Receba as notícias:

O que é o grafeno e por que motivo é interessante: um sumário

2008-07-17
Por Nuno Miguel Peres *
Nuno Peres
Nuno Peres

O grafeno foi desboberto no final do ano de 2004, no Centro de Nanotecnologia da Universidade de Manchester, dirigido pelo Prof. A. K. Geim. Este material é totalmente bidimensional e feito inteiramente de átomos de carbono, arranjados entre si numa rede hexagonal (ou de favo de mel).

 Como se explicará adiante em maior detalhe este sistema já encontrou aplicações na industria de células solares, em dispositivos de cristais líquidos, em sensores moleculares e no fabrico de protótipos de transistores de dimensões nanoescópicas. Também na área da investigação fundamental, a descoberta deste material revelou novos e excitantes efeitos físicos. Olhemos por com algum detalhe (embora necessariamente de forma qualitativa) para a física deste novo material.

* Professor Associado de Física, Dep. Física, Universidade do Minho. Co-autor do estudo da transparência do grafeno recentemente publicado na revista Science: “FINE STRUCTURE CONSTANT DEFINES THE VISUAL TRANSPARENCY OF GRAPHENE”, R. R. Nair, P. Blake, A. N. Grigorenko, K. S. Novoselov, T. J. Booth, T. Stauber, N. M. R. Peres, and A. K. Geim, Science 6 June 2008 320: 1308.

Tobias Stauber, outro co-autor do estudo
Tobias Stauber, outro co-autor do estudo

 A densidade electrónica do grafeno corresponde à situação em que se tem um electrão por cada átomo de carbono, sendo a estrutura de bandas do material determinada pela geometria da sua rede cristalina. Como resultado da estrutura de bandas e da densidade electrónica, a superfície de Fermi do grafeno reduz-se a seis pontos na zona de Brillouin. A estrutura de bandas do material em torno destes seis pontos é isotrópica e linear no momento do electrão.

A consequência deste facto é que a teoria efectiva que descreve a física do grafeno é a de uma modelo ultra-relativista, de partículas carregadas de massa nula (um tipo de partículas que não existe na física das partículas elementares). Assim a teoria efectiva não é a tradicional equação de Schrödinger mas sim a equação de Dirac em duas dimensões espaciais.

 O facto das excitações elementares no grafeno serem descritas pela equação de Dirac tem uma vasta gama de consequências, por vezes inesperadas, para as propriedades electrónicas deste material. Isto significa que as propriedades termodinâmicas, de transporte e espectrais necessitam de ser revisitadas, pois não são descritas pela física do convencional gás bidimensional de electrões.

A promessa de encontrar nova e excitante física no grafeno, a qual poderá levar a importantes aplicações em nanotecnologia tem sido o motor para a investigação neste campo em grande aceleração ao nível mundial. Instituições de topo mundial, como Boston University, MIT, Havard, Berkeley, Stanford, Manchester, Oxford, Universidade Autonoma de Madrid, Universidade de Leiden, Escola Normal Superior de Pisa, etc, têm neste momento fortes grupos teóricos e experimentais na física do grafeno.

 Entre os primeiros resultados espetaculares obtidos deste novo material está o efeito de campo medido pelo grupo de Manchester. Este grupo mostrou que o portadores de carga podem ser tanto electrões como vazios, dependendo da polaridade do compo eléctrico externo. Na presença de um forte campo magnético aplicado perpendicularmente ao grafeno, este sistema desenvolve um efeito de Hall quaântico não usual, cuja previsão teórica envolveu dois investigadores do Departamento de Física da Universidade do Minho, o autor e o Dr. Tobias Stauber (investigador germânico contratado ao abrigo do programa Ciência 2007).

A grande velocidade dos electrões no grafeno, c/300 (onde c é a velocidade da luz), permite a observação do efeito de Hall quântico à temperatura ambiente. Outros fenómenos de transporte igualmente espetaculares envolvem o transporte balístico de electrões ao longo de distâncias da ordem dos sub-micrometros e condutividades térmicas muito elevadas, o que abre a perspectiva de se produzirem dispositivos electrónicos com tempo de resposta muito rápidos que poderão no futuro vir a integrar uma nova geração de microchips ultra-rápidos.

Que as empresas líderes nesta áreas estão muito atentas a esta possibilidade é o facto da INTEL finaciar neste momento pelos menos o grupo na Universidade de Georgia Tech, Georgia, U.S.A, dedicado à investigação em grafeno.

 Um outro avanço recente, publicado conjuntamente na revista Science pelo grupo de Manchester e por dois investigadores do Departamento da Universidade do Minho (que efecturam o estudo teórico do efeito observado), foi a demonstração que ografeno apenas absorve 2.3% da luz que nele incide, numa gama de frequências que vai do infra-vermelho ao ultravioleta. Isto abre imediatamente a possiblidade de usar o grafeno como eléctrodos metálicos transparentes na industria de cristais líquidos e de células solares, existindo já protótipos em funcionamento.

O que é interessante do ponto de vista de física fundamental é que a transparência do grafeno não depende de nenhum parâmetro do material, sendo apenas controlada por uma constante fundamental, a constante de estrutura fina, a qual está normalmente associada à física das partículas e das altas energias, uma situação muito rara em física da matéria condensada.

Igualmente, já foi demonstrada a possibilidade de construir protótipos de transistores feitos de pontos quânticos de grafeno, apontando esta linha de investigação para o desenvolvimento de uma electrónica de base interamente molecular.

 Em conclusão o grafeno abriu novas avenidas ao nosso conhecimento de ciência fundamental e promete aplicações futuras em nanotecnologia que não eram concebíveis antes da sua descoberta.


Leituras adicionais:

A. K. Geim and P. Kim, “Carbon Wonderland”, Scientific American, 90 (April 2008).
A. K. Geim and A. H. MacDonald, “Graphene: Exploring Carbon Flatland”, Physics Today 60, 35 (2007).
A. H. Castro Neto, F. Guinea, N. M. R. Peres, “Drawing Conclusions from Graphene”, Physics World, November (2006).

Pedro
2008-07-17
22:17
Muito interessantes as propriedades do Grafeno. Espero que os investigadores do INL descubram também novos materiais.
E felicito-vos por nos fornecerem estas notícias interessantíssimas todos os dias. Este jornal é a prova que a ciência em Portugal não está tão má.
Continuem.
Cecilia Reis Peres
2008-07-18
15:33
Aos investigadores as maiores Felicitações pelo trabalho efectuado fazendo votos para que continuem na boa Investigação
Antonio
2008-08-19
22:54
Estou espantado com as ptencialidades desse material, quase me parece tratar-se de um elemento surrealista a sair da própria ficção. Espero que se desenvolvam as suas aptidões para eventualmente vermos um mundo explendidamente maravilhoso!
INEIDA MARIA DE OLIVEIRA E SILVEIRA
2008-10-23
03:09
Também me surpreendi com esta nova descoberta. Mediante resultados de pesquisas, acredito que os cientistas conseguirão ainda muito no que se refere ao grafeno. Que Deus ilumine os pesquisadores e que as descobertas futuras ajudem a humanidade a ser mais feliz!
Juliana
2009-03-26
13:38
Grande descoberta, promete revolucionar muito do que conhecemos sobre materiais condutores e semicondutores, até mesmo pelo fato dele ser bidimensional
Fernando
2010-06-03
20:57
tenho amostra de grafeno
óxido líquido,mas não tenho a menor ideia de como usar .alguém sabe ?
Celso
2010-09-07
16:26
o grafeno vai revolucionar o mundo da informatica tambem com processadores super pequenos
Valdir sebastião Fernandes de Souza
2010-10-05
17:34
Em conclusão o grafeno abriu novas avenidas ao nosso conhecimento de ciência fundamental e promete aplicações futuras em nanotecnologia que não eram concebíveis antes da sua descoberta.
Iolanda de Albuquerque Pereira
2010-10-23
14:27
Extremamente interessante. É muito bom saber que em tempos onde vemos aspectos tão negativos da personalidade do ser humano, em contrapartida, observamos a evolução de outros ,imbuidos no estudo para a melhoria do desenvolvimento.Torço para que sejam utilizados para elevar as condições da vida de todos.
José Neves
2010-10-26
20:04
Olá boa tarde.
Venho por este meio, enderecer o meu interesse neste assunto, na medida em que estou a tirar o mestrado em engenharia quimica e tenho um trabalho para fazer, precisamente sobre o grafeno.

Quem tiver alguns textos relativos a aplicações detalhadas, agradecia que me enviassem via e-mail para:

ze_mcneves_crx@hotmail.com

Obrigado pela atenção.
Ana Costa
2010-11-27
23:26
Olá boa noite.

Como mestranda em Design de Produto, este desenvolvimento é de todo do meu interesse.
Encontro-me agora a realizar um trabalho acerca do grafeno e o material publicado acerca do mesmo é escasso.

Gostaria assim, de saber como posso ter acesso ás referências acima mencionadas (leituras adicionais), ou quaisquer outras informações.

Grata pela atenção.
carlos a. thomaz da silva..............................................................................
2012-01-17
12:33
imaginem os poderes dos processadores futuros atraves do grafeno!
o que serao capazes de criar e de resolver com o novo sistema de computadores, como sera o NOVO MUNDO?
Silva
2012-02-02
20:43
Com a descoberta revolucionária deste material, a informática como a conhecemos nunca mais será a mesma, as aplicações serão inimagináveis... grafeno seja bem vindo a vida.
LUIZ PERES PICOLOMINI
2012-04-08
15:45
ACREDITO QUE COM A VINDA DO GRAFENO NOSSO FUTURO DEVERÁ SER AINDA MAIS PROMISSOR. ALEM DA VELOCIDADE DA INFORMAÇÃO ACREDITO TAMBEM QUE OS PRODUTOS QUE UTILIZARÃO O GRAFENO DEVERÃO SER MUITO MENOS POLUENTES E BASTANTE RECICLAVEIS.
SEJA BEM VINDO LOGO GRAFENO
Edgar Portes de Souza
2012-05-09
22:04
A aplicação aeronáutica do grafeno permitiria seu uso no revestimento de estruturas alares,e de partes superiores da fuselagem, dando eficiência a captadores de energia solar para movimentações de motores e comandos de superfície. Seria isso possível?

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Nova lei da investigação clínica
publicada hoje em Diário da República

Dor condiciona actividades diárias dos doentes mais idosos

Fraunhofer Portugal Challenge premeia a ciência nacional

Investigadores da UC localizam a distribuição celular
da proteína envolvida na Alzheimer

Cocktails de pesticidas prejudicam a saúde dos solos

Polémica das Ciências do Mar:
resposta ao coordenador do painel de avaliação

Cancro de Mama “Triplo-negativo” e Metástases do Cérebro
«vencem» bolsas de investigação da Associação Laço

Galaxy Zoo abre as portas do Universo

“Será realista o mundo de Avatar ?”

São João da Madeira vence “Dá Power ao Electrão”

“Jogar” na Sala de aula: estudo da UC defende
a utilização de dispositivos móveis no ensino

Fobias: quem tem medo compra um cão!

Bolsas para Ciências do Mar: críticas vindas a público
são totalmente desprovidas de fundamento

Estudo sociológico sobre jovens portugueses/as
vence prémio mundial

Alunos do secundário desvendam a física das partículas na UMinho

Sabe escolher azeite de qualidade?
Se vai só pela acidez está errado!

Projecto internacional da UA mostra vantagens
da iluminação pública inteligente com LED

Candidatos denunciam irregularidades
na atribuição de bolsas da FCT

Cientista português ligado
a nova investigação sobre Alzheimer

Cancro e diabetes: políticas a longo prazo
reduzem incidência de casos

Quinta do Seixo é caso de estudo
para especialistas europeus em biodiversidade

Trinta concorrentes disputam meia-final do FameLab

Veneno de caracol marinho letal pode facultar
novos tratamentos para a dor crónica em humanos

Cientistas portugueses no maior projecto da UE
contra a degradação dos solos europeus

Inaugurada estação de seguimento do Galileo
em Santa Maria, Açores

Pressão para que as mulheres se casem
ainda é grande no século XXI

O doce sabor amargo de um trabalho
de Química Alimentar da UP

A menina dança? E na sua cabeça o que se passa?

Rastreio do cancro do cólon e recto: porque fazer e como fazer

Perspetivando os próximos invernos – interrogações
como que na ponte de um superpetroleiro