Receba as notícias:

Exercício «n-back» é um eficaz treino mental

Jogo aumenta capacidade de raciocínio e de resolução de problemas

2011-06-06

A melhor forma de entreter o cérebro e ao mesmo tempo aumentar a inteligência é um exercício chamado «n-back». Um estudo da Universidade de Michigan (EUA) afirma que a prática diária de 20 minutos durante 20 dias melhora significativamente os resultados em provas de inteligência. O jogo, que tem como objectivo recordar as posições de uma figura num ecrã, aumenta a capacidade de raciocinar e de resolver novos problemas, melhoria essa que se prolonga pelo menos três meses.

Os resultados do estudo foram apresentados na Associação para a Ciência Psicológica, em Washington, por um dos responsáveis pela investigação, o psicólogo John Jonides, que colaborou com colegas das universidades de Berna e Taipei. A investigação foi realizada com 200 crianças e jovens.

O exercício mental, criado por W. K. Kirchner, em 1958, utiliza uma função do cérebro conhecida como 'memória de trabalho', a capacidade de reter a informação de forma activa mesmo que se produzam distracções e interferências numa tarefa.

Outro grupo de investigadores tinha já sugerido que existia uma relação entre este tipo de memória e o facto de muitas pessoas adultas não serem capazes de recordar o que estavam a fazer quando são interrompidas.

O exercício, com as suas muitas variantes, pode ser facilmente encontrado na Internet. Basicamente, o jogo é uma continuous performance task (tarefa de performance contínua) e consiste em assinalar o sítio onde o objecto aparece repetido. A isto podem ligar-se outros elementos como o som (criando um dual n-back). A dificuldade vai aumentando à medida que se joga.

O investigador John Jonides afirma que quanto mais prazer se tirar do jogo maior é o aperfeiçoamento da inteligência fluida. 

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Rapazes mais depressivos do que elas

Assim em Marte como na Terra

O primeiro genoma foi descodificado
numa cooperação Luso-Brasileira – Desulfovibrio gigas

Alunos aplicam ciência para detectar
mão criminosa nos incêndios

Scientists discovered a new player in mental diseases

Insucesso Escolar e competências transversais:
uma forma alternativa de observar o problema…

Investigador do IPLeiria distinguido nos EUA
na área da Biomecânica do Desporto

Luísa «lança-se» aos mares
e «deixa» a esclerose em terra

«Importa perceber o grau
de literacia científica do ilustrador

As mulheres ainda preferem o parto natural

Portugal acolhe o maior Congresso Europeu sobre a China

Cegonhas «contra» nova directiva Europeia

Associação Portuguesa de Estudos Franceses
recebe Prémio Hervé Deluen

Reclusos de Castelo Branco vão ver o sol
(não aos quadradinhos)

Fernando Pestana da Costa eleito presidente da SPM

Hortas urbanas têm solos com excesso de metais pesados

Coimbra cria programa pioneiro para a infertilidade

Jovem português «bronzeia-se» na Física

Aditivos alimentares sintéticos e naturais:
quem vai ganhar a «guerra»?

Qual é o número de moléculas dentro de células?

CESPU e Universidade de Barcelona
juntas no ensino da saúde

João Ramalho- Santos lidera CNC

GILEAD SCIENCES apoia projectos científicos
com 200 mil euros

Marta Catarino é vice-presidente da associação europeia
de transferência de conhecimento

Dr. ROAD – o “médico” das estradas - nasce em Coimbra

Um «osso» para a cabeça? Uma porta para o carro?
Uma peça para uma aeronave? É para já!

Livro ensina pais a alimentarem crianças

Investigadores do Porto distinguidos
com Prémio Grünenthal Dor

Portugueses conquistam duplo bronze
nas Olimpíadas Internacionais de Biologia

Rui Costa vence mais um prémio internacional