Receba as notícias:

‘A História da Neurologia em Portugal’

Livro transmite ideia do erro humano e excesso de confiança dos médicos

2011-05-18
Por Susana Lage (texto e fotos)
José Pereira Monteiro, Maria Manuela Palmeira e João Fernando Mesquita
José Pereira Monteiro, Maria Manuela Palmeira e João Fernando Mesquita
José Pereira Monteiro, João Fernando Mesquita e Maria Manuela Palmeira lançaram ontem, em Lisboa, o livro ‘A História da Neurologia em Portugal’. A obra resulta de uma recolha de dados relativos ao sistema nervoso e às suas manifestações clínicas. Mas mais que isso, transmite a ideia do erro humano e do excesso de confiança que os médicos tiveram nas diferentes épocas.

Segundo José Pereira Monteiro, trata-se de um livro que demorou “quase dez anos” a estar completo e que surgiu quando o médico era presidente da Sociedade Portuguesa de Neurologia (SPN).
Na criação do projecto, o especialista lembra que foi necessário “criar algumas comissões para tratar de temas específicos”, sendo uma delas “a comissão de História, nomeada com o objectivo de poder congregar pessoas interessadas na história da neurologia em Portugal poderem fazer apresentações regulares nas reuniões da Sociedade sobre o tema de História e reunir elementos para mais tarde poderem ser divulgados aos sócios da Sociedade”. Nesta altura, “já se pensava na possibilidade de se conseguir conciliar esses mesmos elementos e poder fazer um livro”, diz. Neste sentido, o médico convidou Maria Manuela Palmeira “para assumir a direcção dessa comissão de história de neurologia”.

De acordo com Maria Manuela Palmeira, “a coordenadora era a pessoa que ia reunir com os colegas que estavam interessados em fazer investigação e apresentar passos importantes da neurologia”. Nas reuniões da Sociedade, esses colegas proporcionavam um “momento lúdico e cultural”. Outra função da coordenadora incluía “agitar”, isto é, “marcar reuniões, tentar que os trabalhos fossem corrigidos e passados a computador, para no fim conseguirmos atingir o objectivo primordial de coleccionar e publicar”, explica a especialista.

O professor de História dá aulas na escola secundária de S.Pedro da Cova, Gondomar
O professor de História dá aulas na escola secundária de S.Pedro da Cova, Gondomar
O livro está estruturado em cinco partes distintas. Os ‘Primórdios da Neurologia’, que versa práticas ancestrais relacionadas com o padecimentos ou comportamentos hoje atribuíveis aos sistema nervoso; ‘A Neurologia Portuguesa da Idade Média à Renascença’; ‘A Neurologia Portuguesa da Renascença ao Liberalismo’; ‘A Neurologia Moderna em Portugal’; e ‘Expressões da Neurologia Portuguesa Contemporânea’.

Natureza factual

Quando José Pereira Monteiro e Maria Manuela Palmeira convidaram João Fernando Mesquita para participar no livro, este professor achou o projecto “de uma dimensão ciclópica em termos de dificuldade porque não dominava o discurso epistemológico da medicina e pela questão das fontes”. Sendo professor de História da Medicina, João Fernando Mesquita “conhecia alguns casos, sobretudo em matéria distancial em relação ao nosso País, mas estava no ‘mundo das trevas’” quando iniciou o projecto.

Em termos de metodologia, muitos dos capítulos desta obra “não são de natureza explicativa mas, pela própria natureza da obra, muito factuais e episódicos”, afirma João Fernando Mesquita. Apesar disso, há capítulos nesta obra, como o do ensino médico, em que “para se falar do aparecimento da Neurologia em Portugal como especialidade autónoma foi necessário abordar todo o século XIX português em matéria de reforma de ensino”, entrando num campo mais explicativo da história.

Esta obra, para o professor, “é rigorosa em termos de objectividade e a bibliografia é imensa”. Foi realizada “com muito entusiasmo, de pesquisa muito solitária, mas sempre com apoio” dos outros dois autores. E representa “uma abordagem da história da Neurologia”.

José Pereira Monteiro dirige a Consulta de Cefaleias no Hospital de Santo António, Porto
José Pereira Monteiro dirige a Consulta de Cefaleias no Hospital de Santo António, Porto
Erro humano

No final do evento, José Pereira Monteiro sublinhou que ‘A História da Neurologia em Portugal’ “é particular” porque “é baseada maioritariamente em dados factuais e não de interpretação pessoal dos dados”; “termina antes de os autores serem protagonistas”; e “não é a história oficial de uma entidade ou organização mas aquilo que se conseguiu coligir”. O autor refere que houve o cuidado de “colocar a transcrição dos textos originais até para permitir que qualquer outra pessoa possa ter um raciocínio diferente sobre os factos”.

O médico acrescentou ainda que “ao transcrever factos e interpretações dos próprios intervenientes de cada uma das épocas”, o livro “transmite uma ideia do erro humano, da interpretação errada, do excesso de confiança dos médicos”. Assim, o que se pode verificar, é que “ao longo dos tempos, os conceitos foram variando, as atitudes anteriores passaram a ser inapropriadas e até, muitas vezes, prejudiciais”. Desta forma, “os leitores de hoje, ao lerem esta obra, vão ter um sentimento de humildade porque hoje aquilo que fazemos que achamos muito desenvolvido, daqui por alguns anos pode estar errado”.
Maria Noémi Sousa
2011-08-17
15:03
Estou interessado em adquirir este livro. Onde posso compra-lo?
Desde já o meu muito obrigada

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Estudo avalia impacto da crise económica nos médicos

A burocracia e as TIC
(esta dádiva de algum deus suspeito!)

When bad news are good news for neurodegenerative diseases

Nova lei da investigação clínica
publicada hoje em Diário da República

Dor condiciona actividades diárias dos doentes mais idosos

Fraunhofer Portugal Challenge premeia a ciência nacional

Investigadores da UC localizam a distribuição celular
da proteína envolvida na Alzheimer

Cocktails de pesticidas prejudicam a saúde dos solos

Polémica das Ciências do Mar:
resposta ao coordenador do painel de avaliação

Cancro de Mama “Triplo-negativo” e Metástases do Cérebro
«vencem» bolsas de investigação da Associação Laço

Galaxy Zoo abre as portas do Universo

“Será realista o mundo de Avatar ?”

São João da Madeira vence “Dá Power ao Electrão”

“Jogar” na Sala de aula: estudo da UC defende
a utilização de dispositivos móveis no ensino

Fobias: quem tem medo compra um cão!

Bolsas para Ciências do Mar: críticas vindas a público
são totalmente desprovidas de fundamento

Estudo sociológico sobre jovens portugueses/as
vence prémio mundial

Alunos do secundário desvendam a física das partículas na UMinho

Sabe escolher azeite de qualidade?
Se vai só pela acidez está errado!

Projecto internacional da UA mostra vantagens
da iluminação pública inteligente com LED

Candidatos denunciam irregularidades
na atribuição de bolsas da FCT

Cientista português ligado
a nova investigação sobre Alzheimer

Cancro e diabetes: políticas a longo prazo
reduzem incidência de casos

Quinta do Seixo é caso de estudo
para especialistas europeus em biodiversidade

Trinta concorrentes disputam meia-final do FameLab

Veneno de caracol marinho letal pode facultar
novos tratamentos para a dor crónica em humanos

Cientistas portugueses no maior projecto da UE
contra a degradação dos solos europeus

Inaugurada estação de seguimento do Galileo
em Santa Maria, Açores

Pressão para que as mulheres se casem
ainda é grande no século XXI

O doce sabor amargo de um trabalho
de Química Alimentar da UP