Receba as notícias:

Carne de frango contaminada por dioxinas cancerígenas

Investigadores alemães encontraram níveis superiores ao permitido

2011-01-10
Gordura utilizada nas rações “não era adequada”
Gordura utilizada nas rações “não era adequada”
Investigadores alemães encontraram níveis excessivos de dioxinas cancerígenas em frangos, confirmando pela primeira vez que há carne afectada desde que se soube que animais tinham comido rações contaminadas, provavelmente durante meses.

Três frangos, numa amostra de 15, perus e porcos enviados à Comissão Europeia, revelaram o dobro da concentração de dioxinas legalmente autorizada, disse um porta-voz do ministério da agricultura no sábado, citado pela agência Associated Press.
Segundo a mesma fonte, os frangos não tinham sido vendidos e que não constituiriam perigo a curto prazo, visto que os níveis de contaminação são reduzidos. Os níveis de dioxinas dos produtos para fabrico de rações para animais da firma alemã Harles & Jentzsch chegaram a ultrapassar 78 vezes o permitido, revelou na sexta-feira o ministério da agricultura de Schleswig-Holstein, onde a empresa tem a sede.

Na semana passada, o mesmo ministério tinha dito que os valores de dioxinas encontrados eram dez vezes superiores aos 0,75 nanogramas por quilo, limite máximo admitido pela Organização Mundial de Saúde.

As autoridades alemãs chegaram à conclusão de que a gordura utilizada nas rações “não era adequada” para este fim, mas a Harles & Jentzsch, entretanto alvo de um processo-crime do ministério público, rejeitou ter participado em atividades criminosas.

Siegfied Sievert alegou ainda não saber a origem da contaminação com dioxinas de cerca de três mil toneladas de gordura sintética proveniente do fabrico de biodiesel, e adquirida à firma holandesa Olivet, que por sua vez a comprou à refinaria holandesa Petrotec.

A referida quantidade de gorduras é suficiente para fabricar perto de 150 mil toneladas de rações para animais, segundo os especialistas. O escândalo das dioxinas já levou ao encerramento preventivo de mais de 4.700 explorações agrícolas, sobretudo na região da Baixa-Saxónia, medida que foi no sábado levantada em 500 casos.

As autoridades confiscaram também grandes quantidades de ovos e carne de frango, mas garantiram, simultaneamente, que não há risco elevado para a saúde pública. Em Portugal, uma fonte do Ministério da Agricultura afirmou que a informação que há a nível europeu é de que nenhuma da carne contaminada saiu da Alemanha.
Mário Cardoso
2011-01-11
19:12
A isto chama-se competitividade. Chegou-se ao ponto de alimentar bovinos com carne, com as consequências conhecidas. Absolutamente impensável e contra natura, mas a competitividade assim o obrigou…Os produtores que quiserem desenvolver um trabalho com qualidade, respeito pelo ambiente e pelos consumidores, estão condenados à falência. O conceito de preço justo, deve-se sobrepor à competitividade.
castanho
2011-01-12
19:00
será a afirmacão das autoridades de não existir riscos para a saúde pública é verdadeira...tenho duvidas quanto a isto.
Americo Rodrigues
2011-01-13
01:55
Ainda bem que se conseguem descrobrir estas situações.
GUSTAVO LEPE
2011-01-30
01:35
Passem essa notícia ao Brasil, pois as autoridades daqui têm que ficar sabendo disso, mesmo que o fornecedor não seja essa empresa. Isso serve de aviso e início de atividades preventivas.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Utilizar Software de Código Aberto
permitiria ao Estado poupar milhões de euros

Trás-os-Montes apresentou no MInho cremes inovadores
que ajudam no tratamento de queimaduras, feridas profundas e psoríase

Sistema reduz de meses para dias o tempo necessário
para os cientistas testarem hipóteses

Empresa tecnológica de Braga serve milhões de pessoas

Investigadores de Coimbra avançam na luta
contra a febre da carraça e tifo epidémico

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD

A espantosa capacidade de regeneração do pâncreas

Ébola não é porventura tão temível como a gripe

Bloquear os canais de potássio pode salvar vidas

Técnicas de meditação associadas ao budismo tibetano
podem melhorar o desempenho do cérebro

O meu automóvel conduz, estaciona e recarrega-se sozinho

Congresso Mundial de Investigação marinha
no Oceanário de Lisboa

Iraniana é a primeira mulher
a ser distinguida com o «Nobel» da Matemática

Alunos da UMinho desenvolvem protótipos todo-o-terreno

Todos pela Antártida

A Roseta foi ao cometa

Concelhos despovoados e com poucos bombeiros
são os mais atingidos pelos fogos

As barreiras dos serviços de saúde
que afectam os imigrantes

As barreiras dos serviços de saúde que afectam os imigrantes

“La réalité n’existe pas”

Como os mamíferos e as moscas se alimentam:
semelhanças surpreendentes