Receba as notícias:

Encontro científico debate estrelas da investigação

Conferência internacional e jornadas da História e Astronomia em Portugal

2009-05-18
Einstein e Eddington
Einstein e Eddington
Chamam-se Eddington, Melo e Simas, Gago Coutinho, e D. João V. Cada um marcou, à sua maneira e em alturas diferentes, a história da astronomia e da ciência em geral, em Portugal e no mundo. Nas próximas quinta e sexta-feira, as grandes figuras da astrofísica estão em destaque em dois encontros abertos ao público.

Quem se interessa pela ciência e pela sua história vai ter muito por descobrir e aprender esta semana. Associando-se às celebrações do Ano Internacional da Astronomia (AIA2009), a Sociedade de Geografia de Lisboa organiza, por ocasião das comemorações do 90.º aniversário da expedição científica de Eddington à Ilha do Príncipe, uma conferência internacional em que serão discutidas as implicações das observações do astrofísico inglês para a ciência.
Na quinta-feira decorrem também na Biblioteca Nacional de Portugal, em Lisboa, as «Jornadas de História da Astronomia em Portugal».

Os resultados astronómicos obtidos em São Tomé e Príncipe por Eddington são considerados como um dos mais significativos acontecimentos científicos do século XX. O seu papel na comprovação da Teoria da Relatividade de Einstein e outros desafios encarados pela ciência, dão assim o mote à conferência inaugural proferida por António Manuel Nunes dos Santos, da Universidade Nova de Lisboa, às 18h30, no primeiro dia do colóquio.

O encontro reúne em Lisboa especialistas internacionais do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, da Royal Astronomical Soeciety e da Sociedade de Geografia de Lisboa, entre outros, para discutir as repercussões para a ciência da experiência de medição da deflexão da luz pelo campo gravítico levada a bem por Arthur Eddington.

Caberá ao ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Mariano Gago, encerrar na sexta-feira à tarde (16h30) os dois dias de trabalho, com uma palestra subordinada ao tema «A Teoria da Relatividade no Século XXI».

Esta tese e a sua divulgação em Portugal, pelo trabalho do astrónomo Melo e Simas, estarão também em discussão durante as jornadas, no Anfiteatro da Biblioteca Nacional de Portugal (BNP), dia 21 de Maio.

Novidades e resultados

Astrolábio de precisão (foto 1922 em blog ex-ogma)
Astrolábio de precisão (foto 1922 em blog ex-ogma)
Com o apoio do Centro Interuniversitário da História das Ciências e da Tecnologia (CIUHCT), a instituição recebe vários investigadores portugueses que irão focar a evolução da astronomia no país, da «Aula da Esfera» do colégio de Santo Antão ao "astrolábio de precisão" de Gago Coutinho.

"Durante o encontro, serão apresentadas muitas novidades e resultados novos, fruto da investigação dos mais reputados especialistas portugueses nos últimos anos. Penso que estas jornadas serão um verdadeiro "virar de página" no conhecimento da história da astronomia entre nós", revela o responsável pela organização do colóquio, Henrique Leitão.

Ao todo, serão abordados sete temas que traçam uma cronologia da Astronomia no nosso país, com um destaque particular para dois observatórios astrónomicos, o de Coimbra e Lisboa.

No fim das Jornadas, será ainda realizada uma visita à exposição «Estrelas de Papel: Livros de Astronomia dos séculos XIV a XVIII», patente na Biblioteca Nacional até 31 de Julho, mostra que reúne algumas das mais famosas obras que desenharam e redesenharam o Universo.

As observações realizadas por Sir Arthur Eddington, a 29 de Maio de 1919, na ilha do Príncipe (São Tomé e Príncipe), durante um eclipse solar total, permitiram comprovar experimentalmente a Teoria da Relatividade proposta por Einstein alguns anos antes, determinando a revisão da noção de gravitação vigente desde Newton e trazendo a Albert Einstein uma forte notoriedade pública.

A tese predizia um desvio duas vezes maior do que o anunciado pela gravitação newtoniana. As imagens conseguidas por Eddington durante o eclipse serviram de verificação experimental da deflexão da luz pelo campo gravítico. Graças à astronomia e à astrofísica, deu-se um passo importante no conhecimento da Física.

A conferência comemorativa, promovida pela Sociedade de Geografia de Lisboa, em colaboração com o Governo Regional da Ilha do Príncipe, a Royal Astronomical Society, o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e a ONG «Scientists in the World» (SIW), prolongar-se-á no dia 29 de Maio, na Ilha de Príncipe, com um encontro científico e o descerramento de uma lápide oferecida pela Royal Astronomical Society.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD

A espantosa capacidade de regeneração do pâncreas

Ébola não é porventura tão temível como a gripe

Bloquear os canais de potássio pode salvar vidas

Técnicas de meditação associadas ao budismo tibetano
podem melhorar o desempenho do cérebro

O meu automóvel conduz, estaciona e recarrega-se sozinho

Congresso Mundial de Investigação marinha
no Oceanário de Lisboa

Iraniana é a primeira mulher
a ser distinguida com o «Nobel» da Matemática

Alunos da UMinho desenvolvem protótipos todo-o-terreno

Todos pela Antártida

A Roseta foi ao cometa

Concelhos despovoados e com poucos bombeiros
são os mais atingidos pelos fogos

As barreiras dos serviços de saúde
que afectam os imigrantes

As barreiras dos serviços de saúde que afectam os imigrantes

“La réalité n’existe pas”

Como os mamíferos e as moscas se alimentam:
semelhanças surpreendentes

Células "secundarias" do sistema nervoso são afinal cruciais
para a cognição e doenças mentais

As duas caras da misteriosa Azobenzeno

Investigadores do Minho premiados no Brasil

Avanços na compreensão da doença de Parkinson
abrem novas portas terapêuticas

Ciência Hoje não vai de férias! Apoie este jornal!

Oceans of Hope chega a Lisboa para mudar percepções
sobre esclerose múltipla em Portugal

Com um euro pode combater a dor crónica

Estudo da UMinho avalia efeito de corticosteroides
no desenvolvimento dos bebés prematuros

Rapazes mais depressivos do que elas

Assim em Marte como na Terra

O primeiro genoma foi descodificado
numa cooperação Luso-Brasileira – Desulfovibrio gigas

Alunos aplicam ciência para detectar
mão criminosa nos incêndios

Scientists discovered a new player in mental diseases

Insucesso Escolar e competências transversais:
uma forma alternativa de observar o problema…