Receba as notícias:

Primeiro homem infectado por vírus informático

Investigador britânico alerta que pacemakers e implantes podem ser reprogramados

2010-05-26
Mark Gasson, investigador
Mark Gasson, investigador
Parece uma história de ficção científica, mas Mark Gasson, da Escola de Engenharia de Sistemas da Universidade de Reading (Berkshire, Reino Unido) garante que é o primeiro ser humano infectado com um vírus informático.

O investigador estava a realizar um trabalho sobre os riscos potenciais dos dispositivos implantavam e para tal, introduziu na mão um chip electrónico. 

No entanto, o pequeno aparelho estava contaminado por um vírus, que poderia ter-se transmitido a outros sistemas electrónicos com que o cientista estava em contacto.
Assim, seria possível que no futuro, os dispositivos médicos como os pacemakers e outros implantes pudessem ser vulneráveis a ataques cibernéticos.

O engenheiro colocou o chip na mão há um ano para realizar a experiencia científica.

O widget é uma versão mais avançada dos chips de identificação usado para localizar animais perdidos ou nas etiquetas de segurança para evitar roubos em lojas.

O dispositivo estava programado para que o seu proprietário pudesse abrir as portas de segurança da universidade e desbloquear o telemóvel automaticamente. No entanto, de algum modo, o chip ficou infectado por um vírus informático − um erro que danificou o sistema principal de comunicação e que Gasson carrega no próprio corpo. O investigador acredita que o chip terá entrado em contacto com outros sistemas informáticos e o vírus transmitido.

Fora de controlo

Pacemakers podem ser reprogramados
Pacemakers podem ser reprogramados
“Do mesmo modo, as pessoas com implantes médicos, após um ano, sentem-no como se fosse parte do seu corpo. Se é emocionante ser a primeira pessoa infectada por um vírus informático deste modo, também penso que é uma experiência que viola a minha privacidade porque o implante está intimamente ligado a mim. A situação está fora de controlo
”, explica Gasson num comunicado dado a conhecer pela universidade britânica.

Segundo o investigador, à medida que a tecnologia implantável se vai desenvolvendo, também está mais sensível aos vírus informáticos. “A nossa investigação demonstra que é possível comunicar, armazenar e manipular dados nos implantes. Os benefícios deste tipo de tecnologia tem os seus riscos”, confessa o cientista.

O perigo é que alguém possa aceder a um destes aparelhos tecnológicos implantados e alterar a programação e utilizá-lo com fins não médicos, algo que, segundo Mark Gasson, deve ser tido em conta no futuro.
Humberto Patricio
2010-05-27
00:59
Mais um profeta... que precisa de publicidade para se afirmar...
Cristina
2010-05-27
10:17
Lembro-me de há uns anos ter visto este mesmo titulo na capa do jornal "Noticias do Mundo"...
joao valentim
2010-05-27
13:00
Todas estas e outras descobertas que ainda não conhecemos são excitantes.
Não vou ter tempo de assistir aos futuros desenvolvimentos (mas gostava desde que mantivesse a minha lucidez).
Nunca, como antes, será necessário o desenvolvimento da cultura civica e politica para assegurar o futuro baseado no conhecimento cientifico que deixe para trás o obscurantismo (religioso ou não)...
Fátima
2010-05-27
19:42
não há bela sem senão!
william douglas
2010-05-29
01:29
Incrivel, isso mostra que estamos prestes a convergir em uma nova dimensão, rompemos de longe a fronteira da ética, a moral também facilmente passará a ser ignorada, tão fácil assim.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Descoberta da Universidade de Coimbra pode ajudar
a tratar doenças do coração

Eco Camp revela cidade completamente sustentável

Esperança média de vida mundial
cresce seis anos mas com pior saúde

Implicações da expansão do Canal de Suez
na biodiversidade marinha do Mediterrâneo

Vacina universal contra a gripe
pode estar mais perto de ser desenvolvida

UTAD aposta em “jardins terapêuticos”

Café ajuda no combate ao cancro do cólon

Em busca da matéria escura

Trabalhar em demasia potencia risco de AVC

Cigarro electrónico é menos nocivo do que o normal

Já pode consultar estado dos incêndios em tempo real

Doutorando português vence prémio internacional

OMS cria em Macau centro de cooperação
para a medicina tradicional chinesa

Inadequação social, desemprego e problemas financeiros
«ajudam» a manter consumo de drogas

Brasil poderá ter vacina contra dengue em 2018

Médico português cria ‘app’ para diagnosticar
doenças sexuais masculinas

Português recebe prémio de melhor tese
de doutoramento do Mundo

Cientista português participa em estudo que revela
perturbações idênticas às da esquizofrenia e autismo

Brasil constrói laboratório de combate à tuberculose
em São Tomé e Príncipe

Docente da Universidade de Coimbra
preside a rede europeia

Fórum Económico Mundial destaca start-up da UMinho

Campanha de vacinação em Timor-Leste
beneficia mais de 93% das criança por cento

Suplemento alimentar para vacas leiteiras
reduz emissões de metano

Como proliferam as células dos vasos sanguíneos
em redor de um tumor

Sistema híbrido à base de hidrogel
«ataca» cancro da próstata

Insecto vai atacar uma das piores plantas invasoras em Portugal

Português na descoberta de que redução de enzima
na doença de Parkinson abre portas a novos tratamentos

Viagem aos primórdios portugueses do darwinismo social

Mais de 500 genes podem afectar a audição

Descoberto mecanismo que permite à melatonina
combater células cancerígenas