Receba as notícias:

Existe relação biológica entre stress, depressão e ansiedade

Estudo publicado no «Nature Neuroscience»

2010-04-12
Investigadores da Universidade de Western Ontário (Canadá) descobriram uma relação biológica entre stress, depressão e ansiedade. O estudo liderado por Stephen Ferguson, do Robarts Research Institute, mostrou exactamente como é que o stress e a ansiedade podem levar à depressão, identificando o mecanismo de ligação no cérebro.
A investigação revela ainda que uma pequena molécula inibidora, desenvolvida pelo cientista canadiano, poderá ajudar a chegar a um melhor tratamento para a ansiedade e outros problemas relacionados. O artigo foi hoje publicado no jornal «Nature Neuroscience».

Stephen Ferguson, Ana Magalhães e outros colegas do instituto usaram para a análise um rato como modelo comportamental e uma série de experiência moleculares para revelar a relação existente e o caminho para testar o novo inibidor. Segundo o investigador e também director do Molecular Brain Research Group, em Robarts, “a descoberta sugere que pode haver uma nova geração de medicamentos mais eficientes para tratar a depressão”.

O estudo foi conduzido em parceria com Hymie Anisman, da Universidade de Carleton, financiada pelo Instituto Canadiano de Investigação em Saúde (CIHR). “De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a depressão e outras problemas relacionados com o humor partilham agora a distinção de serem as causas mais prevalentes de doenças crónicas”, explicou Anthony Phillips, director científico do CIHR.

O mecanismo de ligação envolve a interacção entre o receptor do factor de liberação de corticotropina 1 (CRFR1) e tipos específicos de receptores de serotonina (5-HTRs). Embora ninguém tenha sido capaz de interligar estes dois receptores a nível molecular, o estudo revela que o CRFR1 aumenta o número de 5 HTRs na superfície das células no cérebro, que pode causar uma sinalização anormal do cérebro.

Já que a activação do CRFR1 leva à ansiedade em resposta ao stress, e levar 5 HTRs a depressão, a pesquisa mostra como o stress, ansiedade e depressão se conectam através de percursos distintos processos no cérebro. Mais importante ainda, o inibidor desenvolvido pelo laboratório de Ferguson bloqueia o 5 HTRs para combater comportamentos de ansiedade, depressão, em ratos.

O transtorno depressivo ocorre muitas vezes com problemas de ansiedade nos pacientes, e as causas estão fortemente ligada a experiências stressantes. Ao descobrir e bloquear a via responsável pela ligação entre stress, ansiedade e depressão, Ferguson não só fornece a primeira evidência biológica para uma conexão, mas também será pioneiro em desenvolver uma droga potencialmente eficaz no tratamento destas maleitas.
Rosa
2010-04-14
20:20
Onde se faz análise à serotonina? Há mais de 20 anos que sofro de depressão, gostava de saber se é falta de serotonina.
tony
2010-06-14
18:43
Em qualquer laboratório, na net as opiniões divergem sobre a serotonina. Ex de comentário:

Quando uma pessoa deprimida vai ao médico, o médico diz «ah isso é a serotonina que está em baixo, vou receitar-lhe um anti-depressivo que vai fazer subir esse nível, e vai sentir-se melhor». E eu pergunto: como é que sabe que o nível de serotonina está baixo? Não pode fazer uma análise e comprovar se é mesmo isso o que se passa?

De facto era mais fácil se a serotonina fosse como o sal na sopa – tem de mais, tem de menos, aumenta-se, diminui-se. E tem razão, na medicina é isso que se faz, é medir o sal a olho. Mas na realidade é muito mais complicado – o que é importante para que tudo funcione como deve é que a serotonina esteja no sítio certo no momento certo. Medir o total não nos diz nada, e de facto um medicamento que age de forma global é ainda uma forma ainda primitiva de lidar com o problema. Só conta uma parte da história.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Dê azeite ao seu coração

Dois jovens cientistas portugueses
entre oito distinguidos pela EMBO

Neste Natal dê o seu apoio ao Ciência Hoje

Efeitos da cafeína diferem com ou sem açúcar?

António Fernandes da Fonseca deixou a “sua marca”
na passagem pelo Mundo!

É possível estudar «cientificamente» as salsichas?
Universidades de Lisboa, Évora e Trás-os-Montes e Alto Douro fizeram investigação

UBI apresenta amanhã em Bruxelas
sistema de propulsão inovador

Podemos fazer algo para minimizar
ou mesmo evitar a demência?

"Santo graal da cardiologia" vence prémio Fundação Altran para a Inovação

Investigador da UC lidera investigação europeia
sobre as doenças de Parkinson e de Machado-Joseph

Equipa internacional revela o "big bang"
da evolução das aves

Henrique Leitão, vencedor do Prémio Pessoa:
“Um curso de física bem dado é uma verdadeira sinfonia”

Instituto do Território lança Agênca da Baixa Densidade

UC entre as instituições europeias que venceram
o projecto “Vida Saudável e Envelhecimento Activo”

Investigação científica da UE aberta para todos

Cientistas portugueses no vulcão da Ilha do Fogo

UC inaugura projecto pioneiro para resolver
problema da fruticultura nacional

Investigadores da UTAD promovem avanços significativos
na compreensão da doença de Alzheimer

Prémios Pfizer entregues hoje

“Espelho mágico” permite ver como as peças de roupa
de uma loja ficam na pessoa

Sexo de pinguins: como determiná-lo

Punir as crianças quando mentem não funciona

LED desenvolvido pela UA quer revolucionar tecnologia
que recebeu Nobel da Física

Habilidades de feira vs. bancos de escola

Beba vinho tinto! Pela sua saúde!

Aveiro «inventa» folha de fruta não comercializada

UMinho quer criar lentes e iluminação para daltónicos

Vinho e cultura melhores do que sol e areia
e Portugal pode beneficiar com isso

Desenvolvido em Espanha um modelo
para detectar a condução agressiva

Distinguido estudo do metabolismo
de células do cancro do pulmão