Receba as notícias:

Bebés até aos seis meses distinguem dois idiomas observando apenas movimentos faciais

2007-05-25
Bebés distinguem línguas ( iStockphoto)
Bebés distinguem línguas ( iStockphoto)
Os bebés menores de seis meses conseguem distinguir um idioma de outro apenas observando os movimentos faciais e mesmo sem ouvirem o interlocutor, segundo uma investigação da Universidade de Barcelona publicada na última edição da revista Science. Os investigadores mostraram a um grupo de 36 bebés vídeos sem som de adultos bilingues pronunciando frases em inglês e em francês, com uma duração máxima de 16 segundos.
Nuria Sebastian
Nuria Sebastian
Foram comparados os bebés que vivem numa família unilingue com os que têm familiares bilingues e concluiu-se que entre os quatro e os seis meses todos conseguem distinguir apenas com estímulos visuais as duas línguas. Concluiu-se que nos primeiros meses de vida os bebés "são capazes de distinguir caras que falam em francês ou em inglês", afirmou à agência EFE Nuria Sebastian, uma das autoras do estudo, feito em colaboração com peritos da Universidade British Columbia, do Canadá.

Os investigadores notaram que a partir dos oito meses os bebés tendem a perder esta habilidade, que apenas é mantida até aos 12 meses pelos bebés que vivem em ambientes bilingues. A explicação dos peritos é que os bebés de famílias unilingues deixam de ter aptidão de distinguir línguas através dos movimentos faciais porque não precisam dessa capacidade.

Assim, essa capacidade inata só se mantém quando é uma vantagem para os bebés para aprender a língua materna e quando a criança se define por determinada língua deixa de prestar atenção aos elementos alheios e concentra-se nela para aprender. Vários estudos tinham já demonstrado que os bebés conseguem distinguir diferentes línguas pelo som, mas até agora nunca se tinha analisado o papel dos estímulos visuais no processo de aprendizagem e aquisição de linguagem.

Para este estudo, os cientistas mostraram aos bebés vários vídeos mudos nos quais os interlocutores recitavam frases do conto "O Principezinho", de Saint Exupéry, em francês e em inglês. Utilizou-se um procedimento de habituação, no qual inicialmente todos os vídeos começavam com determinada língua.
Os investigadores usaram a medição do tempo de atenção das crianças ao ecrã para determinar se percebiam quando era alterado o idioma.
Regiane
2008-06-24
17:59
quem escreveu essa notícia preciso da referência para um trabalho de faculdade

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Esperar ou não esperar
- o papel da confiança na tomada de decisões

Implantes dentários «ganham» volume ósseo

Em Portugal um tratamento específico
depende da região onde se mora

Eousdryosaurus, o pequeno dinossauro
que viveu num tempo de gigante

Um em cada quatro já traiu

A Ciência da Gestão de Ciência e Tecnologia
– reflexões de uma despedida

A ansiedade de estar doente no hospital?
O ambiente do quarto pode ajudar!

Prémio António Champalimaud reconhece tratamento
revolucionário de doenças graves da visão

João Rocha é o primeiro português
da European Academy of Sciences

O Porto na Guerra Fria

Nariz electrónico pode detectar
subgrupos de asma nas crianças

Oceanos de Esperança chegou a Boston

Braga quer construir travessas de caminho-de-ferro
com resíduos de plásticos mistos

Comer com sucesso no Mercado do Bom Sucesso

Lars Montelius é o novo director do INL

José Xavier participa no Atlas
sobre vida marinha no Oceano Antárctico

Utilizar Software de Código Aberto
permitiria ao Estado poupar milhões de euros

Trás-os-Montes apresentou no MInho cremes inovadores
que ajudam no tratamento de queimaduras, feridas profundas e psoríase

Sistema reduz de meses para dias o tempo necessário
para os cientistas testarem hipóteses

Empresa tecnológica de Braga serve milhões de pessoas

Investigadores de Coimbra avançam na luta
contra a febre da carraça e tifo epidémico

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa