Receba as notícias:

O ensino de ciências e a qualidade da educação

Opinião

2006-08-23
Por Por Jorge Werthein*

Muito se fala sobre a necessidade de melhorar a qualidade da educação básica no Brasil e são várias as estratégias defendidas com esta finalidade: aprimorar a formação dos docentes, aumentar o tempo de permanência na escola, melhorar a infra-estrutura e equipar os estabelecimentos de ensino. Todas são válidas e, certamente, se colocadas em prática colaboram para melhorar a educação. Contudo, existe uma alternativa de grande impacto que é pouco lembrada: a incorporação do ensino de ciências ao currículo desde os primeiros anos do ensino fundamental.

*  Assessor especial do director-geral da Organização dos Estados Ibero-americanos – OEI.

werthein@oeibrpt.org

ND - Os subtítulos são da responsabilidade de CH

 No Brasil, o ensino de ciências tem pouca ênfase dentro da educação básica, apesar da forte presença da tecnologia na vida das pessoas e do lugar central que a inovação tecnológica detém enquanto elemento de competitividade entre as empresas e as nações. Evidência da falta de atenção dispensada à formação na área de ciências neste país é o enorme deficit de docentes de física, química, matemática e biológica, calculado em 200 mil segundo o próprio Ministério da Educação.

Enquanto isso, em diversas partes do mundo, inclusive da América Latina, tem-se experimentado o impacto positivo do ensino de ciências sobre a qualidade da educação. Argentina, Uruguai, Chile, Costa Rica, Cuba detêm os melhores indicadores educacionais da região e são exemplos de países que perceberam que o ensino das ciências pode ser muito importante e produtivo.

O impacto do ensino de ciências sobre a qualidade da educação se deve ao fato de que ele envolve um exercício extremamente importante de raciocínio, que desperta na criança seu espírito criativo, seu interesse, melhorando a aprendizagem de todas as disciplinas. Por isso, se a criança se familiariza com as ciências desde cedo, mais chances ela tem de se desenvolver neste campo e em outros.

Bom ensino atrai talentos

Somente esse motivo já justificaria uma maior atenção ao ensino de ciências por parte dos formuladores de políticas públicas na área da educação, mas existem outros. Uma segunda razão é que apenas com bom ensino de ciências para todas as crianças é possível atrair talentos para as carreiras científicas.

A terceira, e última lembrada no âmbito deste artigo, é o fato de que o conhecimento científico e as novas tecnologias são fundamentais para que a população possa se posicionar frente a processos e inovações sobre os quais precisa ter uma opinião a fim de legitimá-los. É o caso do uso de alimentos geneticamente modificados, da clonagem biológica e o uso da energia nuclear. Nesse sentido, o domínio do conhecimento científico faz parte do exercício da cidadania no contexto da democracia.

Costuma-se dizer que, no mundo contemporâneo, o capital mais importante de um país é o conhecimento. O conhecimento, contudo, depende da formação de pessoas capazes de produzi-lo. E num país com as características do Brasil, com um numeroso contingente de crianças e jovens em idade escolar, não é exagerado dizer que este é o bem mais valioso que se tem à disposição, o qual pode se converter em vantagem competitiva se esse potencial for bem aproveitado por meio de uma educação de qualidade.

Falta de capacitação de docentes

Mas justamente por se almejar uma educação de qualidade é preciso atentar para um aspecto fundamental: o ensino para as ciências não consiste apenas em inserir disciplinas no currículo. Vide o que acontece no ensino médio, em que a educação para as ciências, sobretudo na rede pública, é extremamente deficiente devido, entre outras coisas, à falta de capacitação dos docentes.

Assim, a inclusão das ciências desde o ensino fundamental deve ser associada, necessariamente, a uma política de formação de docentes, de modo que eles se sintam seguros e possam propiciar aos alunos aprendizagens significativas.

Não existe nenhum fantasma no ensino de ciência, é apenas preciso transmitir conhecimentos que são até elementares e que gerem interesse das crianças pela experimentação. Os alunos se entusiasmam, querem praticar e começa a existir trabalho em equipa. No Brasil, isso acontece em escolas da rede privada, mas não é possível manter uma situação em que esse tipo de formação e conhecimento se mantenha restrito a um pequeno número de crianças e jovens, sob pena de se continuar a gerar e a reproduzir as desigualdades.

Isabel Castro
2007-06-06
00:25
Partilho inteiramente das ideias que apresenta no seu artigo “O ensino de ciências e a qualidade da educação”, e que me trouxe à lembrança um artigo que li já há algum tempo a propósito de uma visita que o prémio Nobel da física, Richard Feyman, fez ao Brasil há mais de 30 anos. O prémio Nobel descreve que na sua opinião o método de ensino mais eficaz é aquele que forma pessoas curiosas e não eruditos. Segundo conta, o que mais o espantou na visita ao Brasil foi verificar que o ensino da física neste país é muito mais avançado do que o Norte-Americano e que apesar disso o Brasil produz muito menos físicos que o EUA. A verdade é que os Norte Americanos aprendem menos teoria, mas gastam a maioria do tempo a aprender em como usar a informação apresentada, recorrendo essencialmente à experimentação. Entendo pelas suas palavras, que os males que afectam o ensino das ciências no Brasil têm algumas similitudes com o Português, com excepção do défice em professores existente actualmente no Brasil, pois, nós por cá, felizmente ou infelizmente, temos excedentes de massa cinzenta, mais ou menos bem preparada pelas licenciaturas de cinco anos, conferidas por universidades para leccionar ciências. No entanto o ensino das ciências em Portugal não é pautado pelo sucesso. Então o que é que está em falta? 1º Utilizo as suas palavras quando refere que “para se almejar uma educação de qualidade é preciso atentar para um aspecto fundamental: o ensino para as ciências não consiste apenas em inserir disciplinas no currículo”. 2º É necessário também, implementar programas, bem estruturados, equilibrados, adequados à realidade, que sejam exequíveis no tempo disponível e que incluam práticas obrigatórias que estimulem a curiosidade; 3º Será também fundamental que o trabalho dos docentes seja apoiado por manuais rigorosos que contenham o essencial, que fomentem a pesquisa e a autonomia dos alunos; 4º Refiro também a importância de incrementar concursos de ideias, feiras de ciência (com o desenvolvimento de pequenos projectos práticos) e outros encontros, conducentes a valorização do sucesso e da excelência. Termino dizendo, que uma grande parte dos docentes que conheço e com quem partilho a profissão se esforça verdadeiramente para promover o êxito e a qualidade da educação em ciências, necessitando apenas do apoio de uma política de educação estável e duradoura, simples, com menos teoria e mais prática! Isabel Castro (professora de Biologia e Geologia na Escola Secundária de Valongo)
Nildelly Melo
2008-12-16
22:42
concordo com o atigo.
pois ele tranmite a mensagem que tanto questiono.
"como queremos uma educaçao de qualidade se ate a formaçao dos docentes é fragmentada?"
Devemos primeiramente questionar realmente a formaçao das series iniciais ate o ensino medio, e principalmente aquelas que formam o docente pois estas estao a desejar.
Pois a grande massa de universidades que nao sao as publicas estao cada vez mais "formando" e nao "informando" ou melhor nao estao propiciando ao mercado pessoas capacitadas e isso nao é de hoje, pois ha muito nossa formaçao é fragmentada e precisa ser visualizada.
Afinal é o que todos enfatizam, mas nunca ninguem poe em pratica. :"O conhecimento, contudo, depende da formação de pessoas capazes de produzi-lo.
Sara Ribeiro (cursando biologia)
2009-11-18
17:10
Devo infelizmente concordar com esse artigo, pois mostra com clareza a realidade brasileira.
Mário Jelson
2010-04-03
20:31
Âchei muito interessante seu artigo e, muito verdadeiro, sou formado em biologia, atuo dentro de sala de aula com turmas do ensino fundamental (5ª a 8ª séries), já trabalhei também com as séries inicais (1ª a 4ª séries), e realmente as séries iniciais têm pouca "carga horária" me relação às ciências. Precisamos melhorar muito neste aspecto...
Fabiana
2010-07-03
19:59
Gostaria de ler mais artigos sobre o ensino de ciencias no Brasil
Inez Alcantara
2010-08-18
15:23
Concordo com seu posicionamento em relação do ensino de ciências e a necessária formação docente para desenvolver práticas que potencializem a pesquisa como ponto de partida para o ensino demais disciplinas, principalmente no ensino fundamental.
ramon marvil acosta
2011-09-27
23:48
Ola,estou no ultimo periodo da faculdade e estou fazendo o meu tcc.o meu tema aborda a questão do ensino de ciencias no brasil e gostaria de saber como posso ter acesso a artigos que contenham esse assunto.obrigado.
jonice dias
2012-10-25
14:04
ola estou no ultimo semestre da faculdade gostaria de saber como eu faço para ter acesso a artigos que falem sobre: o ensino de ciencias no brasil.
Lourdes Pereira
2014-07-18
13:02
Adorei este artigo vai me ajudar bastante em produzir o meu.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

A Ciência na educação pré-escolar

A guerra dos espermatozóides

O Viagra protege o coração para além do quarto

Premiado dispositivo portátil
para recuperar lesões desportivas

Aí está o andarilho inteligente motorizado
com «marca» portuguesa

Ajuda de emergência para «overdoses»

Investigadores portugueses abrem novas possibilidades
no desenho de vacinas contra o cancro

Porquê eu? Muitas mulheres que vivem na pobreza
culpam os filhos e a vida amorosa

O papel dos "oásis" oceânicos nas interacções
entre organismos marinhos

Planta substituta de sal desenvolvida
em cultura in vitro por aluna da UTAD

Trabalho de investigadores da UA
cruza-se com o do Nobel da Física 2014

José Vieira da Universidade do Minho
foi eleito presidente da FEANI

Machimosaurus: o crocodilomorfo
de nove metros do Jurássico de Portugal

Investigação do IMM sobre causas e tratamento
da doença de Crohn premiada nos EUA

Jet lag prejudica funções cognitivas a curto prazo

Quando melhores descobertas ganham destaque
nas primeiras páginas dos jornais e nos telejornais

Investigadores do Porto distinguidos com prémio Grünenthal Dor

Fundação Champalimaud e governo do Rajastão
investem em clínica para o cancro

Visão sem precedentes de duzentas galáxias no Universo

Pistas para a neutralização do HIV

Homens e mulheres avaliam arte de forma diferente

Aumento do desemprego (também) pode
colocar em causa o futuro da Segurança Social

Colar os cromossomas no sítio certo

Cientista Português identifica mecanismo que evita
o suicídio celular e um potencial alvo contra o cancro

Maior painel termodinâmico do mundo é português

Jogos interactivos auxiliam vítimas de AVC

Nobel da Química premeia invenção
do microscópio fluorescente de alta resolução

Cientistas europeus manifestam-se dia 17
em Espanha, França e Itália

Nobel da Física para os japoneses dos LED azuis

Consumo crónico de melatonina
combate a obesidade e a diabetes