Receba as notícias:

Novos tipos de diamantes encontrados em meteorito

Investigadores descobriram acidentalmente este material quando poliam pedaços do Haverö

2010-02-05
Uma das zonas de carbono do Haverö
Uma das zonas de carbono do Haverö
Foram descobertos dois novos tipos de diamantes mais duros do que os que se formam na Terra. A equipa de investigadores achou este material no meteorito Haverö, que caiu na Finlândia há 39 anos. O estudo vai ser agora publicado na revista «Earht and Planetary Science Letters».

Este achado acidental aconteceu quando a equipa, dirigida por Tristán Ferroir, da Universidade de Lyon (França), estava a polir o pedaço do meteorito com pasta de diamante.
Durante o polimento do meteorito, os investigadores encontraram pontos carregados de carbono sobre a superfície. Estas zonas revelaram-se mais duras do que a pasta que estavam a utilizar.

O investigador Changfeng Chen, da Universidade de Nevada (Las Vegas), explica, em declarações ao «Discovey Channel», que quando ocorre um impacto, as camadas de grafite dos asteróides podem formar zonas muito resistentes na superfície.

O que aconteceu com o Haverö foi que as camadas de grafite devem ter aquecido o suficiente para criar laços entre elas, que é exactamente a fórmula que se utiliza para a fabricação de diamantes.

A equipa analisou os cristais com instrumentos de alta precisão o que permitiu confirmar que se tinha encontrado um novo polimorfo de carbono, assim como um tipo de diamante que se procurava há décadas mas que nunca se tinha encontrado na natureza.

Esta mostra é mais dura do que os diamantes regulares. No entanto, devido ao seu tamanho diminuto, não pode ser comparada aos diamantes ultra duros que se fabricam artificialmente. Ainda assim, os cientistas acreditam que a descoberta pode ajudar a criar diamantes artificiais ainda mais duros.

Artigo: Carbon polymorphism in shocked meteorites: Evidence for new natural ultrahard phases

Marco Cunha
2010-02-05
20:37
os aclamados "superdiamantes" já conseguem ser reproduzidos em laboratório! o grande problema da génese dos diamantes, segundo o ponto de vista geoquímico, seria a necessidade de temperaturas e pressões elevadas para a sua formação e, na natureza ainda é necessário que os quimberlitos (rocha-mãe dos diamantes) tenha uma ascensão muito rápida até ao nível freático, onde ocorre uma explosão com o contacto súbito da água. Os diatremas, tiveram de ter uma ascensão de cerca de 80km/h para não haver regressão do diamante para grafite. Ora que no espaço, a pressão é nula, ou próxima de 0, e aos modelos do Planeta Terra isso não acontece. Esses "superdiamantes" têm um custo de produção bastante reduzido, necessitando apenas de um diamante-semente, metano, água e uma temperatura de cerca de 1200ºC e, o diamante-semente como que "crescerá" centímetros em 5 ou 6 dias! os diamantes pelas suas características (bom condutor, elevada resistência, etc) poderá vir a ser um substituto da sílica em termos de componentes informáticos e afins, pois, além de ser melhor condutor eléctrico (característica conferida pela molécula) e, podendo aumentar consideravelmente a velocidade de transmissão e processamento de dados, não aquece tão facilmente como a sílica! Os superdiamantes são ainda cerca de 50% mais duros que os encontrados na Terra, podendo traduzir um número enorme de aplicações devido a esse efeito!
marina
2010-05-17
17:06
que bom

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

O flagelo das alergias

«Vender» empregos é o que vai dar!

O grande desafio:
reparar autoestradas axonais para tratar lesões

Estudo avalia impacto da crise económica nos médicos

A burocracia e as TIC
(esta dádiva de algum deus suspeito!)

When bad news are good news for neurodegenerative diseases

Nova lei da investigação clínica
publicada hoje em Diário da República

Dor condiciona actividades diárias dos doentes mais idosos

Fraunhofer Portugal Challenge premeia a ciência nacional

Investigadores da UC localizam a distribuição celular
da proteína envolvida na Alzheimer

Cocktails de pesticidas prejudicam a saúde dos solos

Polémica das Ciências do Mar:
resposta ao coordenador do painel de avaliação

Cancro de Mama “Triplo-negativo” e Metástases do Cérebro
«vencem» bolsas de investigação da Associação Laço

Galaxy Zoo abre as portas do Universo

“Será realista o mundo de Avatar ?”

São João da Madeira vence “Dá Power ao Electrão”

“Jogar” na Sala de aula: estudo da UC defende
a utilização de dispositivos móveis no ensino

Fobias: quem tem medo compra um cão!

Bolsas para Ciências do Mar: críticas vindas a público
são totalmente desprovidas de fundamento

Estudo sociológico sobre jovens portugueses/as
vence prémio mundial

Alunos do secundário desvendam a física das partículas na UMinho

Sabe escolher azeite de qualidade?
Se vai só pela acidez está errado!

Projecto internacional da UA mostra vantagens
da iluminação pública inteligente com LED

Candidatos denunciam irregularidades
na atribuição de bolsas da FCT

Cientista português ligado
a nova investigação sobre Alzheimer

Cancro e diabetes: políticas a longo prazo
reduzem incidência de casos

Quinta do Seixo é caso de estudo
para especialistas europeus em biodiversidade

Trinta concorrentes disputam meia-final do FameLab

Veneno de caracol marinho letal pode facultar
novos tratamentos para a dor crónica em humanos

Cientistas portugueses no maior projecto da UE
contra a degradação dos solos europeus