Receba as notícias:

Gruta de Altamira tem de continuar fechada ao público

Pinturas paleolíticas Património da Humanidade continuam encerradas para conservação

2011-10-11
Gruta de Altamira é Património Mundial
Gruta de Altamira é Património Mundial

Fechada desde 2002, a Gruta de Altamira (Espanha), onde se encontra um dos complexos mais importantes de arte paleolítica, vai ter de continuar encerrada ao público. Esta é a conclusão de um estudo levado a cabo pelo CSIC (Conselho Superior de Investigações Científicas espanhol), publicado agora na revista «Science».

Os investigadores afirmam que estas pinturas na rocha que se conservaram durante 14 mil anos estão a enfrentar problemas com bactérias, fungos e partículas nocivas.

As pinturas da Gruta de Altamira conservaram-se excepcionalmente bem graças à ausência de luz, a escassa infiltração de água e o baixo fluxo de ar na sala Policromada. Depois de terem sido descobertas em 1879 e abertas ao público começou a verificar-se uma constante deterioração.

Em 1977 foi necessário encerrar a gruta que tinha uma média de visitantes anuais na ordem dos 175 mil. Voltou a ser aberta em 1982 com bastantes restrições. Em 2002, fechou novamente devido à presença de microrganismos fototróficos nas pinturas, consequência da utilização, durante décadas, de luz artificial.

Se a gruta reabrir agora, hipótese que esteve em análise devido ao impacto positivo que teria para o turismo da região, haverá um aumento de temperatura, de humidade e de CO2 na Sala Policromada, o que irá reactivar a condensação e a corrosão das rochas.

Cesáreo Saiz-Jiménez, investigador do CSIC que liderou a investigação, explica que a proliferação de bactérias e fungos que já colonizaram a entrada da gruta é um dos principais problemas. Os visitantes, por se moverem no interior do recinto, podem levantar partículas nocivas que ficam suspensas no ar, o que incrementa a erosão das paredes e liberta bactérias, esporas e fungos. Iriam também entrar novos nutrientes que contaminariam o frágil ecossistema da gruta.

Altamira preservou-se intacta durante milhares de anos graças a um ambiente pobre em nutrientes e ao escasso contacto com a atmosfera exterior. Apesar dos benefícios do seu encerramento ao público em 2002, os problemas de conservação estão longe de ser resolvidos. A gruta é gerida pelo Museu Nacional de Altamira, dependente do Ministério da Cultura espanhol.

Artigo: Paleolithic Art in Peril: Policy and Science Collide at Altamira Cave

Jorge Carvalho
2011-10-12
17:44
A gruta está fechada, é certo. Mas pode-se visitar a sua réplica de excepcional qualidade e museu anexo.
Estive lá este ano. É um exemplo de qualidade do que pode ser feito em termos de divulgação científica e cultural.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Esperar ou não esperar
- o papel da confiança na tomada de decisões

Implantes dentários «ganham» volume ósseo

Em Portugal um tratamento específico
depende da região onde se mora

Eousdryosaurus, o pequeno dinossauro
que viveu num tempo de gigante

Um em cada quatro já traiu

A Ciência da Gestão de Ciência e Tecnologia
– reflexões de uma despedida

A ansiedade de estar doente no hospital?
O ambiente do quarto pode ajudar!

Prémio António Champalimaud reconhece tratamento
revolucionário de doenças graves da visão

João Rocha é o primeiro português
da European Academy of Sciences

O Porto na Guerra Fria

Nariz electrónico pode detectar
subgrupos de asma nas crianças

Oceanos de Esperança chegou a Boston

Braga quer construir travessas de caminho-de-ferro
com resíduos de plásticos mistos

Comer com sucesso no Mercado do Bom Sucesso

Lars Montelius é o novo director do INL

José Xavier participa no Atlas
sobre vida marinha no Oceano Antárctico

Utilizar Software de Código Aberto
permitiria ao Estado poupar milhões de euros

Trás-os-Montes apresentou no MInho cremes inovadores
que ajudam no tratamento de queimaduras, feridas profundas e psoríase

Sistema reduz de meses para dias o tempo necessário
para os cientistas testarem hipóteses

Empresa tecnológica de Braga serve milhões de pessoas

Investigadores de Coimbra avançam na luta
contra a febre da carraça e tifo epidémico

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa