Receba as notícias:

Praga de rãs causa pânico na China por medo de terramoto

Investigadores ingleses publicam estudo onde garantem que os sapos podem prever sismos

2010-05-11
Por Bárbara Gouveia
Segunda invasão de rãs em menos de uma semana assusta chineses
Segunda invasão de rãs em menos de uma semana assusta chineses
Duas invasões de rãs em menos de uma semana foram suficientes para causar o pânico na China. Segundo um jornal de Pequim, os chineses acreditam que as migrações destes anfíbios precedem um movimento de terras.

A última praga aconteceu perto de um lago no distrito de Jiangnin, na cidade de Nankín, quando cem mil rãs de menos de dois centímetros de comprimento invadiram as ruas, dirigindo-se em grupo na mesma direcção.

No passado 5 de Maio, outra invasão: dez mil rãs na província de Sichuan, onde se registou o sismo de 2008, provocaram um alarme idêntico na população.

Antes do tremor de terra de há dois anos, que causou 87 mil mortos e desaparecidos, houve uma migração de anfíbios muito semelhante a esta.

Os especialistas e sismólogos já negaram esta relação e estão a acalmar a população. Yang Jianjun, responsável pela administração local de sismologia, explica que é verdade que antes de um terramoto certos animais podem mostrar um comportamento estranho, mas que esses comportamentos nem sempre precedem um terramoto.

As rotas das rãs

Outro especialista, Gao Guofu, da Academia de Ciências Biológicas de Nankín, acrescenta que se trata apenas de um fenómeno natural: “Há dois dias que chove, o ar está fresco e solarengo, é uma boa altura para as rãs que necessitem de migrar saiam”. Guofu acrescenta ainda que as rãs necessitam de migrar, quando terminam a fase de girinos, para procurar um novo habitat com alimentos.

José Teixeira, investigador CIBIO
José Teixeira, investigador CIBIO
José Teixeira, investigador do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO), explica que “por norma as rãs e os sapos migram no inicio da reprodução para os ambientes aquáticos e são animais com grande fidelidade ao local onde nascem”, ou seja, no fim da época de reprodução fazem o percurso inverso.

Questionado pelo Ciência Hoje acerca dos comportamentos estranhos que as rãs podem adoptar como consequência ou coincidência da precedência de um terramoto, o cientista do CIBIO explica que “as migrações não costumam são massivas. As rãs só saem no fim da reprodução e desfasadas”. 

Sapos desaparecem em L'Aquila

No entanto, existem precedentes de um comportamento estranho dos anfíbios antes de um terramoto. Segundo investigadores ingleses, os sapos comuns (Bufo bufo) abandonaram a zona do lago de San Ruffino, próximo de L’Aquila, em Itália, dias antes do terramoto de 6 de Abril do ano passado, de 5.8 graus na escala de Richter, em que se registaram 294 mortos e 1500 feridos.

Rachel Grant, da Open University
Rachel Grant, da Open University
Rachel Grant, da Open University e Tim Halliday de Oxford garantem que “os sapos comuns são capazes de pressentir eventos sísmicos importantes e de adaptar o seu comportamento”.

Cinco dias antes do tremor, o número de sapos machos presentes no local de reprodução brutalmente reduziu-se em 96 por cento, um comportamento
"altamente incomum" para esses anfíbios, segundo o estudo publicado no "Journal of Zoology".

Facto ou coincidência


José Teixeira admite que “é possível haver coincidências” mas realça, tendo em conta que já se registaram fenómenos semelhantes em diferentes sítios, que “há fortes indícios de mais um grupo que pode prever sismos”.

O investigador do CIBIO recorda que há vários animais conhecidos por possuírem esta capacidade −  as toupeiras, as cobras, os ratos ou os cães podem ficar mais agitados ao sentirem as primeiras ondas sísmicas que precedem um terramoto. 

antonio saias
2010-05-11
20:50
tive oportunidade de presenciar mais do que uma vez em Moçambique. milhares de jovens, ao longo da estrada de terra, em ondas vivas, saltitando na mesma direção.
lembro, como curiosidade, que as esmagadas ou estropiadas eram de imediato devoradas pelas que vinham atrás.
acredito que a emergência ocorresse em condições meteorológicas propícias, à semelhança de pragas tropicais como o gafanhoto elegante ou o Quellea (?) -
espécie próxima do pardal do telhado - devoradora de toneladas de grãos de arroz
Nirava Gulabo
2010-05-12
22:34
Acho incrível a arrogância humana. Antes dos aparelhos estavam os sapinhos e as ranzinhas no mundo. Assim quando antes do Tsunami, os elefantes debandaram antes que viessem as águas.
rosangela de noronha
2010-05-14
05:28
SÓ acho que é melhor prevenir do que remediar, tomar as providencias antes do mal tomar conta, ou vão esperar pra ver se é ou não é um aviso de um outro terremoto cruel...
Dra. Maria Matos
2010-08-15
00:13
Poder-se-ia acrescentar que as ras, tal como outros animais, sao sensiveis aos sinais electromagneticos emitidos pela fractura das rochas (materias estudadas em Geotecnia). Por isso, inumeros cientistas da area da Geotecnia, nao so da China, mas tambem Portugueses, Japoneses e de muitos outros paises teem sido levados a concluir que o periodo pre-sismo e acompanhado nao so de pragas de ras, mas tambem de muitos outros animais. No caso de sismo de 2008_China (tal como nos outros sismos) seria interessante contabilizar as ras e outros animais que conseguiram escapar (por serem mais sensiveis as ondas electro magneticas de fraco sinal, ficarem nervosos e afastarem-se atempadamente).
nikolas bolson
2011-10-13
17:53
bem legal essas coisas

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Um pedaço crucial de informação
no puzzle molecular oncológico

IMM avança no estudo de miopatia centronuclear

Cientistas do IST propõem teste experimental
para a equação mais exótica da física clássica

Português galardoado pela primeira vez
com prémio norte-americano em biologia reprodutiva

Investigador da UC preside a comissão mundial responsável
pela descrição e classificação de bactérias

Empreendedores Portugueses aceleram nos Estados Unidos
em programa de imersão «inRes»

Universidade de Coimbra no topo
da imagiologia molecular mundial

Leptospirose humana nos Açores:
da resposta imunológica à susceptibilidade genética

«Meu dito, meu escrito» ou de como a Ciência
já conheceu melhores dias em Portugal

O sucesso escolar começa à mesa!

Professora da UMinho vence prémio ibérico de contabilidade

João Falcão e Cunha é o novo director da FEUP

Mega experiência estuda o impacto das alterações climáticas
na biodiversidade da península ibérica

Os porquês do colapso da plataforma de gelo Larsen B

Investigadora de Coimbra reduz em 26,5%
a ocorrência de flebites

Equipa de Coimbra cria aerogel em spray
que permite isolar foguetões

Bioquímica portuguesa homenageada em Estocolmo

Esperar ou não esperar
- o papel da confiança na tomada de decisões

Implantes dentários «ganham» volume ósseo

Em Portugal um tratamento específico
depende da região onde se mora

Eousdryosaurus, o pequeno dinossauro
que viveu num tempo de gigante

Um em cada quatro já traiu

A Ciência da Gestão de Ciência e Tecnologia
– reflexões de uma despedida

A ansiedade de estar doente no hospital?
O ambiente do quarto pode ajudar!

Prémio António Champalimaud reconhece tratamento
revolucionário de doenças graves da visão

João Rocha é o primeiro português
da European Academy of Sciences

O Porto na Guerra Fria

Nariz electrónico pode detectar
subgrupos de asma nas crianças

Oceanos de Esperança chegou a Boston

Braga quer construir travessas de caminho-de-ferro
com resíduos de plásticos mistos