Receba as notícias:

Budas gigantes do Afeganistão eram coloridos

Investigadores ao serviço da Unesco estudam o que restou dos budas destruídos pelos talibãs em 2001

2011-03-03
As estátuas do vale de Bamiyan eram parte de um importante complexo budista
As estátuas do vale de Bamiyan eram parte de um importante complexo budista
As estátuas gigantes de budas do vale de Bamiyan (Afeganistão), destruídas há dez anos pelos talibãs, eram coloridas no período pré-islâmico. O grupo de investigadores (da Icomos - Conselho Internacional para os Monumentos e os Sítios, da Unesco) que no último ano e meio se tem dedicado a estudar os restos das estátuas descobriu que a maior (de 55 metros) era vermelha e a mais pequena (38 metros) branca.

As estátuas eram pintadas com frequência com diferentes tonalidades. Os investigadores conseguiram também datar com precisão as esculturas. A mais pequena foi construída entre 544 e 595 e a maior entre 591 e 644.
Estas estátuas eram esculturas escavadas na pedra completadas com adornos de argila e encontravam-se nas reentrâncias de um precipício no vale Bamiyan, que faz parte da histórica “rota da Seda”. Até ao século X este espaço era o centro de um grande complexo budista. Depois da destruição feita pelos talibãs em 2001 – com tiros e explosivos – restaram apenas fragmentos.

Erwin Emmerling, da Universidade Técnica de Munique, explica que os budas eram intensamente coloridos, antes da conversão daquela região ao islão. As estátuas eram repetidamente pintadas, provavelmente porque as cores iam-se esbatendo.

O buda maior estava pintado de vermelho e o pequeno de branco, com o interior da roupa azul pálido em ambos os casos. Estes detalhes confirmam os relatos do século XI que falam de um “buda vermelho” e de um “monge branco”.

As estátuas foram esculpidas directamente na rocha ficando assim encaixadas nos buracos. No entanto, os adornos eram fabricados separadamente e adicionados através de diferentes técnicas.

Estes eram feitos de argila e aplicados em duas ou três camadas com uma precisão que surpreende os cientistas actuais. Além das superfícies estarem perfeitamente lisas, na argila encontra-se palha para absorver a humidade, pêlos de animais, que estabilizam o material e outros aditivos que impedem que haja fissuras.

A camada inferior está presa por cordas a estacas de madeira. Esta técnica permitiu aos artesãos aplicarem camadas grossas, até oito centímetros de espessura.

A questão da conservação e possível reconstrução “in situ” das duas peças é problemática. Para já, está a ser preparada uma simulação por computador, a três dimensões, do espaço e das estátuas na sua posição original.

Emmerling é céptico quanto às possibilidades de se conseguir reconstruir a estátua maior. Seja como for, o objectivo dos investigadores é reparar os fragmentos, mais do que fazer uma reconstrução. Esta poderia chocar com interesses políticos.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

A verdade sobre a infertilidade

INSA e OMS lutam contra a obesidade infantil

Burro mirandês em risco de extinção

De como a diabetes afecta a fertilidade

UTAD e Federação Portuguesa de Voleibol avaliam
performance dos jogadores da selecção nacional

Portugal conquista pela primeira vez medalha
na Olimpíada Internacional de Química

IST recebe 69 Milhões de horas
num dos supercomputadores mais rápidos do mundo

Criadores do «Magalhães» chegam ao Uruguai

Minho quer extrair colagénio da pele de tubarão

Hepatite C “pode estar erradicada dentro de alguns anos”

Área ardida em Portugal terá redução drástica
se houver prevenção de incêndios

Milheirinhas: os machos mais coloridos
cuidam melhor da plumagem

Aveiro abre caminho ao tratamento do vírus Ébola

Rastreios gratuitos a cancro de cabeça e pescoço
até sexta-feira em 12 hospitais

Universidades do Porto, Aveiro e Técnica de Lisboa lideram
produção científica das instituições científicas do Ensino Superior

Quimioterapia pode prejudicar doentes terminais

Todos os seropositivos devem receber terapia
independentemente da carga viral

Coimbra confirma eficácia de terapia inovadora
em vários tipos de cancro

Exterior dos jardins de infância não promove
desenvolvimento saudável das crianças

Novo medicamento pode retardar Alzheimer

Torres Vedras campeã do Mundo em robótica

Injecções em árvores vão controlar pragas de insectos

Oftalmologista português distinguido nos EUA

Jovem com VIH em remissão após tratamento precoce

Portugal é o 12º país europeu com mais projectos
submetidos ao Horizon 2020

Perigos dos microplásticos e dos fármacos preocupam ambientalistas

Quando soube que tinha cancro pensei:
cheguei ao fim da vida!

Cérebro dos desportistas responde 82% mais rápido
em situações de forte pressão

Empresas pagam propinas aos melhores candidatos
a engenharia física da Universidade de Aveiro

Rim é o órgão mais transplantado em Portugal