Receba as notícias:

Gravuras dos antigos habitantes da Escócia podem ser um tipo de escrita

Investigadores identificaram escrita através de processo matemático mas não a conseguem decifrar

2010-04-01
Duas rochas gravadas da civilização dos pictos (clique para aumentar)
Duas rochas gravadas da civilização dos pictos (clique para aumentar)
A civilização dos pictos, que ocupou a actual Escócia entre 300 a 843 d.C, deixou uma série de pedras esculpidas. Até agora, as imagens nelas presentes eram consideradas arte rupestre ou vinculadas à heráldica.

O novo estudo de um grupo de investigadores britânicos das Universidades de Lancaster e Exeter, publicado na «Proceedings of the Royal Society A», sugere que as imagens são afinal a linguagem escrita dos pictos, há muito desaparecida.
Esta civilização continua a ser enigmática. Quando os romanos chegaram à Grã-Bretanha deram-lhe o nome de pinctus, que significava “pintados”, pois estes usavam o corpo tatuado.

Os autores do estudo explicam que deixaram algumas centenas de pedras habilmente esculpidas com símbolos estilizados. Devido à sua natureza fragmentária, ainda não tinha sido possível percebe-se se representavam uma forma de linguagem escrita.

O investigador Rob Lee e a sua equipa analisaram todas as imagens encontradas nas poucas centenas de rochas. Utilizaram um processo matemático conhecido como “entropia da informação” e estudaram a forma, a direcção, a aleatoriedade e outras características de cada gravura.

Os dados foram depois comparados com inúmeras linguagens escritas, tais como os hieróglifos egípcios, textos chineses, escrita latina, anglo-saxão, língua nórdica antiga, galês antigo, entre outras. Apesar de não coincidirem com nenhuma delas, apresentam características de escrita baseada numa linguagem falada.


As imagens mais utilizadas nas gravuras (clique para aumentar)
As imagens mais utilizadas nas gravuras (clique para aumentar)
Rob Lee, citado pela Discovery News, explica que a escrita aparece em duas formas básicas: a lexicográfica, que se baseia no discurso, e a semasiográfica, onde as imagens veiculam a significação pré-definida.

Paul Bouissac, da Universidade de Toronto, um dos mais conceituados investigadores na área, afirmou à Discovery que é mais que plausível que os ‘símbolos’ Pictos sejam exemplos de escrita, no sentido em que a informação codificada também tinha uma forma falada.

Contudo, o que se conhece deste sistema não permite, ainda, a sua decifração. Talvez apareça uma espécie de «pedra de Roseta» (aquela que permitiu decifrar-se o código hieroglífico egípcio) que desvenda o mistério. Uma descoberta dessas seria muito importante para conhecer aquela civilização perdida.

Artigo: Pictish symbols revealed as a written language through application of Shannon entropy
XARLES
2010-04-05
01:52
PARABÉNS PELA PESQUISA
MCéu
2010-06-07
20:37
A serpente é curiosamente semelhante a uma escultura gigantesca, existente na Gran Bretanha, feita em terra como as colinas artificiais, sendo ainda hoje perfeitamente identificável. Correspondem à mesma civilização? Será que existem outras colinas artificiais representado os outros símbolos da escrita?
marta
2011-03-29
15:27
lindo... sem palavras

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Investigação sobre Cancro, AVC e descontaminação da água
por medicamentos distingue jovens investigadoras

UTAD investiga valor nutricional do leite de golfinhos

Terapia amiga do ambiente descontamina
águas das pisciculturas

Portas abertas para novos tratamentos
para a artrite reumatóide

Gosta de merujes? Vão aparecer na sua mesa!

Estudantes de medicina apostam
na formação científica e humana

Investigadora da Universidade de Coimbra premiada
pela Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas

UC estuda o impacto do novo metro igeiro de Macau

Hepatite C: nova realidade, novos horizontes

Saúde do cérebro e do coração começa na boca

Descoberto o responsável pelo surgimento
de problemas de memória

UA combate contrafacção com códigos DNA para marcas

Investigadores belgas e franceses medem
a temperatura do coração das estrelas

Estudante da UA imprime circuitos electrónicos em papel

Je suis Charlie

Investigações sobre cromossomas e doença de Huntington
premiadas hoje pela FLAD

Investigadora da UTAD distinguida na Galiza
com Prémio “Vicente Risco”

Compostos descobertos na casca do eucalipto
já têm método de extracção

Em 2015 continuo a supor que poderíamos ter pedido baunilha…

Investigadores de Coimbra querem melhorar
prognóstico do transplante de fígado

Curador do primeiro planetário da América
vai ser português

Humilhação dos 7-1 leva o Brasil
a olhar para a ciência

Carlos Ribeiro eleito para o primeiro grupo
dos FENS-Kavli Scholars

Rotundas virtuais vão projectar rotundas reais
seguras e amigas do ambiente

Dê azeite ao seu coração

Dois jovens cientistas portugueses
entre oito distinguidos pela EMBO

Neste Ano Novo dê o seu apoio ao Ciência Hoje

Efeitos da cafeína diferem com ou sem açúcar?

António Fernandes da Fonseca deixou a “sua marca”
na passagem pelo Mundo!

É possível estudar «cientificamente» os enchidos?
Universidades de Lisboa, Évora e Trás-os-Montes e Alto Douro fizeram investigação