Receba as notícias:

Praga de rãs causa pânico na China por medo de terramoto

Investigadores ingleses publicam estudo onde garantem que os sapos podem prever sismos

2010-05-11
Por Bárbara Gouveia
Segunda invasão de rãs em menos de uma semana assusta chineses
Segunda invasão de rãs em menos de uma semana assusta chineses
Duas invasões de rãs em menos de uma semana foram suficientes para causar o pânico na China. Segundo um jornal de Pequim, os chineses acreditam que as migrações destes anfíbios precedem um movimento de terras.

A última praga aconteceu perto de um lago no distrito de Jiangnin, na cidade de Nankín, quando cem mil rãs de menos de dois centímetros de comprimento invadiram as ruas, dirigindo-se em grupo na mesma direcção.

No passado 5 de Maio, outra invasão: dez mil rãs na província de Sichuan, onde se registou o sismo de 2008, provocaram um alarme idêntico na população.

Antes do tremor de terra de há dois anos, que causou 87 mil mortos e desaparecidos, houve uma migração de anfíbios muito semelhante a esta.

Os especialistas e sismólogos já negaram esta relação e estão a acalmar a população. Yang Jianjun, responsável pela administração local de sismologia, explica que é verdade que antes de um terramoto certos animais podem mostrar um comportamento estranho, mas que esses comportamentos nem sempre precedem um terramoto.

As rotas das rãs

Outro especialista, Gao Guofu, da Academia de Ciências Biológicas de Nankín, acrescenta que se trata apenas de um fenómeno natural: “Há dois dias que chove, o ar está fresco e solarengo, é uma boa altura para as rãs que necessitem de migrar saiam”. Guofu acrescenta ainda que as rãs necessitam de migrar, quando terminam a fase de girinos, para procurar um novo habitat com alimentos.

José Teixeira, investigador CIBIO
José Teixeira, investigador CIBIO
José Teixeira, investigador do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO), explica que “por norma as rãs e os sapos migram no inicio da reprodução para os ambientes aquáticos e são animais com grande fidelidade ao local onde nascem”, ou seja, no fim da época de reprodução fazem o percurso inverso.

Questionado pelo Ciência Hoje acerca dos comportamentos estranhos que as rãs podem adoptar como consequência ou coincidência da precedência de um terramoto, o cientista do CIBIO explica que “as migrações não costumam são massivas. As rãs só saem no fim da reprodução e desfasadas”. 

Sapos desaparecem em L'Aquila

No entanto, existem precedentes de um comportamento estranho dos anfíbios antes de um terramoto. Segundo investigadores ingleses, os sapos comuns (Bufo bufo) abandonaram a zona do lago de San Ruffino, próximo de L’Aquila, em Itália, dias antes do terramoto de 6 de Abril do ano passado, de 5.8 graus na escala de Richter, em que se registaram 294 mortos e 1500 feridos.

Rachel Grant, da Open University
Rachel Grant, da Open University
Rachel Grant, da Open University e Tim Halliday de Oxford garantem que “os sapos comuns são capazes de pressentir eventos sísmicos importantes e de adaptar o seu comportamento”.

Cinco dias antes do tremor, o número de sapos machos presentes no local de reprodução brutalmente reduziu-se em 96 por cento, um comportamento
"altamente incomum" para esses anfíbios, segundo o estudo publicado no "Journal of Zoology".

Facto ou coincidência


José Teixeira admite que “é possível haver coincidências” mas realça, tendo em conta que já se registaram fenómenos semelhantes em diferentes sítios, que “há fortes indícios de mais um grupo que pode prever sismos”.

O investigador do CIBIO recorda que há vários animais conhecidos por possuírem esta capacidade −  as toupeiras, as cobras, os ratos ou os cães podem ficar mais agitados ao sentirem as primeiras ondas sísmicas que precedem um terramoto. 

antonio saias
2010-05-11
20:50
tive oportunidade de presenciar mais do que uma vez em Moçambique. milhares de jovens, ao longo da estrada de terra, em ondas vivas, saltitando na mesma direção.
lembro, como curiosidade, que as esmagadas ou estropiadas eram de imediato devoradas pelas que vinham atrás.
acredito que a emergência ocorresse em condições meteorológicas propícias, à semelhança de pragas tropicais como o gafanhoto elegante ou o Quellea (?) -
espécie próxima do pardal do telhado - devoradora de toneladas de grãos de arroz
Nirava Gulabo
2010-05-12
22:34
Acho incrível a arrogância humana. Antes dos aparelhos estavam os sapinhos e as ranzinhas no mundo. Assim quando antes do Tsunami, os elefantes debandaram antes que viessem as águas.
rosangela de noronha
2010-05-14
05:28
SÓ acho que é melhor prevenir do que remediar, tomar as providencias antes do mal tomar conta, ou vão esperar pra ver se é ou não é um aviso de um outro terremoto cruel...
Dra. Maria Matos
2010-08-15
00:13
Poder-se-ia acrescentar que as ras, tal como outros animais, sao sensiveis aos sinais electromagneticos emitidos pela fractura das rochas (materias estudadas em Geotecnia). Por isso, inumeros cientistas da area da Geotecnia, nao so da China, mas tambem Portugueses, Japoneses e de muitos outros paises teem sido levados a concluir que o periodo pre-sismo e acompanhado nao so de pragas de ras, mas tambem de muitos outros animais. No caso de sismo de 2008_China (tal como nos outros sismos) seria interessante contabilizar as ras e outros animais que conseguiram escapar (por serem mais sensiveis as ondas electro magneticas de fraco sinal, ficarem nervosos e afastarem-se atempadamente).
nikolas bolson
2011-10-13
17:53
bem legal essas coisas

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Ciência Hoje não vai de férias! Apoie este jornal!

Oceans of Hope chega a Lisboa para mudar percepções
sobre esclerose múltipla em Portugal

Com um euro pode combater a dor crónica

Estudo da UMinho avalia efeito de corticosteroides
no desenvolvimento dos bebés prematuros

Rapazes mais depressivos do que elas

Assim em Marte como na Terra

O primeiro genoma foi descodificado
numa cooperação Luso-Brasileira – Desulfovibrio gigas

Alunos aplicam ciência para detectar
mão criminosa nos incêndios

Scientists discovered a new player in mental diseases

Insucesso Escolar e competências transversais:
uma forma alternativa de observar o problema…

Investigador do IPLeiria distinguido nos EUA
na área da Biomecânica do Desporto

Luísa «lança-se» aos mares
e «deixa» a esclerose em terra

«Importa perceber o grau
de literacia científica do ilustrador

As mulheres ainda preferem o parto natural

Portugal acolhe o maior Congresso Europeu sobre a China

Cegonhas «contra» nova directiva Europeia

Associação Portuguesa de Estudos Franceses
recebe Prémio Hervé Deluen

Reclusos de Castelo Branco vão ver o sol
(não aos quadradinhos)

Fernando Pestana da Costa eleito presidente da SPM

Hortas urbanas têm solos com excesso de metais pesados

Coimbra cria programa pioneiro para a infertilidade

Jovem português «bronzeia-se» na Física

Aditivos alimentares sintéticos e naturais:
quem vai ganhar a «guerra»?

Qual é o número de moléculas dentro de células?

CESPU e Universidade de Barcelona
juntas no ensino da saúde

João Ramalho- Santos lidera CNC

GILEAD SCIENCES apoia projectos científicos
com 200 mil euros

Marta Catarino é vice-presidente da associação europeia
de transferência de conhecimento

Dr. ROAD – o “médico” das estradas - nasce em Coimbra

Um «osso» para a cabeça? Uma porta para o carro?
Uma peça para uma aeronave? É para já!