Receba as notícias:

Aranha gigante em teia dourada

Nova espécie identificada na África e Madagáscar

2009-10-21
Matjaz Kuntner, biólogo evolucionista
Matjaz Kuntner, biólogo evolucionista
Uma nova e rara espécie de aranha gigante foi descoberta em África e no Madagáscar, segundo avançou hoje a BBC online. Estes seres podem tecer uma teia que supera um metro de diâmetro e só as fêmeas deste grupo é que são de dimensões extraordinárias; em comparação, os machos são bastante pequenos.

Investigadores publicaram, no jornal «Plos One», um artigo que descreve a aranha Nephila komaci como sendo a que faz as maiores teias até agora conhecidas e que, curiosamente, apresentam muitas vezes uma cor dourada. São também chamadas de ‘aranhas de orbe’ devido às teias redondas tipicamente criadas por elas e onde giram à volta.
As poucas ainda existentes têm um corpo de quatro centímetros de comprimento e as patas podem chegar aos 12. A nova espécie foi identificada por Matjaz Kuntner, um biólogo da Academia das Ciências e das Artes, na Eslovénia, e pelo seu colega Jonathan Coddington, do Museu Nacional de História Natural, em Washington DC, EUA.

Contudo, Kuntner sublinhou àquele meio de comunicação que a Nephila é tão rara que é difícil conseguir-se estudá-la e o próprio só conseguiu analisar a espécie através de uma já examinada em 2000.

Nephila komaci, por Matjaz Kuntner
Nephila komaci, por Matjaz Kuntner
A fêmea gigante pertence a uma colecção do Instituto de Investigação de protecção de Plantas, na África. Durante o seu estudo, o biólogo esloveno analisou mais de 2500 amostras vindas de 37 museus e nenhuma se assemelhava; por isso, considerou que a espécie deve estar extinta.

Dimorfismo sexual

No entanto, um outro investigador encontrou mais três na África e ficou provado que são da mesma espécie. Os modelos estudados são de grande interesse para os cientistas, já que permitem também analisar a evolução do ser e o dimorfismo sexual extremo – a diferença de tamanho é bastante dramático entre fêmeas e machos (são cinco vezes mais pequenos).

Os investigadores temem que este grupo esteja em vias de extinção e sugerem que “o gigantismo” possa decorrer da pressão sofrida pelas fêmeas, ou seja, baseada na teoria de que teriam vindo evolutivamente a aumentar de tamanho em vez de produzir crias.

Kuntner decidiu atribuir à aranha Nephila komaci o nome do seu melhor amigo e investigador Andrej Komac, que faleceu recentemente num acidente.
Igor da Silva Barros
2009-10-22
01:42
This is a wonderful spider I never see in my life is very big.
I liked to know more about it.

Esta é uma maravilhosa aranha eu nunca vi em minha vida é muito grande.
Eu gostaria de saber mais sobre ela.
antónio saias
2009-10-22
13:12
Em Pemba, ex-Porto Amélia, Moçambique, havia, e continuará a haver, aranhas que faziam teias entre as canecas de porcelana dos fios eléctricos que alimentavam de energia as Repartições públicas da cidade,
teias onde caíam passaritos pequenos, mas adultos,
que eram sugados pelas aranhas até ficarem completamente secos.
Não sou biólogo, mas duvido que seja frequente a ocorrência deste género de aranhas
Valtemberg Azevedo
2009-10-22
18:52
Sou brasileiro da cidade de Mossoró no Rio Grande do Norte.
É uma maravilha da natureza.
Encontrar um exemplar desse deve ser empolgante.
Cristina
2010-05-24
13:01
Tenho 5 exemplares desta aranha na minha casa de campo. Como fazer para identificá-las?
crismau2@yahoo.com.br
jason
2010-05-27
03:21
sou jason sao paulo capital essa aranha e uma descoberta maravilhosa nao tenha palavras para descrever a emocao de achar q existem araquinideos assim
kiko
2011-02-14
00:45
velho pode vir pra foz do iguãçu no parque nacional que vc vai achar muito dessa especie ai...não é nem um pouco rara não..talvez na Africa e Madagascar mais aqui elá é muito popular ...talvez esteja errada essa materia e erro de alguem pq essa existe a muito tempo aqui
eliete
2012-04-02
17:50
na praia de itapoa s.c existe esta aranha eu vi por isso vim pesquisar sobre ela

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Investigação sobre Cancro, AVC e descontaminação da água
por medicamentos distingue jovens investigadoras

UTAD investiga valor nutricional do leite de golfinhos

Terapia amiga do ambiente descontamina
águas das pisciculturas

Portas abertas para novos tratamentos
para a artrite reumatóide

Gosta de merujes? Vão aparecer na sua mesa!

Estudantes de medicina apostam
na formação científica e humana

Investigadora da Universidade de Coimbra premiada
pela Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas

UC estuda o impacto do novo metro igeiro de Macau

Hepatite C: nova realidade, novos horizontes

Saúde do cérebro e do coração começa na boca

Descoberto o responsável pelo surgimento
de problemas de memória

UA combate contrafacção com códigos DNA para marcas

Investigadores belgas e franceses medem
a temperatura do coração das estrelas

Estudante da UA imprime circuitos electrónicos em papel

Je suis Charlie

Investigações sobre cromossomas e doença de Huntington
premiadas hoje pela FLAD

Investigadora da UTAD distinguida na Galiza
com Prémio “Vicente Risco”

Compostos descobertos na casca do eucalipto
já têm método de extracção

Em 2015 continuo a supor que poderíamos ter pedido baunilha…

Investigadores de Coimbra querem melhorar
prognóstico do transplante de fígado

Curador do primeiro planetário da América
vai ser português

Humilhação dos 7-1 leva o Brasil
a olhar para a ciência

Carlos Ribeiro eleito para o primeiro grupo
dos FENS-Kavli Scholars

Rotundas virtuais vão projectar rotundas reais
seguras e amigas do ambiente

Dê azeite ao seu coração

Dois jovens cientistas portugueses
entre oito distinguidos pela EMBO

Neste Ano Novo dê o seu apoio ao Ciência Hoje

Efeitos da cafeína diferem com ou sem açúcar?

António Fernandes da Fonseca deixou a “sua marca”
na passagem pelo Mundo!

É possível estudar «cientificamente» os enchidos?
Universidades de Lisboa, Évora e Trás-os-Montes e Alto Douro fizeram investigação