Receba as notícias:

Estranhas deformações em aves do Alasca

Investigadores denominam patologia de Transtorno da queratina aviária

2010-11-15
Cientistas não conseguem explicar o fenómeno. <br> (crédito: USGS)
Cientistas não conseguem explicar o fenómeno.
(crédito: USGS)
O mundo das aves tem sofrido estranhas transformações no Alasca. Um número elevado de animais surge com deformações, desde o bico às patas. Na maior parte dos casos, é a parte superior que aparece desmesurada e dificulta a capacidade de alimentação destes pássaros, assim como o alisamento das suas penas. O fenómeno afecta essencialmente três espécies e os investigadores ainda não encontraram explicação.

Dois estudos, publicados no «The Auk» – revista da União Norte-americana dos Ornitologistas – fazem o ponto da situação. Apesar de não conseguirem explicar o que se passa, já encontraram um nome para a patologia: síndrome da queratina aviária – proteína constituinte dos cabelos, unhas, bicos, garras, etc. 
A principal característica desta anormalidade é o crescimento excessivo do tegumento, sendo demasiado curvado no bico. Os investigadores ainda não se atrevem a falar de doença emergente, já que os estudos apenas começaram, mas a patologia tem progredido desde finais dos anos 1990.

Os biólogos da United States Geological Survey (USGS) consideram que é muito raro se verificar qualquer deformação no bico das aves. Contudo, já se registam 17 por cento de indivíduos adultos com este problema, em determinadas regiões. A patologia manifesta-se ainda através de lesões nas patas, garras e penas. Em comunicado, a USGS refere nunca se tinha observado um número tão elevado de anomalias em pássaros.

As malformações produzem-se mais frequentemente na idade adulta e não nas crias. Pelo menos, umas 80 aves foram capturadas perfeitamente normais e, posteriormente, reencontradas já transformadas.

Os espécimes analisados não apresentam sinais de bactérias, vírus ou ácaros conhecidos que possam estar na origem desta anormalidade, nem detectaram a presença de pesticidas em águas, da região da Califórnia. Ainda mais estranho é o facto de não registarem carências de vitaminas ou cálcio – elementos indispensáveis para a produção de queratina.
marizete assis alves
2010-11-16
14:11
Com a mudança climática, poluíção, camada de ozônio, tudo isto influí na vida animal, vegetal, etc..
Obrigada.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Ciência Hoje não vai de férias! Apoie este jornal!

Oceans of Hope chega a Lisboa para mudar percepções
sobre esclerose múltipla em Portugal

Com um euro pode combater a dor crónica

Estudo da UMinho avalia efeito de corticosteroides
no desenvolvimento dos bebés prematuros

Rapazes mais depressivos do que elas

Assim em Marte como na Terra

O primeiro genoma foi descodificado
numa cooperação Luso-Brasileira – Desulfovibrio gigas

Alunos aplicam ciência para detectar
mão criminosa nos incêndios

Scientists discovered a new player in mental diseases

Insucesso Escolar e competências transversais:
uma forma alternativa de observar o problema…

Investigador do IPLeiria distinguido nos EUA
na área da Biomecânica do Desporto

Luísa «lança-se» aos mares
e «deixa» a esclerose em terra

«Importa perceber o grau
de literacia científica do ilustrador

As mulheres ainda preferem o parto natural

Portugal acolhe o maior Congresso Europeu sobre a China

Cegonhas «contra» nova directiva Europeia

Associação Portuguesa de Estudos Franceses
recebe Prémio Hervé Deluen

Reclusos de Castelo Branco vão ver o sol
(não aos quadradinhos)

Fernando Pestana da Costa eleito presidente da SPM

Hortas urbanas têm solos com excesso de metais pesados

Coimbra cria programa pioneiro para a infertilidade

Jovem português «bronzeia-se» na Física

Aditivos alimentares sintéticos e naturais:
quem vai ganhar a «guerra»?

Qual é o número de moléculas dentro de células?

CESPU e Universidade de Barcelona
juntas no ensino da saúde

João Ramalho- Santos lidera CNC

GILEAD SCIENCES apoia projectos científicos
com 200 mil euros

Marta Catarino é vice-presidente da associação europeia
de transferência de conhecimento

Dr. ROAD – o “médico” das estradas - nasce em Coimbra

Um «osso» para a cabeça? Uma porta para o carro?
Uma peça para uma aeronave? É para já!