Receba as notícias:

Clonagem: Medronheiros mais produtivos e resistentes

Planta e o seu fruto têm grande potencial a vários níveis, da indústria alimentar à protecção ambiental

2011-01-13
Por Carla Sofia Flores
Clonagem permitiu melhorar a qualidade do fruto
Clonagem permitiu melhorar a qualidade do fruto
Embora seja abundante de norte a sul de Portugal  e tenha um  grande potencial económico e ambiental,  o medronheiro é uma espécie ainda pouco conhecida, estudada e explorada. 

Conscientes do valor da planta e do seu fruto - o medronho - , investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) e da Escola Superior Agrária de Coimbra recorreram a métodos de selecção e clonagem para desenvolver genótipos de medronheiros mais produtivos e mais resistentes a condições ambientais adversas com frutos de qualidade superior. 

Jorge Canhoto, que juntamente com Filomena Gomes estudou esta planta ao longo de cinco anos, explicou ao “Ciência Hoje” que “o interesse no medronheiro surgiu por ser uma espécie característica da nossa flora que, apesar do seu potencial, tem sido marginalizada. As pessoas conhecem tantos frutos exóticos e aqueles que são nossos [o medronho, por exemplo] não são aproveitados”.

Potencial do medronheiro

O investigador de Coimbra falou do potencial do medronheiro, que se verifica aos níveis económico e ambiental. Para além de o medronho poder ser vendido em grande escala, algo que não acontece actualmente, pode ser utilizado para a produção de compotas e geleias. 

A partir do medronho pode também ser feita aguardente, como já se verifica no Algarve e na zona centro do país. A utilização da planta pode ainda  rever-se na indústria farmacêutica, visto que  medronheiros apresentam propriedade anti-sépticas e diuréticas acrescentou Jorge Canhoto, que não esqueceu a sua aplicabilidade em arranjos florais. 

Jorge Canhoto
Jorge Canhoto
Em termos ambientais, o medronheiro tem potencial para proteger e reabilitar os solos.  “Resistem muito bem aos incêndios, se não forem muito fortes, e rebentam de novo mais rapidamente do que as outras plantas, pois têm uma forte capacidade de regeneração. Além disso, conseguem viver em solos e condições pobres, por serem tolerantes  à falta de água  e ao frio”, frisou. O medronho serve também como alimento a várias espécies de pássaros, adquirindo assim mais valor do ponto de vista ecológico. 

Processo de clonagem

Este projecto, que também contou com a participação de investigadores da área florestal do Instituto Nacional de Recursos Biológicos e da Escola Superior Agrária de Castelo Branco, começou por seleccionar e caracterizar as plantas boas produtoras do fruto, de forma  a cloná-las, multiplicando-as in vitro.

As  selecção das “árvores de elite”, como lhes chama Jorge Canhoto, resultou da recolha de amostras para a avaliação da diversidade dos medronheiros pelo país, do Algarve ao Minho. Os investigadores procederam então à caracterização molecular - uma espécie de “impressão digital” da planta - para, depois disso, desenvolverem as metodologias de clonagem que permitiram criar plantas mais produtivas e com frutos de maior qualidade. 

Após a “multiplicação” desta planta, os investigadores vão proceder à  optimização do processo de transferência dos medronheiros de laboratório para as condições naturais, na expectativa de que a adaptação a condições de solo seja mais eficaz evitando, por exemplo, o uso de adubos químicos e de fitofármacos.
antónio saias
2011-01-16
12:24
André de Rezende (i500 - 15739)eborense ilustre, autor do conhecido "Cancioneiro d´ÉVORA"
dizia num dos seus poemas da alegria de ver o rústico
medronheiro transformar-se, pela enxertia, em domesticadas árvores de fruto

sendo eu técnico de agricultura, desconhecia, contudo, essa "habilidade" de cavalo-de-enxertia

Bom trabalho aos investigadores. Quando tiverem clones apurados, não se esqueçam de avisar
Abilio
2011-05-02
11:26
Bom dia caros senhores,

Há cerca de 3 anos adquiri um medronheiro para colocar no meu jardim; hoje tem cerca de 2m de altura todavia ainda não floriu.
Está correcto? ainda é novo? aos quantos anos florescem estes arbustos?
Agradeço uma explicação adequada para esta situação.

Obrigado
Abilio
2011-05-02
11:28
Bom dia caros senhores,

Há cerca de 3 anos adquiri um medronheiro para colocar no meu jardim; hoje tem cerca de 2m de altura todavia ainda não floriu.
Está correcto? ainda é novo? aos quantos anos florescem estes arbustos?
Agradeço uma explicação adequada para esta situação.

Obrigado
Valentim Oliveira
2011-07-13
22:48
Olá Abílio.
É um pouco estranho o teu medronheiro ainda não ter florido. Digo isto porque,eu vivo numa zona onde ixistem enormes matas de medronheiros,e,quanto eu sei os medronheiros florecem e dão fruto ao segundo ano de nascença.
Pedro André
2011-10-17
11:05
Pretendo fazer uma plantação de medronheiros. Alguem me sabe indicar se poderei e onde, adquirir plantas, para plantar ou terei eu de criar um viveiro, para posterior plantação?
Anónimo
2011-12-18
15:01
Boa tarde, sou aluna da FCT da universidade nova de Lisboa e estou a fazer um trabalho acerca do medronho. era possível indicar-me uma fonte de onde pudesse retirar os valor nutricional e a percentagem de cada componente(tocoferois, flavonoides, açuares,proteinas, etc)do fruto medronho
Obrigada
Claudia pestana
sergio
2013-01-13
18:10
Boa tarde, Pretendo fazer uma plantação de cerca de 500 pés de medronheiros. Vou comprar as plantas em pequenos vasos com cerca de 20cm de altura. Gostava de saber qual a melhor altura para o transplante para sitio definitivo? tendo em conta as geadas, adaptação da planta ao solo, necessidade de regas etc. Agradeço a atenção
A. Oliveira
2013-01-27
22:26
Como é feita a clonagem? Será pelo método de enxertia ou estacagem? Gostaria de saber como se deve fazer.
Guilherme
2013-03-12
19:10
Olá.
Tenhos 5 ha de terra na zona de Vila nova de Milfontes, o terreno é bastante arenoso e fica a cerca de 2 Km do Mar.

Pergunto seria bom para plantar medronheiros de origem controlada?
Estêvão Jesus
2013-03-26
21:21
Olá chamo-me Estêvão Jesus e gostaria de plantar medronheiros num terreno no Algarve. Onde poderia adquirir esses medronheiros melhorados? Estão à venda nalgum viveiro?
Obrigada a quem me puder ajudar.
Hugo Lobo
2013-03-27
11:46
Bom dia,
Li agora o vosso artigo e gostaria de colocar algumas questões.
Tenho um terreno de 2 ha onde queria plantar medronheiros e castanheiros. É terreno de declive acentuado, com cotas entre os 400m e 800m. Está cheio de mato, solo xistoso, na serra do Açor. Eu e a minha mulher somos um casal jovem e temos 15.000 euros para investir. Mudámos em setembro para a zona e estamos a pensar em algo que nos possa dar algum descanso em termos monetários para o futuro. Será que existem actualmente apoios para o nosso caso? E este dinheiro poderá ser suficiente? Podem-nos indicar a quem nos possamos dirigir para ajudar a concretizar o projecto?
Agradeço pelo vosso tempo,
Cumprimentos
Jorge Cardoso
2013-05-24
12:05
Olá chamo-me Jorge e gostaria de plantar medronheiros num terreno em Baião. Onde poderia adquirir esses medronheiros melhorados? Estão à venda nalgum viveiro?
Obrigada a quem me puder ajudar.
Fernando Maria
2013-06-08
13:46
Boa tarde, gostaria de fazer uma plantação destes medronheiros. Tenho uma extensão de 2 hectares de terreno. Gostaria de saber onde é possível adquirir esses medronheiros e o preço médio.

Obrigado, Fernando Maria
Maria Veríssimo
2013-10-07
22:38
Boa noite, tenho medronheiros na minha quinta (zona centro do país) e gostaria de saber se existe alguém ou associações ligadas a esta cultura que queiram adquirir o fruto?

Obrigada, Maria.
Maria Joaquina Vera Gamito Pereira
2014-01-10
21:36
Boa noite, gostava de plantar medronheiros melhorados numa pequena quinta que tenho em Santiago do Cacém, onde os posso comprar e qual o preço médio.

Obrigado
Maria

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Nova lei da investigação clínica
publicada hoje em Diário da República

Dor condiciona actividades diárias dos doentes mais idosos

Fraunhofer Portugal Challenge premeia a ciência nacional

Investigadores da UC localizam a distribuição celular
da proteína envolvida na Alzheimer

Cocktails de pesticidas prejudicam a saúde dos solos

Polémica das Ciências do Mar:
resposta ao coordenador do painel de avaliação

Cancro de Mama “Triplo-negativo” e Metástases do Cérebro
«vencem» bolsas de investigação da Associação Laço

Galaxy Zoo abre as portas do Universo

“Será realista o mundo de Avatar ?”

São João da Madeira vence “Dá Power ao Electrão”

“Jogar” na Sala de aula: estudo da UC defende
a utilização de dispositivos móveis no ensino

Fobias: quem tem medo compra um cão!

Bolsas para Ciências do Mar: críticas vindas a público
são totalmente desprovidas de fundamento

Estudo sociológico sobre jovens portugueses/as
vence prémio mundial

Alunos do secundário desvendam a física das partículas na UMinho

Sabe escolher azeite de qualidade?
Se vai só pela acidez está errado!

Projecto internacional da UA mostra vantagens
da iluminação pública inteligente com LED

Candidatos denunciam irregularidades
na atribuição de bolsas da FCT

Cientista português ligado
a nova investigação sobre Alzheimer

Cancro e diabetes: políticas a longo prazo
reduzem incidência de casos

Quinta do Seixo é caso de estudo
para especialistas europeus em biodiversidade

Trinta concorrentes disputam meia-final do FameLab

Veneno de caracol marinho letal pode facultar
novos tratamentos para a dor crónica em humanos

Cientistas portugueses no maior projecto da UE
contra a degradação dos solos europeus

Inaugurada estação de seguimento do Galileo
em Santa Maria, Açores

Pressão para que as mulheres se casem
ainda é grande no século XXI

O doce sabor amargo de um trabalho
de Química Alimentar da UP

A menina dança? E na sua cabeça o que se passa?

Rastreio do cancro do cólon e recto: porque fazer e como fazer

Perspetivando os próximos invernos – interrogações
como que na ponte de um superpetroleiro