Receba as notícias:

Árvore mais antiga de Portugal tem 2 850 anos

UTAD desenvolve método inovador de datação

2011-07-07
Por Lusa
Árvore tem 2.850 anos
Árvore tem 2.850 anos
A árvore mais velha de Portugal, com 2.850 anos, foi certificada em Santa Iria da Azóia, concelho de Loures, graças a um método inovador de datação desenvolvido ao longo de dois anos pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

A oliveira recebe no sábado uma “certidão de idade”, num ato público organizado pela Associação de Defesa do Património Ambiental e Cultural (ADPAC) de Santa Iria da Azóia, uma das ‘culpadas’ pela datação recorde.
O processo começou muito antes quando um empresário de comércio de árvores ornamentais passou a necessitar de fazer acompanhar as espécies de um atestado de idade. O empresário contactou a UTAD, que desenvolveu uma técnica inovadora da dimensão das árvores e que já foi patenteada, contou à Lusa um dos dois principais investigadores do método, José Luis Louzada.

A idade das árvores era atribuída até ao momento pela contagem dos anéis, porque em cada ano as árvores formam um risco, ou pela técnica de medição do carbono 14, que tende a diminuir com a passagem do tempo.

“Mas em qualquer um desses métodos, a árvore não pode estar oca: porque sem madeira não se podem contar os anéis, nem retirar uma amostra da parte mais antiga da árvore, que deixa de existir (para a técnica do carbono 14)”, explicou o investigador.

A terceira metodologia surgiu então da hipótese de que árvores mais velhas têm determinado volume ou dimensão. Face ao clima português, foram estudados padrões de crescimento para saber quanto tempo demora uma oliveira a atingir determinada dimensão.

A fórmula final foi conseguida com conclusões retiradas de avaliações de mais de 100 árvores e pelo “acaso” de o estudo coincidir com a construção da barragem do Alqueva, que obrigou ao abate de inúmeras espécies, facilitando o trabalho dos investigadores da UTAD.

Oliveira do tempo de Viriato junto ao Castelo de Pirescouxe.
Oliveira do tempo de Viriato junto ao Castelo de Pirescouxe.
A oliveira bravia que vai ser certificada foi identificada pela ADPAC, que contactou o empresário que tinha financiado a investigação e se tornou num dos proprietários da patente.

Raro ser vivo contemporâneo

Situada no Bairro da Covina, no que resta de um antigo olival próximo das ruínas do castelo de Pirescouxe, a tem um perímetro na base de 10,15 metros (4,40 m de altura e 7,60 x 8,40 de diâmetro de copa). A idade e a localização da árvore permite identificá-la como um dos raros seres vivos contemporâneos de Viriato ou seja uma ‘testemunha’ da resistência dos Lusitanos à invasão Romana, das invasões árabes, à reconquista cristã e ao nascimento da nacionalidade portuguesa.

José Luis Louzada acredita que haverá no país uma oliveira mais antiga, mas cujo dono não acedeu à certificação. O investigador crê que em Trás-os-Montes e talvez na Beira Baixa existam castanheiros milenares, assim como na Galiza.

Investigadores ‘vizinhos’ têm tentado financiamento europeu para comprovar a hipótese, o que ainda não aconteceu, acrescentou o investigador. Os líderes do estudo foram José Luis Louzada e Pacheco Marques, investigadores do Departamento de Ciências Florestais e Arquitectura Paisagista da UTAD.
Rafael Santiago Gregorio
2011-07-08
03:08
Vida longa a esta oliveira.
Luiz
2011-07-08
12:03
39,473241, -8,081113

Nas coordenadas acima indicadas (Google Maps), na freguesia de Mouriscas, Abrantes, encontra-se uma oliveira de grande porte (classificada) cujas dimensões não devem diferir demasiado das referidas no artigo.
Costa-Pereira
2011-07-11
19:18
Esperemos que um dia destes um inteligente autarca,afamado em construcção de rotundas, não se lembre de eliminar a simpática árvore.
Que Deus a guarde
luis
2011-07-12
11:19
conheço pelo menos duas oliveiras com diametros do tronco superiores a essa
Costa-Pereira
2011-07-12
21:25
Gostaria de saber a razão porque o meu cmentário de ontem não foi publicado.
Aliás, por fatalidade minha, já não é a primeira vez.(?????).
Victor MARTINHO
2014-11-04
10:05
Gostei de ler este articlo e também gostaria entrar en contacto com o SR José Luis LOUZADA.
TAlvez tenha uma informaçao importante.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Jogo online previne violência no namoro entre adolescentes

Criança de cinco anos infectada por HIV
manteve-se saudável

A Expressão das Emoções
nova peça de teatro pela Marionet

Nanocatalisadores de carbono
ajudam a tratar águas residuais

Investigadores da UC mostram o valor da floresta
mediterrânica com filme de animação

Homens ou mulheres? Quem corre mais riscos
de violência verbal no local de trabalho?

Investigador do IA é um dos vencedores dos Prémios Breakthrough 2015

Qual é a melhor iluminação para a sua casa?

Cyberbullying: retrato de um fenómeno
em expansão silenciosa

Centro de Investigação da Montanha distinguido
em cooperação internacional

Investigação europeia em oftalmologia
coordenada em Portugal

Portugal lidera detecção inédita na atmosfera de Vénus

Modelos matemáticos desenvolvidos na UA
preveem gravidade de acidentes de viação

Mosca-da-azeitona pode ser combatida
de forma rápida, barata e eficaz

Já é possível «ouvir» o coração da mãe
e do bebé ao mesmo tempo

Áreas menos desenvolvidas penalizadas
na agenda política de saúde

Foi com uma grande alegria que vi o nome de Teresa Teixeira!

Teresa Teixeira nomeada hoje
EMBO Young Investigator

Investigador mexicano desenvolve software
que “prevê” ocorrências cardíacas

UTAD aposta no combate ao abandono escolar

ESAN quer ser referência em fabrico aditivo rápido

Um neurónio, uma função? Afinal o cérebro faz multitasking!

Consegue seguir o ritmo?

De como bem aprender uma sequência de dança

As crianças devem ir a pé para a escola

Investigadores da UC desenvolvem
guia inteligente de apoio a cegos

O nariz delas é melhor do que o deles

De como a realidade virtual pode «medir»
os delinquentes sexuais

Cancro do pulmão pode ser diagnosticado
anos antes de ser detectado por imagem

Distractores ambientais influenciam
a atenção e a memória dos mais velhos