Receba as notícias:

Prova 2 - «O que Darwin viu nas Galápagos»

Concurso «Na Senda de Darwin» - Prova apresentada pela equipa «Tritões»

A 15 de Setembro de 1825, o naturalista Charles Darwin embarcou no Beagle da marinha britânica com apenas 25 anos, com destino as ilhas Galápagos onde ficou 35 dias, cinco semanas.

Já nas Galápagos visitou apenas 4 ilhas: são Cristóvão, Floreana, Isabela e Santiago. Durante a sua expedição a estas ilhas tirou anotações e ficou fascinado com as características únicas e diferentes que cada uma das ilhas apresentava.

Ao chegar às ilhas Galápagos, Darwin ficou inicialmente bastante desapontado com o que viu, não percebendo logo de imediato a relevância das suas observações, tomando consciência do valor das suas anotações e registos apenas anos depois da sua viagem.

Podemos dizer que o que chamou mais a atenção a Darwin nas Galápagos foram as tartarugas gigantes e os tentilhões.

Os tentilhões são pássaros de pequeno porte, que apresentam uma grande diversidade de formas do bico, as quais estão adaptadas a funções especificas. Uma destas funções é, por exemplo, a necessidade de quebrar as sementes, sendo os bicos largos e muito resistentes. A análise dos bicos dos tentilhões terá levado Darwin a pensar que os seres evoluem, apresentando as características que são mais favoráveis ao meio ambiente em que estão inseridos. Os tentilhões parecem ser um excelente exemplo de uma evolução divergente, atendendo à diversidade de habitats que as ilhas Galápagos proporcionam.
Também nas Galápagos, Darwin foi alertado sobre as diferenças das tartarugas gigantes de ilha para ilha, não lhe dando grande importância, na altura,  mas mesmo assim levou exemplares delas para Inglaterra e algumas anotações, a partir das quais Darwin encontrou a base para fundamentar a percepção da diferenciação das espécies.

Tendo os Galápagos uma formação geológica muito particular, e devido ao isolamento das ilhas do continente, Darwin conseguiu compreender o meio ambiente único existente nas ilhas Galápagos através de analises ao solo, à observação da flora e fauna.

Enquanto escrevia o seu diário da viagem do Beagle escreveu “ A história natural dessas ilhas é certamente curiosa, e merece atenção. As maiorias das produções orgânicas são criações nativas, não encontradas em nenhum outro lugar.”

Assim, podemos concluir que foi nas Galápagos que Darwin se percebeu que são os longos períodos de selecção natural, os responsáveis pela diversidade das espécies ao nosso redor, que sempre tiveram que lutar pela sobrevivência.

Passados os 35 dias, Darwin volta a Inglaterra, onde ficou a estudar para publicar "A origem das espécies". O pouco tempo que Darwin passou nas Galápagos pouco terá influenciado " A origem das espécies". Mas apesar disto, ainda hoje, as Galápagos são vistas como o principal motor do darwismo e o “laboratório vivo da evolução”.


Voltar...

Últimas notícias

Insecto vai atacar uma das piores plantas invasoras em Portugal

Português na descoberta de que redução de enzima
na doença de Parkinson abre portas a novos tratamentos

Viagem aos primórdios portugueses do darwinismo social

Descoberto mecanismo que permite à melatonina
combater células cancerígenas

Da eficácia do exercício físico no tratamento das depressões

Vacina contra o Ébola revela-se cem por cento eficaz

A verdade sobre a infertilidade

INSA e OMS lutam contra a obesidade infantil

Burro mirandês em risco de extinção

De como a diabetes afecta a fertilidade

UTAD e Federação Portuguesa de Voleibol avaliam
performance dos jogadores da selecção nacional

Portugal conquista pela primeira vez medalha
na Olimpíada Internacional de Química

IST recebe 69 Milhões de horas
num dos supercomputadores mais rápidos do mundo

Criadores do «Magalhães» chegam ao Uruguai

Minho quer extrair colagénio da pele de tubarão

Hepatite C “pode estar erradicada dentro de alguns anos”

Área ardida em Portugal terá redução drástica
se houver prevenção de incêndios

Milheirinhas: os machos mais coloridos
cuidam melhor da plumagem

Aveiro abre caminho ao tratamento do vírus Ébola

Rastreios gratuitos a cancro de cabeça e pescoço
até sexta-feira em 12 hospitais

Universidades do Porto, Aveiro e Técnica de Lisboa lideram
produção científica das instituições científicas do Ensino Superior

Quimioterapia pode prejudicar doentes terminais

Todos os seropositivos devem receber terapia
independentemente da carga viral

Coimbra confirma eficácia de terapia inovadora
em vários tipos de cancro

Exterior dos jardins de infância não promove
desenvolvimento saudável das crianças

Novo medicamento pode retardar Alzheimer

Torres Vedras campeã do Mundo em robótica

Injecções em árvores vão controlar pragas de insectos

Oftalmologista português distinguido nos EUA

Jovem com VIH em remissão após tratamento precoce