Receba as notícias:

Diversidade étnica no ensino básico promove harmonia

2008-07-24
Estudo mostra que atitude integracionista ajuda as crianças
Estudo mostra que atitude integracionista ajuda as crianças
A composição étnica das escolas básicas tem impacto directo nas atitudes das crianças para com etnias diferentes e na sua capacidade de se darem bem com os colegas, conclui um estudo britânico hoje divulgado.

A investigação durou um ano, com três séries de entrevistas feitas com seis meses de intervalo em 20 escolas básicas em Sussex e Kent, nas quais também participaram professores. No total, o estudo envolveu 398 crianças, das quais 218 pertencentes a minorias étnicas, sendo a maioria de origem indiana e variando a composição étnica das escolas entre 02 por cento e 63 por cento.

Sublinhando os desafios enfrentados pelos filhos de imigrantes, o estudo mostra também que os alunos de escolas com maior diversidade étnica têm menos problemas de relacionamento com os colegas e menos preconceitos dos que os de escolas de composição mais homogénea.

As entrevistas dos investigadores das universidades de Sussex e Kent às crianças de grupos étnicos minoritários incidiram sobre as suas atitudes em relação a si próprios, à herança e à cultura, e ao relacionamento com os colegas.

Os resultados indicam que a grande maioria dos filhos de famílias de imigrantes quer manter a sua identidade étnica, incluindo a língua e os costumes religiosos, mas está ao mesmo tempo disponível para assimilar as práticas e os valores da sociedade anfitriã.

Esta preferência, conhecida como orientação integracionista, é já clara em crianças com apenas cinco anos, mas é ainda mais marcada nos grupos de mais idade (8-11 anos). O estudo mostra que esta atitude integracionista ajuda as crianças tanto emocionalmente como socialmente.

Grupos minoritários com auto-estima mais baixa

No início do estudo, os investigadores observaram que as crianças de grupos minoritários, em particular de famílias de imigrantes de primeira geração, tinham em geral auto-estima mais baixa e eram menos bem aceites pelos colegas ingleses brancos. Porém, entrevistadas 06 a 12 meses depois, as dotadas de orientação integracionista mostraram melhorias significativas nas duas vertentes.

Por outro lado, as crianças com esta orientação, em especial as de primeira geração de imigrantes, são mais susceptíveis de revelar sintomas de ansiedade social do que as mais centradas nas suas heranças culturais, que são também mais envolvidas em incidentes de discriminação racial.

Estes efeitos adversos são menos comuns em filhos de imigrantes de escolas com um nível relativamente elevado de diversidade cultural do que nos de escolas com proporção mais baixa de minorias étnicas.

"Quando a proporção de crianças de minorias étnicas nas escolas é superior a 20 por cento, constatámos que tanto as crianças de minorias étnicas como as crianças da maioria tendem a ter auto-estima mais alta que as crianças em geral têm mais amizades com crianças de outros grupos étnicos, e que ocorreram menos problemas de relacionamento, como o bullying", afirmou Rupert Brown, principal autor do estudo.

Teresa Leite
2008-07-25
08:20
Um estudo que seria interessante fazer em Portugal com a diversidade de etnias que actualmente existe nas nossas escolas. Fazer um estudo por grupos e/ou por escolas.
O estudo aqui relatado pareceu-me que se refere a uma predominância de crianças indianas, portanto um estudo não tâo abrangente como poderá acontecer em Portugal.
H. Carmona da Mota
2008-07-25
10:28
Era de esperar que assim fosse; é desse modo que todas as crianças adoptam os valores sociais -- os da família, primeiro; os da escola, depois, integrando-os.
Não li o artigo original pelo que questiono o título do artigo: "Diversidade étnica no ensino básico promove harmonia".
Promove ou está associado ? É de esperar que os pais evitem escolas onde não houver harmonia.
marcelo
2009-08-20
21:32
esse texto mostra como e mais omenos a diversidades etinica cultural erasial nas escolas mostra tambem o preconceito e muitas outras coisas
thais
2009-09-03
19:27
gostei muito desse site,pois achei o que eu queria...

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Fantasias sexuais: você é normal?

Maria Machado, do CIIMAR, com o melhor poster
na Conferência Europeia de Aquacultura

Detectar metástases pela axila e usar estímulos elétricos para recuperação motora

Crianças com melhor coordenação motora
apresentaram melhores resultados em tarefas cognitivas

Vai um queijo da Serra da Estrela com flor de castanheiro?

Nasce o maior instituto de investigação
em astrofísica de Portugal

Universidade de Aveiro «exporta» pastéis de nata

Como «infectar» as células vizinhas normais
tornando-as cancerosas

Mais mulheres menos cancro da próstata?

UMinho desenvolve método
para a libertação direccionada de fármacos

Para acabar (de vez?) com a turbulência nos aviões

Investigadores descobrem como os micróbios
constroem um poderoso antibiótico

Investigadora do CEDOC vence prémio FAZ Innovate Competition

UMinho cria gestor de exames à la carte

How tilapias use urine to attract females

UC participa solução inovadora
de apoio a pacientes em reabilitação cardíaca

Novos métodos para manter a qualidade das batatas

Cunha-Vaz distinguido com Prémio Albert C. Muse

Bactéria da flora intestinal de mosquitos
pode bloquear transmissão de malária e dengue

Subvalorizar o Ébola é crime!

Pepinos do mar já podem ser produzidos em aquacultura

A Ciência na educação pré-escolar

A guerra dos espermatozóides

O Viagra protege o coração para além do quarto

Premiado dispositivo portátil
para recuperar lesões desportivas

Aí está o andarilho inteligente motorizado
com «marca» portuguesa

Ajuda de emergência para «overdoses»

Investigadores portugueses abrem novas possibilidades
no desenho de vacinas contra o cancro

Porquê eu? Muitas mulheres que vivem na pobreza
culpam os filhos e a vida amorosa

O papel dos "oásis" oceânicos nas interacções
entre organismos marinhos