Receba as notícias:

Jovens viciados em Internet sofrem mais de depressão

Comportamento patológico traz mais do dobro das hipóteses de desenvolver a doença

2010-08-03
Tendência afecta sobretudo países desenvolvidos
Tendência afecta sobretudo países desenvolvidos
Os adolescentes viciados em Internet têm mais do dobro de hipóteses de sofrerem depressão do que aqueles que estão on-line de um modo mais controlado, revela um estudo publicado no Archives of Pedriatic and Adolescent Medicine. 

Segundo a investigação, 1041 jovens de Guangzhou,entre os 13 e os 18 anos de idade, no sudeste da China, responderam a um questionário para identificar se utilizavam a Internet de um modo patológico e se sofriam ansiedade e depressão.

A maioria dos adolescentes (mais de 940) utilizava a rede correctamente. Porém, 62 foram classificados como internautas moderadamente patológicos e 2 como “severamente patológicos”.

Nove meses após o questionário, a condição dos jovens voltou a ser avaliada e os cientistas descobriram que os estudantes que usavam a Internet de modo descontrolado ou irracional tinham uma propensão duas vezes e meia maior de desenvolver uma depressão do que aqueles que acediam à rede de modo controlado.

Os investigadores sugerem que a Internet pode contribuir para desenvolver patologias de indivíduos que não teriam qualquer problema de saúde mental. O estudo pode ajudar a prevenir doenças mentais nos jovens, em particular nos que vivem em países desenvolvidos. 
Costa-Pereira
2010-08-04
19:34
Interessante artigo, que mostrei a meu neto de 13 anos e que muito o preocupou.
Disse-me que irá controlar melhor o tempo que dedica à Internet.
Heitor Silva
2010-08-05
20:09
Só foi pena que este estudo não investigou a actividade cerebral destes jovens através do EEG. Penso que iriam identificar um abaixamento na média do EEG dos mais propensos para a depressão.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Nova lei da investigação clínica
publicada hoje em Diário da República

Dor condiciona actividades diárias dos doentes mais idosos

Fraunhofer Portugal Challenge premeia a ciência nacional

Investigadores da UC localizam a distribuição celular
da proteína envolvida na Alzheimer

Cocktails de pesticidas prejudicam a saúde dos solos

Polémica das Ciências do Mar:
resposta ao coordenador do painel de avaliação

Cancro de Mama “Triplo-negativo” e Metástases do Cérebro
«vencem» bolsas de investigação da Associação Laço

Galaxy Zoo abre as portas do Universo

“Será realista o mundo de Avatar ?”

São João da Madeira vence “Dá Power ao Electrão”

“Jogar” na Sala de aula: estudo da UC defende
a utilização de dispositivos móveis no ensino

Fobias: quem tem medo compra um cão!

Bolsas para Ciências do Mar: críticas vindas a público
são totalmente desprovidas de fundamento

Estudo sociológico sobre jovens portugueses/as
vence prémio mundial

Alunos do secundário desvendam a física das partículas na UMinho

Sabe escolher azeite de qualidade?
Se vai só pela acidez está errado!

Projecto internacional da UA mostra vantagens
da iluminação pública inteligente com LED

Candidatos denunciam irregularidades
na atribuição de bolsas da FCT

Cientista português ligado
a nova investigação sobre Alzheimer

Cancro e diabetes: políticas a longo prazo
reduzem incidência de casos

Quinta do Seixo é caso de estudo
para especialistas europeus em biodiversidade

Trinta concorrentes disputam meia-final do FameLab

Veneno de caracol marinho letal pode facultar
novos tratamentos para a dor crónica em humanos

Cientistas portugueses no maior projecto da UE
contra a degradação dos solos europeus

Inaugurada estação de seguimento do Galileo
em Santa Maria, Açores

Pressão para que as mulheres se casem
ainda é grande no século XXI

O doce sabor amargo de um trabalho
de Química Alimentar da UP

A menina dança? E na sua cabeça o que se passa?

Rastreio do cancro do cólon e recto: porque fazer e como fazer

Perspetivando os próximos invernos – interrogações
como que na ponte de um superpetroleiro