Receba as notícias:

Estudar nas horas de sono prejudica desempenho escolar

2012-09-06
Estudar em vez de dormir não ajuda em véspera de exames
Estudar em vez de dormir não ajuda em véspera de exames
Com a chegada de Setembro e o regresso às aulas vêm todas as preocupações para um bom rendimento escolar e, muitas vezes, sacrificam-se horas de sono para estudar um pouco mais antes de um teste.

Um recente estudo desenvolvido pela Universidade da Califórnia, Los Angeles (Estados Unidos) demonstrou que os alunos que dormem pouco em véspera de exames, por exemplo, prejudicam o seu desempenho académico. A investigação foi publicada no «Child Development».
A equipa, constituída por Cari Gillen-O’Neel, Virginia Huynh e Andrew J. Fuligni, defende que o sucesso escolar depende de estratégias que evitem sacrificar as horas de descanso necessárias para um bom desempenho, reforçando que é importante manter o mesmo horário dedicado ao estudo todos os dias.

Para o estudo, os investigadores pediram a 535 estudantes, dos 14 a 18 anos, que relatassem durante duas semanas quantas horas estudavam e dormiam diariamente e que descrevessem eventuais dificuldades na escola, como problemas de compreensão, notas baixas, etc.

Segundo os resultados, os participantes que sacrificaram o sono para estudar mais, mesmo que tivessem dedicado mais tempo ao estudo, apresentaram piores resultados nos testes. Os investigadores asseveram que se esta dinâmica negativa acaba por prevalecer durante algum tempo
Ângela Augusto
2014-10-31
17:20
é muito verdade no que dizem sobre passarmos mais tempo acordados, ao ponto de se esquecermos de estudar as horas certas...
Prejudica muito no ensino-aprendizagem de um estudante porque; dormem nas aulas, não compreendem a matéria porque naquele momento estão com muito sono, e se o professor(a) estiver a fazer uma Avaliação o aluno não vai conseguir responder porque no momento está com muito sono e não consegue repor os esses conhecimentos para responder uma pergunta correctamente...

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Tristeza permanece mais tempo do que outras emoções

Refrigeração magnética dá prémio internacional
a jovem cientista português

Fantasias sexuais: você é normal?

Maria Machado, do CIIMAR, com o melhor poster
na Conferência Europeia de Aquacultura

Detectar metástases pela axila e usar estímulos elétricos para recuperação motora

Crianças com melhor coordenação motora
apresentaram melhores resultados em tarefas cognitivas

Vai um queijo da Serra da Estrela com flor de castanheiro?

Nasce o maior instituto de investigação
em astrofísica de Portugal

Universidade de Aveiro «exporta» pastéis de nata

Como «infectar» as células vizinhas normais
tornando-as cancerosas

Mais mulheres menos cancro da próstata?

UMinho desenvolve método
para a libertação direccionada de fármacos

Para acabar (de vez?) com a turbulência nos aviões

Investigadores descobrem como os micróbios
constroem um poderoso antibiótico

Investigadora do CEDOC vence prémio FAZ Innovate Competition

UMinho cria gestor de exames à la carte

How tilapias use urine to attract females

UC participa solução inovadora
de apoio a pacientes em reabilitação cardíaca

Novos métodos para manter a qualidade das batatas

Cunha-Vaz distinguido com Prémio Albert C. Muse

Bactéria da flora intestinal de mosquitos
pode bloquear transmissão de malária e dengue

Subvalorizar o Ébola é crime!

Pepinos do mar já podem ser produzidos em aquacultura

A Ciência na educação pré-escolar

A guerra dos espermatozóides

O Viagra protege o coração para além do quarto

Premiado dispositivo portátil
para recuperar lesões desportivas

Aí está o andarilho inteligente motorizado
com «marca» portuguesa

Ajuda de emergência para «overdoses»

Investigadores portugueses abrem novas possibilidades
no desenho de vacinas contra o cancro