Receba as notícias:

UMinho premiada por conservação alternativa da castanha

Projecto "CHESTNUTSRAD” prevê esterilização por irradiação

2011-04-20
Portugal produz mais de 30 mil toneladas de castanhas.
Portugal produz mais de 30 mil toneladas de castanhas.
O projecto «CHESTNUTSRAD: Tratamento alternativo de conservação de castanha», que envolve investigadores da Universidade do Minho (UMinho), foi recentemente premiado no concurso nacional de inovação FOOD I&DT, em Lisboa.

O trabalho defende que as castanhas para exportação podem ser esterilizadas por irradiação, através de feixes de electrões, em vez da habitual esterilização por água quente. A técnica já foi confirmada na União Europeia para outros alimentos. Falta testar na castanha se, além de eliminar bolores, se mantém a qualidade, o sabor e as características do fruto.
A equipa de investigação inclui o grupo de Micologia Aplicada do Centro de Engenharia Biológica e a Micoteca da UMinho, a empresa Agroaguiar, o Instituto Politécnico de Bragança e o Instituto Tecnológico e Nuclear. O projecto durará até 2013, tem apoio da Agência Portuguesa da Inovação e é financiado pelo Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN).

Portugal produz mais de 30 mil toneladas de castanhas por ano, sendo um terço para exportação (sobretudo Brasil, EUA e Canadá), o que representa perto de 15 milhões de euros. Em Trás-os-Montes recolhe-se 85 por cento da produção do país.

A UE proíbe desde 2010 a desinfecção da castanha por brometo de metilo, que não é nocivo para a saúde humana, mas prejudica a camada de ozono. Em alternativa, utiliza-se a esterilização por água quente, que os cientistas consideram dispendiosa, morosa e não totalmente eficaz. O método obriga à secagem cuidada do fruto, sob pena de se deteriorar durante do transporte para o estrangeiro, dificultando as remessas para países distantes.

O concurso FOOD I&DT, no qual o projecto CHESTNUTSRAD foi distinguido, esteve integrado no salão Alimentaria & Horexpo 2011, o maior evento nacional nos ramos da alimentação, distribuição e hotelaria. O concurso destinou-se a projectos de I&DT provenientes de entidades científicas e tecnológicas ou de empresas parceiras, com um grau de inovação diferenciador a nível nacional e internacional e com elevado potencial de mercado.

Castanha assada todo o ano

A castanha está a ganhar relevo na economia transmontana e têm sido realizados vários estudos pioneiros. A investigadora Paula Rodrigues, do Politécnico de Bragança, defendeu recentemente, na UMinho, a sua tese de doutoramento em Engenharia Química e Biológica, com o tema «Mycobiota and aflatoxigenic profile of Portuguese almonds and chestnuts from production to commercialisation».

Deste estudo encontrou-se duas novas espécies para a ciência, do fungo Aspergillus, que foram submetidas para publicação internacional e estão depositadas na Micoteca da UMinho, na sua forma activa e em exscicata.

A inovação sobre este alimento já permite termos também castanha assada ultracongelada pronta a comer em qualquer dia do ano – basta aquecer cinco minutos no forno ou micro-ondas. A castanha já assada sai embalada em vácuo de uma empresa de Vila Pouca de Aguiar e a novidade está a ter sucesso nos EUA. Acredita-se mesmo que este produto possa em breve ser servido nos cafés como os tremoços e amendoins.
CiESA
2011-04-26
12:38
o artigo a “UMinho premiada por conservação alternativa da castanha”, peca por falta de rigor uma vez que, o Projecto em referencia, integra a Uminho mas, é um Projecto liderado pela Agroaguiar Lda. , uma empresa de processamento e comercialização de castanha e outros produtos agro-alimentares, em parceria com a Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Bragança (no qual um dos seus docentes está a desenvolver o seu Projecto de Doutoramento), a Universidade do Minho e o Instituto Tecnológico e Nuclear. Efectivamente foi o Instituto Politécnico de Bragança/Escola Superior Agrária, que candidataram o Projecto à Horexpo. A notícia de que é a Uminho a ser premiada, não só é pouco rigorosa como facciosa, uma vez que deveriam referir que o Projecto CHESTNUTSRAD – Tratamento alternativo de conservação de castanha foi premiado, para depois referirem as instituições envolvidas e todas elas em igualdade de circunstancias.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Implantes dentários «ganham» volume ósseo

Em Portugal um tratamento específico
depende da região onde se mora

Eousdryosaurus, o pequeno dinossauro
que viveu num tempo de gigante

Um em cada quatro já traiu

A Ciência da Gestão de Ciência e Tecnologia
– reflexões de uma despedida

A ansiedade de estar doente no hospital?
O ambiente do quarto pode ajudar!

Prémio António Champalimaud reconhece tratamento
revolucionário de doenças graves da visão

João Rocha é o primeiro português
da European Academy of Sciences

O Porto na Guerra Fria

Nariz electrónico pode detectar
subgrupos de asma nas crianças

Oceanos de Esperança chegou a Boston

Braga quer construir travessas de caminho-de-ferro
com resíduos de plásticos mistos

Comer com sucesso no Mercado do Bom Sucesso

Lars Montelius é o novo director do INL

José Xavier participa no Atlas
sobre vida marinha no Oceano Antárctico

Utilizar Software de Código Aberto
permitiria ao Estado poupar milhões de euros

Trás-os-Montes apresentou no MInho cremes inovadores
que ajudam no tratamento de queimaduras, feridas profundas e psoríase

Sistema reduz de meses para dias o tempo necessário
para os cientistas testarem hipóteses

Empresa tecnológica de Braga serve milhões de pessoas

Investigadores de Coimbra avançam na luta
contra a febre da carraça e tifo epidémico

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD