Receba as notícias:

Primeiro homem infectado por vírus informático

Investigador britânico alerta que pacemakers e implantes podem ser reprogramados

2010-05-26
Mark Gasson, investigador
Mark Gasson, investigador
Parece uma história de ficção científica, mas Mark Gasson, da Escola de Engenharia de Sistemas da Universidade de Reading (Berkshire, Reino Unido) garante que é o primeiro ser humano infectado com um vírus informático.

O investigador estava a realizar um trabalho sobre os riscos potenciais dos dispositivos implantavam e para tal, introduziu na mão um chip electrónico. 

No entanto, o pequeno aparelho estava contaminado por um vírus, que poderia ter-se transmitido a outros sistemas electrónicos com que o cientista estava em contacto.
Assim, seria possível que no futuro, os dispositivos médicos como os pacemakers e outros implantes pudessem ser vulneráveis a ataques cibernéticos.

O engenheiro colocou o chip na mão há um ano para realizar a experiencia científica.

O widget é uma versão mais avançada dos chips de identificação usado para localizar animais perdidos ou nas etiquetas de segurança para evitar roubos em lojas.

O dispositivo estava programado para que o seu proprietário pudesse abrir as portas de segurança da universidade e desbloquear o telemóvel automaticamente. No entanto, de algum modo, o chip ficou infectado por um vírus informático − um erro que danificou o sistema principal de comunicação e que Gasson carrega no próprio corpo. O investigador acredita que o chip terá entrado em contacto com outros sistemas informáticos e o vírus transmitido.

Fora de controlo

Pacemakers podem ser reprogramados
Pacemakers podem ser reprogramados
“Do mesmo modo, as pessoas com implantes médicos, após um ano, sentem-no como se fosse parte do seu corpo. Se é emocionante ser a primeira pessoa infectada por um vírus informático deste modo, também penso que é uma experiência que viola a minha privacidade porque o implante está intimamente ligado a mim. A situação está fora de controlo
”, explica Gasson num comunicado dado a conhecer pela universidade britânica.

Segundo o investigador, à medida que a tecnologia implantável se vai desenvolvendo, também está mais sensível aos vírus informáticos. “A nossa investigação demonstra que é possível comunicar, armazenar e manipular dados nos implantes. Os benefícios deste tipo de tecnologia tem os seus riscos”, confessa o cientista.

O perigo é que alguém possa aceder a um destes aparelhos tecnológicos implantados e alterar a programação e utilizá-lo com fins não médicos, algo que, segundo Mark Gasson, deve ser tido em conta no futuro.
Humberto Patricio
2010-05-27
00:59
Mais um profeta... que precisa de publicidade para se afirmar...
Cristina
2010-05-27
10:17
Lembro-me de há uns anos ter visto este mesmo titulo na capa do jornal "Noticias do Mundo"...
joao valentim
2010-05-27
13:00
Todas estas e outras descobertas que ainda não conhecemos são excitantes.
Não vou ter tempo de assistir aos futuros desenvolvimentos (mas gostava desde que mantivesse a minha lucidez).
Nunca, como antes, será necessário o desenvolvimento da cultura civica e politica para assegurar o futuro baseado no conhecimento cientifico que deixe para trás o obscurantismo (religioso ou não)...
Fátima
2010-05-27
19:42
não há bela sem senão!
william douglas
2010-05-29
01:29
Incrivel, isso mostra que estamos prestes a convergir em uma nova dimensão, rompemos de longe a fronteira da ética, a moral também facilmente passará a ser ignorada, tão fácil assim.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Investigadora de Coimbra reduz em 26,5%
a ocorrência de flebites

Equipa de Coimbra cria aerogel em spray
que permite isolar foguetões

Bioquímica portuguesa homenageada em Estocolmo

Esperar ou não esperar
- o papel da confiança na tomada de decisões

Implantes dentários «ganham» volume ósseo

Em Portugal um tratamento específico
depende da região onde se mora

Eousdryosaurus, o pequeno dinossauro
que viveu num tempo de gigante

Um em cada quatro já traiu

A Ciência da Gestão de Ciência e Tecnologia
– reflexões de uma despedida

A ansiedade de estar doente no hospital?
O ambiente do quarto pode ajudar!

Prémio António Champalimaud reconhece tratamento
revolucionário de doenças graves da visão

João Rocha é o primeiro português
da European Academy of Sciences

O Porto na Guerra Fria

Nariz electrónico pode detectar
subgrupos de asma nas crianças

Oceanos de Esperança chegou a Boston

Braga quer construir travessas de caminho-de-ferro
com resíduos de plásticos mistos

Comer com sucesso no Mercado do Bom Sucesso

Lars Montelius é o novo director do INL

José Xavier participa no Atlas
sobre vida marinha no Oceano Antárctico

Utilizar Software de Código Aberto
permitiria ao Estado poupar milhões de euros

Trás-os-Montes apresentou no MInho cremes inovadores
que ajudam no tratamento de queimaduras, feridas profundas e psoríase

Sistema reduz de meses para dias o tempo necessário
para os cientistas testarem hipóteses

Empresa tecnológica de Braga serve milhões de pessoas

Investigadores de Coimbra avançam na luta
contra a febre da carraça e tifo epidémico

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros