Receba as notcias:

Novos tipos de diamantes encontrados em meteorito

Investigadores descobriram acidentalmente este material quando poliam pedaos do Haver

2010-02-05
Uma das zonas de carbono do Haver
Uma das zonas de carbono do Haver
Foram descobertos dois novos tipos de diamantes mais duros do que os que se formam na Terra. A equipa de investigadores achou este material no meteorito Haverö, que caiu na Finlândia há 39 anos. O estudo vai ser agora publicado na revista «Earht and Planetary Science Letters».

Este achado acidental aconteceu quando a equipa, dirigida por Tristán Ferroir, da Universidade de Lyon (França), estava a polir o pedaço do meteorito com pasta de diamante.
Durante o polimento do meteorito, os investigadores encontraram pontos carregados de carbono sobre a superfície. Estas zonas revelaram-se mais duras do que a pasta que estavam a utilizar.

O investigador Changfeng Chen, da Universidade de Nevada (Las Vegas), explica, em declarações ao «Discovey Channel», que quando ocorre um impacto, as camadas de grafite dos asteróides podem formar zonas muito resistentes na superfície.

O que aconteceu com o Haverö foi que as camadas de grafite devem ter aquecido o suficiente para criar laços entre elas, que é exactamente a fórmula que se utiliza para a fabricação de diamantes.

A equipa analisou os cristais com instrumentos de alta precisão o que permitiu confirmar que se tinha encontrado um novo polimorfo de carbono, assim como um tipo de diamante que se procurava há décadas mas que nunca se tinha encontrado na natureza.

Esta mostra é mais dura do que os diamantes regulares. No entanto, devido ao seu tamanho diminuto, não pode ser comparada aos diamantes ultra duros que se fabricam artificialmente. Ainda assim, os cientistas acreditam que a descoberta pode ajudar a criar diamantes artificiais ainda mais duros.

Artigo: Carbon polymorphism in shocked meteorites: Evidence for new natural ultrahard phases

Marco Cunha
2010-02-05
20:37
os aclamados "superdiamantes" j conseguem ser reproduzidos em laboratrio! o grande problema da gnese dos diamantes, segundo o ponto de vista geoqumico, seria a necessidade de temperaturas e presses elevadas para a sua formao e, na natureza ainda necessrio que os quimberlitos (rocha-me dos diamantes) tenha uma ascenso muito rpida at ao nvel fretico, onde ocorre uma exploso com o contacto sbito da gua. Os diatremas, tiveram de ter uma ascenso de cerca de 80km/h para no haver regresso do diamante para grafite. Ora que no espao, a presso nula, ou prxima de 0, e aos modelos do Planeta Terra isso no acontece. Esses "superdiamantes" tm um custo de produo bastante reduzido, necessitando apenas de um diamante-semente, metano, gua e uma temperatura de cerca de 1200C e, o diamante-semente como que "crescer" centmetros em 5 ou 6 dias! os diamantes pelas suas caractersticas (bom condutor, elevada resistncia, etc) poder vir a ser um substituto da slica em termos de componentes informticos e afins, pois, alm de ser melhor condutor elctrico (caracterstica conferida pela molcula) e, podendo aumentar consideravelmente a velocidade de transmisso e processamento de dados, no aquece to facilmente como a slica! Os superdiamantes so ainda cerca de 50% mais duros que os encontrados na Terra, podendo traduzir um nmero enorme de aplicaes devido a esse efeito!
marina
2010-05-17
17:06
que bom

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

ltimas notcias

Siemens desenvolve sistema de sensores
que facilita o estacionamento nas cidades

Artista portugus e cientista da Harvard Medical School
criam escultura inspirada na biologia celular

Quais as principais caractersticas
nutricionais e funcionais da bolota?

UBI acelera processo na luta contra o cancro

Coimbra estuda dieta das aves das Galpagos

Olfacto humano ajuda a desvendar crimes violentos

Aluno da FCUL cria barmetro de eficincia energtica

UA desenvolve tecnologia para armazenar
e dar mobilidade eletricidade

Industrializao e conjuntos sociotecnolgicos
o caso dos laticnios aorianos

No more bleeding for iron overload patients?

Coimbra d importante contributo
para aplicao da terapia gnica

Estudo indito do sofrimento na deficincia visual
vale nota 20 a aluna quase cega

Prmio Terre de Femmes para biloga da UA

Encontrado o gene responsvel
pela reaco das plantas ao toque

Dores nas costas e hrnias discais

Investigao sobre Cancro, AVC e descontaminao da gua
por medicamentos distingue jovens investigadoras

UTAD investiga valor nutricional do leite de golfinhos

Terapia amiga do ambiente descontamina
guas das pisciculturas

Portas abertas para novos tratamentos
para a artrite reumatide

Gosta de merujes? Vo aparecer na sua mesa!

Estudantes de medicina apostam
na formao cientfica e humana

Investigadora da Universidade de Coimbra premiada
pela Sociedade Portuguesa de Doenas Metablicas

UC estuda o impacto do novo metro igeiro de Macau

Hepatite C: nova realidade, novos horizontes

Sade do crebro e do corao comea na boca

Descoberto o responsvel pelo surgimento
de problemas de memria

UA combate contrafaco com cdigos DNA para marcas

Investigadores belgas e franceses medem
a temperatura do corao das estrelas

Estudante da UA imprime circuitos electrnicos em papel

Je suis Charlie