Receba as notícias:

Gruta de Altamira tem de continuar fechada ao público

Pinturas paleolíticas Património da Humanidade continuam encerradas para conservação

2011-10-11
Gruta de Altamira é Património Mundial
Gruta de Altamira é Património Mundial

Fechada desde 2002, a Gruta de Altamira (Espanha), onde se encontra um dos complexos mais importantes de arte paleolítica, vai ter de continuar encerrada ao público. Esta é a conclusão de um estudo levado a cabo pelo CSIC (Conselho Superior de Investigações Científicas espanhol), publicado agora na revista «Science».

Os investigadores afirmam que estas pinturas na rocha que se conservaram durante 14 mil anos estão a enfrentar problemas com bactérias, fungos e partículas nocivas.

As pinturas da Gruta de Altamira conservaram-se excepcionalmente bem graças à ausência de luz, a escassa infiltração de água e o baixo fluxo de ar na sala Policromada. Depois de terem sido descobertas em 1879 e abertas ao público começou a verificar-se uma constante deterioração.

Em 1977 foi necessário encerrar a gruta que tinha uma média de visitantes anuais na ordem dos 175 mil. Voltou a ser aberta em 1982 com bastantes restrições. Em 2002, fechou novamente devido à presença de microrganismos fototróficos nas pinturas, consequência da utilização, durante décadas, de luz artificial.

Se a gruta reabrir agora, hipótese que esteve em análise devido ao impacto positivo que teria para o turismo da região, haverá um aumento de temperatura, de humidade e de CO2 na Sala Policromada, o que irá reactivar a condensação e a corrosão das rochas.

Cesáreo Saiz-Jiménez, investigador do CSIC que liderou a investigação, explica que a proliferação de bactérias e fungos que já colonizaram a entrada da gruta é um dos principais problemas. Os visitantes, por se moverem no interior do recinto, podem levantar partículas nocivas que ficam suspensas no ar, o que incrementa a erosão das paredes e liberta bactérias, esporas e fungos. Iriam também entrar novos nutrientes que contaminariam o frágil ecossistema da gruta.

Altamira preservou-se intacta durante milhares de anos graças a um ambiente pobre em nutrientes e ao escasso contacto com a atmosfera exterior. Apesar dos benefícios do seu encerramento ao público em 2002, os problemas de conservação estão longe de ser resolvidos. A gruta é gerida pelo Museu Nacional de Altamira, dependente do Ministério da Cultura espanhol.

Artigo: Paleolithic Art in Peril: Policy and Science Collide at Altamira Cave

Jorge Carvalho
2011-10-12
17:44
A gruta está fechada, é certo. Mas pode-se visitar a sua réplica de excepcional qualidade e museu anexo.
Estive lá este ano. É um exemplo de qualidade do que pode ser feito em termos de divulgação científica e cultural.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD

A espantosa capacidade de regeneração do pâncreas

Ébola não é porventura tão temível como a gripe

Bloquear os canais de potássio pode salvar vidas

Técnicas de meditação associadas ao budismo tibetano
podem melhorar o desempenho do cérebro

O meu automóvel conduz, estaciona e recarrega-se sozinho

Congresso Mundial de Investigação marinha
no Oceanário de Lisboa

Iraniana é a primeira mulher
a ser distinguida com o «Nobel» da Matemática

Alunos da UMinho desenvolvem protótipos todo-o-terreno

Todos pela Antártida

A Roseta foi ao cometa

Concelhos despovoados e com poucos bombeiros
são os mais atingidos pelos fogos

As barreiras dos serviços de saúde
que afectam os imigrantes

As barreiras dos serviços de saúde que afectam os imigrantes

“La réalité n’existe pas”

Como os mamíferos e as moscas se alimentam:
semelhanças surpreendentes

Células "secundarias" do sistema nervoso são afinal cruciais
para a cognição e doenças mentais

As duas caras da misteriosa Azobenzeno

Investigadores do Minho premiados no Brasil

Avanços na compreensão da doença de Parkinson
abrem novas portas terapêuticas

Ciência Hoje não vai de férias! Apoie este jornal!

Oceans of Hope chega a Lisboa para mudar percepções
sobre esclerose múltipla em Portugal

Com um euro pode combater a dor crónica

Estudo da UMinho avalia efeito de corticosteroides
no desenvolvimento dos bebés prematuros

Rapazes mais depressivos do que elas

Assim em Marte como na Terra

O primeiro genoma foi descodificado
numa cooperação Luso-Brasileira – Desulfovibrio gigas

Alunos aplicam ciência para detectar
mão criminosa nos incêndios

Scientists discovered a new player in mental diseases

Insucesso Escolar e competências transversais:
uma forma alternativa de observar o problema…