Receba as notícias:

Novos tipos de diamantes encontrados em meteorito

Investigadores descobriram acidentalmente este material quando poliam pedaços do Haverö

2010-02-05
Uma das zonas de carbono do Haverö
Uma das zonas de carbono do Haverö
Foram descobertos dois novos tipos de diamantes mais duros do que os que se formam na Terra. A equipa de investigadores achou este material no meteorito Haverö, que caiu na Finlândia há 39 anos. O estudo vai ser agora publicado na revista «Earht and Planetary Science Letters».

Este achado acidental aconteceu quando a equipa, dirigida por Tristán Ferroir, da Universidade de Lyon (França), estava a polir o pedaço do meteorito com pasta de diamante.
Durante o polimento do meteorito, os investigadores encontraram pontos carregados de carbono sobre a superfície. Estas zonas revelaram-se mais duras do que a pasta que estavam a utilizar.

O investigador Changfeng Chen, da Universidade de Nevada (Las Vegas), explica, em declarações ao «Discovey Channel», que quando ocorre um impacto, as camadas de grafite dos asteróides podem formar zonas muito resistentes na superfície.

O que aconteceu com o Haverö foi que as camadas de grafite devem ter aquecido o suficiente para criar laços entre elas, que é exactamente a fórmula que se utiliza para a fabricação de diamantes.

A equipa analisou os cristais com instrumentos de alta precisão o que permitiu confirmar que se tinha encontrado um novo polimorfo de carbono, assim como um tipo de diamante que se procurava há décadas mas que nunca se tinha encontrado na natureza.

Esta mostra é mais dura do que os diamantes regulares. No entanto, devido ao seu tamanho diminuto, não pode ser comparada aos diamantes ultra duros que se fabricam artificialmente. Ainda assim, os cientistas acreditam que a descoberta pode ajudar a criar diamantes artificiais ainda mais duros.

Artigo: Carbon polymorphism in shocked meteorites: Evidence for new natural ultrahard phases

Marco Cunha
2010-02-05
20:37
os aclamados "superdiamantes" já conseguem ser reproduzidos em laboratório! o grande problema da génese dos diamantes, segundo o ponto de vista geoquímico, seria a necessidade de temperaturas e pressões elevadas para a sua formação e, na natureza ainda é necessário que os quimberlitos (rocha-mãe dos diamantes) tenha uma ascensão muito rápida até ao nível freático, onde ocorre uma explosão com o contacto súbito da água. Os diatremas, tiveram de ter uma ascensão de cerca de 80km/h para não haver regressão do diamante para grafite. Ora que no espaço, a pressão é nula, ou próxima de 0, e aos modelos do Planeta Terra isso não acontece. Esses "superdiamantes" têm um custo de produção bastante reduzido, necessitando apenas de um diamante-semente, metano, água e uma temperatura de cerca de 1200ºC e, o diamante-semente como que "crescerá" centímetros em 5 ou 6 dias! os diamantes pelas suas características (bom condutor, elevada resistência, etc) poderá vir a ser um substituto da sílica em termos de componentes informáticos e afins, pois, além de ser melhor condutor eléctrico (característica conferida pela molécula) e, podendo aumentar consideravelmente a velocidade de transmissão e processamento de dados, não aquece tão facilmente como a sílica! Os superdiamantes são ainda cerca de 50% mais duros que os encontrados na Terra, podendo traduzir um número enorme de aplicações devido a esse efeito!
marina
2010-05-17
17:06
que bom

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

A vida dupla da bactéria mais mortífera do planeta

As células estaminais fazem dieta até à morte

Um pedaço crucial de informação
no puzzle molecular oncológico

IMM avança no estudo de miopatia centronuclear

Cientistas do IST propõem teste experimental
para a equação mais exótica da física clássica

Português galardoado pela primeira vez
com prémio norte-americano em biologia reprodutiva

Investigador da UC preside a comissão mundial responsável
pela descrição e classificação de bactérias

Empreendedores Portugueses aceleram nos Estados Unidos
em programa de imersão «inRes»

Universidade de Coimbra no topo
da imagiologia molecular mundial

Leptospirose humana nos Açores:
da resposta imunológica à susceptibilidade genética

«Meu dito, meu escrito» ou de como a Ciência
já conheceu melhores dias em Portugal

O sucesso escolar começa à mesa!

Professora da UMinho vence prémio ibérico de contabilidade

João Falcão e Cunha é o novo director da FEUP

Mega experiência estuda o impacto das alterações climáticas
na biodiversidade da península ibérica

Os porquês do colapso da plataforma de gelo Larsen B

Investigadora de Coimbra reduz em 26,5%
a ocorrência de flebites

Equipa de Coimbra cria aerogel em spray
que permite isolar foguetões

Bioquímica portuguesa homenageada em Estocolmo

Esperar ou não esperar
- o papel da confiança na tomada de decisões

Implantes dentários «ganham» volume ósseo

Em Portugal um tratamento específico
depende da região onde se mora

Eousdryosaurus, o pequeno dinossauro
que viveu num tempo de gigante

Um em cada quatro já traiu

A Ciência da Gestão de Ciência e Tecnologia
– reflexões de uma despedida

A ansiedade de estar doente no hospital?
O ambiente do quarto pode ajudar!

Prémio António Champalimaud reconhece tratamento
revolucionário de doenças graves da visão

João Rocha é o primeiro português
da European Academy of Sciences

O Porto na Guerra Fria

Nariz electrónico pode detectar
subgrupos de asma nas crianças