Receba as notícias:

Veículo português pode realizar 100 km com apenas 40 cêntimos

Vem aí a scooter eléctrica ‘verde’!

2012-07-10
Por Susana Lage
Ana Vaz junto à scooter eléctrica
Ana Vaz junto à scooter eléctrica
Está a chegar ao mercado uma solução para poupar o ambiente, a carteira e arranjar estacionamento com mais facilidade. Trata-se da primeira scooter eléctrica portuguesa, com zero de emissões locais de CO2.

O engenho, desenvolvido de raiz por uma equipa de investigadores do Instituto de Sistemas e Robótica (ISR) da Universidade de Coimbra (UC), tem autonomia, em ciclo urbano, entre os 100 e os 140 km e um conjunto de tecnologia de ponta usada em todo o protótipo.
A scooter é composta por um sistema de propulsão inovador, um controlador, um motor eléctrico, um carregador inteligente e um sistema de armazenamento de energia com duas componentes essenciais: baterias e BMS (battery management system).

As mais-valias deste veículo em relação a outras scooters convencionais é que esta “tem um sistema de propulsão 100 por cento eléctrico que lhe permite realizar 100 quilómetros com apenas 0,40 euros”, afirma Ana Vaz ao Ciência Hoje. Para além disso, “o sistema de gestão electrónico permite a um só veículo ser adaptado ao perfil de condução de diferentes condutores e diferentes utilizações para um mesmo condutor”, como modo ECO, para uma condução mais económica; modo Sport, para uma condução mais desportiva; e modo Safety, para uma condução mais segura, acrescenta a líder do projeto.

Embora a scooter citadina desenvolvida se enquadre na classe de executiva devido à sua dimensão e pacote tecnológico integrado, a tecnologia de base utilizada é bastante flexível. “Tem uma potência nominal de 10 kW, ou seja 13,4 cv (1cv = 746W) e de pico (durante alguns segundos) dá 21 kW (28cv); autonomia média de 100 km (pode ir de 70km a 140km, dependendo do ciclo de condução e utilização); apresenta um sistema de gestão de baterias e carregador on-board; o display (velocímetro, autonomia da bateria e do sistema) é um tablet Pc de 7” com programação em plataforma android”, descreve a investigadora do ISR.

Se a indústria mostrar interesse na comercialização deste novo veículo, uma versão final estará pronta entrar no mercado dentro de alguns meses. “Entrará no mercado logo que haja uma entidade que queira aproveitar o projecto e tecnologia desenvolvida para iniciar uma produção”, avança Ana Vaz.

Em relação ao custo do novo ‘brinquedo’, apesar deste protótipo "integrar todo o estado da arte de tecnologia”, a equipa da UC tem valores estudados para uma pequena série com um “tecto máximo de cinco mil euros”.
Paulo Sousa
2012-07-10
19:40
Fico muito orgulhoso do meu País quando leio estas notícias.
Mas cinco mil euros é (i) um exagero e (ii) completamente desajustado à realidade portuguesa.
Anseio pelo dia em que a tecnologia nacional seja feita para e a pensar nos Portugueses.
Manuel Fonseca
2012-07-10
19:54
Parecem ser universitários muito competentes e inteligentes, excepto no preço de mercado. Precisam de puxar o tecto das nuvens para a altura do bolso das calças, ou não passam muito aquém do protótipo.
Dagoberto
2012-07-10
20:17
E vai escapar ás compras de patentes para ficar em banho MARIA?
Grandes Industrias de energias fósseis?
Rodrigo Machado
2012-07-10
20:37
Aqui está uma excelente forma de ajudar o País Srs. Industriais, ou será mais um caso em que os industriais portugueses irão deixar ir para o estrangeiro, preferindo importar?. Faço votos para que não.

Muitos parabéns aos inventores
pl
2012-07-10
21:55
Massificando a produção, exportando em larga escala, tudo isto não tornará os custos menores?
Eu não percebo nada de economia, mas...
João Alves
2012-07-10
22:17
O preço de protótipo é sempre bastante alto. Depois de a produção começar, o preço começará a descer.
João
2012-07-11
00:03
Parabéns pelo feito, gostava de ter destas notícias todos dias. Apenas faço um correção à notícia, 1cv = 735W e não os 746, preciosismos:-B
Jorge Fernandes
2012-07-11
00:30
Se realmente quisermos levar o pais prá frente, temos que apoiar e incentivar o avanço de projetos como este.
Se tivesse-mos politicos competentes e realmente interessados em melhorar a nossa economia, em vez de atestarem os cofres dos bancos e engordar as contas dos compadres, injetavam dinheiro em ideias como esta e tornavam o prêço do produto acessivel aos portugueses. Mas como alguem aqui diz e com razão,provavelmente ésta excelente ideia vai ser abafada pelas petroliferas ou então, vendida a outro pais. Parabens aos criadores do projeto.
Joca
2012-07-11
00:47
É natural que o preço seja elevado. Também é natural que desça se for produzida em série.
josé Neves
2012-07-11
01:23
Brilhante sem dúvida mas quem vai dar 5.000 euros por uma scooter para andar á chuva e ao frio,apesar dos 40 centimos de custo? Só para o verão e só para ricos meus caros cientistas.
antonio cristovao
2012-07-11
07:52
Apoio M.Fonseca :investigadores vejam o sucesso dos t.moveis - embaratecer para vender muito. Na India ou China aparecem VE por 7000€ e tambem se vendem Leaf.
José Silva
2012-07-11
08:34
Boa! O pior é estar tudo descapitalizado depois do assalto comunista ao capital....Agora nem cpital nem trabalho...
Rui Dinis
2012-07-11
08:53
Bom trabalho às equipas do projeto
José Paulo
2012-07-11
10:09
É também nestas alturas me orgulho de ser português e conimbricense.
Parabéns.

Aos oradores de praça pública que vêm aqui clamar por descontos eu pergunto, quantos tinham computador há uma dúzia de anos atrás? E quanto pagaram por ele?
Não matem a investigação à nascença, deixem-na evoluir naturalmente, apoiem-na e mais tarde conversamos.
Apetece-me utilizar aquele vosso rifão: "É por isso que Portugal está onde está".


Mais uma vez os parabéns à equipa e continuem a apostar na inovação.
Luís
2012-07-11
10:26
Parabens aos seus criadores, mas calma isto vai ficar por aqui, pk serão barrados todos os contactos para a sua construçao em massa. As petroliferas e as marcas ke dominam o mercado em Portugal não vao autorizar.
Mais um projecto que fica no papel e vai para o lixo. è pena os seus criadores terem nascido em Portugal, mas se querem um conselho fujam para o Japão e ai vão ter socesso e vao vender a patente e tornar-se milionários.
Esmeraldino Anunciação
2012-07-11
10:40
Fico muito contente com esta noticia, é um grande passo no desenvolvimento das grandes potencialidades que nós temos por cá. Quanto ao preço é óbvio que é exagerado, mas depois de ser fabricado em série, vai se ajustar, temos que acreditar que isto é o futuro, espero que alguma empresa nacional pegue neste invento, que não deixem fugir para fora, muitos parabéns á equipa de estudantes, bem ajam .
José Falcão
2012-07-11
10:40
É nestas ocasiões que tenho orgulho em ser português.
É nestas ocasiões que tenho desgosto de não se aproveitar as nossas potencialidades da inteligência portuguesa. Infelizmente este projecto fenomenal vai acabar por abortar, à semelhança de muitos outros. O preço? Ver-se-á...
rui
2012-07-11
10:41
Durante muito tempo, pensei num projecto como este.
Empresários Portugueses juntem sinergias, temos os pneus da Mabor, os moldes em Leiria, o conhecimento em cablagens, desactivadas e prontas para iniciar. Marcas de motos portuguesas que nada fazem hoje, como a Casal, Zundapp e Famel.
Coloquem mão à obra e façam uma linha de montagem moderna para baixar o preço de custo.
O primeiro cliente deveria ser o estado, como as policias municipais, os fiscais da emel ou até mesmo os CTT, e fazer como os Franceses em que os veículos do estado são todos de fabrico próprio.
Eles neste caso não dão a desculpa do concurso público.
alvaro
2012-07-11
10:49
temos matéria prima o problema chama-se corrupção e so de pensarem que o lucro dos combustíveis baixam uuiiii....
M. Castro
2012-07-11
10:49
Fico na expectativa de ver este valioso contributo de desenvolvimento da nossa economia no mercado global e produzido em Portugal por empresários portugueses.
Agradeço a estes nossos compatriotas que não atiraram a toalha ao chão e acreditam neles mesmos.
Tomara-mos muitos mais assim.

Obrigado
Eduardo Ferreira
2012-07-11
11:47
"Brilhante sem dúvida mas quem vai dar 5.000 euros por uma scooter para andar á chuva e ao frio,apesar dos 40 centimos de custo? Só para o verão e só para ricos meus caros cientistas."
Isto não é verdade. Uso todos os dias scooter, há vários anos e eléctrica 1,1/2. Molho-me menos no trajecto casa-estacionamento, que do estacionamento à porta do serviço. Do frio e da chuva podemos proteger-nos. Que nos vão ao bolso, é que não conseguimos evitar! Em novaenergia.net-(Diário Bordo), estão imensos casos relatados.Confirmem! A minha também lá está!
João Dos Santos
2012-07-11
11:58
Sou comprador! Que avance o projecto de produção.
Antonio Reis
2012-07-11
12:07
O preço da electricidade ja esta a ser ajustado para essa realidade ate que custe uns 2 euros em vez de 40 centimos e assim esse projecto ira ter futuro para que o Estado continue a roubar cada vez mais aos cidadaos para que estes fiquem alegres por conseguirem ter uma motinha electrica em vez de um automovel que os seus pais tiveram no passado.
vitor gomes
2012-07-11
13:06
É uma invenção expetacular a ver vamos se algum empresario investe nesta ideia. O preço è elevado mas acredito que com a produção em serie posso baixar consideravelmente, e se assim for eu serei um potencial comprador
A.M.G.
2012-07-11
19:12
Mal eu compre a scooter verei o Imposto sobre Combustíveis aplicado à energia electrica!
Mal reduzi os cigarritos o custo de cada maço triplicou...
Mal troquei as lâmpadas por "economizadoras" a minha factura de energia duplicou...
Mal abandonei o wiskye levei com o IVA na água...
E lembrem: pago Imposto de Circulação e Taxa de Estacionamento!
Conclusão, o único veículo económico já está inventado há muito: viatura do Estado, não identificada, paga pelo contribuinte para uso particular dos politicos!
Bendito progresso!
Rui Manuel Antunes Marques
2012-07-12
00:28
Os meus mais sinceros parabéns aos investigadores que fizeram este brilhante projecto,mas no entanto esta não foi a primeira scooter eléctrica a ser construída no nosso país,pois há uns anos atrás,alguns técnicos e engenheiros de antiga FAMEL construíram uma que chegou a ser ensaiada pelos correios franceses,com bons resultados,e comentários elogiosos dos responsáveis gauleses,e um possível interesse caso fosse fabricada.
A resposta das entidades oficiais e privadas,foi o mais olímpico desinteresse...
G. Santos
2012-07-12
14:53
Sois os descobridores de novos mundos e realizadores de sonhos de toda a humanidade que anseia por emancipar-se da escravatura dos grandes grupos económicos.
Vão pensando também em algo de semelhante para carros nacionais com a tecnologia de ponta desta moto.
Por mim, já não compro qualquer veículo que não seja eléctrico.
"Vamos no eléctrico" e arrumemos de vez os monstros petrolíferos, interessados em tramar a humanidade mantendo aberrações tecnológicas mais que ultrapassadas, poluidoras, perigosas para a saúde e sujas (os combustíveis fósseis são nojentos).
Mesmo que nos custe agora mais algum dinheiro, que pode não ser o caso, é poupança mais que garantida no futuro.
Ricardo Costa
2012-07-12
15:01
Parabéns. Fico contente quando mostramos um pouco do que somos capazes. Espero que projectos destes avancem.
João Paulo Almeida
2012-07-13
15:21
Coloquem o projecto no Kickstarter.com.

É só uma ideia. :)
Hugo Apolónio
2012-07-13
15:24
Antes de mais quero dar os parabéns a esta iniciativa e espero que entre realmente em fase de produção!

Posso também deixar aqui a minha opinião, enquanto utilizador de scooter elétrica já há mais de 2 anos!

Faço 40kms por dia (casa-trabalho) e carrego apenas à noite (na garagem); por causa disso aproveito as "horas de vazio" da rede e o mix de energia usado vem 80-90% das renováveis.

Tenho 21000kms feitos na scooter, o que já significou uma poupança de cerca de 2000€ em combustível (em relação a andar de carro) e perto de 1,5 t de CO2 evitado (UMA TONELADA E MEIA de emissões - só de 1 pessoa - caso fizesse os mesmos kms no meu carro particular).

Por favor não venham com o argumento do CO2 emitido na produção da energia, porque nesse caso teríamos de contabilizar todo o processo de extração, transformação, produção, transporte, armazenamento e distribuição dos combustíveis fósseis, para poder fazer uma comparação séria !!!

É um facto que as baterias [ainda] são caras, mas só com a produção em massa (e respectiva reciclagem) poderemos ter custos mais baixos... e essa produção implica adesão dos consumidores.

Se na altura em que dei 4000€ pela minha houvesse alguma deste género "made in PT" concerteza que não iria encomendar à China!

Mais uma vez - FORÇA COM O PROJETO - O QUE É NACIONAL É BOM ;)
bruno penteado
2012-08-17
03:03
Boas....se eu ganhasse o 1º prémio do euromilhões, tinha todo o gosto de investir completamente no projeto, sou fã dos elétricos, carros motas, bicicletas....sou tecnico de electricidade de formação mas atualmente tenho outra profissão e não deixaria de maneira alguma os estrangeiros comprarem a patente....o que e Poetuguês é nosso e fica em Portugal...
Decidam certo, não vendam a ideia lá para fora o que é nosso e mais tarde ou mais cedo aparece um investidor nacional....
PARABÉNS .....

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD

A espantosa capacidade de regeneração do pâncreas

Ébola não é porventura tão temível como a gripe

Bloquear os canais de potássio pode salvar vidas

Técnicas de meditação associadas ao budismo tibetano
podem melhorar o desempenho do cérebro

O meu automóvel conduz, estaciona e recarrega-se sozinho

Congresso Mundial de Investigação marinha
no Oceanário de Lisboa

Iraniana é a primeira mulher
a ser distinguida com o «Nobel» da Matemática

Alunos da UMinho desenvolvem protótipos todo-o-terreno

Todos pela Antártida

A Roseta foi ao cometa

Concelhos despovoados e com poucos bombeiros
são os mais atingidos pelos fogos

As barreiras dos serviços de saúde
que afectam os imigrantes

As barreiras dos serviços de saúde que afectam os imigrantes

“La réalité n’existe pas”

Como os mamíferos e as moscas se alimentam:
semelhanças surpreendentes

Células "secundarias" do sistema nervoso são afinal cruciais
para a cognição e doenças mentais

As duas caras da misteriosa Azobenzeno

Investigadores do Minho premiados no Brasil

Avanços na compreensão da doença de Parkinson
abrem novas portas terapêuticas

Ciência Hoje não tem férias! Apoie este jornal!