Receba as notícias:

Hemocromatose: quando o ferro se torna num perigo, sem avisar

Assinala-se hoje o dia nacional desta doença

2011-06-07
Por Carla Sofia Flores (texto e fotos)
Júlio Borlido Santos, Manuel João Costa, Graça Porto e João Arriscado Nunes
Júlio Borlido Santos, Manuel João Costa, Graça Porto e João Arriscado Nunes
Parece paradoxal dizer que a doença genética, provavelmente, mais comum entre a população europeia e  das mais conhecidas ao nível da sua origem e mecanismos moleculares tem como "maior inimigo" o desconhecimento da sua existência por parte da população em geral.

Mas a verdade é que, mesmo apesar de  ter uma terapêutica “eficaz, inócua, simples e barata” e um diagnóstico simples, a hemocromatose, uma espécie de "antítese da anemia", torna-se "perigosa" pela falta de sensibilização para os seus  riscos  - como cirrose ou cancro do fígado - numa fase avançada, que podem ser perfeitamente evitados com um diagnóstico precoce.

“Muitas pessoas não sabem o que é ou que existe. É uma doença de sobrecarga de ferro no sangue que pode ter consequências graves, mas que se for diagnosticada e tratada muito precocemente não tem problema nenhum. É um protótipo de doença em que se faz prevenção”, declarou ao «Ciência Hoje» Graça Porto, responsável pela consulta de hemocromatose do Hospital de Santo António.
A especialista foi uma das intervenientes numa reunião que se realizou hoje na unidade hospitalar em que trabalha, organizada no âmbito do Dia Nacional da Hemocromatose, hoje assinalado. Segundo a médica, esta data foi criada pela Associação Portuguesa de Hemocromatose (APH) como mais uma medida para sensibilizar as pessoas e chamar a sua atenção para a existência da doença.

“É uma associação ainda muito no início que não está completamente dinamizada em termos de impacto na população. É isso que estamos a tentar fazer”, afirmou. A ideia foi complementada, ao longo da reunião, por Manuel João Costa, vogal da direcção da APH, que falou sobretudo acerca das fragilidades da associação,  que precisam de ser suprimidas. Neste contexto, a reunião serviu também para motivar as pessoas, dinamizar esforços para a sensibilização e divulgação da doença e desenhar estratégias, na perspectiva dos doentes e dos profissionais de saúde.

“Esperamos que daqui saia uma acção, que depois deste dia as pessoas que cá estão se comprometam a fazer algo, tanto profissionais como doentes
”, avançou Graça Porto.

Doença pode ser facilmente diagnosticada com teste genético
Doença pode ser facilmente diagnosticada com teste genético
O que é a hemocromatose?


Em conversa com o «CH», Graça Porto explicou que esta doença é muito comum. Contudo, a sua real incidência não é conhecida, pois é muito pouco diagnosticada, conhecendo-se, porém, o gene da doença, como é que ela se processa e a frequência da mutação genética em Portugal. "Esperaríamos que uma em cada 500 pessoas corresse o risco de ter a doença, mas essas pessoas, de facto, não estão a aparecer na clínica”, lamentou.

Esta ausência pode dever-se, na opinião da médica do Hospital de Santo António, a vários motivos, nomeadamente o facto de a doença não ter sintomas iniciais específicos, mas comuns a muitas outras patologias, como fadiga, fraqueza, dores abdominais ou perda de peso.

“É com estas pessoas que nos preocupamos, daí a necessidade de um alerta muito grande para prevenir uma doença que, nas suas piores consequências, pode levar a cirrose, cancro do fígado, diabetes, problemas articulares sérios, isto é, problemas de saúde que comprometem a pessoa e que podem ser evitados”, frisou a especialista.

Tratamento e prevenção

O seu tratamento, numa fase inicial é “muito simples” e realizado por meio de sangrias, em que se retira o sangue de forma regular para evitar a acumulação de ferro. “A única maneira de o gastar é obrigando o corpo a fabricar mais sangue, um processo em que o organismo precisa de ferro. Como tal, vai retirá-lo dos seus depósitos, onde estava a mais”, explicou, acrescentando que este tratamento é feito, inicialmente, de forma intensiva. Depois é necessária apenas manutenção: “De tempos a tempos, é preciso ir retirando sangue, mas isso não é muito diferente do que faz um dador regular”, esclareceu ainda.

Por se tratar de uma doença genética, outro passo para a prevenção passa pelos doentes diagnosticados alertarem os seus familiares para a probabilidade de terem esta patologia. “É muito fácil de diagnosticar quem pode ter a doença com teste genético”. Esta “facilidade” resulta, sobretudo, do conhecimento adquirido desde 1996, ano em que se descobriu o gene da doença e a partir do qual se soube os mecanismos moleculares que a desencadeiam ou se descobriu a molécula chave para regular a absorção do ferro.

Graça Porto explicou aos presentes o que é a doença
Graça Porto explicou aos presentes o que é a doença
“O panorama da doença modificou muito. Nessa altura, só se apanhava as pessoas quando diagnosticadas com os sintomas da doença. Desde que se começou a fazer rastreios, diagnósticos e tratamentos mais precoces, o perfil do doente modificou"
, acrescentou.

Relativamente a novas terapêuticas, a médica acredita que só serão “relevantes para doentes que, por algum motivo, não possam fazer sangrias”, pois a já existente é muito eficaz e sem grandes custos ou complexidade. Tratar a doença através da alimentação, está fora de questão, na medida em que “não se consegue travar a absorção de ferro, a não ser que se deixe de comer. Não existe uma dieta equilibrada sem ferro”, reiterou.

Quanto à oferta clínica nesta área, está mais concentrada no norte de Portugal, zona em que a doença é mais frequente, de acordo com estudos genéticos já realizados. “No Porto foi criado um centro de referência: temos consulta de hemocromatose para diagnóstico e tratamento no Hospital de Santo António ligada a uma consulta de aconselhamento genético no CGPP, no IBMC, onde um grupo de investigação sobre a biologia do ferro estuda a doença”, referiu. Embora acredite que “não é preciso ter consultas de referência em todo o lado”, Graça Porto considera ser preciso espalhar mais pontos para além dos que já existem para os doentes que exigemcuidados primários, visto que a hemocromatose é frequente.
Fátima Marcelo
2011-06-08
11:43
Olá, Bom Dia.

Esta doença também é conhecida por talassemia?
È a mesma coisa?
Obrigada

fatimarcelo@sapo.pt
Margarida Cunha
2011-06-08
13:19
Há algum tipo de análise que possa ser solicitada ao médico e a que especialidade?
Josianne Portela Senhorinho
2011-06-09
00:38
Boa noite:


Desde o momento que se verique que há níveis elevados de ferro num indívio, o médico deverá solicitar uma séries de exames (Instituo Ricardo Jorge). Poderá ter origem interna ( genética) ou externa (consumo de alcool), etc.
JBS
2011-06-09
02:13
www.aphemo.org

"Como se diagnostica?

É muito importante que a hemocromatose seja diagnosticada precocemente. Uma vez diagnosticada e tratada precocemente, a doença cura sendo a esperança de vida igual à da população saudável.

O diagnóstico é suspeitado através de análises ao sangue:
A saturação da transferrina quando superior a 45% deverá ser repetida.

Se se confirmar valor superior a 45% deverá fazer-se a determinação da ferritina. Se as duas análises estiverem elevadas o médico deverá ponderar pedir o teste genético da hemocromatose (que é HFE C282Y e H63D).

A biópsia hepática está indicada apenas nos casos em que se suspeita de lesão do fígado, ou seja, fibrose hepática ou cirrose hepática."
Eugénia Cruz
2011-06-09
14:36
As análises que fazem suspeitar do diagnóstico de Hemocromatose hereditária são a Saturação da Transferrina (que na hemocromatose geralmente é >50%) e a ferritina sérica (que pode estar elevada). Qualquer médico pode pedir esta análise nomeadamente o médico de familia.
Vera Dias
2011-07-14
21:18
Boa noite.
Gostaria de saber a partir de que valor devo considerar fazer a análiseno instituto Ricardo Jorge, uma vez que há já alguns anos que o meu valor de ferro nas análises se encontra sempre acima dos 200 e o valor de referência é até 145.
Obrigada.

Cumprimentos
Silmar Oliveira
2012-03-18
10:00
Bom dia
Após alguns exames de sangue descobri que tinha taxa de ferritina elevada em cinco vezes.
Me foi solicitado um outro exame para se verificar se eu tinha hemocromatose, (que é HFE C282Y e H63D)porém este exame deu negativo,mesmo assim a hemocromatose foi diagnosticada devido existir outros três tipos que ainda não podem ser detectados por exames de laboratório,existe alguma forma de detectar estes tipos?
Meu médico me indicou a realização de sangria e a taxa de ferritina já está 50% a menos.
Gostaria de manter informado sobre o assunto.
carina da silva
2012-06-02
14:21
bom dia !
queria saber se minha pele estiver amarelada puxada para cor ferrugem se é sinal de hemocromatose
Rui Pereira
2012-08-09
13:04
Olá a todos.

Desde aproximadamente 1 ano, tenho indices de ferritina altos, 700 em Outubro de 2011 e 850 em Julho de 2012. Já marquei teste genético no IBMC, contudo só o poderei realizar a 13 de Setembro deste ano. As suspeitas de Hemocromatose são altas, dentro da minha ignorância, contudo pergunto se não é muito tempo de espera para realizar o teste, 1 mês e pouco de espera.

Cumprimentos, Rui Pereira
Marcos
2012-09-16
23:53
Olá, fiz o exame para hemocromatose e o resultado foi negativo. Porém, os meus exames de sangue estão acusando uma taxa de ferritina muito alta (850 e agora 950).
O que devo fazer para baixar essa taxa?
A sangria ou doação de sangue poderia ser uma alternativa?
Meu hematologista sugeriu que eu perdesse uns 10 kg. O problema é que estou com dificuldade de perder todo esse peso. É perigoso eu ficar com essa taxa alta por um período longo (já faz mais de um ano que eu constatei que minha ferritina está alta).
Desde já agradeço a atenção.
Maria Margarete Ferreira
2012-11-07
11:53
Bom Dia! Estou muito preocupada a taxa de ferratina deu 185 e o normal é até 150. Antes de saber fui ao otorrino por estar apresentando tontura, foi qd o mesmo achou que seria labirinto, mas depois que ví este resultado fiquei apreensiva. E comecei a pesquisar. Estou aqui na recepepção do consultório aguardando minha vez super Nervosa. Gostaria de saber se meu caso é sério, e qual é o especialista que devo procurar, pois voltei para o otorrino.

No aguardo, obrigada
Maria Margarete Ferreira
2012-11-07
11:54
Bom Dia! Estou muito preocupada a taxa de ferratina deu 185 e o normal é até 150. Antes de saber fui ao otorrino por estar apresentando tontura, foi qd o mesmo achou que seria labirinto, mas depois que ví este resultado fiquei apreensiva. E comecei a pesquisar. Estou aqui na recepepção do consultório aguardando minha vez super Nervosa. Gostaria de saber se meu caso é sério, e qual é o especialista que devo procurar, pois voltei para o otorrino.

No aguardo, obrigada
maria jose da silva
2012-11-07
15:35
Se existem muitos casos dessa doença, porque o governo obriga as indutrias a colocarem mais ferro nos alimentos que nao tem, nao é mais facil quem tem falta de ferro tomar medicamento pelo menos as pessoas com essa doença terá mais opção de alimentação, pois pelo que vejo nem um paozinho eles podem comer.Precisa se pensar nisso....
sadi fracaro de oliveira
2012-11-07
16:40
minha ferritina esta 1320,qual melhor tratamento.
Edith Jimenez
2012-11-24
13:57
Meu filho de 11 anos que faz quimioterapia para LLA Ph+ esta com a ferritina em 5300 não e 530 e isso mesmo , o teste genético deu negativo para hemocromatose, preciso urgente um hematologista especializada nisso por causa das sangrias.
fernando romani
2012-12-02
22:25
fui ao medico meu exame de ferretina deu 5 vezes mais e eu ja tenho animia e ele disse que eu não posso fazer sangria me encaminhou para hematologia para ver outro tratamento vou semana que vem ainda no medico queria saber qual outro tratamento!
soraia
2012-12-05
01:42
Minha filha tem 13 anos e usa Ritalina desde os 7, hoje peguei o resultado dela do exame de sangue e o do ferro deu 192, acima do limite que é 145. Pode ser por causa do uso contínuo do remédio e/ou o quê? Aguardo uma resposta. Obrigada
Hélio
2012-12-09
00:46
Minha taxa de ferritina esta muito alta valor de 3000,07, estou muito preocupado já estou fazendo sangria, mas esta baixando muito pouco, gostaria de saber se não existe outra medicação que ajude a combater mais rápido esta ferritina, como por exemplo silimalon, agua magnetizada ou outras alternativas.
DAVID oLIVEIRA DA SILVA
2013-01-15
16:23
gostaria de saber se posso fazer a sangria terapeutica e depois de 24 hs, vijar por terra mais de 4mil KM
Plinio g. guerra
2013-02-02
00:03
Minha taxa de ferro esta normal 135 ug/dl,mas a taxa de Ferritina muito alta 1.586,10ng/ml.
Que devo fazer.
GERMANO SILVA DE SOUZA
2013-02-04
23:49
fIZ UM EXAME RECENTEMENTE E MEU NÍVEL 560 DE FERRO E TENHO 37 ANOS E 75 KILOS DEVO ME PREOCUPAR?
Silvia Oliveira
2013-02-14
21:45
Cozer os alimentos com panela de ferro, pode aumementar a ferritina?? Agradeço desde já.
Denise
2013-02-18
01:55
Meu pai tem Hemocromatose gostaria de saber quais exames tenho que fazer?
Pedro Santos
2013-03-07
23:30
Boa noite,minha ferritina chegou a 1592 quando o normal para homem é 400.Estou fazendo a quarta sangria de 400ml e já baixou para 790
Fernando J Ferreira
2013-03-09
16:22
Minha mulher,com 82 anos, acusou 2227 de ferritina?
Em diversas Tac+s (craneana, toráxica,abdominal e pélvica)não foram detectadas situações anormais a não
ser um ligeiro espessamento do endométrio uterino).
Será situação genética? Como parece que o tratamento corrente são as sangrias e, dada a sua idade não me parecer o tratamento adequado, que me aconselham ?
Muito grato
Fernando Ferreira
Tadeu Pascoal
2013-03-19
03:14
Boa noite! Fiz uns exames e costatei minha ferritina em 611, sei que está bem acima do normal, porém, gostaria de saber se é preocupante ou posso conviver com isso e baixar essa taxa ao normal?

Muito grato se for orientado.
Marcelo A. Rocha Lima
2013-03-20
19:07
Minha ferritina esta em 1390; PSA total em 0,971 e PSA livre em 0,14. Que devo fazer?
edimar melo
2013-03-29
14:06
minha ferritina está 975, e o exame genético para hemacromatose deu positivo, somente a sangria resolve? sangria causa anemia? ferritina alta causa câncer? estou muito preocupada.
julio
2013-04-03
22:19
Que medicamentos podem interferir com o nível de ferritina no sangue ?
Renato
2013-04-12
01:13
gostaria de saber se a bebida alcoólica aumenta a taxa de ferritina. e que medico devo procurar para tratar de Hemocromatose.
Mari Sobieski
2013-04-17
13:59
Minha filha tem 25 anos e herdou do pai talassemia menor. Gostaria de saber se existe tratamento preventivo, pois os médicos disseram que por enquanto nada há a fazer.
maria
2013-04-29
00:09
Boa Noite, acabei de ler essa reportagem e estou muito chocada de saber sobre a doença, e tenho muitas duvidas, mas gostaria de saber mais detalhes.Pois o resultado de ferro deu 207, sendo que o normal é de 60 a 170, devo fazer os exames da hemocromatose, e onde eu posso fazer os exames com confiança se é um exame normal.
Por favor me ajuda me informa
sem mais
epn
João Batista M de Souza
2013-05-11
00:00
Estou com 835 de ferritina. É grave? Qual o tratamento indicado?
Obrigado
Marcia
2013-05-24
12:18
Bom dia,estou com queda de cabelo e estou perdendo peso rapido fui a dermato ela me pediu varios exames deu 266 de ferro mas a ferritina deu normal isso é perigoso tenho 40 anos.
geraldo martelli
2013-05-27
02:06
Minha Ferritina esta 1295 eu estou com meu figado comprometido ?
Flavio oliveira neto
2013-08-17
21:39
Boa tarde,estou com a ferretina em 520 o que devo fazer
Luiz Carlos Naime
2013-08-20
00:01
por favor me envie mais informaçoes sobre ferritina alta
K.Rodrigues
2013-10-04
02:47
Ola, no resultado do meu exame deu 413 de ferritina e no exame diz q e normal de 24 a 155, o q devo fazer???/
poliana
2014-01-30
23:59
Hoje recebi o resultado do meu exame minha taxa deu 1650
Dionisia lorenzzetti
2014-03-30
22:53
Minha ferretina esta 1650, tomo medicação, já fiz 26sangria,enão abaixa; por favor tem algo afazer? Serei grata areceber um anuncio disso. Obrigado!

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Nova lei da investigação clínica
publicada hoje em Diário da República

Dor condiciona actividades diárias dos doentes mais idosos

Fraunhofer Portugal Challenge premeia a ciência nacional

Investigadores da UC localizam a distribuição celular
da proteína envolvida na Alzheimer

Cocktails de pesticidas prejudicam a saúde dos solos

Polémica das Ciências do Mar:
resposta ao coordenador do painel de avaliação

Cancro de Mama “Triplo-negativo” e Metástases do Cérebro
«vencem» bolsas de investigação da Associação Laço

Galaxy Zoo abre as portas do Universo

“Será realista o mundo de Avatar ?”

São João da Madeira vence “Dá Power ao Electrão”

“Jogar” na Sala de aula: estudo da UC defende
a utilização de dispositivos móveis no ensino

Fobias: quem tem medo compra um cão!

Bolsas para Ciências do Mar: críticas vindas a público
são totalmente desprovidas de fundamento

Estudo sociológico sobre jovens portugueses/as
vence prémio mundial

Alunos do secundário desvendam a física das partículas na UMinho

Sabe escolher azeite de qualidade?
Se vai só pela acidez está errado!

Projecto internacional da UA mostra vantagens
da iluminação pública inteligente com LED

Candidatos denunciam irregularidades
na atribuição de bolsas da FCT

Cientista português ligado
a nova investigação sobre Alzheimer

Cancro e diabetes: políticas a longo prazo
reduzem incidência de casos

Quinta do Seixo é caso de estudo
para especialistas europeus em biodiversidade

Trinta concorrentes disputam meia-final do FameLab

Veneno de caracol marinho letal pode facultar
novos tratamentos para a dor crónica em humanos

Cientistas portugueses no maior projecto da UE
contra a degradação dos solos europeus

Inaugurada estação de seguimento do Galileo
em Santa Maria, Açores

Pressão para que as mulheres se casem
ainda é grande no século XXI

O doce sabor amargo de um trabalho
de Química Alimentar da UP

A menina dança? E na sua cabeça o que se passa?

Rastreio do cancro do cólon e recto: porque fazer e como fazer

Perspetivando os próximos invernos – interrogações
como que na ponte de um superpetroleiro