Receba as notícias:

Jovens viciados em Internet sofrem mais de depressão

Comportamento patológico traz mais do dobro das hipóteses de desenvolver a doença

2010-08-03
Tendência afecta sobretudo países desenvolvidos
Tendência afecta sobretudo países desenvolvidos
Os adolescentes viciados em Internet têm mais do dobro de hipóteses de sofrerem depressão do que aqueles que estão on-line de um modo mais controlado, revela um estudo publicado no Archives of Pedriatic and Adolescent Medicine. 

Segundo a investigação, 1041 jovens de Guangzhou,entre os 13 e os 18 anos de idade, no sudeste da China, responderam a um questionário para identificar se utilizavam a Internet de um modo patológico e se sofriam ansiedade e depressão.

A maioria dos adolescentes (mais de 940) utilizava a rede correctamente. Porém, 62 foram classificados como internautas moderadamente patológicos e 2 como “severamente patológicos”.

Nove meses após o questionário, a condição dos jovens voltou a ser avaliada e os cientistas descobriram que os estudantes que usavam a Internet de modo descontrolado ou irracional tinham uma propensão duas vezes e meia maior de desenvolver uma depressão do que aqueles que acediam à rede de modo controlado.

Os investigadores sugerem que a Internet pode contribuir para desenvolver patologias de indivíduos que não teriam qualquer problema de saúde mental. O estudo pode ajudar a prevenir doenças mentais nos jovens, em particular nos que vivem em países desenvolvidos. 
Costa-Pereira
2010-08-04
19:34
Interessante artigo, que mostrei a meu neto de 13 anos e que muito o preocupou.
Disse-me que irá controlar melhor o tempo que dedica à Internet.
Heitor Silva
2010-08-05
20:09
Só foi pena que este estudo não investigou a actividade cerebral destes jovens através do EEG. Penso que iriam identificar um abaixamento na média do EEG dos mais propensos para a depressão.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Investigação sobre Cancro, AVC e descontaminação da água
por medicamentos distingue jovens investigadoras

UTAD investiga valor nutricional do leite de golfinhos

Terapia amiga do ambiente descontamina
águas das pisciculturas

Portas abertas para novos tratamentos
para a artrite reumatóide

Gosta de merujes? Vão aparecer na sua mesa!

Estudantes de medicina apostam
na formação científica e humana

Investigadora da Universidade de Coimbra premiada
pela Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas

UC estuda o impacto do novo metro igeiro de Macau

Hepatite C: nova realidade, novos horizontes

Saúde do cérebro e do coração começa na boca

Descoberto o responsável pelo surgimento
de problemas de memória

UA combate contrafacção com códigos DNA para marcas

Investigadores belgas e franceses medem
a temperatura do coração das estrelas

Estudante da UA imprime circuitos electrónicos em papel

Je suis Charlie

Investigações sobre cromossomas e doença de Huntington
premiadas hoje pela FLAD

Investigadora da UTAD distinguida na Galiza
com Prémio “Vicente Risco”

Compostos descobertos na casca do eucalipto
já têm método de extracção

Em 2015 continuo a supor que poderíamos ter pedido baunilha…

Investigadores de Coimbra querem melhorar
prognóstico do transplante de fígado

Curador do primeiro planetário da América
vai ser português

Humilhação dos 7-1 leva o Brasil
a olhar para a ciência

Carlos Ribeiro eleito para o primeiro grupo
dos FENS-Kavli Scholars

Rotundas virtuais vão projectar rotundas reais
seguras e amigas do ambiente

Dê azeite ao seu coração

Dois jovens cientistas portugueses
entre oito distinguidos pela EMBO

Neste Ano Novo dê o seu apoio ao Ciência Hoje

Efeitos da cafeína diferem com ou sem açúcar?

António Fernandes da Fonseca deixou a “sua marca”
na passagem pelo Mundo!

É possível estudar «cientificamente» os enchidos?
Universidades de Lisboa, Évora e Trás-os-Montes e Alto Douro fizeram investigação