Receba as notícias:

Passeio micológico dá a conhecer fungos e cogumelos do Alentejo

Iniciativa do Departamento de Biologia da Universidade de Évora

2008-12-11
Alunos conhecem diferentes tipos de fungos
Alunos conhecem diferentes tipos de fungos

Um "passeio micológico" é mais uma forma de o Departamento de Biologia da Universidade de Évora (UE) dinamizar o projecto Venha conhecer os cogumelos, que designa como "uma riqueza do Alentejo". Dia 14, na Herdade da Mitra, alunos e outros interessados poderão perceber como se formam e, por exemplo, as diferenças entre os cogumelos venenosos e os comestíveis.

A mesa é, aliás, o local onde eles aparecem à maioria das pessoas. Com várias espécies e formas, explica a UE numa nota de anúncio da iniciativa, os cogumelos têm um importante papel no ecossistema e na economia local e nacional.

Há uma grande diversidade de fungos que produzem cogumelos, na zona do Alentejo, e a equipa que desenvolve projectos na área da micologia no Departamento de Biologia da universidade alentejana pretende dar a conhecer ao público a sua importância e a sensibilizar para a necessidade de os proteger e conservar.

Celeste Silva, daquele departamento, e investigadora na área da micologia, destaca a receptividade dos alunos para iniciativas como o passeio micológico. "Os alunos ficam fascinados com a ida ao campo, a explicação e a oportunidade de, no laboratório, observarem o que recolheram no campo. Sentem-se uns pequenos cientistas", conta.

No Alentejo, as diferentes paisagens, como os prados e pastagens, os matos, os azinhais/sobreirais, os pinhais e os eucaliptais, oferecem diferentes características que permitem às diferentes espécies de fungos encontrarem condições para se instalarem. Cada ecossistema oferece diferenças ambientais que vão garantir a sobrevivência dos fungos. Deste modo, os passeios micológicos são "um modo engraçado e divertido de conhecer o ecossistema e os cogumelos que aqui se formam e que contribuem para a conservação do sistema de montado alentejano", refere a nota da UE.

Os cogumelos são produzidos por fungos durante a reprodução sexuada e tal como os frutos, produzem, protegem e dispersam esporos, que são estruturas que, em condições de humidade e temperaturas favoráveis, germinam e originam novos organismos. Os cogumelos estão, para os fungos que os produzem, como a maçã está para a macieira. Esses novos organismos apresentam diferentes formas, tamanhos, cores, cheiros e texturas que vão influenciar a sua dispersão. Formadores credenciados e reconhecidos pela Ordem dos Biólogos estarão, domingo, a servir de guias aos alunos e outros interessados em participar no passeio, que culmina com um almoço.

Informações e inscrições para o correio electrónico css@uevora.pt ou através do telefone 933 168 388. Pode ainda visitar a página do projecto de divulgação da universidade em www.projectos.uevora.pt/cogumelo.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD

A espantosa capacidade de regeneração do pâncreas

Ébola não é porventura tão temível como a gripe

Bloquear os canais de potássio pode salvar vidas

Técnicas de meditação associadas ao budismo tibetano
podem melhorar o desempenho do cérebro

O meu automóvel conduz, estaciona e recarrega-se sozinho

Congresso Mundial de Investigação marinha
no Oceanário de Lisboa

Iraniana é a primeira mulher
a ser distinguida com o «Nobel» da Matemática

Alunos da UMinho desenvolvem protótipos todo-o-terreno

Todos pela Antártida

A Roseta foi ao cometa

Concelhos despovoados e com poucos bombeiros
são os mais atingidos pelos fogos

As barreiras dos serviços de saúde
que afectam os imigrantes

As barreiras dos serviços de saúde que afectam os imigrantes

“La réalité n’existe pas”

Como os mamíferos e as moscas se alimentam:
semelhanças surpreendentes

Células "secundarias" do sistema nervoso são afinal cruciais
para a cognição e doenças mentais

As duas caras da misteriosa Azobenzeno

Investigadores do Minho premiados no Brasil

Avanços na compreensão da doença de Parkinson
abrem novas portas terapêuticas

Ciência Hoje não vai de férias! Apoie este jornal!

Oceans of Hope chega a Lisboa para mudar percepções
sobre esclerose múltipla em Portugal

Com um euro pode combater a dor crónica

Estudo da UMinho avalia efeito de corticosteroides
no desenvolvimento dos bebés prematuros

Rapazes mais depressivos do que elas

Assim em Marte como na Terra

O primeiro genoma foi descodificado
numa cooperação Luso-Brasileira – Desulfovibrio gigas