Receba as notícias:

UTAD desenvolve nova técnica de datação de árvores

«Processo rápido, não destrutivo e exequível»

2009-09-23
Por Carla Sofia Flores
Os investigadores da UTAD recorreram a oliveiras <br> para realizar este estudo
Os investigadores da UTAD recorreram a oliveiras
para realizar este estudo
Um novo método de datação de árvores até aos três mil anos foi desenvolvido por investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em parceria com a empresa Oliveiras Milenares. Trata-se de um modelo inovador que, ao contrário dos tradicionais, não põe em risco a sanidade das árvores.

“É uma metodologia que permite estimar a idade de árvores idosas, particularmente para os casos em que estas já não têm todo o material lenhoso acumulado ao longo dos anos, as árvores ocas”, explica José Luís Lousada, coordenador do estudo e docente do departamento de Ciências Florestaisda UTAD.

A alternativa desenvolvida “permite datar as árvores através de um modelo matemático que relaciona a idade com as características dendrométricas do tronco (raio, diâmetro ou perímetro). Desta forma é possível proceder à sua datação por um processo extremamente rápido, não destrutivo e exequível mesmo em árvores ocas”, assinala o investigador.

Assim sendo, ao contrário do que se fazia até ao momento, este novo método não se baseia na identificação e contagem dos anéis de crescimento ou análise de radiocarbono da madeira formada nos primeiros anos de vida das árvores que obrigam ao seu abate e exigem que se conserve intacto todo o material lenhoso acumulado por elas ao longo da vida.

Esta nova metodologia exige que se faça um “ajustamento do modelo de crescimento médio das árvores de determinada espécie com a idade”.Depois de realizado este estudo, é possível “datar qualquer outra árvore da mesma espécie e região, em função das suas características dendrométricas”.

Modelo não pode ser extrapolado

Contudo, “o modelo desenvolvido é exclusivo de uma espécie florestal e da região em causa, não podendo ser extrapolado para outras espécies ou regiões com características edafo-climáticas diferentes”, frisou o docente da UTAD. Actualmente, este modelo “está aferido para as situações de Portugal, com forte influência mediterrânica”.

A parceria que originou este projecto surgiu em 2007, por proposta da Oliveiras Milenares à UTAD, e tem sido vantajosa para ambas as entidades, referiu José Luís Lousada.  “A Oliveiras Milenares facultou algumas dezenas de oliveiras idosas, que foram abatidas e que constituíram a base do trabalho de investigação preliminar” e suportou também todos os custos inerentes a este projecto. 

A empresa liderada por André Soares dos Reis encontrou um parceiro que, para além de ter conseguido dar resposta a este desafio (anteriormente proposto a outras instituições, mas sem resultados positivos), “se encarregou da elaboração de todos os trâmites legais para o registo da patente do método desenvolvido”.

Oliveira com 460 anos oferecida ao concelho <br> de Oliveira de Azeméis (clique para ampliar)
Oliveira com 460 anos oferecida ao concelho
de Oliveira de Azeméis (clique para ampliar)
O protocolo existente entre as duas instituições prevê que, com o recurso ao novo método, a UTAD emita os certificados que atestam a idade das oliveiras antigas comercializadas pela Oliveiras Milenares, recebendo uma importância acordada por esse serviço. “Há a expectativa de que o volume de vendas de oliveiras antigas seja incrementado pelo facto destas serem acompanhadas de um certificado que ateste a sua idade, emitido por uma instituição oficial e segundo um método patenteado”, concluiu José luís Lousada.

Uma das oliveiras já datadas, com 460 anos, foi oferecida pelo empresário André Soares dos Reis ao município de onde é natural, Oliveira de Azeméis. Aí decorrerá, na próxima terça-feira, dia 29 de Setembro, pelas 15 horas, em frente aos paços do concelho a cerimónia de certificação e apresentação oficial da patente registada pela UTAD e pelo empresário.


toni
2009-09-24
16:05
espetacular.. mais uma inovação a sair de portugal..
Licinio
2009-09-25
19:34
A nossa massa cinzenta, aqui a mostrar o seu valor. Os meus parabéns.
Antonio
2009-10-09
12:52
Os factos da notícia parecem-me ser estes : o estado - uma universidade pública - foi pago por uma empresa para a ajudar a identificar árvores que serão provavelmente removidas e transportadas para outro país. É realmente formidável tanta inovação e progresso.
Em breve só existirá plantado olival novo, de "grande intensidade " tb ele "espetacular "(sic). Viva a ciência.
Antonio M.
2009-11-01
12:06
Oh Antonio! Porque não exportar? Saem oliveiras, entra dinheiro. É como no futebol!

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD

A espantosa capacidade de regeneração do pâncreas

Ébola não é porventura tão temível como a gripe

Bloquear os canais de potássio pode salvar vidas

Técnicas de meditação associadas ao budismo tibetano
podem melhorar o desempenho do cérebro

O meu automóvel conduz, estaciona e recarrega-se sozinho

Congresso Mundial de Investigação marinha
no Oceanário de Lisboa

Iraniana é a primeira mulher
a ser distinguida com o «Nobel» da Matemática

Alunos da UMinho desenvolvem protótipos todo-o-terreno

Todos pela Antártida

A Roseta foi ao cometa

Concelhos despovoados e com poucos bombeiros
são os mais atingidos pelos fogos

As barreiras dos serviços de saúde
que afectam os imigrantes

As barreiras dos serviços de saúde que afectam os imigrantes

“La réalité n’existe pas”

Como os mamíferos e as moscas se alimentam:
semelhanças surpreendentes

Células "secundarias" do sistema nervoso são afinal cruciais
para a cognição e doenças mentais

As duas caras da misteriosa Azobenzeno

Investigadores do Minho premiados no Brasil

Avanços na compreensão da doença de Parkinson
abrem novas portas terapêuticas

Ciência Hoje não vai de férias! Apoie este jornal!

Oceans of Hope chega a Lisboa para mudar percepções
sobre esclerose múltipla em Portugal

Com um euro pode combater a dor crónica

Estudo da UMinho avalia efeito de corticosteroides
no desenvolvimento dos bebés prematuros

Rapazes mais depressivos do que elas

Assim em Marte como na Terra

O primeiro genoma foi descodificado
numa cooperação Luso-Brasileira – Desulfovibrio gigas