Receba as notícias:

Diversidade étnica no ensino básico promove harmonia

2008-07-24
Estudo mostra que atitude integracionista ajuda as crianças
Estudo mostra que atitude integracionista ajuda as crianças
A composição étnica das escolas básicas tem impacto directo nas atitudes das crianças para com etnias diferentes e na sua capacidade de se darem bem com os colegas, conclui um estudo britânico hoje divulgado.

A investigação durou um ano, com três séries de entrevistas feitas com seis meses de intervalo em 20 escolas básicas em Sussex e Kent, nas quais também participaram professores. No total, o estudo envolveu 398 crianças, das quais 218 pertencentes a minorias étnicas, sendo a maioria de origem indiana e variando a composição étnica das escolas entre 02 por cento e 63 por cento.

Sublinhando os desafios enfrentados pelos filhos de imigrantes, o estudo mostra também que os alunos de escolas com maior diversidade étnica têm menos problemas de relacionamento com os colegas e menos preconceitos dos que os de escolas de composição mais homogénea.

As entrevistas dos investigadores das universidades de Sussex e Kent às crianças de grupos étnicos minoritários incidiram sobre as suas atitudes em relação a si próprios, à herança e à cultura, e ao relacionamento com os colegas.

Os resultados indicam que a grande maioria dos filhos de famílias de imigrantes quer manter a sua identidade étnica, incluindo a língua e os costumes religiosos, mas está ao mesmo tempo disponível para assimilar as práticas e os valores da sociedade anfitriã.

Esta preferência, conhecida como orientação integracionista, é já clara em crianças com apenas cinco anos, mas é ainda mais marcada nos grupos de mais idade (8-11 anos). O estudo mostra que esta atitude integracionista ajuda as crianças tanto emocionalmente como socialmente.

Grupos minoritários com auto-estima mais baixa

No início do estudo, os investigadores observaram que as crianças de grupos minoritários, em particular de famílias de imigrantes de primeira geração, tinham em geral auto-estima mais baixa e eram menos bem aceites pelos colegas ingleses brancos. Porém, entrevistadas 06 a 12 meses depois, as dotadas de orientação integracionista mostraram melhorias significativas nas duas vertentes.

Por outro lado, as crianças com esta orientação, em especial as de primeira geração de imigrantes, são mais susceptíveis de revelar sintomas de ansiedade social do que as mais centradas nas suas heranças culturais, que são também mais envolvidas em incidentes de discriminação racial.

Estes efeitos adversos são menos comuns em filhos de imigrantes de escolas com um nível relativamente elevado de diversidade cultural do que nos de escolas com proporção mais baixa de minorias étnicas.

"Quando a proporção de crianças de minorias étnicas nas escolas é superior a 20 por cento, constatámos que tanto as crianças de minorias étnicas como as crianças da maioria tendem a ter auto-estima mais alta que as crianças em geral têm mais amizades com crianças de outros grupos étnicos, e que ocorreram menos problemas de relacionamento, como o bullying", afirmou Rupert Brown, principal autor do estudo.

Teresa Leite
2008-07-25
08:20
Um estudo que seria interessante fazer em Portugal com a diversidade de etnias que actualmente existe nas nossas escolas. Fazer um estudo por grupos e/ou por escolas.
O estudo aqui relatado pareceu-me que se refere a uma predominância de crianças indianas, portanto um estudo não tâo abrangente como poderá acontecer em Portugal.
H. Carmona da Mota
2008-07-25
10:28
Era de esperar que assim fosse; é desse modo que todas as crianças adoptam os valores sociais -- os da família, primeiro; os da escola, depois, integrando-os.
Não li o artigo original pelo que questiono o título do artigo: "Diversidade étnica no ensino básico promove harmonia".
Promove ou está associado ? É de esperar que os pais evitem escolas onde não houver harmonia.
marcelo
2009-08-20
21:32
esse texto mostra como e mais omenos a diversidades etinica cultural erasial nas escolas mostra tambem o preconceito e muitas outras coisas
thais
2009-09-03
19:27
gostei muito desse site,pois achei o que eu queria...

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Scientists discovered a new player in mental diseases

Insucesso Escolar e competências transversais:
uma forma alternativa de observar o problema…

Investigador do IPLeiria distinguido nos EUA
na área da Biomecânica do Desporto

Luísa «lança-se» aos mares
e «deixa» a esclerose em terra

«Importa perceber o grau
de literacia científica do ilustrador

As mulheres ainda preferem o parto natural

Portugal acolhe o maior Congresso Europeu sobre a China

Cegonhas «contra» nova directiva Europeia

Associação Portuguesa de Estudos Franceses
recebe Prémio Hervé Deluen

Reclusos de Castelo Branco vão ver o sol
(não aos quadradinhos)

Fernando Pestana da Costa eleito presidente da SPM

Hortas urbanas têm solos com excesso de metais pesados

Coimbra cria programa pioneiro para a infertilidade

Jovem português «bronzeia-se» na Física

Aditivos alimentares sintéticos e naturais:
quem vai ganhar a «guerra»?

Qual é o número de moléculas dentro de células?

CESPU e Universidade de Barcelona
juntas no ensino da saúde

João Ramalho- Santos lidera CNC

GILEAD SCIENCES apoia projectos científicos
com 200 mil euros

Marta Catarino é vice-presidente da associação europeia
de transferência de conhecimento

Dr. ROAD – o “médico” das estradas - nasce em Coimbra

Um «osso» para a cabeça? Uma porta para o carro?
Uma peça para uma aeronave? É para já!

Livro ensina pais a alimentarem crianças

Investigadores do Porto distinguidos
com Prémio Grünenthal Dor

Portugueses conquistam duplo bronze
nas Olimpíadas Internacionais de Biologia

Rui Costa vence mais um prémio internacional

Quando a matemática «joga» rugby

UTAD valoriza da Dieta Mediterrânica

Vem aí o Aquila, o Fórmula 1
da Universidade de Aveiro

Computadores «aprendem» português em Coimbra