Receba as notícias:

Universidade de Madeira promove curso de Nanoquímica com especialista finlandês

Kari Rissanen, da Universidade de Jyväskylä, é o convidado da segunda edição da «Nanoschool»

2009-10-06
Kari Rissanen, da Universidade de Jyväskylä
Kari Rissanen, da Universidade de Jyväskylä
O finlandês Kari Rissanen, da Universidade de Jyväskylä, é o convidado especial da segunda edição da «Nanoschool», a realizar entre 12 e 15 de Outubro na Universidade da Madeira. Investigador especializado em dendrímeros e condutores moleculares, Rissanen exerce a Cátedra de Química Orgânica.

Em conversa com Ciência Hoje, João Rodrigues, coordenador científico do Centro de Química, explicou que o curso surge da vontade de “todos os anos se reforçar a formação das áreas complementares do curso de Química”.
Vocacionado para investigadores do Departamento de Química da Universidade da Madeira, este curso, intitulado «Química Supramolecular e Nanoquímica», está também aberto a alunos do Mestrado em Bioquímica Aplicada e aos alunos do terceiro ano da Licenciatura em Bioquímica. 

A investigação na área da nanoquímica, explica João Rodrigues, tem um papel fundamental “para áreas como a Medicina, a óptica não linear e a nano-electrónica”. Os químicos “trabalham com moléculas e átomos”. Esta área de estudo relativamente recente, estuda “as propriedades únicas que possuem os materiais à escala nano (10 elevado a menos 9) e que se diferenciam dos materiais da escala macro”.

João Rodrigues
João Rodrigues
No âmbito do curso, Kari Rissanen vai apresentar ainda uma palestra, aberta ao público em geral, dia 14, intitulada «Funções Químicas à escala Nano», onde vai apresentar dois artigos seus publicados na revista «Science».

O professor Kari Rissanen mantém relações com esta universidade há já alguns anos. “Desde 2003 que tem orientado mestrados nesta área, deslocando-se à nossa universidade de dois em dois anos”.

João Rodrigues espera obter o sucesso da edição anterior, que teve como convidada Luísa De Cola, professora visitante da Universidade de Twente, Harvard e UCLA e responsável pela disciplina de nanoelectrónica e nanofotónica na Universidade de Münster.

Tal como no ano anterior, o curso é gratuito, característica que se vai tentar manter nos próximos anos.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD

A espantosa capacidade de regeneração do pâncreas

Ébola não é porventura tão temível como a gripe

Bloquear os canais de potássio pode salvar vidas

Técnicas de meditação associadas ao budismo tibetano
podem melhorar o desempenho do cérebro

O meu automóvel conduz, estaciona e recarrega-se sozinho

Congresso Mundial de Investigação marinha
no Oceanário de Lisboa

Iraniana é a primeira mulher
a ser distinguida com o «Nobel» da Matemática

Alunos da UMinho desenvolvem protótipos todo-o-terreno

Todos pela Antártida

A Roseta foi ao cometa

Concelhos despovoados e com poucos bombeiros
são os mais atingidos pelos fogos

As barreiras dos serviços de saúde
que afectam os imigrantes

As barreiras dos serviços de saúde que afectam os imigrantes

“La réalité n’existe pas”

Como os mamíferos e as moscas se alimentam:
semelhanças surpreendentes

Células "secundarias" do sistema nervoso são afinal cruciais
para a cognição e doenças mentais

As duas caras da misteriosa Azobenzeno

Investigadores do Minho premiados no Brasil

Avanços na compreensão da doença de Parkinson
abrem novas portas terapêuticas

Ciência Hoje não vai de férias! Apoie este jornal!

Oceans of Hope chega a Lisboa para mudar percepções
sobre esclerose múltipla em Portugal

Com um euro pode combater a dor crónica

Estudo da UMinho avalia efeito de corticosteroides
no desenvolvimento dos bebés prematuros

Rapazes mais depressivos do que elas

Assim em Marte como na Terra

O primeiro genoma foi descodificado
numa cooperação Luso-Brasileira – Desulfovibrio gigas