Receba as notícias:

Produção de roupa a partir de fibras do caule de cânhamo

Indústria têxtil europeia congrega dez investigadores de seis centros tecnológicos

2010-05-03
Fibras de cannabis usadas na indústria têxtil
Fibras de cannabis usadas na indústria têxtil
Uma equipa de investigadores portugueses conseguiu extrair e separar com êxito as fibras do caule do cânhamo, aplicando-lhe as propriedades necessárias à confecção de vestuário técnico apenas com estas fibras naturais, segundo foi hoje anunciado. Iniciado há um ano, o projecto partiu de um desafio lançado pela indústria têxtil europeia e congrega dez investigadores de seis centros tecnológicos de Portugal, Espanha e França.
O objectivo do projecto FIBNATEX – Produção e Valorização Técnica de Fibras Naturais para a Indústria Têxtil do Sudoeste Europeu - é a criação de tecidos cem por cento de fibras naturais do cânhamo para serem colocados à disposição da indústria do vestuário, especialmente o de âmbito técnico.

Liderado pelo CITEVE – Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário, de Vila Nova de Famalicão, o projecto está dividido em três áreas: fabrico, produção e fiação da fibra (equipa francesa), fiação do fio (CITEVE) e modificação da superfície das fibras para que adquiram as propriedades ideais para vestuário.

A modificação das fibras é coordenada pela investigadora do Instituto Pedro Nunes (IPN) e da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) Ana Manaia. As fibras de cânhamo são “mais ecológicas e baratas que outras fibras naturais, como o algodão ou linho, e possuem propriedades de resistência muito superior (cinco vezes superior ao algodão)”, disse hoje a investigadora.

“Ultrapassada a grande dificuldade da extracção e separação das fibras do caule da planta do cânhamo, conseguimos, com processos amigos do ambiente, transformar com sucesso essas fibras, retirando-lhe o mau odor característico da planta, modificando a cor, aumentando a resistência à temperatura e introduzindo propriedades anti-bacterianas”, explicou.

O projecto é liderado pelo CITEVE
O projecto é liderado pelo CITEVE
Fase de produção


Os investigadores preparam-se agora para iniciar a fase de produção do fio, que esperam concretizar até ao final do ano e crêem que no início de 2011 seja possível arrancar com a produção dos tecidos. “É necessário optimizar o processo, realizar novos testes e estudos para se conseguir produzir um tecido que obedeça a todas as características estabelecidas pela indústria” europeia, de forma a enfrentar a “feroz concorrência dos países asiáticos, nomeadamente da China”, acrescenta Ana Manaia.

O cânhamo (cannabis) utilizado na investigação é proveniente do sul de França e o projecto deverá estar concluído no próximo ano, com a apresentação de uma colecção de vestuário técnico (uniformes para médicos, bombeiros e astronautas) e com a transferência tecnológica para a indústria do vestuário, refere uma nota hoje divulgada pela FCTUC.

Envolvidos no projecto estão também "LEITAT - Technological Center" e o "ASINTEC - Centro Tecnológico de Confección", por Espanha, o "GIH - Groupement des Industries de l'Habillement" e o "ICAM - Institut Catholique d'Arts et Métiers Ecole d'Ingénieurs Département Matériaux", por França.
Paulo Dalla Porta
2010-05-12
21:43
O projeto é interessante. Agora fica a pergunta: isso não vai aumentar a oferta de cannabis no mercado ilegal de drogas?
Paulo
2012-06-22
00:36
Bom projecto mas pouca divulgação::
Após 2 Anos,espero que a mentalidade mude?
pode ser droga, mas a planta fornece:
Fibra (roupa, tecidos, cordas, velas)
Alimentação
e mais...
manuel duarte
2012-10-01
17:37
Lamentavelmente, com todo o respeito, continuamos a investigar o quê? Se há anos que se produzem para cima de 25 mil produtos diferentes. Consigo dar-vos contactos de fornecedores da C.E. com quem me relaciono. Sim, porque tenho loja aberta ao publico em Carnaxide com dezenas de produtos diferentes. Infelizmente todos os produtos importados. Inclusivamente o M. Agricultura não me responde às solicitações. E o P.R. mandou-me - literalmente - falar com os franceses.
Nosso site: www.canhamohousehemp.com
Temos é de por em pratica teses de Mestrado já realizadas com os respectivos Mestres. E a nossa experiencia acomulada dos anos 40/70 com Celestino Graça e outros não serve de nada? Temos uma relacçao familiar com o Cânhamo de centenas de anos!

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Homens ou mulheres? Quem corre mais riscos
de violência verbal no local de trabalho?

Investigador do IA é um dos vencedores dos Prémios Breakthrough 2015

Qual é a melhor iluminação para a sua casa?

Cyberbullying: retrato de um fenómeno
em expansão silenciosa

Centro de Investigação da Montanha distinguido
em cooperação internacional

Investigação europeia em oftalmologia
coordenada em Portugal

Portugal lidera detecção inédita na atmosfera de Vénus

Modelos matemáticos desenvolvidos na UA
preveem gravidade de acidentes de viação

Mosca-da-azeitona pode ser combatida
de forma rápida, barata e eficaz

Já é possível «ouvir» o coração da mãe
e do bebé ao mesmo tempo

Áreas menos desenvolvidas penalizadas
na agenda política de saúde

Foi com uma grande alegria que vi o nome de Teresa Teixeira!

Teresa Teixeira nomeada hoje
EMBO Young Investigator

Investigador mexicano desenvolve software
que “prevê” ocorrências cardíacas

UTAD aposta no combate ao abandono escolar

ESAN quer ser referência em fabrico aditivo rápido

Um neurónio, uma função? Afinal o cérebro faz multitasking!

Consegue seguir o ritmo?

De como bem aprender uma sequência de dança

As crianças devem ir a pé para a escola

Investigadores da UC desenvolvem
guia inteligente de apoio a cegos

O nariz delas é melhor do que o deles

De como a realidade virtual pode «medir»
os delinquentes sexuais

Cancro do pulmão pode ser diagnosticado
anos antes de ser detectado por imagem

Distractores ambientais influenciam
a atenção e a memória dos mais velhos

Como é a excitação sexual nas mulheres?

Insónia potencia o risco de acidentes de viação

Tristeza permanece mais tempo do que outras emoções

Refrigeração magnética dá prémio internacional
a jovem cientista português

Fantasias sexuais: você é normal?