinar, baseado nas linguagens do Clown, do gesto, da música, da onomatopeia, do malabarismo... Integrada nas comemorações do Ano Internacional da Física, a iniciativa é uma co-produção da Companhia Encerrado para Obras e do Museu de Física da Universidade de Coimbra. Alicerçado num discurso simples e dinâmico, o espectáculo pretende despertar a curiosidade para algumas das leis básicas da Física, que regem o nosso Cosmos. Se a terra é redonda e roda sobre si - própria, porque é que não caímos nem ficamos de pernas para o ar? o que é a música? Existe mesmo um tesouro na ponta do arco-íris? São apenas alguns dos mistérios por revelar...

O espectáculo estreou ontem no Anfiteatro do Museu, pelas 21h30min, e irá permanecer neste espaço para grupos escolares e público em geral até final do mês de Fevereiro de 2006.

Sinopse

Num one-man-show de aproximadamente 45 minutos, o actor/músico David Cruz incarna a pele do Sr. Eureka, empregado de limpeza por conta própria. Um belo dia o Sr.Eureka é contratado para limpar a casa do famoso físico Alberto Maçanov. Porém, ao chegar ao local, o nosso herói dá de caras com um montão de objectos insólitos, e não resiste à tentação de saber para que servem. De forma insuspeita, o Sr. Eureka embarca então numa fantástica viagem ao mundo da Física...

Local:

 Anfiteatro do Museu de Física da Universidade de Coimbra.

Espectáculos para grupos escolares

Segunda a sexta, pelas 10h30min e 14h30min, entre 21 de Novembro e 9 de Dezembro 2005, e entre 4 de Janeiro e 24 de Fevereiro de 2006.

Espectáculos para público em geral:

Aos sábados, pelas 16h00 e 21h30, entre 19 de Novembro e 10 de Dezembro de 2005, e entre 7 de Janeiro e 25 de Fevereiro de 2006. Reservas para grupos escolares (Museu de Física):

239 410 602 / 239 410 672 / museufisica@ci.uc.pt

Informações Encerrado para Obras

239 704239 / 96 4271279 / encerradoparaobras@clix.pt

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD

A espantosa capacidade de regeneração do pâncreas

Ébola não é porventura tão temível como a gripe

Bloquear os canais de potássio pode salvar vidas

Técnicas de meditação associadas ao budismo tibetano
podem melhorar o desempenho do cérebro

O meu automóvel conduz, estaciona e recarrega-se sozinho

Congresso Mundial de Investigação marinha
no Oceanário de Lisboa

Iraniana é a primeira mulher
a ser distinguida com o «Nobel» da Matemática

Alunos da UMinho desenvolvem protótipos todo-o-terreno

Todos pela Antártida

A Roseta foi ao cometa

Concelhos despovoados e com poucos bombeiros
são os mais atingidos pelos fogos

As barreiras dos serviços de saúde
que afectam os imigrantes

As barreiras dos serviços de saúde que afectam os imigrantes

“La réalité n’existe pas”

Como os mamíferos e as moscas se alimentam:
semelhanças surpreendentes

Células "secundarias" do sistema nervoso são afinal cruciais
para a cognição e doenças mentais

As duas caras da misteriosa Azobenzeno

Investigadores do Minho premiados no Brasil

Avanços na compreensão da doença de Parkinson
abrem novas portas terapêuticas

Ciência Hoje não vai de férias! Apoie este jornal!

Oceans of Hope chega a Lisboa para mudar percepções
sobre esclerose múltipla em Portugal

Com um euro pode combater a dor crónica

Estudo da UMinho avalia efeito de corticosteroides
no desenvolvimento dos bebés prematuros

Rapazes mais depressivos do que elas

Assim em Marte como na Terra

O primeiro genoma foi descodificado
numa cooperação Luso-Brasileira – Desulfovibrio gigas