Receba as notícias:

Budas gigantes do Afeganistão eram coloridos

Investigadores ao serviço da Unesco estudam o que restou dos budas destruídos pelos talibãs em 2001

2011-03-03
As estátuas do vale de Bamiyan eram parte de um importante complexo budista
As estátuas do vale de Bamiyan eram parte de um importante complexo budista
As estátuas gigantes de budas do vale de Bamiyan (Afeganistão), destruídas há dez anos pelos talibãs, eram coloridas no período pré-islâmico. O grupo de investigadores (da Icomos - Conselho Internacional para os Monumentos e os Sítios, da Unesco) que no último ano e meio se tem dedicado a estudar os restos das estátuas descobriu que a maior (de 55 metros) era vermelha e a mais pequena (38 metros) branca.

As estátuas eram pintadas com frequência com diferentes tonalidades. Os investigadores conseguiram também datar com precisão as esculturas. A mais pequena foi construída entre 544 e 595 e a maior entre 591 e 644.
Estas estátuas eram esculturas escavadas na pedra completadas com adornos de argila e encontravam-se nas reentrâncias de um precipício no vale Bamiyan, que faz parte da histórica “rota da Seda”. Até ao século X este espaço era o centro de um grande complexo budista. Depois da destruição feita pelos talibãs em 2001 – com tiros e explosivos – restaram apenas fragmentos.

Erwin Emmerling, da Universidade Técnica de Munique, explica que os budas eram intensamente coloridos, antes da conversão daquela região ao islão. As estátuas eram repetidamente pintadas, provavelmente porque as cores iam-se esbatendo.

O buda maior estava pintado de vermelho e o pequeno de branco, com o interior da roupa azul pálido em ambos os casos. Estes detalhes confirmam os relatos do século XI que falam de um “buda vermelho” e de um “monge branco”.

As estátuas foram esculpidas directamente na rocha ficando assim encaixadas nos buracos. No entanto, os adornos eram fabricados separadamente e adicionados através de diferentes técnicas.

Estes eram feitos de argila e aplicados em duas ou três camadas com uma precisão que surpreende os cientistas actuais. Além das superfícies estarem perfeitamente lisas, na argila encontra-se palha para absorver a humidade, pêlos de animais, que estabilizam o material e outros aditivos que impedem que haja fissuras.

A camada inferior está presa por cordas a estacas de madeira. Esta técnica permitiu aos artesãos aplicarem camadas grossas, até oito centímetros de espessura.

A questão da conservação e possível reconstrução “in situ” das duas peças é problemática. Para já, está a ser preparada uma simulação por computador, a três dimensões, do espaço e das estátuas na sua posição original.

Emmerling é céptico quanto às possibilidades de se conseguir reconstruir a estátua maior. Seja como for, o objectivo dos investigadores é reparar os fragmentos, mais do que fazer uma reconstrução. Esta poderia chocar com interesses políticos.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Nova lei da investigação clínica
publicada hoje em Diário da República

Dor condiciona actividades diárias dos doentes mais idosos

Fraunhofer Portugal Challenge premeia a ciência nacional

Investigadores da UC localizam a distribuição celular
da proteína envolvida na Alzheimer

Cocktails de pesticidas prejudicam a saúde dos solos

Polémica das Ciências do Mar:
resposta ao coordenador do painel de avaliação

Cancro de Mama “Triplo-negativo” e Metástases do Cérebro
«vencem» bolsas de investigação da Associação Laço

Galaxy Zoo abre as portas do Universo

“Será realista o mundo de Avatar ?”

São João da Madeira vence “Dá Power ao Electrão”

“Jogar” na Sala de aula: estudo da UC defende
a utilização de dispositivos móveis no ensino

Fobias: quem tem medo compra um cão!

Bolsas para Ciências do Mar: críticas vindas a público
são totalmente desprovidas de fundamento

Estudo sociológico sobre jovens portugueses/as
vence prémio mundial

Alunos do secundário desvendam a física das partículas na UMinho

Sabe escolher azeite de qualidade?
Se vai só pela acidez está errado!

Projecto internacional da UA mostra vantagens
da iluminação pública inteligente com LED

Candidatos denunciam irregularidades
na atribuição de bolsas da FCT

Cientista português ligado
a nova investigação sobre Alzheimer

Cancro e diabetes: políticas a longo prazo
reduzem incidência de casos

Quinta do Seixo é caso de estudo
para especialistas europeus em biodiversidade

Trinta concorrentes disputam meia-final do FameLab

Veneno de caracol marinho letal pode facultar
novos tratamentos para a dor crónica em humanos

Cientistas portugueses no maior projecto da UE
contra a degradação dos solos europeus

Inaugurada estação de seguimento do Galileo
em Santa Maria, Açores

Pressão para que as mulheres se casem
ainda é grande no século XXI

O doce sabor amargo de um trabalho
de Química Alimentar da UP

A menina dança? E na sua cabeça o que se passa?

Rastreio do cancro do cólon e recto: porque fazer e como fazer

Perspetivando os próximos invernos – interrogações
como que na ponte de um superpetroleiro