Receba as notícias:

Florestas auto-vigiadas: MIT desenvolve sensores climatéricos alimentados pelas próprias árvores

2008-09-22
A floresta acciona o sistema de alerta
A floresta acciona o sistema de alerta
Uma equipa de cientistas do MIT está desenvolver um novo sistema de alerta para fogos florestais auto-alimentado pela própria floresta. Segundo o comunicado da instituição, sensores mais pequenos e com baterias individuais recarregáveis pela energia produzida pelas árvores, poderão vir a complementar ou substituir ferramentas como as estações climatéricas autónomas.

Os dispositivos agora apresentados têm por objectivo fornecer dados mais precisos sobre as condições locais, de forma a gerir modelos de previsão e alerta precoce de catástrofes. Até aqui, a ideia de cobrir vastas áreas florestais com pequenos sensores era vista como impraticável devido às dificuldades de manutenção de aparelhos com altos gastos energéticos e instalados em zonas de difícil acesso.

De acordo com o estudo hoje divulgado pelo Departamento de Engenharia Biomedica do MIT, o novo sistema, auto-sustentável, é capaz de garantir o funcionamento de sensores de temperatura e humidade e a respectiva transmissão de pacotes de dados, quatro vezes por dia ou, de forma imediata, em caso de incêndio.

Actualmente a ser testado no estado de Idaho, nos Estados Unidos, onde uma estação climatérica recebe os dados transmitidos de dispositivo em dispositivo, os cientistas envolvidos no projecto defendem que, apesar de já se saber que as árvores produziam pequenas quantidades de electricidade, é a primeira vez que são utilizadas como fonte de energia para uma aplicação concreta.

"É um fenómeno bastante simples: resulta do desequilivrio de pH entre a árvore o solo onde esta cresce", explicou Andreas Mershin, um dos responsáveis pelo sistema.

A rede de sensores está a ser desenvolvida em parceria com a Voltree Power (http://voltreepower.com ) e deverá começar a operar nos Estados Unidos na Primavera de 2009.

"Vamos ter de equipar quarto árvores por acre (a primeira área em estudo terá 10 acres) (…) neste momento estamos a trabalhar na configuração da rede de sensores wireless, de forma a ser preciso o mínimo de energia", sublinhou Christopher J. Love, primeiro-autor do artigo já publicado na revista PLoS ONE.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Nova lei da investigação clínica
publicada hoje em Diário da República

Dor condiciona actividades diárias dos doentes mais idosos

Fraunhofer Portugal Challenge premeia a ciência nacional

Investigadores da UC localizam a distribuição celular
da proteína envolvida na Alzheimer

Cocktails de pesticidas prejudicam a saúde dos solos

Polémica das Ciências do Mar:
resposta ao coordenador do painel de avaliação

Cancro de Mama “Triplo-negativo” e Metástases do Cérebro
«vencem» bolsas de investigação da Associação Laço

Galaxy Zoo abre as portas do Universo

“Será realista o mundo de Avatar ?”

São João da Madeira vence “Dá Power ao Electrão”

“Jogar” na Sala de aula: estudo da UC defende
a utilização de dispositivos móveis no ensino

Fobias: quem tem medo compra um cão!

Bolsas para Ciências do Mar: críticas vindas a público
são totalmente desprovidas de fundamento

Estudo sociológico sobre jovens portugueses/as
vence prémio mundial

Alunos do secundário desvendam a física das partículas na UMinho

Sabe escolher azeite de qualidade?
Se vai só pela acidez está errado!

Projecto internacional da UA mostra vantagens
da iluminação pública inteligente com LED

Candidatos denunciam irregularidades
na atribuição de bolsas da FCT

Cientista português ligado
a nova investigação sobre Alzheimer

Cancro e diabetes: políticas a longo prazo
reduzem incidência de casos

Quinta do Seixo é caso de estudo
para especialistas europeus em biodiversidade

Trinta concorrentes disputam meia-final do FameLab

Veneno de caracol marinho letal pode facultar
novos tratamentos para a dor crónica em humanos

Cientistas portugueses no maior projecto da UE
contra a degradação dos solos europeus

Inaugurada estação de seguimento do Galileo
em Santa Maria, Açores

Pressão para que as mulheres se casem
ainda é grande no século XXI

O doce sabor amargo de um trabalho
de Química Alimentar da UP

A menina dança? E na sua cabeça o que se passa?

Rastreio do cancro do cólon e recto: porque fazer e como fazer

Perspetivando os próximos invernos – interrogações
como que na ponte de um superpetroleiro