Receba as notícias:

Descoberto gene responsável por trevos de quatro folhas

Cientistas identificam proteína que favorece a proliferação de células que dão origem a folíolos

2010-05-28
Trevo de quatro folhas é considerado amuleto de sorte
Trevo de quatro folhas é considerado amuleto de sorte
Uma equipa internacional de cientistas descobriu o gene responsável pela existência dos trevos de quatro folhas.

Os cientistas identificaram um gene que ao mutar faz com que o Medicago truncatula, uma leguminosa da mesma família que o trevo e a alface, tenham cinco folhas em vez de três. Os investigadores acreditam que este é o gene também responsável pela existência dos trevos de quatro folhas.
O resultado da investigação dos trevos da sorte foi publicado na revista da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos.

“A formação de novas folhas ocorre no topo do caule, a partir de umas pequenas protuberâncias, chamadas primórdios, formadas por células que se multiplicam”, explicou ao La Razón, Francisco Madueño do Instituto de Biologia Molecular e Celular de plantas da Universidade Politécnica de Valência, em Espanha. 

Os primórdios das folhas simples crescem e dão lugar à forma final da folha, com apenas uma camada, chamada folíolo, unida ao caule por o pecíolo.

Medicago truncatula, planta em que foi realizado o estudo
Medicago truncatula, planta em que foi realizado o estudo
Os que têm folhas compostas, como o trevo, o tomate ou a planta estudada, têm maior capacidade de proliferação e formam menos primórdios, que dão lugar a mais folíolos.

Gene descontrolado

A formação de novos primórdios deve-se à expressão em certas zonas do primórdio original do factor de transcrição SGL1 (uma proteína que regula a activação e inactivação dos genes) e que favorece a proliferação desse grupo de células.

O estudo descobriu que o gene identificado, PALM1, controla de modo preciso a expressão do SGL1, ou seja, quando o PALM1 não funciona, o SGL1 expressa-se descontroladamente, permitindo a formação de um maior número de folíolos.
Eduardo de Atibaia
2010-05-30
15:10
Como se esplica que haja mais trevos de quatro, do que de cinco folhas se a teoria estiver certo ?
Eu por exemplo tenho muito mais com quatro do de cinco ou mais folhas.
Olga
2010-05-31
00:28
Eu aconselhava uma revisão da frase "...Medicago truncatula, uma leguminosa da mesma família que o trevo e a alface..."
A alface não é uma leguminosa e pertence à familia das Asteraceas, Medicago truncatula pertence à familia das Fabaceas e é uma leguminosa.
dani
2010-11-16
22:37
como se explica o aparecimento do trevo de 4 folhas na natureza

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Descoberto mecanismo que permite à melatonina
combater células cancerígenas

Da eficácia do exercício físico no tratamento das depressões

Vacina contra o Ébola revela-se cem por cento eficaz

A verdade sobre a infertilidade

INSA e OMS lutam contra a obesidade infantil

Burro mirandês em risco de extinção

De como a diabetes afecta a fertilidade

UTAD e Federação Portuguesa de Voleibol avaliam
performance dos jogadores da selecção nacional

Portugal conquista pela primeira vez medalha
na Olimpíada Internacional de Química

IST recebe 69 Milhões de horas
num dos supercomputadores mais rápidos do mundo

Criadores do «Magalhães» chegam ao Uruguai

Minho quer extrair colagénio da pele de tubarão

Hepatite C “pode estar erradicada dentro de alguns anos”

Área ardida em Portugal terá redução drástica
se houver prevenção de incêndios

Milheirinhas: os machos mais coloridos
cuidam melhor da plumagem

Aveiro abre caminho ao tratamento do vírus Ébola

Rastreios gratuitos a cancro de cabeça e pescoço
até sexta-feira em 12 hospitais

Universidades do Porto, Aveiro e Técnica de Lisboa lideram
produção científica das instituições científicas do Ensino Superior

Quimioterapia pode prejudicar doentes terminais

Todos os seropositivos devem receber terapia
independentemente da carga viral

Coimbra confirma eficácia de terapia inovadora
em vários tipos de cancro

Exterior dos jardins de infância não promove
desenvolvimento saudável das crianças

Novo medicamento pode retardar Alzheimer

Torres Vedras campeã do Mundo em robótica

Injecções em árvores vão controlar pragas de insectos

Oftalmologista português distinguido nos EUA

Jovem com VIH em remissão após tratamento precoce

Portugal é o 12º país europeu com mais projectos
submetidos ao Horizon 2020

Perigos dos microplásticos e dos fármacos preocupam ambientalistas

Quando soube que tinha cancro pensei:
cheguei ao fim da vida!