Receba as notícias:

Novos tipos de diamantes encontrados em meteorito

Investigadores descobriram acidentalmente este material quando poliam pedaços do Haverö

2010-02-05
Uma das zonas de carbono do Haverö
Uma das zonas de carbono do Haverö
Foram descobertos dois novos tipos de diamantes mais duros do que os que se formam na Terra. A equipa de investigadores achou este material no meteorito Haverö, que caiu na Finlândia há 39 anos. O estudo vai ser agora publicado na revista «Earht and Planetary Science Letters».

Este achado acidental aconteceu quando a equipa, dirigida por Tristán Ferroir, da Universidade de Lyon (França), estava a polir o pedaço do meteorito com pasta de diamante.
Durante o polimento do meteorito, os investigadores encontraram pontos carregados de carbono sobre a superfície. Estas zonas revelaram-se mais duras do que a pasta que estavam a utilizar.

O investigador Changfeng Chen, da Universidade de Nevada (Las Vegas), explica, em declarações ao «Discovey Channel», que quando ocorre um impacto, as camadas de grafite dos asteróides podem formar zonas muito resistentes na superfície.

O que aconteceu com o Haverö foi que as camadas de grafite devem ter aquecido o suficiente para criar laços entre elas, que é exactamente a fórmula que se utiliza para a fabricação de diamantes.

A equipa analisou os cristais com instrumentos de alta precisão o que permitiu confirmar que se tinha encontrado um novo polimorfo de carbono, assim como um tipo de diamante que se procurava há décadas mas que nunca se tinha encontrado na natureza.

Esta mostra é mais dura do que os diamantes regulares. No entanto, devido ao seu tamanho diminuto, não pode ser comparada aos diamantes ultra duros que se fabricam artificialmente. Ainda assim, os cientistas acreditam que a descoberta pode ajudar a criar diamantes artificiais ainda mais duros.

Artigo: Carbon polymorphism in shocked meteorites: Evidence for new natural ultrahard phases

Marco Cunha
2010-02-05
20:37
os aclamados "superdiamantes" já conseguem ser reproduzidos em laboratório! o grande problema da génese dos diamantes, segundo o ponto de vista geoquímico, seria a necessidade de temperaturas e pressões elevadas para a sua formação e, na natureza ainda é necessário que os quimberlitos (rocha-mãe dos diamantes) tenha uma ascensão muito rápida até ao nível freático, onde ocorre uma explosão com o contacto súbito da água. Os diatremas, tiveram de ter uma ascensão de cerca de 80km/h para não haver regressão do diamante para grafite. Ora que no espaço, a pressão é nula, ou próxima de 0, e aos modelos do Planeta Terra isso não acontece. Esses "superdiamantes" têm um custo de produção bastante reduzido, necessitando apenas de um diamante-semente, metano, água e uma temperatura de cerca de 1200ºC e, o diamante-semente como que "crescerá" centímetros em 5 ou 6 dias! os diamantes pelas suas características (bom condutor, elevada resistência, etc) poderá vir a ser um substituto da sílica em termos de componentes informáticos e afins, pois, além de ser melhor condutor eléctrico (característica conferida pela molécula) e, podendo aumentar consideravelmente a velocidade de transmissão e processamento de dados, não aquece tão facilmente como a sílica! Os superdiamantes são ainda cerca de 50% mais duros que os encontrados na Terra, podendo traduzir um número enorme de aplicações devido a esse efeito!
marina
2010-05-17
17:06
que bom

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Duarte Nuno Vieira preside a rede ibero-americana

Práticas de Intraempreendedorismo
nos Arquivos Municipais Portugueses

Jogo online previne violência no namoro entre adolescentes

Criança de cinco anos infectada por HIV
manteve-se saudável

A Expressão das Emoções
nova peça de teatro pela Marionet

Nanocatalisadores de carbono
ajudam a tratar águas residuais

Investigadores da UC mostram o valor da floresta
mediterrânica com filme de animação

Homens ou mulheres? Quem corre mais riscos
de violência verbal no local de trabalho?

Investigador do IA é um dos vencedores dos Prémios Breakthrough 2015

Qual é a melhor iluminação para a sua casa?

Cyberbullying: retrato de um fenómeno
em expansão silenciosa

Centro de Investigação da Montanha distinguido
em cooperação internacional

Investigação europeia em oftalmologia
coordenada em Portugal

Portugal lidera detecção inédita na atmosfera de Vénus

Modelos matemáticos desenvolvidos na UA
preveem gravidade de acidentes de viação

Mosca-da-azeitona pode ser combatida
de forma rápida, barata e eficaz

Já é possível «ouvir» o coração da mãe
e do bebé ao mesmo tempo

Áreas menos desenvolvidas penalizadas
na agenda política de saúde

Foi com uma grande alegria que vi o nome de Teresa Teixeira!

Teresa Teixeira nomeada hoje
EMBO Young Investigator

Investigador mexicano desenvolve software
que “prevê” ocorrências cardíacas

UTAD aposta no combate ao abandono escolar

ESAN quer ser referência em fabrico aditivo rápido

Um neurónio, uma função? Afinal o cérebro faz multitasking!

Consegue seguir o ritmo?

De como bem aprender uma sequência de dança

As crianças devem ir a pé para a escola

Investigadores da UC desenvolvem
guia inteligente de apoio a cegos

O nariz delas é melhor do que o deles

De como a realidade virtual pode «medir»
os delinquentes sexuais