Receba as notícias:

DNA de aves extintas extraído de fósseis de cascas de ovo

Estudo publicado na Proceedings of Royal Society

2010-03-10
Esqueleto do pássaro elefante
Esqueleto do pássaro elefante

Um artigo publicado na revista especializada em biologia Proceedings of Royal Society B. revela que um grupo internacional de cientistas conseguiu isolar moléculas de DNA de espécies de pássaros extintos a partir de fósseis de cascas de ovo, concluindo assim que este material é uma fonte rica em DNA preservado.

Os investigadores acreditam que a técnica usada vai permitir desvendar mais informações sobre as espécies extintas e as razões que levaram ao seu desaparecimento. Embora já se tenha vindo a tentar isolar o DNA de um fóssil de casca de ovo, até agora estava a ser utilizado o método designado para os ossos, mas que não é aplicável na casca de ovo.

Entre as espécies extintas, os cientistas conseguiram obter o DNA do Aepyornis, vulgarmente conhecido por pássaro elefante, e da moa, um tipo de avestruz que existiu apenas na Nova Zelândia. Além disso, usaram a mesma técnica em cascas de ovos de emas e patos.

O isolamento das moléculas de DNA do pássaro elefante foi considerado o mais notável. Este animal que viveu no Madagáscar atingia os três metros de altura e pesava meia tonelada, tornando-se na ave mais pesada que alguma vez existiu. Assemelhava-se a uma avestruz gigante e desapareceu há mil anos. Embora já haja esqueletos completos desta ave, os investigadores pretendem, ao analisar o seu DNA, formar uma imagem mais detalhada do animal.

O arqueólogo Mike Parker Pearson, da Universidade de Sheffield, na Inglaterra, espera ainda que a análise do DNA deste pássaro possa esclarecer os motivos do seu desaparecimento. A sua extinção coincidiu com a chegada dos humanos ao seu habitat natural, no sudeste africano. No entanto não há provas de que o Homem tenha caçado o animal, nem sequer de que tenha comido os seus ovos, ainda que um único ovo desse para fazer uma omeleta para 30 pessoas. 

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Sistema reduz de meses para dias o tempo necessário
para os cientistas testarem hipóteses

Empresa tecnológica de Braga serve milhões de pessoas

Investigadores de Coimbra avançam na luta
contra a febre da carraça e tifo epidémico

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD

A espantosa capacidade de regeneração do pâncreas

Ébola não é porventura tão temível como a gripe

Bloquear os canais de potássio pode salvar vidas

Técnicas de meditação associadas ao budismo tibetano
podem melhorar o desempenho do cérebro

O meu automóvel conduz, estaciona e recarrega-se sozinho

Congresso Mundial de Investigação marinha
no Oceanário de Lisboa

Iraniana é a primeira mulher
a ser distinguida com o «Nobel» da Matemática

Alunos da UMinho desenvolvem protótipos todo-o-terreno

Todos pela Antártida

A Roseta foi ao cometa

Concelhos despovoados e com poucos bombeiros
são os mais atingidos pelos fogos

As barreiras dos serviços de saúde
que afectam os imigrantes

As barreiras dos serviços de saúde que afectam os imigrantes

“La réalité n’existe pas”

Como os mamíferos e as moscas se alimentam:
semelhanças surpreendentes

Células "secundarias" do sistema nervoso são afinal cruciais
para a cognição e doenças mentais

As duas caras da misteriosa Azobenzeno