Receba as notícias:

Novos tipos de diamantes encontrados em meteorito

Investigadores descobriram acidentalmente este material quando poliam pedaços do Haverö

2010-02-05
Uma das zonas de carbono do Haverö
Uma das zonas de carbono do Haverö
Foram descobertos dois novos tipos de diamantes mais duros do que os que se formam na Terra. A equipa de investigadores achou este material no meteorito Haverö, que caiu na Finlândia há 39 anos. O estudo vai ser agora publicado na revista «Earht and Planetary Science Letters».

Este achado acidental aconteceu quando a equipa, dirigida por Tristán Ferroir, da Universidade de Lyon (França), estava a polir o pedaço do meteorito com pasta de diamante.
Durante o polimento do meteorito, os investigadores encontraram pontos carregados de carbono sobre a superfície. Estas zonas revelaram-se mais duras do que a pasta que estavam a utilizar.

O investigador Changfeng Chen, da Universidade de Nevada (Las Vegas), explica, em declarações ao «Discovey Channel», que quando ocorre um impacto, as camadas de grafite dos asteróides podem formar zonas muito resistentes na superfície.

O que aconteceu com o Haverö foi que as camadas de grafite devem ter aquecido o suficiente para criar laços entre elas, que é exactamente a fórmula que se utiliza para a fabricação de diamantes.

A equipa analisou os cristais com instrumentos de alta precisão o que permitiu confirmar que se tinha encontrado um novo polimorfo de carbono, assim como um tipo de diamante que se procurava há décadas mas que nunca se tinha encontrado na natureza.

Esta mostra é mais dura do que os diamantes regulares. No entanto, devido ao seu tamanho diminuto, não pode ser comparada aos diamantes ultra duros que se fabricam artificialmente. Ainda assim, os cientistas acreditam que a descoberta pode ajudar a criar diamantes artificiais ainda mais duros.

Artigo: Carbon polymorphism in shocked meteorites: Evidence for new natural ultrahard phases

Marco Cunha
2010-02-05
20:37
os aclamados "superdiamantes" já conseguem ser reproduzidos em laboratório! o grande problema da génese dos diamantes, segundo o ponto de vista geoquímico, seria a necessidade de temperaturas e pressões elevadas para a sua formação e, na natureza ainda é necessário que os quimberlitos (rocha-mãe dos diamantes) tenha uma ascensão muito rápida até ao nível freático, onde ocorre uma explosão com o contacto súbito da água. Os diatremas, tiveram de ter uma ascensão de cerca de 80km/h para não haver regressão do diamante para grafite. Ora que no espaço, a pressão é nula, ou próxima de 0, e aos modelos do Planeta Terra isso não acontece. Esses "superdiamantes" têm um custo de produção bastante reduzido, necessitando apenas de um diamante-semente, metano, água e uma temperatura de cerca de 1200ºC e, o diamante-semente como que "crescerá" centímetros em 5 ou 6 dias! os diamantes pelas suas características (bom condutor, elevada resistência, etc) poderá vir a ser um substituto da sílica em termos de componentes informáticos e afins, pois, além de ser melhor condutor eléctrico (característica conferida pela molécula) e, podendo aumentar consideravelmente a velocidade de transmissão e processamento de dados, não aquece tão facilmente como a sílica! Os superdiamantes são ainda cerca de 50% mais duros que os encontrados na Terra, podendo traduzir um número enorme de aplicações devido a esse efeito!
marina
2010-05-17
17:06
que bom

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

A Ciência na educação pré-escolar

A guerra dos espermatozóides

O Viagra protege o coração para além do quarto

Premiado dispositivo portátil
para recuperar lesões desportivas

Aí está o andarilho inteligente motorizado
com «marca» portuguesa

Ajuda de emergência para «overdoses»

Investigadores portugueses abrem novas possibilidades
no desenho de vacinas contra o cancro

Porquê eu? Muitas mulheres que vivem na pobreza
culpam os filhos e a vida amorosa

O papel dos "oásis" oceânicos nas interacções
entre organismos marinhos

Planta substituta de sal desenvolvida
em cultura in vitro por aluna da UTAD

Trabalho de investigadores da UA
cruza-se com o do Nobel da Física 2014

José Vieira da Universidade do Minho
foi eleito presidente da FEANI

Machimosaurus: o crocodilomorfo
de nove metros do Jurássico de Portugal

Investigação do IMM sobre causas e tratamento
da doença de Crohn premiada nos EUA

Jet lag prejudica funções cognitivas a curto prazo

Quando melhores descobertas ganham destaque
nas primeiras páginas dos jornais e nos telejornais

Investigadores do Porto distinguidos com prémio Grünenthal Dor

Fundação Champalimaud e governo do Rajastão
investem em clínica para o cancro

Visão sem precedentes de duzentas galáxias no Universo

Pistas para a neutralização do HIV

Homens e mulheres avaliam arte de forma diferente

Aumento do desemprego (também) pode
colocar em causa o futuro da Segurança Social

Colar os cromossomas no sítio certo

Cientista Português identifica mecanismo que evita
o suicídio celular e um potencial alvo contra o cancro

Maior painel termodinâmico do mundo é português

Jogos interactivos auxiliam vítimas de AVC

Nobel da Química premeia invenção
do microscópio fluorescente de alta resolução

Cientistas europeus manifestam-se dia 17
em Espanha, França e Itália

Nobel da Física para os japoneses dos LED azuis

Consumo crónico de melatonina
combate a obesidade e a diabetes