Receba as notícias:

Aranha gigante em teia dourada

Nova espécie identificada na África e Madagáscar

2009-10-21
Matjaz Kuntner, biólogo evolucionista
Matjaz Kuntner, biólogo evolucionista
Uma nova e rara espécie de aranha gigante foi descoberta em África e no Madagáscar, segundo avançou hoje a BBC online. Estes seres podem tecer uma teia que supera um metro de diâmetro e só as fêmeas deste grupo é que são de dimensões extraordinárias; em comparação, os machos são bastante pequenos.

Investigadores publicaram, no jornal «Plos One», um artigo que descreve a aranha Nephila komaci como sendo a que faz as maiores teias até agora conhecidas e que, curiosamente, apresentam muitas vezes uma cor dourada. São também chamadas de ‘aranhas de orbe’ devido às teias redondas tipicamente criadas por elas e onde giram à volta.
As poucas ainda existentes têm um corpo de quatro centímetros de comprimento e as patas podem chegar aos 12. A nova espécie foi identificada por Matjaz Kuntner, um biólogo da Academia das Ciências e das Artes, na Eslovénia, e pelo seu colega Jonathan Coddington, do Museu Nacional de História Natural, em Washington DC, EUA.

Contudo, Kuntner sublinhou àquele meio de comunicação que a Nephila é tão rara que é difícil conseguir-se estudá-la e o próprio só conseguiu analisar a espécie através de uma já examinada em 2000.

Nephila komaci, por Matjaz Kuntner
Nephila komaci, por Matjaz Kuntner
A fêmea gigante pertence a uma colecção do Instituto de Investigação de protecção de Plantas, na África. Durante o seu estudo, o biólogo esloveno analisou mais de 2500 amostras vindas de 37 museus e nenhuma se assemelhava; por isso, considerou que a espécie deve estar extinta.

Dimorfismo sexual

No entanto, um outro investigador encontrou mais três na África e ficou provado que são da mesma espécie. Os modelos estudados são de grande interesse para os cientistas, já que permitem também analisar a evolução do ser e o dimorfismo sexual extremo – a diferença de tamanho é bastante dramático entre fêmeas e machos (são cinco vezes mais pequenos).

Os investigadores temem que este grupo esteja em vias de extinção e sugerem que “o gigantismo” possa decorrer da pressão sofrida pelas fêmeas, ou seja, baseada na teoria de que teriam vindo evolutivamente a aumentar de tamanho em vez de produzir crias.

Kuntner decidiu atribuir à aranha Nephila komaci o nome do seu melhor amigo e investigador Andrej Komac, que faleceu recentemente num acidente.
Igor da Silva Barros
2009-10-22
01:42
This is a wonderful spider I never see in my life is very big.
I liked to know more about it.

Esta é uma maravilhosa aranha eu nunca vi em minha vida é muito grande.
Eu gostaria de saber mais sobre ela.
antónio saias
2009-10-22
13:12
Em Pemba, ex-Porto Amélia, Moçambique, havia, e continuará a haver, aranhas que faziam teias entre as canecas de porcelana dos fios eléctricos que alimentavam de energia as Repartições públicas da cidade,
teias onde caíam passaritos pequenos, mas adultos,
que eram sugados pelas aranhas até ficarem completamente secos.
Não sou biólogo, mas duvido que seja frequente a ocorrência deste género de aranhas
Valtemberg Azevedo
2009-10-22
18:52
Sou brasileiro da cidade de Mossoró no Rio Grande do Norte.
É uma maravilha da natureza.
Encontrar um exemplar desse deve ser empolgante.
Cristina
2010-05-24
13:01
Tenho 5 exemplares desta aranha na minha casa de campo. Como fazer para identificá-las?
crismau2@yahoo.com.br
jason
2010-05-27
03:21
sou jason sao paulo capital essa aranha e uma descoberta maravilhosa nao tenha palavras para descrever a emocao de achar q existem araquinideos assim
kiko
2011-02-14
00:45
velho pode vir pra foz do iguãçu no parque nacional que vc vai achar muito dessa especie ai...não é nem um pouco rara não..talvez na Africa e Madagascar mais aqui elá é muito popular ...talvez esteja errada essa materia e erro de alguem pq essa existe a muito tempo aqui
eliete
2012-04-02
17:50
na praia de itapoa s.c existe esta aranha eu vi por isso vim pesquisar sobre ela

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Subvalorizar o Ébola é crime!

Pepinos do mar já podem ser produzidos em aquacultura

A Ciência na educação pré-escolar

A guerra dos espermatozóides

O Viagra protege o coração para além do quarto

Premiado dispositivo portátil
para recuperar lesões desportivas

Aí está o andarilho inteligente motorizado
com «marca» portuguesa

Ajuda de emergência para «overdoses»

Investigadores portugueses abrem novas possibilidades
no desenho de vacinas contra o cancro

Porquê eu? Muitas mulheres que vivem na pobreza
culpam os filhos e a vida amorosa

O papel dos "oásis" oceânicos nas interacções
entre organismos marinhos

Planta substituta de sal desenvolvida
em cultura in vitro por aluna da UTAD

Trabalho de investigadores da UA
cruza-se com o do Nobel da Física 2014

José Vieira da Universidade do Minho
foi eleito presidente da FEANI

Machimosaurus: o crocodilomorfo
de nove metros do Jurássico de Portugal

Investigação do IMM sobre causas e tratamento
da doença de Crohn premiada nos EUA

Jet lag prejudica funções cognitivas a curto prazo

Quando melhores descobertas ganham destaque
nas primeiras páginas dos jornais e nos telejornais

Investigadores do Porto distinguidos com prémio Grünenthal Dor

Fundação Champalimaud e governo do Rajastão
investem em clínica para o cancro

Visão sem precedentes de duzentas galáxias no Universo

Pistas para a neutralização do HIV

Homens e mulheres avaliam arte de forma diferente

Aumento do desemprego (também) pode
colocar em causa o futuro da Segurança Social

Colar os cromossomas no sítio certo

Cientista Português identifica mecanismo que evita
o suicídio celular e um potencial alvo contra o cancro

Maior painel termodinâmico do mundo é português

Jogos interactivos auxiliam vítimas de AVC

Nobel da Química premeia invenção
do microscópio fluorescente de alta resolução

Cientistas europeus manifestam-se dia 17
em Espanha, França e Itália