Receba as notícias:

Os comportamentos distintos do Ser Humano

Rir, sonhar, criar, beijar: características que evoluíram para nos tornarem mais aptos

2009-08-15
O ser humano apresenta os comportamentos mais distintos do reino animal. Apesar da nossa capacidade em investigar e descobrir novos significados para certos actos, alguns dos nossos comportamentos mantêm-se inexplicáveis à luz das teorias evolutivas. Corar, rir, sonhar ou beijar são atitudes dos humanos que desafiam a lógica da selecção natural na medida em que, à partida, não trazem qualquer mais-valia. Porém, com a evolução da ciência, vai-se tornando cada vez mais claro que este tipo de comportamentos faz parte do que significa ser humano.



Estudos indicam que coramos para nos tornarmos mais confiáveis, rimos para aumentar laços sociais, sonhamos para consolidar memórias emotivas e beijamos porque esse acto aumenta os níveis de oxitocina e diminui os níveis de stress. Estes e outros mistérios, num total de 10, são analisados na penúltima edição da revista ‘New Scientist’ que mostra quão estranho é o ser humano.

1-Corar

O ruborizar da face permite aos nossos interlocutores perceberem se estamos a mentir ou a enganar. Estudos sugerem que o acto de corar começou como uma simples forma de apaziguar e mostrar aos membros dominantes do grupo que somos submissos à sua autoridade. Mais tarde, à medida que as interacções sociais se tornaram mais complexas, este comportamento terá ficado associado com emoções como a culpa e a vergonha.

Apesar de o ruborizar da face, por causa destes sentimentos, colocar, à partida, os indivíduos em desvantagem, estes tornavam-se socialmente mais atractivos e desejáveis. Assim que este comportamento ficou associado com vergonha e culpa, quem não o demonstrasse poderá ter ficado em desvantagem uma vez que se tornavam menos confiáveis.

2-Riso

Rir aumenta níveis de endorfinas
Rir aumenta níveis de endorfinas
O investigador Robert Provine, da Universidade de Maryland, acredita que o riso começou nos antepassados pré-humanos como uma resposta fisiológica às cócegas. Actualmente, os macacos mantém o seu riso ancestral quando são alvos de cócegas, tendo esse riso evoluído para o “ha ha” nos humanos. O investigador defende que, à medida que o cérebro foi aumentando nos humanos, o riso adquiriu uma poderosa função social na medida em que fomenta a ligação entre as pessoas.

Provine descobriu ainda que os homens são mais engraçados que as mulheres e que as estas geralmente pedem humor enquanto os homens o oferecem. Esta conclusão sugere que a capacidade de fazer os outros rir evoluiu, em parte, através de selecção sexual. Por seu turno, Robin Dunbar, da Universidade de Oxford, descobriu que o riso aumenta os níveis de endorfinas (um opiáceo natural do corpo), hormonas que se crê ajudarem a aumentar as relações sociais.

3-Pêlos púbicos

Pêlos protegem genitais durante acto sexual
Pêlos protegem genitais durante acto sexual
Apesar de o ser humano ser conhecido como o macaco nu, há uma parte em que os humanos triunfam sobre todos os outros primatas: os pêlos púbicos. Enquanto todos os primatas apresentam pêlos mais finos em volta dos seus genitais, que no resto do corpo, os humanos adultos têm uma enorme quantidade de pêlos púbicos. Ainda não há uma explicação totalmente aceite para a predominância de pêlos púbicos nos humanos, mas foram sugeridas muitas vantagens, destacando-se o facto de os pêlos crescerem em regiões onde se encontram glândulas sudoríparas apócrinas tal como glândulas écrinas. Por esse motivo, a pilosidade pode servir para espalhar os odores que simbolizam maturidade sexual.

Podem também ser vistos como um sinal de que o indivíduo está a entrar na fase adulta, tal como o aumento dos seios e alargamento das ancas nas raparigas e crescimento de barba nos rapazes.Uma grande quantidade de pêlos púbicos também protege os genitais durante o acto sexual além de reduzir a fricção durante uma caminhada e de manter a região quente

4-Adolescência

Mais nenhuma espécie tem adolescentes. Nem os grandes símios - parentes próximos dos seres humanos - passam toda uma década com crises existenciais e em actos de rebeldia fomentados pelos pares. Tradicionalmente os anos da adolescência eram vistos como uma fase de aprendizagem reprodutiva, mas um maior conhecimento desta fase levou a novas explicações.

Mais nenhuma espécie tem adolescentes
Mais nenhuma espécie tem adolescentes
Para David Bainbridge, da Universidade de Cambridge, a adolescência é associada menos com o atingir de uma maturidade sexual e mais com o desenvolvimento de capacidades de negociação fisiológicas e sociais. Já o antropólogo Barry Bogin, da Universidade de Loughborough, percebeu, através da observação de jovens rapazes e raparigas, que cada um apresenta diferentes padrões de crescimento e desenvolvimento.

Para as raparigas as alterações ocorrem mais cedo para que pareçam sexualmente maduras anos antes de atingirem a total maturidade reprodutiva. Os rapazes, por seu turno, são sexualmente maduros muito antes de manifestarem um físico adulto, o que lhes permite adquirir atributos sexuais apelativos a uma companheira – como criatividade linguística, humor e talento artístico – num ambiente relativamente pacífico já que não são vistos como ameaças por homens adultos.

5-Sonhar

Os sonhos moderam as emoções, mantendo-as em determinados níveis”, afirma Patrick McNamara da Universidade de Boston. Recentes investigações demonstraram que dormir a sesta ajuda a consolidar memórias emocionais e que quanto maior for o tempo de duração do sono na fase de REM (Rapid Eye Movement), maior é o processamento destas memórias.Desta forma, mantemos a memória mas a emoção associada é cada vez menor.

Os sonhos moderam as emoções
Os sonhos moderam as emoções
Porém, tem sido cada vez mais evidente que nem todos os sonhos ocorrem durante a fase de REM, havendo pistas de que os restantes sonhos têm também uma função especial. McNamara e colegas descobriram que os sonhos em REM se assemelham mais a histórias, com mais emoção e agressão entre pessoas desconhecidas, ao passo que os não-REM envolvem interaçcões amigáveis e sociais. Ao simular encontros agressivos, os sonhos durante a fase REM do sono ajudam-nos a lidar melhor com situações de agressão na vida real, enquanto sonhos não-REM auxiliam no comportamento em social.

6-Altruísmo

Provas recentes indicam que as pessoas de facto têm actos de genuíno altruísmo. Em situações experimentais, por exemplo, muitas pessoas acabam por partilhar dinheiro com o desconhecido mesmo que não obtenham nada em troca. Isto levou alguns biólogos a concluir que o altruísmo faz parte da natureza humana.

De acordo com Robert Trivers, da Universidade de Rutgers (Nova Jérsia), o puro altruísmo é um erro. Defende que a selecção natural favoreceu os humanos mais altruístas porque nas pequenas comunidades em que os nossos antepassados viviam, os altruístas beneficiavam de reciprocidade. Contudo, num mundo cada vez mais globalizado em que as nossas interacções são cada vez mais com pessoas que desconhecemos e nunca mais iremos encontrar, as nossas tendências altruístas estão desajustadas.

Há ainda indicadores de que o altruísmo tem origem biológica. Imagens cerebrais revelam que esse comportamento estimula os centros de recompensa do cérebro. Além disso, o cérebro de indivíduos com uma determinada versão do gene AVPR1 é mais susceptível aos efeitos da vasopressina; uma hormona de bem-estar relacionada com a criação de laços sociais.

7-Arte

Arte tem origem na selecção sexual
Arte tem origem na selecção sexual
Darwin sugeriu que a arte tem a sua origem na selecção sexual e Geoffrey Miller, da Universidade de Novo México, em Albuquerque, confirmou. Ele pensa que a arte é como a cauda de um pavão: uma demonstração dispendiosa da aptidão evolutiva. Descobriu ainda que quando as mulheres estão no seu período mensal de maior fertilidade, preferem homens criativos em vez de ricos.

Os psicólogos John Tooby e Leda Cosmides, da Universidade da Califórnia, acreditam que o nosso desejo de experiências estéticas pode ter evoluído para nos forçar a aprendermos mais sobre os diferentes aspectos do mundo, aqueles que o nosso cérebro não comporta à nascença. No mesmo sentido, Brian Boyd, da Universidade de Auckland, Nova Zelândia, acredita que a arte é uma espécie de jogo intelectual que nos permite explorar novos horizontes num ambiente seguro. Michael Gazzaniga, da Universidade da Califórnia, sugere que poderemos estar biologicamente condicionados para considerar determinadas imagens, como as simétricas, mais aprazíveis esteticamente, simplesmente porque o nosso cérebro as consegue processar mais rapidamente.

8-Superstições

Identificar relações de causa-efeito é crucial <br> para sobrevivência
Identificar relações de causa-efeito é crucial
para sobrevivência
Muitos de nós têm superstições - hábitos estranhos que nos garantem segurança sem qualquer explicação racional – mas pode existir uma razão latente para este tipo de comportamento. Somos também deterministas causais, ou seja, assumimos que os resultados são provocados por eventos precedentes. Esta combinação de sentir padrões e inferir causas deixa-nos abertos a crenças supersticiosas.

Para Bruce Hood, da Universidade de Bristol, identificar e responder a relações de causa-efeito pode ser crucial para a sobrevivência. Os nossos antepassados não teriam durado muito se tivessem assumido que um pequeno barulho nas ervas era apenas provocado pelo vento, quando havia a possibilidade de ser um leão. Assim, vale a pena assumir situações de falsos-positivos.

A religião oferece outro benefício para a superstição: pela fé acreditamos no mundo espiritual e na sua eficácia, mesmo que não funcione. A principal função da religião é persuadir a comunidade a juntar-se, promovendo a coesão que é conseguida, em parte, por responder à nossa natural propensão de acreditar em coisas sobrenaturais que influenciam o nosso destino.

9-Beijar

Beijar na boca não é praticado em todas as culturas, pelo que a urgência que sentimos para o fazer não deve estar nos genes. Porém, há que perceber porque tantos de nós gostam de o fazer e por que razão sabe tão bem. Uma ideia é a de que a primeira experiência de segurança, conforto e amor que temos provém da boca e das sensações associadas à amamentação. Acrescenta a isto o facto de os nossos antepassados provavelmente terem alimentado os bebés, dando-lhes comida já mastigada boca-a-boca, tal como os chimpanzés o fazem actualmente, reforçando a relação entre a partilha de saliva e o prazer.

Lábios são uma das partes mais sensíveis do corpo
Lábios são uma das partes mais sensíveis do corpo
Uma outra teoria é a de que os nossos antepassados eram inicialmente atraídos aos frutos maduros e vermelhos e mais tarde adaptaram esta atracção a finalidades sexuais, desenvolvendo uma coloração pronunciadamente vermelha nos genitais e nos lábios. O ponto de vista fisiológico do beijo é, porém, um pouco diferente. Os nossos lábios encontram-se entre as partes mais sensíveis do nosso corpo, preenchidos por sensores ligados aos centros de prazer do cérebro. Foi já provado que beijar reduz os níveis da hormona do stress – cortisol – e aumenta a hormona do bem-estar e relacionamento – oxitocina.

10-Rinotilexia – Hábito de retirar «macacos» do nariz

Em 2001, Chittaranjan Andrade e B. S. Srihari do Instituto Nacional de Saúde Mental e Neurociências de Bangalore ganharam um prémio IgNobel pela sua pesquisa sobre o hábito de ‘tirar macacos no nariz’. Reportaram que a grande maioria da amostra de 200 adolescentes admitiu que o fazia e em média quatro vezes por dia. Porém, apenas nove alunos, 4,5 por cento, referiram que comiam muco seco que retirava das fossas nasais.

Ingerir 'macacos' pode ajudar sistema imunitário
Ingerir 'macacos' pode ajudar sistema imunitário
Mas, porque é que alguém decide comer o seu próprio muco nasal? “Não há nenhum valor nutricional no muco nasal”, afirma Andrade. Por outro lado, é possível que ingerir detritos do nariz ajude a criar uma boa resposta do sistema imunitário. Aliás, investigadores no campo da higiene perceberam que a falta de exposição a agentes infecciosos pode aumentar a susceptibilidade a doenças alérgicas.

Carlos Costa
2009-08-17
18:27
Boas,

Muitas outras espécies têm esses comportamentos acima descritos, em especial os símios superiores. Nós, tal como eles, somos primatas. Os chimpanzés também riem e beijam.

Cumprimentos

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Scientists discovered a new player in mental diseases

Insucesso Escolar e competências transversais:
uma forma alternativa de observar o problema…

Investigador do IPLeiria distinguido nos EUA
na área da Biomecânica do Desporto

Luísa «lança-se» aos mares
e «deixa» a esclerose em terra

«Importa perceber o grau
de literacia científica do ilustrador

As mulheres ainda preferem o parto natural

Portugal acolhe o maior Congresso Europeu sobre a China

Cegonhas «contra» nova directiva Europeia

Associação Portuguesa de Estudos Franceses
recebe Prémio Hervé Deluen

Reclusos de Castelo Branco vão ver o sol
(não aos quadradinhos)

Fernando Pestana da Costa eleito presidente da SPM

Hortas urbanas têm solos com excesso de metais pesados

Coimbra cria programa pioneiro para a infertilidade

Jovem português «bronzeia-se» na Física

Aditivos alimentares sintéticos e naturais:
quem vai ganhar a «guerra»?

Qual é o número de moléculas dentro de células?

CESPU e Universidade de Barcelona
juntas no ensino da saúde

João Ramalho- Santos lidera CNC

GILEAD SCIENCES apoia projectos científicos
com 200 mil euros

Marta Catarino é vice-presidente da associação europeia
de transferência de conhecimento

Dr. ROAD – o “médico” das estradas - nasce em Coimbra

Um «osso» para a cabeça? Uma porta para o carro?
Uma peça para uma aeronave? É para já!

Livro ensina pais a alimentarem crianças

Investigadores do Porto distinguidos
com Prémio Grünenthal Dor

Portugueses conquistam duplo bronze
nas Olimpíadas Internacionais de Biologia

Rui Costa vence mais um prémio internacional

Quando a matemática «joga» rugby

UTAD valoriza da Dieta Mediterrânica

Vem aí o Aquila, o Fórmula 1
da Universidade de Aveiro

Computadores «aprendem» português em Coimbra