Receba as notícias:

Gravuras dos antigos habitantes da Escócia podem ser um tipo de escrita

Investigadores identificaram escrita através de processo matemático mas não a conseguem decifrar

2010-04-01
Duas rochas gravadas da civilização dos pictos (clique para aumentar)
Duas rochas gravadas da civilização dos pictos (clique para aumentar)
A civilização dos pictos, que ocupou a actual Escócia entre 300 a 843 d.C, deixou uma série de pedras esculpidas. Até agora, as imagens nelas presentes eram consideradas arte rupestre ou vinculadas à heráldica.

O novo estudo de um grupo de investigadores britânicos das Universidades de Lancaster e Exeter, publicado na «Proceedings of the Royal Society A», sugere que as imagens são afinal a linguagem escrita dos pictos, há muito desaparecida.
Esta civilização continua a ser enigmática. Quando os romanos chegaram à Grã-Bretanha deram-lhe o nome de pinctus, que significava “pintados”, pois estes usavam o corpo tatuado.

Os autores do estudo explicam que deixaram algumas centenas de pedras habilmente esculpidas com símbolos estilizados. Devido à sua natureza fragmentária, ainda não tinha sido possível percebe-se se representavam uma forma de linguagem escrita.

O investigador Rob Lee e a sua equipa analisaram todas as imagens encontradas nas poucas centenas de rochas. Utilizaram um processo matemático conhecido como “entropia da informação” e estudaram a forma, a direcção, a aleatoriedade e outras características de cada gravura.

Os dados foram depois comparados com inúmeras linguagens escritas, tais como os hieróglifos egípcios, textos chineses, escrita latina, anglo-saxão, língua nórdica antiga, galês antigo, entre outras. Apesar de não coincidirem com nenhuma delas, apresentam características de escrita baseada numa linguagem falada.


As imagens mais utilizadas nas gravuras (clique para aumentar)
As imagens mais utilizadas nas gravuras (clique para aumentar)
Rob Lee, citado pela Discovery News, explica que a escrita aparece em duas formas básicas: a lexicográfica, que se baseia no discurso, e a semasiográfica, onde as imagens veiculam a significação pré-definida.

Paul Bouissac, da Universidade de Toronto, um dos mais conceituados investigadores na área, afirmou à Discovery que é mais que plausível que os ‘símbolos’ Pictos sejam exemplos de escrita, no sentido em que a informação codificada também tinha uma forma falada.

Contudo, o que se conhece deste sistema não permite, ainda, a sua decifração. Talvez apareça uma espécie de «pedra de Roseta» (aquela que permitiu decifrar-se o código hieroglífico egípcio) que desvenda o mistério. Uma descoberta dessas seria muito importante para conhecer aquela civilização perdida.

Artigo: Pictish symbols revealed as a written language through application of Shannon entropy
XARLES
2010-04-05
01:52
PARABÉNS PELA PESQUISA
MCéu
2010-06-07
20:37
A serpente é curiosamente semelhante a uma escultura gigantesca, existente na Gran Bretanha, feita em terra como as colinas artificiais, sendo ainda hoje perfeitamente identificável. Correspondem à mesma civilização? Será que existem outras colinas artificiais representado os outros símbolos da escrita?
marta
2011-03-29
15:27
lindo... sem palavras

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Aves fogem para Norte

Iniciativa monitoriza estado de saúde, aptidão física
e rendimento táctico de bombeiros em contexto de combate

Investigadores do Algarve combatem células tumorais
com extractos de plantas de sapal

Aditivos mais naturais?

UTAD alerta para os riscos do consumo de bivalves
produzidos em ambientes poluídos

Podemos prever a evolução?

Um Nobel de medicina que nem medicina sabe

Menopausa e a osteoporose: estudo premeia
investigadora de Coimbra

A revolução dos filmes de cristais líquidos

Abutre-preto volta ao Alentejo 40 anos depois

Grafeno mais sílica: a revolução
da indústria tecnológica do futuro

De como um smartphone pode controlar
a qualidade dos óleos de fritar

Cátedra do Real Madrid aprova projecto que envolve
a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

António Damásio profere conferência no Porto

Investigadora portuguesa revela novo método
de detecção precoce de cancro do pâncreas

Universidade da Beira Interior
com avanços no cancro da próstata

Investigadores portugueses distinguidos
por avanços na área da dor

Identidade, valores, modernidade: o meu livro
sobre o pensamento de Onésimo Teotónio Almeida

Nanopartícula entrega moléculas terapêuticas
a tumores cerebrais malignos

Portugal conquista prémio europeu
de conservação da natureza

E se lhe oferecerem um chão inteligente?

Plantas portuguesas dão origem a infusões de qualidade premium

CR7 já não é uma estrela! É uma galáxia!

EGO em Aveiro: uma peça do inventor da pílula

Estrutura social é importante na conservação de espécies

Philae acordou e mandou notícias

Coimbra indica nova direcção para o tratamento
dos vários tipos de cancro

Aveiro cria o anjo da guarda dos condutores

Cientista português financiado por March of Dimes
para estudar malária durante a gravidez

Barcelona cria sistema para avaliação cognitiva
de trabalhadores com deficiência cognitiva