Receba as notícias:

Cometa ISON pode brilhar mais do que a Lua em 2013

Cientistas russos descobriram o corpo celeste que se dirige para o Sol

2012-09-28
O cometa ISON poderá ser visível em finais de 2013 e inícios de 2014
O cometa ISON poderá ser visível em finais de 2013 e inícios de 2014

Astrónomos russos descobriram um super-cometa que se aproximará no Sol em Novembro de 2013 e que será possível observar a olho nu até meados de Janeiro de 2014. Poderá mesmo brilhar mais do que uma Lua cheia. O cometa chama-se C/2012 S1 ISON, em homenagem à equipa que o descobriu (Rede Internacional de Ciência Óptica – ISON, nas siglas em inglês).

Vitali Nevski e Novichonok Artyom encontram o cometa dia 21 de Setembro através de imagens registadas com um telescópio reflector de 40 centímetros. Imediatamente, outros observadores também o registaram.

Segundo explica a «New Scientist», os astrónomos conseguiram rastrear a rota do cometa e encontrar imagens da mesma de Dezembro de 2011. Com esses dados, calcularam uma órbita que dirige o cometa quase directamente até ao Sol. A órbita do cometa também sugere que este é um recém-chegado da nuvem de Oort, que rodeia o Sistema Solar.

Neste momento, ISON é apenas um ponto de luz porque está muito longe da Terra, perto da órbita de Júpiter. No entanto, dias 28 ou 29 de Novembro de 2013, passará a menos de dois milhões de quilómetros do Sol, segundo o Observatório Remanzacco, em Itália.

Como não é mais do que uma bola gigantesca feita de rocha e gelo, corre o risco de começar a desintegrar-se. Se sobreviver, o pó gelado libertado tornará a sua cauda ainda mais brilhante.

Apesar de ainda ser muito cedo para se ter certezas, os cientistas dizem que o ISON poderá tornar-se num dos objectos mais brilhantes do céu nocturno, talvez o cometa mais brilhante da década. Pode mesmo chegar a superar o brilho da Lua cheia. Os astrónomos alertam, contudo, que os cometas podem ser imprevisíveis.

Antônio César Domingues Hedo
2012-10-04
18:03
Embora sejam ainda iniciais as notícias da descoberta desse novo cometa me parecem muito promissoras e penso que poderá se tratar do profetizado Grande Cometa da obra Na Luz da Verdade de Abdruschin.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD

A espantosa capacidade de regeneração do pâncreas

Ébola não é porventura tão temível como a gripe

Bloquear os canais de potássio pode salvar vidas

Técnicas de meditação associadas ao budismo tibetano
podem melhorar o desempenho do cérebro

O meu automóvel conduz, estaciona e recarrega-se sozinho

Congresso Mundial de Investigação marinha
no Oceanário de Lisboa

Iraniana é a primeira mulher
a ser distinguida com o «Nobel» da Matemática

Alunos da UMinho desenvolvem protótipos todo-o-terreno

Todos pela Antártida

A Roseta foi ao cometa

Concelhos despovoados e com poucos bombeiros
são os mais atingidos pelos fogos

As barreiras dos serviços de saúde
que afectam os imigrantes

As barreiras dos serviços de saúde que afectam os imigrantes

“La réalité n’existe pas”

Como os mamíferos e as moscas se alimentam:
semelhanças surpreendentes

Células "secundarias" do sistema nervoso são afinal cruciais
para a cognição e doenças mentais

As duas caras da misteriosa Azobenzeno

Investigadores do Minho premiados no Brasil

Avanços na compreensão da doença de Parkinson
abrem novas portas terapêuticas

Ciência Hoje não tem férias! Apoie este jornal!