Receba as notícias:

Remédio para tosse à base de chocolate

Teobromina inibe o estímulo involuntário do nervo vago

2010-12-21
Teobromina pode ser encontrada no cacao e no chocolate.
Teobromina pode ser encontrada no cacao e no chocolate.
Uma equipa de investigadores britânicos afirmam que a teobromina, um componente químico presente no chocolate, poderá ser transformado em medicamento para a tosse persistente, em breve. O fármaco com este ingrediente encontrado no cacao e no chocolate está em fase final de testes. Os cientistas dizem que o medicamento poderá já estar no mercado dentro de dois anos, segundo anunciou hoje a BBC.
A tosse é considerada persistente quando dura mais do que suas semanas e os remédios mais utilizados no combate a este tipo de tosse são opiáceos como xaropes que contêm codeína, um narcótico. No entanto, a Agência Reguladora de Remédios e Produtos Medicinais (MHRA) do país refere que o ingrediente não é aconselhável a menores de 18 anos, mas se o tratamento for com a teobromina já não tem este inconveniente.

O mau estar pode mesmo passar de persistente a crónico quando se prolonga por mais de três ou quatro semanas e as causas podem advir da rinite, sinusite e asma brônquica.

O composto não tem sabor e, por isso, o remédio poderá ser ingerido por quem não gosta de chocolate. Acredita-se que a teobromina inibe o estímulo involuntário do nervo vago, uma das principais causas da tosse persistente. 

A droga, chamada de BC1036, está a ser desenvolvida pela empresa britânica privada SEEK.
manela
2010-12-22
11:23
Fantástico

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD

A espantosa capacidade de regeneração do pâncreas

Ébola não é porventura tão temível como a gripe

Bloquear os canais de potássio pode salvar vidas

Técnicas de meditação associadas ao budismo tibetano
podem melhorar o desempenho do cérebro

O meu automóvel conduz, estaciona e recarrega-se sozinho

Congresso Mundial de Investigação marinha
no Oceanário de Lisboa

Iraniana é a primeira mulher
a ser distinguida com o «Nobel» da Matemática

Alunos da UMinho desenvolvem protótipos todo-o-terreno

Todos pela Antártida

A Roseta foi ao cometa

Concelhos despovoados e com poucos bombeiros
são os mais atingidos pelos fogos

As barreiras dos serviços de saúde
que afectam os imigrantes

As barreiras dos serviços de saúde que afectam os imigrantes

“La réalité n’existe pas”

Como os mamíferos e as moscas se alimentam:
semelhanças surpreendentes

Células "secundarias" do sistema nervoso são afinal cruciais
para a cognição e doenças mentais

As duas caras da misteriosa Azobenzeno

Investigadores do Minho premiados no Brasil

Avanços na compreensão da doença de Parkinson
abrem novas portas terapêuticas

Ciência Hoje não vai de férias! Apoie este jornal!

Oceans of Hope chega a Lisboa para mudar percepções
sobre esclerose múltipla em Portugal

Com um euro pode combater a dor crónica

Estudo da UMinho avalia efeito de corticosteroides
no desenvolvimento dos bebés prematuros

Rapazes mais depressivos do que elas

Assim em Marte como na Terra

O primeiro genoma foi descodificado
numa cooperação Luso-Brasileira – Desulfovibrio gigas