Receba as notícias:

Equipa liderada por português resolve o «problema do papel de parede»

Investigação sobre efeito-triângulo nos materiais adesivos finos publicada esta semana na «Nature Materials»

2008-04-01
Por Marta F. Reis
Pedro Reis demonstra efeito-triângulo em fita-cola (créditos: Donna Coveney)
Pedro Reis demonstra efeito-triângulo em fita-cola (créditos: Donna Coveney)

Papel de parede, fita-cola, película. O dilema é sempre o mesmo quando se precisa de utilizar um material adesivo fino. Mesmo que alguns pedaços saiam bem à primeira, toda a gente já perdeu alguns minutos a tentar cortar uma tira direita quando a ponta fica com uma forma triangular. Uma equipa de investigadores do Centro Nacional de Investigação Científica (CNRS), em França, da Universidade de Santiago, no Chile e do MIT, descobriu que, por trás desse motivo de frustração do dia-a-dia, estão apenas as leis da física. O estudo foi publicado esta semana na revista científica "Nature Materials".

Ver video em http://techtv.mit.edu/file/721?filename=Newsoffice-DoNotDistributeVideoURLBeforeSUNDAYMARCH302008771.flv

Pedro Reis (créditos: Donna Coveney)
Pedro Reis (créditos: Donna Coveney)

A investigação, liderada por Pedro Reis, professor do Departamento de Matemática do MIT, resolve o chamado "problema do papel de parede", um conhecido padrão em que os dois lados de uma tira adesiva se propagam um na direcção do outro até se encontrarem num ponto. Segundo o investigador, este problema aplica-se na prática não só ao papel de parede, e a outros adesivos finos como a fita-cola e a película plástico utilizada para embrulhar as capas do CDs, mas também à pele do tomate, da uva ou da ameixa .

"Já aconteceu com toda a gente. É frustrante", disse ao Ciência Hoje Pedro Reis. "Este projecto insere-se numa actividade mais ampla que estou a desenvolver com os meus colaboradores sobre a deformação de objectos elásticos finos. O facto de serem finos complica extremamente a física envolvida", acrescentou o investigador.

Rigidez energia de adesão e energia de fractura

A equipa descobriu que a forma triangular, obtida quando os pedaços de adesivos são fracturados e descolados de um substrato rígido, por exemplo de um rolo, resulta de uma interacção entre três propriedades inerentes aos materiais adesivos: elasticidade (ou rigidez), energia de adesão (a força com que o adesivo cola à superfície) e energia de fractura (a força com que é arrancado/rasgado).

"Através das nossas experiências e teoria conseguimos encontrar a relação entre o ângulo do pedaço triangular obtido com as três propriedades do material. Claro está que, apesar de cada uma destas propriedades ter já sido muito bem estudada individualmente, a forma como relacionamos as três é totalmente nova", salientou Pedro Reis.

A forma triangular era coerente, por isso tinha de haver algo fundamental que lhe desse origem. É assim que o investigador explica o que deu origem ao curioso estudo sobre uma dificuldade do dia-a-dia. "Apesar de ser um problema muito interessante do ponto de vista fundamental, chamou-nos também à atenção o facto de o encontrarmos regularmente na vida quotidiana", explica.

Mas para além de ajudar a perceber o porquê da "frustração de rasgar um pedaço de fita-cola", adianta Pedro Reis, a técnica desenvolvida pode ser utilizada para, em engenharia dos materiais, descobrir a terceira propriedade do adesivo quando se sabe as outras duas. Segundo o investigador, a utilidade desta descoberta ainda é maior porque se aplica a materiais finos, junto dos quais os métodos tradicionais da física dos materiais de medição das propriedades falham.

 Física e vida quotidiana

"A nossa teoria aplica-se a materiais finos, elásticos e isotrópicos. Percebendo de onde vem a física, poderão introduzir-se anisotropias para eliminar este efeito-triângulo", projectou Pedro Reis. "Estes estudos, apesar de terem como motivação inicial a investigação fundamental, podem ter um impacto tecnológico importante".

Outro objectivo importante, assinalou o responsável, é a divulgação científica que se consegue quando o público é capaz de estabelecer uma ligação entre os fenómenos da física e a vida quotidiana. Segundo Pedro Reis, se um jovem perceber que ainda há muitos fenómenos para os quais ainda não há explicações a motivação para a ciência vai ser muito maior. "O entusiasmar jovens e estudantes para estudar as ciências fundamentais é uma das missões cruciais de qualquer cientista", frisou.

As formas triangulares estudadas pelos cientistas podem ser vistas no trabalho do artista plástico francês Jacques Villeglé, que consiste em trabalhar posters das ruas de Paris e outras cidades francesas com colagens de tiras iguais às analisadas neste estudo. Um dos posters foi utilizado na capa da "Nature Materials" para ilustrar a investigação.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Utilizar Software de Código Aberto
permitiria ao Estado poupar milhões de euros

Sistema reduz de meses para dias o tempo necessário
para os cientistas testarem hipóteses

Empresa tecnológica de Braga serve milhões de pessoas

Investigadores de Coimbra avançam na luta
contra a febre da carraça e tifo epidémico

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD

A espantosa capacidade de regeneração do pâncreas

Ébola não é porventura tão temível como a gripe

Bloquear os canais de potássio pode salvar vidas

Técnicas de meditação associadas ao budismo tibetano
podem melhorar o desempenho do cérebro

O meu automóvel conduz, estaciona e recarrega-se sozinho

Congresso Mundial de Investigação marinha
no Oceanário de Lisboa

Iraniana é a primeira mulher
a ser distinguida com o «Nobel» da Matemática

Alunos da UMinho desenvolvem protótipos todo-o-terreno

Todos pela Antártida

A Roseta foi ao cometa

Concelhos despovoados e com poucos bombeiros
são os mais atingidos pelos fogos

As barreiras dos serviços de saúde
que afectam os imigrantes

As barreiras dos serviços de saúde que afectam os imigrantes

“La réalité n’existe pas”

Como os mamíferos e as moscas se alimentam:
semelhanças surpreendentes

Células "secundarias" do sistema nervoso são afinal cruciais
para a cognição e doenças mentais