Receba as notícias:

Exercício «n-back» é um eficaz treino mental

Jogo aumenta capacidade de raciocínio e de resolução de problemas

2011-06-06

A melhor forma de entreter o cérebro e ao mesmo tempo aumentar a inteligência é um exercício chamado «n-back». Um estudo da Universidade de Michigan (EUA) afirma que a prática diária de 20 minutos durante 20 dias melhora significativamente os resultados em provas de inteligência. O jogo, que tem como objectivo recordar as posições de uma figura num ecrã, aumenta a capacidade de raciocinar e de resolver novos problemas, melhoria essa que se prolonga pelo menos três meses.

Os resultados do estudo foram apresentados na Associação para a Ciência Psicológica, em Washington, por um dos responsáveis pela investigação, o psicólogo John Jonides, que colaborou com colegas das universidades de Berna e Taipei. A investigação foi realizada com 200 crianças e jovens.

O exercício mental, criado por W. K. Kirchner, em 1958, utiliza uma função do cérebro conhecida como 'memória de trabalho', a capacidade de reter a informação de forma activa mesmo que se produzam distracções e interferências numa tarefa.

Outro grupo de investigadores tinha já sugerido que existia uma relação entre este tipo de memória e o facto de muitas pessoas adultas não serem capazes de recordar o que estavam a fazer quando são interrompidas.

O exercício, com as suas muitas variantes, pode ser facilmente encontrado na Internet. Basicamente, o jogo é uma continuous performance task (tarefa de performance contínua) e consiste em assinalar o sítio onde o objecto aparece repetido. A isto podem ligar-se outros elementos como o som (criando um dual n-back). A dificuldade vai aumentando à medida que se joga.

O investigador John Jonides afirma que quanto mais prazer se tirar do jogo maior é o aperfeiçoamento da inteligência fluida. 

wagner
2014-09-19
18:26
Tem algum link onde possa jogar o jogo em português não consigo achar em site brasileiro :/

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Rotundas virtuais vão projectar rotundas reais
seguras e amigas do ambiente

Dê azeite ao seu coração

Dois jovens cientistas portugueses
entre oito distinguidos pela EMBO

Neste Natal dê o seu apoio ao Ciência Hoje

Efeitos da cafeína diferem com ou sem açúcar?

António Fernandes da Fonseca deixou a “sua marca”
na passagem pelo Mundo!

É possível estudar «cientificamente» as salsichas?
Universidades de Lisboa, Évora e Trás-os-Montes e Alto Douro fizeram investigação

UBI apresenta amanhã em Bruxelas
sistema de propulsão inovador

Podemos fazer algo para minimizar
ou mesmo evitar a demência?

"Santo graal da cardiologia" vence prémio Fundação Altran para a Inovação

Investigador da UC lidera investigação europeia
sobre as doenças de Parkinson e de Machado-Joseph

Equipa internacional revela o "big bang"
da evolução das aves

Henrique Leitão, vencedor do Prémio Pessoa:
“Um curso de física bem dado é uma verdadeira sinfonia”

Instituto do Território lança Agênca da Baixa Densidade

UC entre as instituições europeias que venceram
o projecto “Vida Saudável e Envelhecimento Activo”

Investigação científica da UE aberta para todos

Cientistas portugueses no vulcão da Ilha do Fogo

UC inaugura projecto pioneiro para resolver
problema da fruticultura nacional

Investigadores da UTAD promovem avanços significativos
na compreensão da doença de Alzheimer

Prémios Pfizer entregues hoje

“Espelho mágico” permite ver como as peças de roupa
de uma loja ficam na pessoa

Sexo de pinguins: como determiná-lo

Punir as crianças quando mentem não funciona

LED desenvolvido pela UA quer revolucionar tecnologia
que recebeu Nobel da Física

Habilidades de feira vs. bancos de escola

Beba vinho tinto! Pela sua saúde!

Aveiro «inventa» folha de fruta não comercializada

UMinho quer criar lentes e iluminação para daltónicos

Vinho e cultura melhores do que sol e areia
e Portugal pode beneficiar com isso

Desenvolvido em Espanha um modelo
para detectar a condução agressiva