Receba as notícias:

Existe relação biológica entre stress, depressão e ansiedade

Estudo publicado no «Nature Neuroscience»

2010-04-12
Investigadores da Universidade de Western Ontário (Canadá) descobriram uma relação biológica entre stress, depressão e ansiedade. O estudo liderado por Stephen Ferguson, do Robarts Research Institute, mostrou exactamente como é que o stress e a ansiedade podem levar à depressão, identificando o mecanismo de ligação no cérebro.
A investigação revela ainda que uma pequena molécula inibidora, desenvolvida pelo cientista canadiano, poderá ajudar a chegar a um melhor tratamento para a ansiedade e outros problemas relacionados. O artigo foi hoje publicado no jornal «Nature Neuroscience».

Stephen Ferguson, Ana Magalhães e outros colegas do instituto usaram para a análise um rato como modelo comportamental e uma série de experiência moleculares para revelar a relação existente e o caminho para testar o novo inibidor. Segundo o investigador e também director do Molecular Brain Research Group, em Robarts, “a descoberta sugere que pode haver uma nova geração de medicamentos mais eficientes para tratar a depressão”.

O estudo foi conduzido em parceria com Hymie Anisman, da Universidade de Carleton, financiada pelo Instituto Canadiano de Investigação em Saúde (CIHR). “De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a depressão e outras problemas relacionados com o humor partilham agora a distinção de serem as causas mais prevalentes de doenças crónicas”, explicou Anthony Phillips, director científico do CIHR.

O mecanismo de ligação envolve a interacção entre o receptor do factor de liberação de corticotropina 1 (CRFR1) e tipos específicos de receptores de serotonina (5-HTRs). Embora ninguém tenha sido capaz de interligar estes dois receptores a nível molecular, o estudo revela que o CRFR1 aumenta o número de 5 HTRs na superfície das células no cérebro, que pode causar uma sinalização anormal do cérebro.

Já que a activação do CRFR1 leva à ansiedade em resposta ao stress, e levar 5 HTRs a depressão, a pesquisa mostra como o stress, ansiedade e depressão se conectam através de percursos distintos processos no cérebro. Mais importante ainda, o inibidor desenvolvido pelo laboratório de Ferguson bloqueia o 5 HTRs para combater comportamentos de ansiedade, depressão, em ratos.

O transtorno depressivo ocorre muitas vezes com problemas de ansiedade nos pacientes, e as causas estão fortemente ligada a experiências stressantes. Ao descobrir e bloquear a via responsável pela ligação entre stress, ansiedade e depressão, Ferguson não só fornece a primeira evidência biológica para uma conexão, mas também será pioneiro em desenvolver uma droga potencialmente eficaz no tratamento destas maleitas.
Rosa
2010-04-14
20:20
Onde se faz análise à serotonina? Há mais de 20 anos que sofro de depressão, gostava de saber se é falta de serotonina.
tony
2010-06-14
18:43
Em qualquer laboratório, na net as opiniões divergem sobre a serotonina. Ex de comentário:

Quando uma pessoa deprimida vai ao médico, o médico diz «ah isso é a serotonina que está em baixo, vou receitar-lhe um anti-depressivo que vai fazer subir esse nível, e vai sentir-se melhor». E eu pergunto: como é que sabe que o nível de serotonina está baixo? Não pode fazer uma análise e comprovar se é mesmo isso o que se passa?

De facto era mais fácil se a serotonina fosse como o sal na sopa – tem de mais, tem de menos, aumenta-se, diminui-se. E tem razão, na medicina é isso que se faz, é medir o sal a olho. Mas na realidade é muito mais complicado – o que é importante para que tudo funcione como deve é que a serotonina esteja no sítio certo no momento certo. Medir o total não nos diz nada, e de facto um medicamento que age de forma global é ainda uma forma ainda primitiva de lidar com o problema. Só conta uma parte da história.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD

A espantosa capacidade de regeneração do pâncreas

Ébola não é porventura tão temível como a gripe

Bloquear os canais de potássio pode salvar vidas

Técnicas de meditação associadas ao budismo tibetano
podem melhorar o desempenho do cérebro

O meu automóvel conduz, estaciona e recarrega-se sozinho

Congresso Mundial de Investigação marinha
no Oceanário de Lisboa

Iraniana é a primeira mulher
a ser distinguida com o «Nobel» da Matemática

Alunos da UMinho desenvolvem protótipos todo-o-terreno

Todos pela Antártida

A Roseta foi ao cometa

Concelhos despovoados e com poucos bombeiros
são os mais atingidos pelos fogos

As barreiras dos serviços de saúde
que afectam os imigrantes

As barreiras dos serviços de saúde que afectam os imigrantes

“La réalité n’existe pas”

Como os mamíferos e as moscas se alimentam:
semelhanças surpreendentes

Células "secundarias" do sistema nervoso são afinal cruciais
para a cognição e doenças mentais

As duas caras da misteriosa Azobenzeno

Investigadores do Minho premiados no Brasil

Avanços na compreensão da doença de Parkinson
abrem novas portas terapêuticas

Ciência Hoje não tem férias! Apoie este jornal!