Receba as notícias:

Estranhas deformações em aves do Alasca

Investigadores denominam patologia de Transtorno da queratina aviária

2010-11-15
Cientistas não conseguem explicar o fenómeno. <br> (crédito: USGS)
Cientistas não conseguem explicar o fenómeno.
(crédito: USGS)
O mundo das aves tem sofrido estranhas transformações no Alasca. Um número elevado de animais surge com deformações, desde o bico às patas. Na maior parte dos casos, é a parte superior que aparece desmesurada e dificulta a capacidade de alimentação destes pássaros, assim como o alisamento das suas penas. O fenómeno afecta essencialmente três espécies e os investigadores ainda não encontraram explicação.

Dois estudos, publicados no «The Auk» – revista da União Norte-americana dos Ornitologistas – fazem o ponto da situação. Apesar de não conseguirem explicar o que se passa, já encontraram um nome para a patologia: síndrome da queratina aviária – proteína constituinte dos cabelos, unhas, bicos, garras, etc. 
A principal característica desta anormalidade é o crescimento excessivo do tegumento, sendo demasiado curvado no bico. Os investigadores ainda não se atrevem a falar de doença emergente, já que os estudos apenas começaram, mas a patologia tem progredido desde finais dos anos 1990.

Os biólogos da United States Geological Survey (USGS) consideram que é muito raro se verificar qualquer deformação no bico das aves. Contudo, já se registam 17 por cento de indivíduos adultos com este problema, em determinadas regiões. A patologia manifesta-se ainda através de lesões nas patas, garras e penas. Em comunicado, a USGS refere nunca se tinha observado um número tão elevado de anomalias em pássaros.

As malformações produzem-se mais frequentemente na idade adulta e não nas crias. Pelo menos, umas 80 aves foram capturadas perfeitamente normais e, posteriormente, reencontradas já transformadas.

Os espécimes analisados não apresentam sinais de bactérias, vírus ou ácaros conhecidos que possam estar na origem desta anormalidade, nem detectaram a presença de pesticidas em águas, da região da Califórnia. Ainda mais estranho é o facto de não registarem carências de vitaminas ou cálcio – elementos indispensáveis para a produção de queratina.
marizete assis alves
2010-11-16
14:11
Com a mudança climática, poluíção, camada de ozônio, tudo isto influí na vida animal, vegetal, etc..
Obrigada.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Nova lei da investigação clínica
publicada hoje em Diário da República

Dor condiciona actividades diárias dos doentes mais idosos

Fraunhofer Portugal Challenge premeia a ciência nacional

Investigadores da UC localizam a distribuição celular
da proteína envolvida na Alzheimer

Cocktails de pesticidas prejudicam a saúde dos solos

Polémica das Ciências do Mar:
resposta ao coordenador do painel de avaliação

Cancro de Mama “Triplo-negativo” e Metástases do Cérebro
«vencem» bolsas de investigação da Associação Laço

Galaxy Zoo abre as portas do Universo

“Será realista o mundo de Avatar ?”

São João da Madeira vence “Dá Power ao Electrão”

“Jogar” na Sala de aula: estudo da UC defende
a utilização de dispositivos móveis no ensino

Fobias: quem tem medo compra um cão!

Bolsas para Ciências do Mar: críticas vindas a público
são totalmente desprovidas de fundamento

Estudo sociológico sobre jovens portugueses/as
vence prémio mundial

Alunos do secundário desvendam a física das partículas na UMinho

Sabe escolher azeite de qualidade?
Se vai só pela acidez está errado!

Projecto internacional da UA mostra vantagens
da iluminação pública inteligente com LED

Candidatos denunciam irregularidades
na atribuição de bolsas da FCT

Cientista português ligado
a nova investigação sobre Alzheimer

Cancro e diabetes: políticas a longo prazo
reduzem incidência de casos

Quinta do Seixo é caso de estudo
para especialistas europeus em biodiversidade

Trinta concorrentes disputam meia-final do FameLab

Veneno de caracol marinho letal pode facultar
novos tratamentos para a dor crónica em humanos

Cientistas portugueses no maior projecto da UE
contra a degradação dos solos europeus

Inaugurada estação de seguimento do Galileo
em Santa Maria, Açores

Pressão para que as mulheres se casem
ainda é grande no século XXI

O doce sabor amargo de um trabalho
de Química Alimentar da UP

A menina dança? E na sua cabeça o que se passa?

Rastreio do cancro do cólon e recto: porque fazer e como fazer

Perspetivando os próximos invernos – interrogações
como que na ponte de um superpetroleiro