Receba as notícias:

Piripiri ajuda a baixar tensão arterial

Capsaicina previne problemas vasculares

2010-08-04
Capsaicina é a substância responsável pelo sabor quente e picante do piripíri
Capsaicina é a substância responsável pelo sabor quente e picante do piripíri
Consumir alimentos com piripiri (ou ma-laguetas) ajuda a baixar a tensão arterial, revela um estudo da Third Military Medical University, em Chongqing, na China, publicado na edição de Agosto da revista Cell Metabolism.

Os investigadores demostraram, através de testes realizados em ratos de laboratório com hipertensão, que o consumo de Capsaicina, substância que dá o sabor picante e quente à pimenta, diminui a pressão do sangue.
De acordo com os cientistas, quando este composto está em actividade, aumenta a produção de óxido nítrico nos vasos sanguíneos, o que possibilita a protecção contra a inflamação e outros problemas vasculares.

Zhiming Zhu, principal autor do estudo, revela, no entanto, que não é obrigatório que as pessoas comam alimentos picantes para beneficiar das suas propriedades, visto existir uma substância semelhante à Capsaicina em alguns pimentos doces.
Const Liquito
2010-08-05
10:02
Vivi cerca de 30 anos em Moçambique, onde fazíamos grande uso (consumo) do pirípiri e agora, em Portugal, continuamos a usá-lo embora mais moderadamente.
Nunca nos demos mal. A ciência recomendo-o e quem sou eu para discordar?
Campos
2010-08-05
13:10
Os remédios são mais práticos e eficientes. O certo seria uma vacina,para curar de vez este problema que afeta milhões.
Ligia Nogueira da Silva
2010-08-06
12:41
È a comprovação do uso dos alimentos na saúde,podendo atingir grande numero de pessoase de uma maneira saudavel
albertin2a
2010-08-06
20:05
Malagueta é o "pimentinho queimoso" que se tornou conhecido em Málaga introduzido pelos árabes.
Que vivam os árabes! Abaixo as tensões altas! vivam as tensões baixas (v.g. equilibradas)!
Anésia
2012-10-13
05:41
tenho 35 anos e sou hipertensa desd k tive o primeiro filho a 6 anos.vou paxar a fazer uso d piri piri p estabilizar mta tensao.bj

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Jogo online previne violência no namoro entre adolescentes

Criança de cinco anos infectada por HIV
manteve-se saudável

A Expressão das Emoções
nova peça de teatro pela Marionet

Nanocatalisadores de carbono
ajudam a tratar águas residuais

Investigadores da UC mostram o valor da floresta
mediterrânica com filme de animação

Homens ou mulheres? Quem corre mais riscos
de violência verbal no local de trabalho?

Investigador do IA é um dos vencedores dos Prémios Breakthrough 2015

Qual é a melhor iluminação para a sua casa?

Cyberbullying: retrato de um fenómeno
em expansão silenciosa

Centro de Investigação da Montanha distinguido
em cooperação internacional

Investigação europeia em oftalmologia
coordenada em Portugal

Portugal lidera detecção inédita na atmosfera de Vénus

Modelos matemáticos desenvolvidos na UA
preveem gravidade de acidentes de viação

Mosca-da-azeitona pode ser combatida
de forma rápida, barata e eficaz

Já é possível «ouvir» o coração da mãe
e do bebé ao mesmo tempo

Áreas menos desenvolvidas penalizadas
na agenda política de saúde

Foi com uma grande alegria que vi o nome de Teresa Teixeira!

Teresa Teixeira nomeada hoje
EMBO Young Investigator

Investigador mexicano desenvolve software
que “prevê” ocorrências cardíacas

UTAD aposta no combate ao abandono escolar

ESAN quer ser referência em fabrico aditivo rápido

Um neurónio, uma função? Afinal o cérebro faz multitasking!

Consegue seguir o ritmo?

De como bem aprender uma sequência de dança

As crianças devem ir a pé para a escola

Investigadores da UC desenvolvem
guia inteligente de apoio a cegos

O nariz delas é melhor do que o deles

De como a realidade virtual pode «medir»
os delinquentes sexuais

Cancro do pulmão pode ser diagnosticado
anos antes de ser detectado por imagem

Distractores ambientais influenciam
a atenção e a memória dos mais velhos