Receba as notícias:

Admiração e compaixão são emoções que definem a humanidade

António Damásio divulga estudo científico sobre sentimentos

2009-04-28

António Damásio, neurocientista
António Damásio, neurocientista
O neurocientista português António Damásio disse hoje que os resultados do primeiro estudo científico sobre o sentimento da admiração, por si liderado, abrem caminho para investigações sobre os efeitos da rapidez da televisão nas crianças.

"O cérebro precisa de mais tempo e mais contexto para processar as emoções de admiração e de compaixão", salientou António Damásio, admitindo que os resultados do estudo que liderou, recentemente publicados, possam levar investigadores de outras áreas científicas a estudar os efeitos de histórias contadas muito rapidamente.

Para o investigador da Universidade do Sul da Califórnia, poderá ser pesquisado no futuro o que acontece ao desenvolvimento do cérebro "se se contar uma história rapidamente e sem contexto".

"A ênfase seria sempre para o cérebro formativo das crianças e não dos adultos", salientou Damásio, admitindo que o objecto de estudo possam ser "imagens rápidas de notícias na televisão".

António Damásio lamentou que alguns órgãos de comunicação social, nomeadamente no Reino Unido e nos Estados Unidos da América, tenham associado os resultados do estudo que conduziu a novas ferramentas de comunicação na Internet, como a rede de microblogs Twitter.

"A nossa investigação é sobre o cérebro e não temos nada a concluir sobre os media", frisou o investigador português, notando que o artigo publicado na semana passada nas Actas da Academia Nacional das Ciências dos Estados Unidos não faz qualquer referência ao Twitter, tendo apenas um dos avaliadores feito uma ligação abusiva às redes sociais na Internet.

"Devo confessar que nunca fiz Twitter, mas, que eu saiba, não tem nada a ver com a rapidez, mas sim com o limite de 140 caracteres por mensagem", acrescentou. Os quatro autores do artigo, entre os quais o casal António e Hanna Damásio, concluíram que o cérebro leva mais tempo a processar sentimentos como a admiração ou a compaixão ante o sofrimento psicológico alheio.

Os seres humanos podem processar a informação muito depressa e responder em fracções de segundos a sinais de dor física, porém, a admiração e a compaixão, duas das emoções que definem a humanidade, requerem muito mais tempo, precisaram os investigadores da Universidade do Sul da Califórnia.

Compaixão face ao sofrimento

Os cientistas usaram histórias reais convincentes para induzir em 13 voluntários um sentimento de admiração perante uma virtude ou habilidade e compaixão face ao sofrimento físico e moral.

O grau de emoção foi verificado através de uma série de entrevistas antes e depois da captação de imagens do cérebro. Estas mostraram que os voluntários necessitaram de seis a oito segundos para reagir plenamente às histórias sobre a virtude ou sofrimento moral.

Contudo, uma vez despertada esta emoção, a resposta durou muito mais do que as reacções suscitadas pelas histórias que se centraram na dor física. O estudo é o primeiro que investiga as bases nervosas da admiração e que incide na compaixão num contexto mais amplo do que a dor física.

Os cientistas também observaram que estas emoções estão fortemente enraizadas no cérebro e nos sentidos, afectando sistemas nervosos primordiais que regulam a química sanguínea, o sistema digestivo e outras zonas do organismo.
Isabel Azevedo
2009-05-01
20:18
Estudo interessantíssimo, e de enorme importância potencial. Na realidade há na sociedade actual, face ao volume e fluxo de informação, uma aceleração do tempo subjectivo cujas repercussões na vida e saúde das pessoas são provavelmente muito maiores e abrangentes do que se poderá pensar. Os casos mais bem estudados dizem respeito às questões do sono e suas perturbações, alterações do metabolismo incluindo a obesidade, manifestações de stresse, ansiedade e depressão. A cronobiologia, área de estudo pluridisciplinar, tem fornecido dados espantosos, cuja relevância prática não está, ainda, suficientemente divulgada, nem mesmo entre os profissionais de saúde.
O estudo referido neste artigo mostra uma relação entre o tempo, dimensão da Biologia frequentemente subvalorizada, e os próprios sentimentos. O mundo deveria parar para as pessoas pensarem nisto! Há muitos relógios a precisarem de reacertos...
jamile
2009-05-02
00:58
Tem tudo haver os estudos científico em relação com a saúde do ser humano. Durante a
nossa vida,passamos por várias etapas,de crecimento e encinamentos culturais.O nosso
organismo aceita ou regeita .E isto fica registrado em nosso cerebro que se transforma
em vários tipos de doenças. É o que eu penso,
e acho.
JAMILE

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Implantes dentários «ganham» volume ósseo

Em Portugal um tratamento específico
depende da região onde se mora

Eousdryosaurus, o pequeno dinossauro
que viveu num tempo de gigante

Um em cada quatro já traiu

A Ciência da Gestão de Ciência e Tecnologia
– reflexões de uma despedida

A ansiedade de estar doente no hospital?
O ambiente do quarto pode ajudar!

Prémio António Champalimaud reconhece tratamento
revolucionário de doenças graves da visão

João Rocha é o primeiro português
da European Academy of Sciences

O Porto na Guerra Fria

Nariz electrónico pode detectar
subgrupos de asma nas crianças

Oceanos de Esperança chegou a Boston

Braga quer construir travessas de caminho-de-ferro
com resíduos de plásticos mistos

Comer com sucesso no Mercado do Bom Sucesso

Lars Montelius é o novo director do INL

José Xavier participa no Atlas
sobre vida marinha no Oceano Antárctico

Utilizar Software de Código Aberto
permitiria ao Estado poupar milhões de euros

Trás-os-Montes apresentou no MInho cremes inovadores
que ajudam no tratamento de queimaduras, feridas profundas e psoríase

Sistema reduz de meses para dias o tempo necessário
para os cientistas testarem hipóteses

Empresa tecnológica de Braga serve milhões de pessoas

Investigadores de Coimbra avançam na luta
contra a febre da carraça e tifo epidémico

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD