Receba as notícias:

Consumo de café pode tratar crianças hiperactivas

Estudo mostra que a cafeína restabelece função da dopamina

2012-05-07
Rodrigo Cunha
Rodrigo Cunha
Investigadores da Universidade de Coimbra (UC) e Centro de Neurociências (CNC) acabam de concluir que a administração de cafeína, em doses equivalentes a três ou quatro chávenas de café por dia, controla o défice de atenção e hiperactividade sem causar efeitos secundários, nomeadamente dependência, como acontece com a ritalina, o fármaco derivado da anfetamina utlizado actualmente para controlar a patologia.
O estudo tem sido desenvolvido ao longo dos últimos três anos em ratos e para além de demonstrar que a cafeína é benéfica porque restabelece a função da dopamina enquanto neurotransmissor do cérebro, permitiu também evidenciar diversas modificações que ocorrem no cérebro em situações de défice de atenção e hiperactividade. 

Segundo o líder da investigação, Rodrigo Cunha, “é seguro afirmar que o consumo de café é benéfico em crianças e adolescentes, mas a clínica deve obedecer a todo um protocolo”. O também docente da Faculdade de Medicina (FMUC) sublinha que “os resultados obtidos carecem ainda de ensaios clínicos e, por isso, não se deve ainda recomendar aos cuidadores de crianças hiperactivas a inserção de café na sua dieta”.

As conclusões da investigação, a ser publicada na revista European Neuropsychopharmacology, são promissoras para o “desenvolvimento de uma nova geração de fármacos muito mais selectivos, ou seja, medicamentos que actuam apenas no tratamento da défice de atenção e hiperatividade, não causando os denominados efeitos colaterais ou secundários, concretamente toxicidade e dependência”, conclui Rodrigo Cunha.
Garcia
2012-05-10
10:17
se desgasta as vitaminas do complexo B, acidificante, descalcificante, excitabilidade descordenada, alguns dos maleficios apontados ao café, não consigo compreender este sucesso da investigação. Peço encarecidamente aos autores que me esclareçam. Cordiais saudações e votos de sucesso aos investigadores.
Mª Teresa A. Soares
2012-05-10
11:53
É bom saber que os cientistas se preocupam com o bem estar de crianças, jovens e adultos e, se vivemos numa sociedade altamente stressante, como não ajudar aqueles, que cheios de dotes não os conseguem aplicar porque não há concentração, não há tranquilidade interna para permitir esse foco de atenção tão importante para o sucesso educativo e posteriormente o sucesso como ser humano, numa sociedade altamente competitiva!!!!

Uma mãe

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Investigação sobre Cancro, AVC e descontaminação da água
por medicamentos distingue jovens investigadoras

UTAD investiga valor nutricional do leite de golfinhos

Terapia amiga do ambiente descontamina
águas das pisciculturas

Portas abertas para novos tratamentos
para a artrite reumatóide

Gosta de merujes? Vão aparecer na sua mesa!

Estudantes de medicina apostam
na formação científica e humana

Investigadora da Universidade de Coimbra premiada
pela Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas

UC estuda o impacto do novo metro igeiro de Macau

Hepatite C: nova realidade, novos horizontes

Saúde do cérebro e do coração começa na boca

Descoberto o responsável pelo surgimento
de problemas de memória

UA combate contrafacção com códigos DNA para marcas

Investigadores belgas e franceses medem
a temperatura do coração das estrelas

Estudante da UA imprime circuitos electrónicos em papel

Je suis Charlie

Investigações sobre cromossomas e doença de Huntington
premiadas hoje pela FLAD

Investigadora da UTAD distinguida na Galiza
com Prémio “Vicente Risco”

Compostos descobertos na casca do eucalipto
já têm método de extracção

Em 2015 continuo a supor que poderíamos ter pedido baunilha…

Investigadores de Coimbra querem melhorar
prognóstico do transplante de fígado

Curador do primeiro planetário da América
vai ser português

Humilhação dos 7-1 leva o Brasil
a olhar para a ciência

Carlos Ribeiro eleito para o primeiro grupo
dos FENS-Kavli Scholars

Rotundas virtuais vão projectar rotundas reais
seguras e amigas do ambiente

Dê azeite ao seu coração

Dois jovens cientistas portugueses
entre oito distinguidos pela EMBO

Neste Ano Novo dê o seu apoio ao Ciência Hoje

Efeitos da cafeína diferem com ou sem açúcar?

António Fernandes da Fonseca deixou a “sua marca”
na passagem pelo Mundo!

É possível estudar «cientificamente» os enchidos?
Universidades de Lisboa, Évora e Trás-os-Montes e Alto Douro fizeram investigação