Receba as notícias:

Budas gigantes do Afeganistão eram coloridos

Investigadores ao serviço da Unesco estudam o que restou dos budas destruídos pelos talibãs em 2001

2011-03-03
As estátuas do vale de Bamiyan eram parte de um importante complexo budista
As estátuas do vale de Bamiyan eram parte de um importante complexo budista
As estátuas gigantes de budas do vale de Bamiyan (Afeganistão), destruídas há dez anos pelos talibãs, eram coloridas no período pré-islâmico. O grupo de investigadores (da Icomos - Conselho Internacional para os Monumentos e os Sítios, da Unesco) que no último ano e meio se tem dedicado a estudar os restos das estátuas descobriu que a maior (de 55 metros) era vermelha e a mais pequena (38 metros) branca.

As estátuas eram pintadas com frequência com diferentes tonalidades. Os investigadores conseguiram também datar com precisão as esculturas. A mais pequena foi construída entre 544 e 595 e a maior entre 591 e 644.
Estas estátuas eram esculturas escavadas na pedra completadas com adornos de argila e encontravam-se nas reentrâncias de um precipício no vale Bamiyan, que faz parte da histórica “rota da Seda”. Até ao século X este espaço era o centro de um grande complexo budista. Depois da destruição feita pelos talibãs em 2001 – com tiros e explosivos – restaram apenas fragmentos.

Erwin Emmerling, da Universidade Técnica de Munique, explica que os budas eram intensamente coloridos, antes da conversão daquela região ao islão. As estátuas eram repetidamente pintadas, provavelmente porque as cores iam-se esbatendo.

O buda maior estava pintado de vermelho e o pequeno de branco, com o interior da roupa azul pálido em ambos os casos. Estes detalhes confirmam os relatos do século XI que falam de um “buda vermelho” e de um “monge branco”.

As estátuas foram esculpidas directamente na rocha ficando assim encaixadas nos buracos. No entanto, os adornos eram fabricados separadamente e adicionados através de diferentes técnicas.

Estes eram feitos de argila e aplicados em duas ou três camadas com uma precisão que surpreende os cientistas actuais. Além das superfícies estarem perfeitamente lisas, na argila encontra-se palha para absorver a humidade, pêlos de animais, que estabilizam o material e outros aditivos que impedem que haja fissuras.

A camada inferior está presa por cordas a estacas de madeira. Esta técnica permitiu aos artesãos aplicarem camadas grossas, até oito centímetros de espessura.

A questão da conservação e possível reconstrução “in situ” das duas peças é problemática. Para já, está a ser preparada uma simulação por computador, a três dimensões, do espaço e das estátuas na sua posição original.

Emmerling é céptico quanto às possibilidades de se conseguir reconstruir a estátua maior. Seja como for, o objectivo dos investigadores é reparar os fragmentos, mais do que fazer uma reconstrução. Esta poderia chocar com interesses políticos.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Dê azeite ao seu coração

Dois jovens cientistas portugueses
entre oito distinguidos pela EMBO

Neste Natal dê o seu apoio ao Ciência Hoje

Efeitos da cafeína diferem com ou sem açúcar?

António Fernandes da Fonseca deixou a “sua marca”
na passagem pelo Mundo!

É possível estudar «cientificamente» as salsichas?
Universidades de Lisboa, Évora e Trás-os-Montes e Alto Douro fizeram investigação

UBI apresenta amanhã em Bruxelas
sistema de propulsão inovador

Podemos fazer algo para minimizar
ou mesmo evitar a demência?

"Santo graal da cardiologia" vence prémio Fundação Altran para a Inovação

Investigador da UC lidera investigação europeia
sobre as doenças de Parkinson e de Machado-Joseph

Equipa internacional revela o "big bang"
da evolução das aves

Henrique Leitão, vencedor do Prémio Pessoa:
“Um curso de física bem dado é uma verdadeira sinfonia”

Instituto do Território lança Agênca da Baixa Densidade

UC entre as instituições europeias que venceram
o projecto “Vida Saudável e Envelhecimento Activo”

Investigação científica da UE aberta para todos

Cientistas portugueses no vulcão da Ilha do Fogo

UC inaugura projecto pioneiro para resolver
problema da fruticultura nacional

Investigadores da UTAD promovem avanços significativos
na compreensão da doença de Alzheimer

Prémios Pfizer entregues hoje

“Espelho mágico” permite ver como as peças de roupa
de uma loja ficam na pessoa

Sexo de pinguins: como determiná-lo

Punir as crianças quando mentem não funciona

LED desenvolvido pela UA quer revolucionar tecnologia
que recebeu Nobel da Física

Habilidades de feira vs. bancos de escola

Beba vinho tinto! Pela sua saúde!

Aveiro «inventa» folha de fruta não comercializada

UMinho quer criar lentes e iluminação para daltónicos

Vinho e cultura melhores do que sol e areia
e Portugal pode beneficiar com isso

Desenvolvido em Espanha um modelo
para detectar a condução agressiva

Distinguido estudo do metabolismo
de células do cancro do pulmão