Receba as notícias:

UMinho premiada por conservação alternativa da castanha

Projecto "CHESTNUTSRAD” prevê esterilização por irradiação

2011-04-20
Portugal produz mais de 30 mil toneladas de castanhas.
Portugal produz mais de 30 mil toneladas de castanhas.
O projecto «CHESTNUTSRAD: Tratamento alternativo de conservação de castanha», que envolve investigadores da Universidade do Minho (UMinho), foi recentemente premiado no concurso nacional de inovação FOOD I&DT, em Lisboa.

O trabalho defende que as castanhas para exportação podem ser esterilizadas por irradiação, através de feixes de electrões, em vez da habitual esterilização por água quente. A técnica já foi confirmada na União Europeia para outros alimentos. Falta testar na castanha se, além de eliminar bolores, se mantém a qualidade, o sabor e as características do fruto.
A equipa de investigação inclui o grupo de Micologia Aplicada do Centro de Engenharia Biológica e a Micoteca da UMinho, a empresa Agroaguiar, o Instituto Politécnico de Bragança e o Instituto Tecnológico e Nuclear. O projecto durará até 2013, tem apoio da Agência Portuguesa da Inovação e é financiado pelo Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN).

Portugal produz mais de 30 mil toneladas de castanhas por ano, sendo um terço para exportação (sobretudo Brasil, EUA e Canadá), o que representa perto de 15 milhões de euros. Em Trás-os-Montes recolhe-se 85 por cento da produção do país.

A UE proíbe desde 2010 a desinfecção da castanha por brometo de metilo, que não é nocivo para a saúde humana, mas prejudica a camada de ozono. Em alternativa, utiliza-se a esterilização por água quente, que os cientistas consideram dispendiosa, morosa e não totalmente eficaz. O método obriga à secagem cuidada do fruto, sob pena de se deteriorar durante do transporte para o estrangeiro, dificultando as remessas para países distantes.

O concurso FOOD I&DT, no qual o projecto CHESTNUTSRAD foi distinguido, esteve integrado no salão Alimentaria & Horexpo 2011, o maior evento nacional nos ramos da alimentação, distribuição e hotelaria. O concurso destinou-se a projectos de I&DT provenientes de entidades científicas e tecnológicas ou de empresas parceiras, com um grau de inovação diferenciador a nível nacional e internacional e com elevado potencial de mercado.

Castanha assada todo o ano

A castanha está a ganhar relevo na economia transmontana e têm sido realizados vários estudos pioneiros. A investigadora Paula Rodrigues, do Politécnico de Bragança, defendeu recentemente, na UMinho, a sua tese de doutoramento em Engenharia Química e Biológica, com o tema «Mycobiota and aflatoxigenic profile of Portuguese almonds and chestnuts from production to commercialisation».

Deste estudo encontrou-se duas novas espécies para a ciência, do fungo Aspergillus, que foram submetidas para publicação internacional e estão depositadas na Micoteca da UMinho, na sua forma activa e em exscicata.

A inovação sobre este alimento já permite termos também castanha assada ultracongelada pronta a comer em qualquer dia do ano – basta aquecer cinco minutos no forno ou micro-ondas. A castanha já assada sai embalada em vácuo de uma empresa de Vila Pouca de Aguiar e a novidade está a ter sucesso nos EUA. Acredita-se mesmo que este produto possa em breve ser servido nos cafés como os tremoços e amendoins.
CiESA
2011-04-26
12:38
o artigo a “UMinho premiada por conservação alternativa da castanha”, peca por falta de rigor uma vez que, o Projecto em referencia, integra a Uminho mas, é um Projecto liderado pela Agroaguiar Lda. , uma empresa de processamento e comercialização de castanha e outros produtos agro-alimentares, em parceria com a Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Bragança (no qual um dos seus docentes está a desenvolver o seu Projecto de Doutoramento), a Universidade do Minho e o Instituto Tecnológico e Nuclear. Efectivamente foi o Instituto Politécnico de Bragança/Escola Superior Agrária, que candidataram o Projecto à Horexpo. A notícia de que é a Uminho a ser premiada, não só é pouco rigorosa como facciosa, uma vez que deveriam referir que o Projecto CHESTNUTSRAD – Tratamento alternativo de conservação de castanha foi premiado, para depois referirem as instituições envolvidas e todas elas em igualdade de circunstancias.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Vacina contra o Ébola revela-se cem por cento eficaz

A verdade sobre a infertilidade

INSA e OMS lutam contra a obesidade infantil

Burro mirandês em risco de extinção

De como a diabetes afecta a fertilidade

UTAD e Federação Portuguesa de Voleibol avaliam
performance dos jogadores da selecção nacional

Portugal conquista pela primeira vez medalha
na Olimpíada Internacional de Química

IST recebe 69 Milhões de horas
num dos supercomputadores mais rápidos do mundo

Criadores do «Magalhães» chegam ao Uruguai

Minho quer extrair colagénio da pele de tubarão

Hepatite C “pode estar erradicada dentro de alguns anos”

Área ardida em Portugal terá redução drástica
se houver prevenção de incêndios

Milheirinhas: os machos mais coloridos
cuidam melhor da plumagem

Aveiro abre caminho ao tratamento do vírus Ébola

Rastreios gratuitos a cancro de cabeça e pescoço
até sexta-feira em 12 hospitais

Universidades do Porto, Aveiro e Técnica de Lisboa lideram
produção científica das instituições científicas do Ensino Superior

Quimioterapia pode prejudicar doentes terminais

Todos os seropositivos devem receber terapia
independentemente da carga viral

Coimbra confirma eficácia de terapia inovadora
em vários tipos de cancro

Exterior dos jardins de infância não promove
desenvolvimento saudável das crianças

Novo medicamento pode retardar Alzheimer

Torres Vedras campeã do Mundo em robótica

Injecções em árvores vão controlar pragas de insectos

Oftalmologista português distinguido nos EUA

Jovem com VIH em remissão após tratamento precoce

Portugal é o 12º país europeu com mais projectos
submetidos ao Horizon 2020

Perigos dos microplásticos e dos fármacos preocupam ambientalistas

Quando soube que tinha cancro pensei:
cheguei ao fim da vida!

Cérebro dos desportistas responde 82% mais rápido
em situações de forte pressão

Empresas pagam propinas aos melhores candidatos
a engenharia física da Universidade de Aveiro