Receba as notícias:

Khoisan são os descendentes directos dos primeiros humanos modernos

Investigadores identificaram os seis genes-chave para o desenvolvimento do crânio e do cérebro

2012-09-21
Mulher Khoisan (créditos: Lisa Gray)
Mulher Khoisan (créditos: Lisa Gray)

O genoma de 220 pessoas de 11 populações subsarianas, o maior estudo africano realizado até agora, confirma que os Khoisan (nome unificado de dois grupos étnicos do sul de África) ou bosquímanos são descendentes em linha directa dos primeiros humanos modernos, que evoluíram no sul do continente africano há mais de 100 mil anos.

Já se sabia que esta era a população com a maior diversidade genética do mundo. Mas este estudo identifica os seis genes-chave para o desenvolvimento do crânio e do cérebro, que foram objecto de selecção 'darwiniana' naquela época e que, provavelmente, criaram a anatomia humana moderna num prazo relativamente curto. Outros fenómenos genéticos posteriores, subjacentes às adaptações da população ao seu ambiente, definiram a potência muscular, a protecção contra os raios ultravioleta e a resposta imunológica contra infecções. Os resultados estão publicados na «Science».

As línguas que falam estes povos, línguas khoisan, caracterizam-se pelo uso de cliques como fonemas. O primeiro investigador a propor que os Khoisan representavam a população mais antiga da humanidade foi precisamente um linguista – Joseph Greenberg –, da Universidade de Stanford. Nos anos 70 do século XX, sugeriu que as línguas dos 'cliques', faladas por pequenas populações espalhadas pelo sul e este de África, formavam na verdade uma só família linguística – o khoisan.

Mas foram a genética e a arqueologia mais recente que resgataram a hipótese de Greenberg, que depressa caiu no esquecimento. O linguista e antropólogo morreu em 2001, antes das suas teorias serem largamente aceites.

Este trabalho multidisciplinar contou com a colaboração de biólogos evolutivos, antropólogos, neurocientistas e geneticistas, coordenados por Himla Soodyall, da Universidade de Witwatersrand, em Joanesburgo (África do Sul), e Mattias Jakobsson, da Universidade de Uppsala, Suécia.

Os Khoisan têm algo de especial a acrescentar ao mundo tanto genética como cultural e eticamente”, defende Jakobbson. “A importância do nosso estudo é que põe o património e a herança khoisan na História. Fornece também o 'pano de fundo' para futuros estudos genéticos”.

A divergência mais profunda no seio da humanidade ocorreu há 100 mil anos”, explica a Carina Schlebusch, investigadora de pós-doutoramento em Uppsala, referindo-se à separação genética entre os Khoisan e os restantes povoadores do planeta.

Quando duas populações estão separadas há pouco tempo, como, por exemplo, as do Próximo Oriente e as do Mediterrâneo ocidental, os seus genomas são muito parecidos, ou seja, mostram um escassa divergência.

Quanto maior é a divergência, maior é a antiguidade da separação. Com dados deste tipo, os geneticistas conseguiram construir um mapa muito detalhado da história das migrações humanas. A maior divergência, ou seja, a separação mais antiga é a que se dá entre os Khoisan e as outras populações.

Os investigadores focaram-se sobre os genes que sofreram um processo de selecção evolutiva há mais de 100 mil anos, antes que este grupo começasse a divergir.

Foram encontradas seis variantes genéticas sujeitas a uma forte pressão evolutiva na época, “e que agora são património universal da humanidade. Podem ser os genes que fizeram evoluir a espécie humana desde o hominídeo mais primitivo, pensam os autores”.

Os Khoisan têm sido, nos últimos séculos, vítimas de extermínio intenso. O grupo mais abundante, na actualidade, encontra-se no sul de África, e conta com 250 mil falantes da língua dos 'cliques'.

Artigo: Genomic Variation in Seven Khoe-San Groups Reveals Adaptation and Complex African History

Júlio C. Lima
2012-09-22
22:04
Quem segue a história das ciências já se tinha apercebido da pressão que as evidências científicas vinha exercendo sobre a conclusão a que se chegou neste estudo. Sem mais delongas, espera-se agora que os decisores, nomeadamente a UNESCO protegem os khoisam dos abusos a que têm sido sugeitos há séculos - e ninguém é inocente nesta saga - à semelhança do que aquela instituição da ONU fez para os albinos em África, também eles vítimas de crimes vários naquele continente.
José Francisco Guerra Mourão
2012-09-23
12:55
É fascinante e digno dos maiores elogios o estudo agora tornado público.
Jorge Ricardo dos Santos
2012-11-19
01:14
Sabidamente esta origem genética do atual homosapiens, acaba com qualquer possibilidade de restar algum tipo do dito "racismo" na humanidade.
julia vitoria lombardi da silva
2014-08-11
19:50
nossa essa materia fala sobre varias coisas sobre os khaisam que foram os primeiros povos da Afria

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Utilizar Software de Código Aberto
permitiria ao Estado poupar milhões de euros

Trás-os-Montes apresentou no MInho cremes inovadores
que ajudam no tratamento de queimaduras, feridas profundas e psoríase

Sistema reduz de meses para dias o tempo necessário
para os cientistas testarem hipóteses

Empresa tecnológica de Braga serve milhões de pessoas

Investigadores de Coimbra avançam na luta
contra a febre da carraça e tifo epidémico

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD

A espantosa capacidade de regeneração do pâncreas

Ébola não é porventura tão temível como a gripe

Bloquear os canais de potássio pode salvar vidas

Técnicas de meditação associadas ao budismo tibetano
podem melhorar o desempenho do cérebro

O meu automóvel conduz, estaciona e recarrega-se sozinho

Congresso Mundial de Investigação marinha
no Oceanário de Lisboa

Iraniana é a primeira mulher
a ser distinguida com o «Nobel» da Matemática

Alunos da UMinho desenvolvem protótipos todo-o-terreno

Todos pela Antártida

A Roseta foi ao cometa

Concelhos despovoados e com poucos bombeiros
são os mais atingidos pelos fogos

As barreiras dos serviços de saúde
que afectam os imigrantes

As barreiras dos serviços de saúde que afectam os imigrantes

“La réalité n’existe pas”

Como os mamíferos e as moscas se alimentam:
semelhanças surpreendentes