Receba as notícias:

Nanorobótica terá mais impacto na saúde do que na informática

Produzir células artificiais pode ser possível

2010-04-15
A nanorobótica terá grande importância para a informática e para a electrónica, mas o seu “maior impacto será na biologia e na saúde”, prevê o cientista luso-americano Aristides Requicha.

O cientista, que ontem proferiu uma conferência em Coimbra, acredita que “a Internet se vai transformar num sistema gigante de robótica distribuída”, em que, além de “aceder à informação”, também será possível “actuar no mundo físico e ver o que está a acontecer”.

Nessa altura, “para se ter uma boa informação acerca do que acontece no mundo” serão, no entanto, necessários “sensores, motores e outras coisas, todas ligadas numa rede enorme”, sustenta.
Tais sensores vão ter de ser “muito pequenos - micro ou nano -, para serem práticos”, adverte o especialista de origem portuguesa, residente nos Estados Unidos desde a década de 70, onde dirige o Laboratório de Robótica Molecular da Universidade de Southern Califórnia.

Saúde e biologia

A electrónica e a informática sofrerão, com a nanotecnologia, “alterações profundas, mas a sua influência será ainda maior na biologia e na saúde”, afirma.

Sensores vão ser muito pequenos
Sensores vão ser muito pequenos
Mas antes é necessário, por exemplo, que “sejamos capazes de fazer células artificiais” e isso ainda “levará tempo”, embora “agora já se esteja numa fase de contacto íntimo entre células naturais e as artificiais”, que ainda estão longe da fórmula pretendida.

Aristides Requicha não tem, contudo, dúvidas de que “na questão da saúde há, nesta área, potencialidades enormes”, embora ainda estejam “muito longe de ser realizadas”.

“O que existe actualmente são drogas, remédios dirigidos especificamente a certas células”
e continuam por identificar quais as células que padecem de males, como, por exemplo, de cancro.

Importante é, por isso, “perceber melhor o que está a biologia a fazer”, diz Aristides Requicha, que falava depois da conferência que proferiu, esta tarde, no Instituto de Sistema de Robótica da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.

Entender as células


“Quando soubermos melhor o que está a acontecer, o que é uma célula está a dizer à outra ou porque é que uma célula resolve suicidar-se, ultrapassamos certos problemas
”, porventura “determinantes”.

Aristides Requicha, cientista luso-americano
Aristides Requicha, cientista luso-americano
“Faltam ainda muitas descobertas”
, mas “estamos a dar passos animadores”, afirma o cientista.

A questão da saúde também será uma das preocupações do Laboratório Internacional Ibérico de Nanotecnologia, em Braga, disse Aristides Requicha, membro do Conselho Científico desta instituição que foi inaugurada no final do ano passado.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Jogo online previne violência no namoro entre adolescentes

Criança de cinco anos infectada por HIV
manteve-se saudável

A Expressão das Emoções
nova peça de teatro pela Marionet

Nanocatalisadores de carbono
ajudam a tratar águas residuais

Investigadores da UC mostram o valor da floresta
mediterrânica com filme de animação

Homens ou mulheres? Quem corre mais riscos
de violência verbal no local de trabalho?

Investigador do IA é um dos vencedores dos Prémios Breakthrough 2015

Qual é a melhor iluminação para a sua casa?

Cyberbullying: retrato de um fenómeno
em expansão silenciosa

Centro de Investigação da Montanha distinguido
em cooperação internacional

Investigação europeia em oftalmologia
coordenada em Portugal

Portugal lidera detecção inédita na atmosfera de Vénus

Modelos matemáticos desenvolvidos na UA
preveem gravidade de acidentes de viação

Mosca-da-azeitona pode ser combatida
de forma rápida, barata e eficaz

Já é possível «ouvir» o coração da mãe
e do bebé ao mesmo tempo

Áreas menos desenvolvidas penalizadas
na agenda política de saúde

Foi com uma grande alegria que vi o nome de Teresa Teixeira!

Teresa Teixeira nomeada hoje
EMBO Young Investigator

Investigador mexicano desenvolve software
que “prevê” ocorrências cardíacas

UTAD aposta no combate ao abandono escolar

ESAN quer ser referência em fabrico aditivo rápido

Um neurónio, uma função? Afinal o cérebro faz multitasking!

Consegue seguir o ritmo?

De como bem aprender uma sequência de dança

As crianças devem ir a pé para a escola

Investigadores da UC desenvolvem
guia inteligente de apoio a cegos

O nariz delas é melhor do que o deles

De como a realidade virtual pode «medir»
os delinquentes sexuais

Cancro do pulmão pode ser diagnosticado
anos antes de ser detectado por imagem

Distractores ambientais influenciam
a atenção e a memória dos mais velhos