Receba as notícias:

Florestas auto-vigiadas: MIT desenvolve sensores climatéricos alimentados pelas próprias árvores

2008-09-22
A floresta acciona o sistema de alerta
A floresta acciona o sistema de alerta
Uma equipa de cientistas do MIT está desenvolver um novo sistema de alerta para fogos florestais auto-alimentado pela própria floresta. Segundo o comunicado da instituição, sensores mais pequenos e com baterias individuais recarregáveis pela energia produzida pelas árvores, poderão vir a complementar ou substituir ferramentas como as estações climatéricas autónomas.

Os dispositivos agora apresentados têm por objectivo fornecer dados mais precisos sobre as condições locais, de forma a gerir modelos de previsão e alerta precoce de catástrofes. Até aqui, a ideia de cobrir vastas áreas florestais com pequenos sensores era vista como impraticável devido às dificuldades de manutenção de aparelhos com altos gastos energéticos e instalados em zonas de difícil acesso.

De acordo com o estudo hoje divulgado pelo Departamento de Engenharia Biomedica do MIT, o novo sistema, auto-sustentável, é capaz de garantir o funcionamento de sensores de temperatura e humidade e a respectiva transmissão de pacotes de dados, quatro vezes por dia ou, de forma imediata, em caso de incêndio.

Actualmente a ser testado no estado de Idaho, nos Estados Unidos, onde uma estação climatérica recebe os dados transmitidos de dispositivo em dispositivo, os cientistas envolvidos no projecto defendem que, apesar de já se saber que as árvores produziam pequenas quantidades de electricidade, é a primeira vez que são utilizadas como fonte de energia para uma aplicação concreta.

"É um fenómeno bastante simples: resulta do desequilivrio de pH entre a árvore o solo onde esta cresce", explicou Andreas Mershin, um dos responsáveis pelo sistema.

A rede de sensores está a ser desenvolvida em parceria com a Voltree Power (http://voltreepower.com ) e deverá começar a operar nos Estados Unidos na Primavera de 2009.

"Vamos ter de equipar quarto árvores por acre (a primeira área em estudo terá 10 acres) (…) neste momento estamos a trabalhar na configuração da rede de sensores wireless, de forma a ser preciso o mínimo de energia", sublinhou Christopher J. Love, primeiro-autor do artigo já publicado na revista PLoS ONE.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Investigadora da UC financiada para estudar
combate à retinopatia diabética

Excesso de peso aos 50 anos pode provocar
surgimento precoce de Alzheimer

Só Cávado, Lisboa, Setúbal e Algarve
não perderão população

Descoberta da Universidade de Coimbra pode ajudar
a tratar doenças do coração

Eco Camp revela cidade completamente sustentável

Esperança média de vida mundial
cresce seis anos mas com pior saúde

Implicações da expansão do Canal de Suez
na biodiversidade marinha do Mediterrâneo

Vacina universal contra a gripe
pode estar mais perto de ser desenvolvida

UTAD aposta em “jardins terapêuticos”

Café ajuda no combate ao cancro do cólon

Em busca da matéria escura

Trabalhar em demasia potencia risco de AVC

Cigarro electrónico é menos nocivo do que o normal

Já pode consultar estado dos incêndios em tempo real

Doutorando português vence prémio internacional

OMS cria em Macau centro de cooperação
para a medicina tradicional chinesa

Inadequação social, desemprego e problemas financeiros
«ajudam» a manter consumo de drogas

Brasil poderá ter vacina contra dengue em 2018

Médico português cria ‘app’ para diagnosticar
doenças sexuais masculinas

Português recebe prémio de melhor tese
de doutoramento do Mundo

Cientista português participa em estudo que revela
perturbações idênticas às da esquizofrenia e autismo

Brasil constrói laboratório de combate à tuberculose
em São Tomé e Príncipe

Docente da Universidade de Coimbra
preside a rede europeia

Fórum Económico Mundial destaca start-up da UMinho

Campanha de vacinação em Timor-Leste
beneficia mais de 93% das criança por cento

Suplemento alimentar para vacas leiteiras
reduz emissões de metano

Como proliferam as células dos vasos sanguíneos
em redor de um tumor

Sistema híbrido à base de hidrogel
«ataca» cancro da próstata

Insecto vai atacar uma das piores plantas invasoras em Portugal

Português na descoberta de que redução de enzima
na doença de Parkinson abre portas a novos tratamentos