Receba as notícias:

Faz hoje 50 anos que Laika se tornou a primeira cadela do espaço

2007-11-03
Laika era uma cadela sem dono: foi o primeiro animal do espaço
Laika era uma cadela sem dono: foi o primeiro animal do espaço

Laika (que em russo significa que ladra) foi o primeiro animal a orbitar no espaço. Faz hoje 50 anos que a cadela, recrutada nas ruas de Moscovo, onde vagueava livremente, sem dono, foi lançada a bordo da nave soviética Sputnik II, um mês depois do lançamento do satélite Sputnik I, o primeiro a entrar em órbita.

A nave não tinha capacidade de regressar à Terra. Na época ainda não se tinha desenvolvido a tecnologia necessária para tal. Os técnicos previam “adormecer” a cadela com uma injecção letal automática antes que o oxigénio a bordo da cápsula se esgotasse.

Laika morreu poucas horas após o lançamento, em pânico, devido ao sobreaquecimento da cabine; anos mais tarde, um dos cientistas responsáveis pelo projecto disse que se arrependia de ter usado a cadela na missão.
A escolha de Laika foi feita a partir de um grupo de dez cães treinados no Instituto de Medicina da Força Aérea para participar em voos na alta atmosfera. Oleg Gazenko era o principal cientista do projecto e treinador de animais.

Do grupo inicial foram seleccionadas três cadelas: Albina, Laika e Mukha. Laika foi escolhida pela índole tranquila e paciente. A suplente era Albina, que já havia participado com sucesso de dois voos de pesquisa em alta atmosfera.

Antes da cadela russa os americanos fizeram voar os macacos Albert 1 e Albert 2 a bordo de um míssil V-2 capturado. Morreram durante testes balísticos no final dos anos 40. Durante a corrida espacial russos e americanos enviaram outros cães e primatas ao espaço. Muitos regressaram são e salvos.

A França também estudou o comportamento de um gato num voo suborbital e o Japão enviou rãs à estação MIR. A China também fez testes com animais antecipando o seu primeiro voo tripulado por humanos.

 Algo espectacular

Depois do lançamento do Sputnik I, Khruschev, presidente russo, pediu algo espectacular a Sergei Korolev, engenheiro-chefe do programa espacial soviético, para comemorar o 40º aniversário da revolução bolchevique. Korolev prometeu-lhe colocar em órbita um satélite com um cão a bordo.

Os engenheiros e técnicos soviéticos tiveram pouco mais de um mês para criar o Sputnik 2 e foram obrigados a regressar ao trabalho, já que se encontravam de férias após o sucesso do primeiro Sputnik. Os voos experimentais transportando animais a bordo já haviam sido iniciados no princípio da década de 50 e a experiência dos cientistas soviéticos foi aproveitada ao máximo para construir o novo satélite. Sputnik II foi lançada ao espaço do Cosmódromo de Baikonur em 3 de Novembro de 1957. A nave pesava 543,5 kg.

Dinis Afonso Ribeiro
2007-11-04
05:31
Sugiro algumas pequenas correcções á notícia que tem um erro factual, e uma "interpretação" muito discutivel sobre a postura de Korolev. A entidade responsável foi o Instituto de Problemas Bomédicos (Institute of Biomedical Problems - http://www.imbp.ru ) e não um tal "Instituto de Medicina da Força Aérea". Por outro lado, "A experiência dos engenheiros (não se tratava de "cientistas") não foi "aproveitada ao máximo", pois se isso tivesse realmente sido feito, a Laika poderia perfeitamete ter voltado viva". A tecnologia que permitia que uma ogiva nuclear penetrasse a atmosfera sem se desfazer, também já existia e poderia ter sido adaptada (se hovesse tempo) para a eventual reentrada da Laika. Do modo como está escrito no artigo, pode parecer que a ideia do Sputnik 2 partiu dos engenheiros. Não foi isso que aconteceu. Devido ás inadiáveis necessidades em matéria de propaganda, eles foram "coagidos" a acelerar um projecto que estava a ser cuidadosamente perparado, e que viria a permitir o regresso de diversas outras "cadelinhas espaciais" vivas á terra. Neste site (http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL168041-5603,00-RUSSOS+LEMBRAM+ANOS+DO+VOO+ESPACIAL+DA+CADELA+LAIKA.html) por exemplo, na minha opinião a questão é tratada dum modo mais sucinto e correcto: "Para satisfazer o capricho de Kruschev, o pai da cosmonáutica soviética, Serguei Koroliov, teve de improvisar sobre a nave uma cápsula espacial sem módulo de retorno." Por último recomendo este site que tem alguma informação adicional para quem se interessar pela questão: http://www.space.com/news/laika_anniversary_991103.html
martina
2009-11-14
22:01
tanho pena da cadela era linda!!!!
tanho 1 pagina com a historia dela e poque e que ela murreeu....
beatriz
2010-04-12
20:55
eu adorei a hestória dela
Gabriel
2010-09-12
02:55
Cara.. eu chorei quando li a historia dela... tenho muita pena mesmo. pobrezinha.
mariana
2011-02-25
23:08
Eu achei triste em saber que a pobre cadelinha que morreu no espasso mas tou com uma duvida a cadelinha laika morrreu no sol?
Marco Antonio
2011-04-02
16:31
Pena que a laika morreu, lea era fofa.
CaroLe ~
2011-06-28
14:09
"Laika morreu poucas horas após o lançamento, EM PÂNICO, devido ao sobreaquecimento da cabine." Mariana, lê direito. =)
Angeluce
2011-08-26
11:58
Li essa triste historia da Laika é de cortar o coração.
Vânia
2011-09-19
00:55
Eu não conhecia a história da cadela Laika...A parte a respeito da morte sempre foi omitida. Estou indignada com tamanha crueldade! Quanta falta de ética, de respeito à vida... Os seres humanos sempre se achando os donos do planeta! Os demais animais nao tem o mesmo direito à vida como nós? São cidadãos de segunda categoria?
guilherme
2012-10-27
10:42
Estou muito triste por ela ter morrido no espaço
ROSEMEIRE
2013-05-03
23:54
REALMENTE UMA HISTÓRIA MUITO TRISTE, POR SABER QUE A CADELINHA LAIKA MORREU, MÁS DESCOBRI HOJE NO HOSPITAL INFANTIL SABARÁ, PODEM ACREDITAR, LÁ TEM A NAVE ESPACIAL COM A HISTÓRIA DA CADELA LAIKA

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD

A espantosa capacidade de regeneração do pâncreas

Ébola não é porventura tão temível como a gripe

Bloquear os canais de potássio pode salvar vidas

Técnicas de meditação associadas ao budismo tibetano
podem melhorar o desempenho do cérebro

O meu automóvel conduz, estaciona e recarrega-se sozinho

Congresso Mundial de Investigação marinha
no Oceanário de Lisboa

Iraniana é a primeira mulher
a ser distinguida com o «Nobel» da Matemática

Alunos da UMinho desenvolvem protótipos todo-o-terreno

Todos pela Antártida

A Roseta foi ao cometa

Concelhos despovoados e com poucos bombeiros
são os mais atingidos pelos fogos

As barreiras dos serviços de saúde
que afectam os imigrantes

As barreiras dos serviços de saúde que afectam os imigrantes

“La réalité n’existe pas”

Como os mamíferos e as moscas se alimentam:
semelhanças surpreendentes

Células "secundarias" do sistema nervoso são afinal cruciais
para a cognição e doenças mentais

As duas caras da misteriosa Azobenzeno

Investigadores do Minho premiados no Brasil

Avanços na compreensão da doença de Parkinson
abrem novas portas terapêuticas

Ciência Hoje não tem férias! Apoie este jornal!