Receba as notícias:

«Viagem» a Marte inicia-se hoje

Simulação da expedição ao planeta vermelho dura 520 dias

2010-06-03

Tripulação do «Mars 500» momentos antes da «partida»
Tripulação do «Mars 500» momentos antes da «partida»
Uma equipa internacional de cientistas vai passar 520 dias - o tempo necessário para uma viagem de ida e volta a Marte - trancada numa cápsula, para simular uma expedição ao planeta vermelho.

Depois de um ano de treino intenso, a simulação, que começa hoje em Moscovo, não inclui a ausência de gravidade, mas os seis astronautas da Rússia, China, França e Itália vão ficar isolados numa cabine sem janelas e seguindo uma rotina dura. A experiência simula uma viagem de 250 dias a Marte, com 30 dias de explorações na superfície do planeta e outros 240 de viagem de volta.

O projecto conjunto do Instituto de Problemas Biomédicos da Rússia e da Agência Espacial Europeia (ESA), que recebeu o nome de "Marte 500", visa estudar como é que o grupo suporta o confinamento e a convivência com tão poucas pessoas durante longos períodos.

A tripulação vai passar a maior parte do tempo no módulo habitável da nave, uma cápsula de aço do tamanho de um contentor com seis quartos parcamente mobilados. Noutra cápsula, que vai ficar ligada ao módulo habitável, há um ginásio, uma estufa artificial e um armazém de alimentos e água. Uma terceira cápsula será o departamento médico. Há ainda um modelo de um módulo de aterragem em Marte e da superfície deste planeta, onde parte da tripulação permanecerá durante 30 dias, a meio da "viagem".

Para que a experiência se assemelhe o mais possível à realidade, a agência vai simular a avaria de equipamentos e emergências médicas, entre outros problemas. Os homens serão sujeitos a exames psicológicos regulares.

Exterior do «Mars 500»
Exterior do «Mars 500»
O único contacto que o grupo terá com o mundo externo será através de um rádio ligado à Agência Espacial da Rússia. As conversas demorarão 20 minutos a chegar ao outro lado, o tempo que os sinais levam para ir da Terra a Marte e vice-versa. A comida será enlatada, como a que se come na Estação Espacial Internacional, e os astronautas só poderão tomar um banho em cada dez dias.

No ano passado, uma experiência semelhante foi concluída com êxito em Moscovo, após seis voluntários permanecerem trancados durante 105 dias.

Qualquer um dos participantes na experiência pode desistir a meio da viagem, sendo considerado um “astronauta morto”. Aqueles que chegarem ao fim receberão cerca de 70 mil euros. Ainda não há data certa para uma verdadeira missão tripulada a Marte.

marques
2010-06-03
20:24
Há tempo para tudo o que for possível fazer-se para desvendar segredos guardados pelo desconhecimento.
São os primeiros tempos de uma nova aventura do Homem.
Lamento as desigualdades de conhecimento e conforto dos povos na Terra.
Morais
2010-06-07
19:28
O HOMEM não nasce para descobrir todos os enigmas do universo, mas para descobrir o que tem que fazer para se manter dentro dos limites da sua compreensão.
Alberto Carvalhal Campos
2010-06-12
14:07
Este tipo de viagem, só deveria ser feitas com robô.
Expor o ser humano a viagens deste tipo, acho temeroso. É quase um suicídio. Seria necessário um motivo muito forte para tal empreendimento.
Carlos Dias
2010-07-27
17:55
O céu é o limite. Quem sabe se estes homens e mulheres não estão a dar os primeiros passos no sentido de se poder salvar a raça humana de uma futura extinção…
claudenir
2010-08-01
00:46
estou torcendo pra que tudo de certo ,
e que realmente um dia o homem consiga habitar outro planeta
Flávio Halliday
2010-11-02
19:16
A busca por habitar outros planetas na minha visão tem um outro significado, gastar milhões sem um grande motivo é muito estranho!
No meu entender há uma verdade não divulgada, talvez "eles" (cientistas) saibam de algo que em breve seremos avisados,mas será tarde de mais, e talvez manter a raça humana em outro planeta seja a única possibilidade de perpetuação.
ana fefipa
2011-11-24
19:14
gostei mas nao ta tao b0m como eu pensava que ia tar mas dou os meus parabens por conseguirem fazer iste site obrigada por me poderem ajudar no meu trabalho a marte e ponham mais emagens

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Investigadora de Coimbra reduz em 26,5%
a ocorrência de flebites

Equipa de Coimbra cria aerogel em spray
que permite isolar foguetões

Bioquímica portuguesa homenageada em Estocolmo

Esperar ou não esperar
- o papel da confiança na tomada de decisões

Implantes dentários «ganham» volume ósseo

Em Portugal um tratamento específico
depende da região onde se mora

Eousdryosaurus, o pequeno dinossauro
que viveu num tempo de gigante

Um em cada quatro já traiu

A Ciência da Gestão de Ciência e Tecnologia
– reflexões de uma despedida

A ansiedade de estar doente no hospital?
O ambiente do quarto pode ajudar!

Prémio António Champalimaud reconhece tratamento
revolucionário de doenças graves da visão

João Rocha é o primeiro português
da European Academy of Sciences

O Porto na Guerra Fria

Nariz electrónico pode detectar
subgrupos de asma nas crianças

Oceanos de Esperança chegou a Boston

Braga quer construir travessas de caminho-de-ferro
com resíduos de plásticos mistos

Comer com sucesso no Mercado do Bom Sucesso

Lars Montelius é o novo director do INL

José Xavier participa no Atlas
sobre vida marinha no Oceano Antárctico

Utilizar Software de Código Aberto
permitiria ao Estado poupar milhões de euros

Trás-os-Montes apresentou no MInho cremes inovadores
que ajudam no tratamento de queimaduras, feridas profundas e psoríase

Sistema reduz de meses para dias o tempo necessário
para os cientistas testarem hipóteses

Empresa tecnológica de Braga serve milhões de pessoas

Investigadores de Coimbra avançam na luta
contra a febre da carraça e tifo epidémico

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros