Receba as notícias:

Produção de roupa a partir de fibras do caule de cânhamo

Indústria têxtil europeia congrega dez investigadores de seis centros tecnológicos

2010-05-03
Fibras de cannabis usadas na indústria têxtil
Fibras de cannabis usadas na indústria têxtil
Uma equipa de investigadores portugueses conseguiu extrair e separar com êxito as fibras do caule do cânhamo, aplicando-lhe as propriedades necessárias à confecção de vestuário técnico apenas com estas fibras naturais, segundo foi hoje anunciado. Iniciado há um ano, o projecto partiu de um desafio lançado pela indústria têxtil europeia e congrega dez investigadores de seis centros tecnológicos de Portugal, Espanha e França.
O objectivo do projecto FIBNATEX – Produção e Valorização Técnica de Fibras Naturais para a Indústria Têxtil do Sudoeste Europeu - é a criação de tecidos cem por cento de fibras naturais do cânhamo para serem colocados à disposição da indústria do vestuário, especialmente o de âmbito técnico.

Liderado pelo CITEVE – Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário, de Vila Nova de Famalicão, o projecto está dividido em três áreas: fabrico, produção e fiação da fibra (equipa francesa), fiação do fio (CITEVE) e modificação da superfície das fibras para que adquiram as propriedades ideais para vestuário.

A modificação das fibras é coordenada pela investigadora do Instituto Pedro Nunes (IPN) e da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) Ana Manaia. As fibras de cânhamo são “mais ecológicas e baratas que outras fibras naturais, como o algodão ou linho, e possuem propriedades de resistência muito superior (cinco vezes superior ao algodão)”, disse hoje a investigadora.

“Ultrapassada a grande dificuldade da extracção e separação das fibras do caule da planta do cânhamo, conseguimos, com processos amigos do ambiente, transformar com sucesso essas fibras, retirando-lhe o mau odor característico da planta, modificando a cor, aumentando a resistência à temperatura e introduzindo propriedades anti-bacterianas”, explicou.

O projecto é liderado pelo CITEVE
O projecto é liderado pelo CITEVE
Fase de produção


Os investigadores preparam-se agora para iniciar a fase de produção do fio, que esperam concretizar até ao final do ano e crêem que no início de 2011 seja possível arrancar com a produção dos tecidos. “É necessário optimizar o processo, realizar novos testes e estudos para se conseguir produzir um tecido que obedeça a todas as características estabelecidas pela indústria” europeia, de forma a enfrentar a “feroz concorrência dos países asiáticos, nomeadamente da China”, acrescenta Ana Manaia.

O cânhamo (cannabis) utilizado na investigação é proveniente do sul de França e o projecto deverá estar concluído no próximo ano, com a apresentação de uma colecção de vestuário técnico (uniformes para médicos, bombeiros e astronautas) e com a transferência tecnológica para a indústria do vestuário, refere uma nota hoje divulgada pela FCTUC.

Envolvidos no projecto estão também "LEITAT - Technological Center" e o "ASINTEC - Centro Tecnológico de Confección", por Espanha, o "GIH - Groupement des Industries de l'Habillement" e o "ICAM - Institut Catholique d'Arts et Métiers Ecole d'Ingénieurs Département Matériaux", por França.
Paulo Dalla Porta
2010-05-12
21:43
O projeto é interessante. Agora fica a pergunta: isso não vai aumentar a oferta de cannabis no mercado ilegal de drogas?
Paulo
2012-06-22
00:36
Bom projecto mas pouca divulgação::
Após 2 Anos,espero que a mentalidade mude?
pode ser droga, mas a planta fornece:
Fibra (roupa, tecidos, cordas, velas)
Alimentação
e mais...
manuel duarte
2012-10-01
17:37
Lamentavelmente, com todo o respeito, continuamos a investigar o quê? Se há anos que se produzem para cima de 25 mil produtos diferentes. Consigo dar-vos contactos de fornecedores da C.E. com quem me relaciono. Sim, porque tenho loja aberta ao publico em Carnaxide com dezenas de produtos diferentes. Infelizmente todos os produtos importados. Inclusivamente o M. Agricultura não me responde às solicitações. E o P.R. mandou-me - literalmente - falar com os franceses.
Nosso site: www.canhamohousehemp.com
Temos é de por em pratica teses de Mestrado já realizadas com os respectivos Mestres. E a nossa experiencia acomulada dos anos 40/70 com Celestino Graça e outros não serve de nada? Temos uma relacçao familiar com o Cânhamo de centenas de anos!

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Equipa de Coimbra cria aerogel em spray
que permite isolar foguetões

Bioquímica portuguesa homenageada em Estocolmo

Esperar ou não esperar
- o papel da confiança na tomada de decisões

Implantes dentários «ganham» volume ósseo

Em Portugal um tratamento específico
depende da região onde se mora

Eousdryosaurus, o pequeno dinossauro
que viveu num tempo de gigante

Um em cada quatro já traiu

A Ciência da Gestão de Ciência e Tecnologia
– reflexões de uma despedida

A ansiedade de estar doente no hospital?
O ambiente do quarto pode ajudar!

Prémio António Champalimaud reconhece tratamento
revolucionário de doenças graves da visão

João Rocha é o primeiro português
da European Academy of Sciences

O Porto na Guerra Fria

Nariz electrónico pode detectar
subgrupos de asma nas crianças

Oceanos de Esperança chegou a Boston

Braga quer construir travessas de caminho-de-ferro
com resíduos de plásticos mistos

Comer com sucesso no Mercado do Bom Sucesso

Lars Montelius é o novo director do INL

José Xavier participa no Atlas
sobre vida marinha no Oceano Antárctico

Utilizar Software de Código Aberto
permitiria ao Estado poupar milhões de euros

Trás-os-Montes apresentou no MInho cremes inovadores
que ajudam no tratamento de queimaduras, feridas profundas e psoríase

Sistema reduz de meses para dias o tempo necessário
para os cientistas testarem hipóteses

Empresa tecnológica de Braga serve milhões de pessoas

Investigadores de Coimbra avançam na luta
contra a febre da carraça e tifo epidémico

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo