Receba as notícias:

Bebés até aos seis meses distinguem dois idiomas observando apenas movimentos faciais

2007-05-25
Bebés distinguem línguas ( iStockphoto)
Bebés distinguem línguas ( iStockphoto)
Os bebés menores de seis meses conseguem distinguir um idioma de outro apenas observando os movimentos faciais e mesmo sem ouvirem o interlocutor, segundo uma investigação da Universidade de Barcelona publicada na última edição da revista Science. Os investigadores mostraram a um grupo de 36 bebés vídeos sem som de adultos bilingues pronunciando frases em inglês e em francês, com uma duração máxima de 16 segundos.
Nuria Sebastian
Nuria Sebastian
Foram comparados os bebés que vivem numa família unilingue com os que têm familiares bilingues e concluiu-se que entre os quatro e os seis meses todos conseguem distinguir apenas com estímulos visuais as duas línguas. Concluiu-se que nos primeiros meses de vida os bebés "são capazes de distinguir caras que falam em francês ou em inglês", afirmou à agência EFE Nuria Sebastian, uma das autoras do estudo, feito em colaboração com peritos da Universidade British Columbia, do Canadá.

Os investigadores notaram que a partir dos oito meses os bebés tendem a perder esta habilidade, que apenas é mantida até aos 12 meses pelos bebés que vivem em ambientes bilingues. A explicação dos peritos é que os bebés de famílias unilingues deixam de ter aptidão de distinguir línguas através dos movimentos faciais porque não precisam dessa capacidade.

Assim, essa capacidade inata só se mantém quando é uma vantagem para os bebés para aprender a língua materna e quando a criança se define por determinada língua deixa de prestar atenção aos elementos alheios e concentra-se nela para aprender. Vários estudos tinham já demonstrado que os bebés conseguem distinguir diferentes línguas pelo som, mas até agora nunca se tinha analisado o papel dos estímulos visuais no processo de aprendizagem e aquisição de linguagem.

Para este estudo, os cientistas mostraram aos bebés vários vídeos mudos nos quais os interlocutores recitavam frases do conto "O Principezinho", de Saint Exupéry, em francês e em inglês. Utilizou-se um procedimento de habituação, no qual inicialmente todos os vídeos começavam com determinada língua.
Os investigadores usaram a medição do tempo de atenção das crianças ao ecrã para determinar se percebiam quando era alterado o idioma.
Regiane
2008-06-24
17:59
quem escreveu essa notícia preciso da referência para um trabalho de faculdade

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Detectar metástases pela axila e usar estímulos elétricos para recuperação motora

Crianças com melhor coordenação motora
apresentaram melhores resultados em tarefas cognitivas

Vai um queijo da Serra da Estrela com flor de castanheiro?

Nasce o maior instituto de investigação
em astrofísica de Portugal

Universidade de Aveiro «exporta» pastéis de nata

Como «infectar» as células vizinhas normais
tornando-as cancerosas

Mais mulheres menos cancro da próstata?

UMinho desenvolve método
para a libertação direccionada de fármacos

Para acabar (de vez?) com a turbulência nos aviões

Investigadores descobrem como os micróbios
constroem um poderoso antibiótico

Investigadora do CEDOC vence prémio FAZ Innovate Competition

UMinho cria gestor de exames à la carte

How tilapias use urine to attract females

UC participa solução inovadora
de apoio a pacientes em reabilitação cardíaca

Novos métodos para manter a qualidade das batatas

Cunha-Vaz distinguido com Prémio Albert C. Muse

Bactéria da flora intestinal de mosquitos
pode bloquear transmissão de malária e dengue

Subvalorizar o Ébola é crime!

Pepinos do mar já podem ser produzidos em aquacultura

A Ciência na educação pré-escolar

A guerra dos espermatozóides

O Viagra protege o coração para além do quarto

Premiado dispositivo portátil
para recuperar lesões desportivas

Aí está o andarilho inteligente motorizado
com «marca» portuguesa

Ajuda de emergência para «overdoses»

Investigadores portugueses abrem novas possibilidades
no desenho de vacinas contra o cancro

Porquê eu? Muitas mulheres que vivem na pobreza
culpam os filhos e a vida amorosa

O papel dos "oásis" oceânicos nas interacções
entre organismos marinhos

Planta substituta de sal desenvolvida
em cultura in vitro por aluna da UTAD

Trabalho de investigadores da UA
cruza-se com o do Nobel da Física 2014