Receba as notícias:

Estrela anã branca explode perto da Terra

Dentro de uma semana será possível observar o brilho da supernova apenas com binóculos

2011-08-29

Supernova encontra-se na M101, conhecida como Galáxia do Catavento (Créditos:  BJ Fulton, LCOGT; Peter Nugent; Palomar Transient Factory)
Supernova encontra-se na M101, conhecida como Galáxia do Catavento (Créditos: BJ Fulton, LCOGT; Peter Nugent; Palomar Transient Factory)
O telescópio do Observatório do Monte Palomar, em San Diego (Califórnia), captou o início da transformação de uma estrela em supernova. O brilho desta supernova, de tipo Ia, está a aumentar a cada minuto. Devido à sua proximidade com a Terra,  a supernova poderá ser vista através de uns bons binóculos daqui a  uma semana ou dez dias, estimam os investigadores.

Os computadores que analisam os dados do telescópio identificaram o fenómeno no dia 24 de Agosto e difundiram-no pela rede mundial de observatórios. O primeiro cientista a observar a PTF 11kly foi Peter Nugent, do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley. A supernova encontra-se na M101, conhecida como Galáxia do Catavento, que se encontra “apenas” a 25 milhões de anos-luz de distância.

Estas explosões ocorrem quando uma estrela muito massiva queimou todo o hidrogénio (combustível) e o seu forno de fusão nuclear interno já não consegue conter a pressão da gravidade da própria estrela. O corpo entra em colapso desencadeando a explosão que chega a adquirir um brilho superior a toda a galáxia onde se encontra.

O investigador Mark Sullivan, da Universidade de Oxford, lidera uma das primeiras equipas que começou a seguir a evolução da supernova. Explica que estas supernovas tipo Ia são utilizadas para medir a expansão do Universo. Observar uma tão perto permite estudá-la detalhadamente como nunca foi feito.

Captar esta supernova nas suas primeiras horas é importante para os astrónomos pois permite não só ficar a conhecer a sua evolução como observar fragmentos da estrela que explodiu. Isto pode dar pistas para resolver o mistério da origem destas supernovas que têm intrigado os cientistas há várias décadas. 

Alfen Aiolfi Pinheiro
2012-11-14
04:54
Estrelas a essa distância não são tão perto. Afirmo isso porque a via-Lactea tem um raio de 100 mil anos luz e provavelmente existem estrelas dessa magnitude na nosa galáxia. A vintee cinco milhões de anos-luz ela é mais distante inclusive do que a galáxia de Andrômeda, a mais perto da terra e que contém o dobro de estrelas da nossa galáxia. Talvez nos tempos modernos essa tenha sido a mais perto mas...os chineses observaram por dias a 1200 anos anos a explosão de uma estrela dessas.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

MORREU MARIANO GAGO

Siemens desenvolve sistema de sensores
que facilita o estacionamento nas cidades

Artista português e cientista da Harvard Medical School
criam escultura inspirada na biologia celular

Quais as principais características
nutricionais e funcionais da bolota?

UBI acelera processo na luta contra o cancro

Coimbra estuda dieta das aves das Galápagos

Olfacto humano ajuda a desvendar crimes violentos

Aluno da FCUL cria barómetro de eficiência energética

UA desenvolve tecnologia para armazenar
e dar mobilidade à eletricidade

Industrialização e “conjuntos sociotecnológicos”
– o caso dos laticínios açorianos

No more bleeding for “iron overload” patients?

Coimbra dá importante contributo
para aplicação da terapia génica

Estudo inédito do sofrimento na deficiência visual
vale nota 20 a aluna quase cega

Prémio Terre de Femmes para bióloga da UA

Encontrado o gene responsável
pela reacção das plantas ao toque

Dores nas costas e hérnias discais

Investigação sobre Cancro, AVC e descontaminação da água
por medicamentos distingue jovens investigadoras

UTAD investiga valor nutricional do leite de golfinhos

Terapia amiga do ambiente descontamina
águas das pisciculturas

Portas abertas para novos tratamentos
para a artrite reumatóide

Gosta de merujes? Vão aparecer na sua mesa!

Estudantes de medicina apostam
na formação científica e humana

Investigadora da Universidade de Coimbra premiada
pela Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas

UC estuda o impacto do novo metro igeiro de Macau

Hepatite C: nova realidade, novos horizontes

Saúde do cérebro e do coração começa na boca

Descoberto o responsável pelo surgimento
de problemas de memória

UA combate contrafacção com códigos DNA para marcas

Investigadores belgas e franceses medem
a temperatura do coração das estrelas

Estudante da UA imprime circuitos electrónicos em papel