Receba as notícias:

Cometa ISON pode brilhar mais do que a Lua em 2013

Cientistas russos descobriram o corpo celeste que se dirige para o Sol

2012-09-28
O cometa ISON poderá ser visível em finais de 2013 e inícios de 2014
O cometa ISON poderá ser visível em finais de 2013 e inícios de 2014

Astrónomos russos descobriram um super-cometa que se aproximará no Sol em Novembro de 2013 e que será possível observar a olho nu até meados de Janeiro de 2014. Poderá mesmo brilhar mais do que uma Lua cheia. O cometa chama-se C/2012 S1 ISON, em homenagem à equipa que o descobriu (Rede Internacional de Ciência Óptica – ISON, nas siglas em inglês).

Vitali Nevski e Novichonok Artyom encontram o cometa dia 21 de Setembro através de imagens registadas com um telescópio reflector de 40 centímetros. Imediatamente, outros observadores também o registaram.

Segundo explica a «New Scientist», os astrónomos conseguiram rastrear a rota do cometa e encontrar imagens da mesma de Dezembro de 2011. Com esses dados, calcularam uma órbita que dirige o cometa quase directamente até ao Sol. A órbita do cometa também sugere que este é um recém-chegado da nuvem de Oort, que rodeia o Sistema Solar.

Neste momento, ISON é apenas um ponto de luz porque está muito longe da Terra, perto da órbita de Júpiter. No entanto, dias 28 ou 29 de Novembro de 2013, passará a menos de dois milhões de quilómetros do Sol, segundo o Observatório Remanzacco, em Itália.

Como não é mais do que uma bola gigantesca feita de rocha e gelo, corre o risco de começar a desintegrar-se. Se sobreviver, o pó gelado libertado tornará a sua cauda ainda mais brilhante.

Apesar de ainda ser muito cedo para se ter certezas, os cientistas dizem que o ISON poderá tornar-se num dos objectos mais brilhantes do céu nocturno, talvez o cometa mais brilhante da década. Pode mesmo chegar a superar o brilho da Lua cheia. Os astrónomos alertam, contudo, que os cometas podem ser imprevisíveis.

Antônio César Domingues Hedo
2012-10-04
18:03
Embora sejam ainda iniciais as notícias da descoberta desse novo cometa me parecem muito promissoras e penso que poderá se tratar do profetizado Grande Cometa da obra Na Luz da Verdade de Abdruschin.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Implantes dentários «ganham» volume ósseo

Em Portugal um tratamento específico
depende da região onde se mora

Eousdryosaurus, o pequeno dinossauro
que viveu num tempo de gigante

Um em cada quatro já traiu

A Ciência da Gestão de Ciência e Tecnologia
– reflexões de uma despedida

A ansiedade de estar doente no hospital?
O ambiente do quarto pode ajudar!

Prémio António Champalimaud reconhece tratamento
revolucionário de doenças graves da visão

João Rocha é o primeiro português
da European Academy of Sciences

O Porto na Guerra Fria

Nariz electrónico pode detectar
subgrupos de asma nas crianças

Oceanos de Esperança chegou a Boston

Braga quer construir travessas de caminho-de-ferro
com resíduos de plásticos mistos

Comer com sucesso no Mercado do Bom Sucesso

Lars Montelius é o novo director do INL

José Xavier participa no Atlas
sobre vida marinha no Oceano Antárctico

Utilizar Software de Código Aberto
permitiria ao Estado poupar milhões de euros

Trás-os-Montes apresentou no MInho cremes inovadores
que ajudam no tratamento de queimaduras, feridas profundas e psoríase

Sistema reduz de meses para dias o tempo necessário
para os cientistas testarem hipóteses

Empresa tecnológica de Braga serve milhões de pessoas

Investigadores de Coimbra avançam na luta
contra a febre da carraça e tifo epidémico

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD