Receba as notícias:

Florestas auto-vigiadas: MIT desenvolve sensores climatéricos alimentados pelas próprias árvores

2008-09-22
A floresta acciona o sistema de alerta
A floresta acciona o sistema de alerta
Uma equipa de cientistas do MIT está desenvolver um novo sistema de alerta para fogos florestais auto-alimentado pela própria floresta. Segundo o comunicado da instituição, sensores mais pequenos e com baterias individuais recarregáveis pela energia produzida pelas árvores, poderão vir a complementar ou substituir ferramentas como as estações climatéricas autónomas.

Os dispositivos agora apresentados têm por objectivo fornecer dados mais precisos sobre as condições locais, de forma a gerir modelos de previsão e alerta precoce de catástrofes. Até aqui, a ideia de cobrir vastas áreas florestais com pequenos sensores era vista como impraticável devido às dificuldades de manutenção de aparelhos com altos gastos energéticos e instalados em zonas de difícil acesso.

De acordo com o estudo hoje divulgado pelo Departamento de Engenharia Biomedica do MIT, o novo sistema, auto-sustentável, é capaz de garantir o funcionamento de sensores de temperatura e humidade e a respectiva transmissão de pacotes de dados, quatro vezes por dia ou, de forma imediata, em caso de incêndio.

Actualmente a ser testado no estado de Idaho, nos Estados Unidos, onde uma estação climatérica recebe os dados transmitidos de dispositivo em dispositivo, os cientistas envolvidos no projecto defendem que, apesar de já se saber que as árvores produziam pequenas quantidades de electricidade, é a primeira vez que são utilizadas como fonte de energia para uma aplicação concreta.

"É um fenómeno bastante simples: resulta do desequilivrio de pH entre a árvore o solo onde esta cresce", explicou Andreas Mershin, um dos responsáveis pelo sistema.

A rede de sensores está a ser desenvolvida em parceria com a Voltree Power (http://voltreepower.com ) e deverá começar a operar nos Estados Unidos na Primavera de 2009.

"Vamos ter de equipar quarto árvores por acre (a primeira área em estudo terá 10 acres) (…) neste momento estamos a trabalhar na configuração da rede de sensores wireless, de forma a ser preciso o mínimo de energia", sublinhou Christopher J. Love, primeiro-autor do artigo já publicado na revista PLoS ONE.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Dores nas costas e hérnias discais

Investigação sobre Cancro, AVC e descontaminação da água
por medicamentos distingue jovens investigadoras

UTAD investiga valor nutricional do leite de golfinhos

Terapia amiga do ambiente descontamina
águas das pisciculturas

Portas abertas para novos tratamentos
para a artrite reumatóide

Gosta de merujes? Vão aparecer na sua mesa!

Estudantes de medicina apostam
na formação científica e humana

Investigadora da Universidade de Coimbra premiada
pela Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas

UC estuda o impacto do novo metro igeiro de Macau

Hepatite C: nova realidade, novos horizontes

Saúde do cérebro e do coração começa na boca

Descoberto o responsável pelo surgimento
de problemas de memória

UA combate contrafacção com códigos DNA para marcas

Investigadores belgas e franceses medem
a temperatura do coração das estrelas

Estudante da UA imprime circuitos electrónicos em papel

Je suis Charlie

Investigações sobre cromossomas e doença de Huntington
premiadas hoje pela FLAD

Investigadora da UTAD distinguida na Galiza
com Prémio “Vicente Risco”

Compostos descobertos na casca do eucalipto
já têm método de extracção

Em 2015 continuo a supor que poderíamos ter pedido baunilha…

Investigadores de Coimbra querem melhorar
prognóstico do transplante de fígado

Curador do primeiro planetário da América
vai ser português

Humilhação dos 7-1 leva o Brasil
a olhar para a ciência

Carlos Ribeiro eleito para o primeiro grupo
dos FENS-Kavli Scholars

Rotundas virtuais vão projectar rotundas reais
seguras e amigas do ambiente

Dê azeite ao seu coração

Dois jovens cientistas portugueses
entre oito distinguidos pela EMBO

Neste Ano Novo dê o seu apoio ao Ciência Hoje

Efeitos da cafeína diferem com ou sem açúcar?

António Fernandes da Fonseca deixou a “sua marca”
na passagem pelo Mundo!