Receba as notícias:

Jovens viciados em Internet sofrem mais de depressão

Comportamento patológico traz mais do dobro das hipóteses de desenvolver a doença

2010-08-03
Tendência afecta sobretudo países desenvolvidos
Tendência afecta sobretudo países desenvolvidos
Os adolescentes viciados em Internet têm mais do dobro de hipóteses de sofrerem depressão do que aqueles que estão on-line de um modo mais controlado, revela um estudo publicado no Archives of Pedriatic and Adolescent Medicine. 

Segundo a investigação, 1041 jovens de Guangzhou,entre os 13 e os 18 anos de idade, no sudeste da China, responderam a um questionário para identificar se utilizavam a Internet de um modo patológico e se sofriam ansiedade e depressão.

A maioria dos adolescentes (mais de 940) utilizava a rede correctamente. Porém, 62 foram classificados como internautas moderadamente patológicos e 2 como “severamente patológicos”.

Nove meses após o questionário, a condição dos jovens voltou a ser avaliada e os cientistas descobriram que os estudantes que usavam a Internet de modo descontrolado ou irracional tinham uma propensão duas vezes e meia maior de desenvolver uma depressão do que aqueles que acediam à rede de modo controlado.

Os investigadores sugerem que a Internet pode contribuir para desenvolver patologias de indivíduos que não teriam qualquer problema de saúde mental. O estudo pode ajudar a prevenir doenças mentais nos jovens, em particular nos que vivem em países desenvolvidos. 
Costa-Pereira
2010-08-04
19:34
Interessante artigo, que mostrei a meu neto de 13 anos e que muito o preocupou.
Disse-me que irá controlar melhor o tempo que dedica à Internet.
Heitor Silva
2010-08-05
20:09
Só foi pena que este estudo não investigou a actividade cerebral destes jovens através do EEG. Penso que iriam identificar um abaixamento na média do EEG dos mais propensos para a depressão.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Esperar ou não esperar
- o papel da confiança na tomada de decisões

Implantes dentários «ganham» volume ósseo

Em Portugal um tratamento específico
depende da região onde se mora

Eousdryosaurus, o pequeno dinossauro
que viveu num tempo de gigante

Um em cada quatro já traiu

A Ciência da Gestão de Ciência e Tecnologia
– reflexões de uma despedida

A ansiedade de estar doente no hospital?
O ambiente do quarto pode ajudar!

Prémio António Champalimaud reconhece tratamento
revolucionário de doenças graves da visão

João Rocha é o primeiro português
da European Academy of Sciences

O Porto na Guerra Fria

Nariz electrónico pode detectar
subgrupos de asma nas crianças

Oceanos de Esperança chegou a Boston

Braga quer construir travessas de caminho-de-ferro
com resíduos de plásticos mistos

Comer com sucesso no Mercado do Bom Sucesso

Lars Montelius é o novo director do INL

José Xavier participa no Atlas
sobre vida marinha no Oceano Antárctico

Utilizar Software de Código Aberto
permitiria ao Estado poupar milhões de euros

Trás-os-Montes apresentou no MInho cremes inovadores
que ajudam no tratamento de queimaduras, feridas profundas e psoríase

Sistema reduz de meses para dias o tempo necessário
para os cientistas testarem hipóteses

Empresa tecnológica de Braga serve milhões de pessoas

Investigadores de Coimbra avançam na luta
contra a febre da carraça e tifo epidémico

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa