Receba as notícias:

Existe relação biológica entre stress, depressão e ansiedade

Estudo publicado no «Nature Neuroscience»

2010-04-12
Investigadores da Universidade de Western Ontário (Canadá) descobriram uma relação biológica entre stress, depressão e ansiedade. O estudo liderado por Stephen Ferguson, do Robarts Research Institute, mostrou exactamente como é que o stress e a ansiedade podem levar à depressão, identificando o mecanismo de ligação no cérebro.
A investigação revela ainda que uma pequena molécula inibidora, desenvolvida pelo cientista canadiano, poderá ajudar a chegar a um melhor tratamento para a ansiedade e outros problemas relacionados. O artigo foi hoje publicado no jornal «Nature Neuroscience».

Stephen Ferguson, Ana Magalhães e outros colegas do instituto usaram para a análise um rato como modelo comportamental e uma série de experiência moleculares para revelar a relação existente e o caminho para testar o novo inibidor. Segundo o investigador e também director do Molecular Brain Research Group, em Robarts, “a descoberta sugere que pode haver uma nova geração de medicamentos mais eficientes para tratar a depressão”.

O estudo foi conduzido em parceria com Hymie Anisman, da Universidade de Carleton, financiada pelo Instituto Canadiano de Investigação em Saúde (CIHR). “De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a depressão e outras problemas relacionados com o humor partilham agora a distinção de serem as causas mais prevalentes de doenças crónicas”, explicou Anthony Phillips, director científico do CIHR.

O mecanismo de ligação envolve a interacção entre o receptor do factor de liberação de corticotropina 1 (CRFR1) e tipos específicos de receptores de serotonina (5-HTRs). Embora ninguém tenha sido capaz de interligar estes dois receptores a nível molecular, o estudo revela que o CRFR1 aumenta o número de 5 HTRs na superfície das células no cérebro, que pode causar uma sinalização anormal do cérebro.

Já que a activação do CRFR1 leva à ansiedade em resposta ao stress, e levar 5 HTRs a depressão, a pesquisa mostra como o stress, ansiedade e depressão se conectam através de percursos distintos processos no cérebro. Mais importante ainda, o inibidor desenvolvido pelo laboratório de Ferguson bloqueia o 5 HTRs para combater comportamentos de ansiedade, depressão, em ratos.

O transtorno depressivo ocorre muitas vezes com problemas de ansiedade nos pacientes, e as causas estão fortemente ligada a experiências stressantes. Ao descobrir e bloquear a via responsável pela ligação entre stress, ansiedade e depressão, Ferguson não só fornece a primeira evidência biológica para uma conexão, mas também será pioneiro em desenvolver uma droga potencialmente eficaz no tratamento destas maleitas.
Rosa
2010-04-14
20:20
Onde se faz análise à serotonina? Há mais de 20 anos que sofro de depressão, gostava de saber se é falta de serotonina.
tony
2010-06-14
18:43
Em qualquer laboratório, na net as opiniões divergem sobre a serotonina. Ex de comentário:

Quando uma pessoa deprimida vai ao médico, o médico diz «ah isso é a serotonina que está em baixo, vou receitar-lhe um anti-depressivo que vai fazer subir esse nível, e vai sentir-se melhor». E eu pergunto: como é que sabe que o nível de serotonina está baixo? Não pode fazer uma análise e comprovar se é mesmo isso o que se passa?

De facto era mais fácil se a serotonina fosse como o sal na sopa – tem de mais, tem de menos, aumenta-se, diminui-se. E tem razão, na medicina é isso que se faz, é medir o sal a olho. Mas na realidade é muito mais complicado – o que é importante para que tudo funcione como deve é que a serotonina esteja no sítio certo no momento certo. Medir o total não nos diz nada, e de facto um medicamento que age de forma global é ainda uma forma ainda primitiva de lidar com o problema. Só conta uma parte da história.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Aves fogem para Norte

Iniciativa monitoriza estado de saúde, aptidão física
e rendimento táctico de bombeiros em contexto de combate

Investigadores do Algarve combatem células tumorais
com extractos de plantas de sapal

Aditivos mais naturais?

UTAD alerta para os riscos do consumo de bivalves
produzidos em ambientes poluídos

Podemos prever a evolução?

Um Nobel de medicina que nem medicina sabe

Menopausa e a osteoporose: estudo premeia
investigadora de Coimbra

A revolução dos filmes de cristais líquidos

Abutre-preto volta ao Alentejo 40 anos depois

Grafeno mais sílica: a revolução
da indústria tecnológica do futuro

De como um smartphone pode controlar
a qualidade dos óleos de fritar

Cátedra do Real Madrid aprova projecto que envolve
a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

António Damásio profere conferência no Porto

Investigadora portuguesa revela novo método
de detecção precoce de cancro do pâncreas

Universidade da Beira Interior
com avanços no cancro da próstata

Investigadores portugueses distinguidos
por avanços na área da dor

Identidade, valores, modernidade: o meu livro
sobre o pensamento de Onésimo Teotónio Almeida

Nanopartícula entrega moléculas terapêuticas
a tumores cerebrais malignos

Portugal conquista prémio europeu
de conservação da natureza

E se lhe oferecerem um chão inteligente?

Plantas portuguesas dão origem a infusões de qualidade premium

CR7 já não é uma estrela! É uma galáxia!

EGO em Aveiro: uma peça do inventor da pílula

Estrutura social é importante na conservação de espécies

Philae acordou e mandou notícias

Coimbra indica nova direcção para o tratamento
dos vários tipos de cancro

Aveiro cria o anjo da guarda dos condutores

Cientista português financiado por March of Dimes
para estudar malária durante a gravidez

Barcelona cria sistema para avaliação cognitiva
de trabalhadores com deficiência cognitiva