Receba as notícias:

Equipa liderada por português resolve o «problema do papel de parede»

Investigação sobre efeito-triângulo nos materiais adesivos finos publicada esta semana na «Nature Materials»

2008-04-01
Por Marta F. Reis
Pedro Reis demonstra efeito-triângulo em fita-cola (créditos: Donna Coveney)
Pedro Reis demonstra efeito-triângulo em fita-cola (créditos: Donna Coveney)

Papel de parede, fita-cola, película. O dilema é sempre o mesmo quando se precisa de utilizar um material adesivo fino. Mesmo que alguns pedaços saiam bem à primeira, toda a gente já perdeu alguns minutos a tentar cortar uma tira direita quando a ponta fica com uma forma triangular. Uma equipa de investigadores do Centro Nacional de Investigação Científica (CNRS), em França, da Universidade de Santiago, no Chile e do MIT, descobriu que, por trás desse motivo de frustração do dia-a-dia, estão apenas as leis da física. O estudo foi publicado esta semana na revista científica "Nature Materials".

Ver video em http://techtv.mit.edu/file/721?filename=Newsoffice-DoNotDistributeVideoURLBeforeSUNDAYMARCH302008771.flv

Pedro Reis (créditos: Donna Coveney)
Pedro Reis (créditos: Donna Coveney)

A investigação, liderada por Pedro Reis, professor do Departamento de Matemática do MIT, resolve o chamado "problema do papel de parede", um conhecido padrão em que os dois lados de uma tira adesiva se propagam um na direcção do outro até se encontrarem num ponto. Segundo o investigador, este problema aplica-se na prática não só ao papel de parede, e a outros adesivos finos como a fita-cola e a película plástico utilizada para embrulhar as capas do CDs, mas também à pele do tomate, da uva ou da ameixa .

"Já aconteceu com toda a gente. É frustrante", disse ao Ciência Hoje Pedro Reis. "Este projecto insere-se numa actividade mais ampla que estou a desenvolver com os meus colaboradores sobre a deformação de objectos elásticos finos. O facto de serem finos complica extremamente a física envolvida", acrescentou o investigador.

Rigidez energia de adesão e energia de fractura

A equipa descobriu que a forma triangular, obtida quando os pedaços de adesivos são fracturados e descolados de um substrato rígido, por exemplo de um rolo, resulta de uma interacção entre três propriedades inerentes aos materiais adesivos: elasticidade (ou rigidez), energia de adesão (a força com que o adesivo cola à superfície) e energia de fractura (a força com que é arrancado/rasgado).

"Através das nossas experiências e teoria conseguimos encontrar a relação entre o ângulo do pedaço triangular obtido com as três propriedades do material. Claro está que, apesar de cada uma destas propriedades ter já sido muito bem estudada individualmente, a forma como relacionamos as três é totalmente nova", salientou Pedro Reis.

A forma triangular era coerente, por isso tinha de haver algo fundamental que lhe desse origem. É assim que o investigador explica o que deu origem ao curioso estudo sobre uma dificuldade do dia-a-dia. "Apesar de ser um problema muito interessante do ponto de vista fundamental, chamou-nos também à atenção o facto de o encontrarmos regularmente na vida quotidiana", explica.

Mas para além de ajudar a perceber o porquê da "frustração de rasgar um pedaço de fita-cola", adianta Pedro Reis, a técnica desenvolvida pode ser utilizada para, em engenharia dos materiais, descobrir a terceira propriedade do adesivo quando se sabe as outras duas. Segundo o investigador, a utilidade desta descoberta ainda é maior porque se aplica a materiais finos, junto dos quais os métodos tradicionais da física dos materiais de medição das propriedades falham.

 Física e vida quotidiana

"A nossa teoria aplica-se a materiais finos, elásticos e isotrópicos. Percebendo de onde vem a física, poderão introduzir-se anisotropias para eliminar este efeito-triângulo", projectou Pedro Reis. "Estes estudos, apesar de terem como motivação inicial a investigação fundamental, podem ter um impacto tecnológico importante".

Outro objectivo importante, assinalou o responsável, é a divulgação científica que se consegue quando o público é capaz de estabelecer uma ligação entre os fenómenos da física e a vida quotidiana. Segundo Pedro Reis, se um jovem perceber que ainda há muitos fenómenos para os quais ainda não há explicações a motivação para a ciência vai ser muito maior. "O entusiasmar jovens e estudantes para estudar as ciências fundamentais é uma das missões cruciais de qualquer cientista", frisou.

As formas triangulares estudadas pelos cientistas podem ser vistas no trabalho do artista plástico francês Jacques Villeglé, que consiste em trabalhar posters das ruas de Paris e outras cidades francesas com colagens de tiras iguais às analisadas neste estudo. Um dos posters foi utilizado na capa da "Nature Materials" para ilustrar a investigação.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Nova lei da investigação clínica
publicada hoje em Diário da República

Dor condiciona actividades diárias dos doentes mais idosos

Fraunhofer Portugal Challenge premeia a ciência nacional

Investigadores da UC localizam a distribuição celular
da proteína envolvida na Alzheimer

Cocktails de pesticidas prejudicam a saúde dos solos

Polémica das Ciências do Mar:
resposta ao coordenador do painel de avaliação

Cancro de Mama “Triplo-negativo” e Metástases do Cérebro
«vencem» bolsas de investigação da Associação Laço

Galaxy Zoo abre as portas do Universo

“Será realista o mundo de Avatar ?”

São João da Madeira vence “Dá Power ao Electrão”

“Jogar” na Sala de aula: estudo da UC defende
a utilização de dispositivos móveis no ensino

Fobias: quem tem medo compra um cão!

Bolsas para Ciências do Mar: críticas vindas a público
são totalmente desprovidas de fundamento

Estudo sociológico sobre jovens portugueses/as
vence prémio mundial

Alunos do secundário desvendam a física das partículas na UMinho

Sabe escolher azeite de qualidade?
Se vai só pela acidez está errado!

Projecto internacional da UA mostra vantagens
da iluminação pública inteligente com LED

Candidatos denunciam irregularidades
na atribuição de bolsas da FCT

Cientista português ligado
a nova investigação sobre Alzheimer

Cancro e diabetes: políticas a longo prazo
reduzem incidência de casos

Quinta do Seixo é caso de estudo
para especialistas europeus em biodiversidade

Trinta concorrentes disputam meia-final do FameLab

Veneno de caracol marinho letal pode facultar
novos tratamentos para a dor crónica em humanos

Cientistas portugueses no maior projecto da UE
contra a degradação dos solos europeus

Inaugurada estação de seguimento do Galileo
em Santa Maria, Açores

Pressão para que as mulheres se casem
ainda é grande no século XXI

O doce sabor amargo de um trabalho
de Química Alimentar da UP

A menina dança? E na sua cabeça o que se passa?

Rastreio do cancro do cólon e recto: porque fazer e como fazer

Perspetivando os próximos invernos – interrogações
como que na ponte de um superpetroleiro