Receba as notícias:

Estranhas deformações em aves do Alasca

Investigadores denominam patologia de Transtorno da queratina aviária

2010-11-15
Cientistas não conseguem explicar o fenómeno. <br> (crédito: USGS)
Cientistas não conseguem explicar o fenómeno.
(crédito: USGS)
O mundo das aves tem sofrido estranhas transformações no Alasca. Um número elevado de animais surge com deformações, desde o bico às patas. Na maior parte dos casos, é a parte superior que aparece desmesurada e dificulta a capacidade de alimentação destes pássaros, assim como o alisamento das suas penas. O fenómeno afecta essencialmente três espécies e os investigadores ainda não encontraram explicação.

Dois estudos, publicados no «The Auk» – revista da União Norte-americana dos Ornitologistas – fazem o ponto da situação. Apesar de não conseguirem explicar o que se passa, já encontraram um nome para a patologia: síndrome da queratina aviária – proteína constituinte dos cabelos, unhas, bicos, garras, etc. 
A principal característica desta anormalidade é o crescimento excessivo do tegumento, sendo demasiado curvado no bico. Os investigadores ainda não se atrevem a falar de doença emergente, já que os estudos apenas começaram, mas a patologia tem progredido desde finais dos anos 1990.

Os biólogos da United States Geological Survey (USGS) consideram que é muito raro se verificar qualquer deformação no bico das aves. Contudo, já se registam 17 por cento de indivíduos adultos com este problema, em determinadas regiões. A patologia manifesta-se ainda através de lesões nas patas, garras e penas. Em comunicado, a USGS refere nunca se tinha observado um número tão elevado de anomalias em pássaros.

As malformações produzem-se mais frequentemente na idade adulta e não nas crias. Pelo menos, umas 80 aves foram capturadas perfeitamente normais e, posteriormente, reencontradas já transformadas.

Os espécimes analisados não apresentam sinais de bactérias, vírus ou ácaros conhecidos que possam estar na origem desta anormalidade, nem detectaram a presença de pesticidas em águas, da região da Califórnia. Ainda mais estranho é o facto de não registarem carências de vitaminas ou cálcio – elementos indispensáveis para a produção de queratina.
marizete assis alves
2010-11-16
14:11
Com a mudança climática, poluíção, camada de ozônio, tudo isto influí na vida animal, vegetal, etc..
Obrigada.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Vai um queijo da Serra da Estrela com flor de castanheiro?

Nasce o maior instituto de investigação
em astrofísica de Portugal

Universidade de Aveiro «exporta» pastéis de nata

Como «infectar» as células vizinhas normais
tornando-as cancerosas

Mais mulheres menos cancro da próstata?

UMinho desenvolve método
para a libertação direccionada de fármacos

Para acabar (de vez?) com a turbulência nos aviões

Investigadores descobrem como os micróbios
constroem um poderoso antibiótico

Investigadora do CEDOC vence prémio FAZ Innovate Competition

UMinho cria gestor de exames à la carte

How tilapias use urine to attract females

UC participa solução inovadora
de apoio a pacientes em reabilitação cardíaca

Novos métodos para manter a qualidade das batatas

Cunha-Vaz distinguido com Prémio Albert C. Muse

Bactéria da flora intestinal de mosquitos
pode bloquear transmissão de malária e dengue

Subvalorizar o Ébola é crime!

Pepinos do mar já podem ser produzidos em aquacultura

A Ciência na educação pré-escolar

A guerra dos espermatozóides

O Viagra protege o coração para além do quarto

Premiado dispositivo portátil
para recuperar lesões desportivas

Aí está o andarilho inteligente motorizado
com «marca» portuguesa

Ajuda de emergência para «overdoses»

Investigadores portugueses abrem novas possibilidades
no desenho de vacinas contra o cancro

Porquê eu? Muitas mulheres que vivem na pobreza
culpam os filhos e a vida amorosa

O papel dos "oásis" oceânicos nas interacções
entre organismos marinhos

Planta substituta de sal desenvolvida
em cultura in vitro por aluna da UTAD

Trabalho de investigadores da UA
cruza-se com o do Nobel da Física 2014

José Vieira da Universidade do Minho
foi eleito presidente da FEANI

Machimosaurus: o crocodilomorfo
de nove metros do Jurássico de Portugal