Receba as notícias:

Bebés até aos seis meses distinguem dois idiomas observando apenas movimentos faciais

2007-05-25
Bebés distinguem línguas ( iStockphoto)
Bebés distinguem línguas ( iStockphoto)
Os bebés menores de seis meses conseguem distinguir um idioma de outro apenas observando os movimentos faciais e mesmo sem ouvirem o interlocutor, segundo uma investigação da Universidade de Barcelona publicada na última edição da revista Science. Os investigadores mostraram a um grupo de 36 bebés vídeos sem som de adultos bilingues pronunciando frases em inglês e em francês, com uma duração máxima de 16 segundos.
Nuria Sebastian
Nuria Sebastian
Foram comparados os bebés que vivem numa família unilingue com os que têm familiares bilingues e concluiu-se que entre os quatro e os seis meses todos conseguem distinguir apenas com estímulos visuais as duas línguas. Concluiu-se que nos primeiros meses de vida os bebés "são capazes de distinguir caras que falam em francês ou em inglês", afirmou à agência EFE Nuria Sebastian, uma das autoras do estudo, feito em colaboração com peritos da Universidade British Columbia, do Canadá.

Os investigadores notaram que a partir dos oito meses os bebés tendem a perder esta habilidade, que apenas é mantida até aos 12 meses pelos bebés que vivem em ambientes bilingues. A explicação dos peritos é que os bebés de famílias unilingues deixam de ter aptidão de distinguir línguas através dos movimentos faciais porque não precisam dessa capacidade.

Assim, essa capacidade inata só se mantém quando é uma vantagem para os bebés para aprender a língua materna e quando a criança se define por determinada língua deixa de prestar atenção aos elementos alheios e concentra-se nela para aprender. Vários estudos tinham já demonstrado que os bebés conseguem distinguir diferentes línguas pelo som, mas até agora nunca se tinha analisado o papel dos estímulos visuais no processo de aprendizagem e aquisição de linguagem.

Para este estudo, os cientistas mostraram aos bebés vários vídeos mudos nos quais os interlocutores recitavam frases do conto "O Principezinho", de Saint Exupéry, em francês e em inglês. Utilizou-se um procedimento de habituação, no qual inicialmente todos os vídeos começavam com determinada língua.
Os investigadores usaram a medição do tempo de atenção das crianças ao ecrã para determinar se percebiam quando era alterado o idioma.
Regiane
2008-06-24
17:59
quem escreveu essa notícia preciso da referência para um trabalho de faculdade

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

MORREU MARIANO GAGO

Siemens desenvolve sistema de sensores
que facilita o estacionamento nas cidades

Artista português e cientista da Harvard Medical School
criam escultura inspirada na biologia celular

Quais as principais características
nutricionais e funcionais da bolota?

UBI acelera processo na luta contra o cancro

Coimbra estuda dieta das aves das Galápagos

Olfacto humano ajuda a desvendar crimes violentos

Aluno da FCUL cria barómetro de eficiência energética

UA desenvolve tecnologia para armazenar
e dar mobilidade à eletricidade

Industrialização e “conjuntos sociotecnológicos”
– o caso dos laticínios açorianos

No more bleeding for “iron overload” patients?

Coimbra dá importante contributo
para aplicação da terapia génica

Estudo inédito do sofrimento na deficiência visual
vale nota 20 a aluna quase cega

Prémio Terre de Femmes para bióloga da UA

Encontrado o gene responsável
pela reacção das plantas ao toque

Dores nas costas e hérnias discais

Investigação sobre Cancro, AVC e descontaminação da água
por medicamentos distingue jovens investigadoras

UTAD investiga valor nutricional do leite de golfinhos

Terapia amiga do ambiente descontamina
águas das pisciculturas

Portas abertas para novos tratamentos
para a artrite reumatóide

Gosta de merujes? Vão aparecer na sua mesa!

Estudantes de medicina apostam
na formação científica e humana

Investigadora da Universidade de Coimbra premiada
pela Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas

UC estuda o impacto do novo metro igeiro de Macau

Hepatite C: nova realidade, novos horizontes

Saúde do cérebro e do coração começa na boca

Descoberto o responsável pelo surgimento
de problemas de memória

UA combate contrafacção com códigos DNA para marcas

Investigadores belgas e franceses medem
a temperatura do coração das estrelas

Estudante da UA imprime circuitos electrónicos em papel