Receba as notícias:

Matemático explica como desmascarar
o verdadeiro “Jack, o Estripador”

2012-11-14
Médico trabalhava no hospital de Whitechapel
Médico trabalhava no hospital de Whitechapel
Stephen Herbert Appleford foi mesmo o impiedoso assassino de várias prostitutas na capital britânica no final do século XIX, segundo prova o estudo do matemático uruguaio Eduardo Cuitiño, professor de estatística na Universidade ORT Uruguay, em Montevideu, que se uniu a uma série de investigadores que asseguram ter descoberto a verdadeira identidade de “Jack, o Estripador” (Jack, The ripper).

Cuitiño realizou uma investigação que durou dois anos, com informação oficial divulgada, através de uma ''análise geográfica dos factos e simulações em computador''. Segundo o matemático, o médico assassino que trabalhava no Hospital de Whitechapel, em Londres, área onde morreram as cinco vítimas do primeiro assassínio em série, além disso, tinha 36 anos, idade em que os assassinos são mais prolíficos e uma inteligência acima da média.
O professor de estatística tem como objectivo recorrer à matemática para resolver o mistério. Cuitiño defende que “o estripador” começou a matar após a morte da sua mãe, de quem era muito próximo.

Área geográfica dos primeiros crimes (clique para ampliar)
Área geográfica dos primeiros crimes (clique para ampliar)
Uma das vítimas foi esfaqueada nas costas e Appleford foi encontrado na área, tendo mesmo sido chamado para a socorrer, já que era médico e no relatório que elaborou sustentava que a mulher se terá magoado a si própria – o que seria muito pouco provável, tendo sido nas costas –, além disso, o assassino era canhoto, tal como o cirurgião de Whitechapel, já que os cortes eram da direita para a esquerda.

Com o apoio do Google Maps, já que o professor de matemática nunca esteve em Londres, Cuitiño fez uma tese geométrica e probabilística em torno da área onde se mexia Appleford e onde ocorreram os crimes.

Além disso, o médico morreu a 31 de Agosto (1940) – data do primeiro crime (em 1888) – e tudo indica que se tenha suicidado, com 88 anos, como o ano das mortes.
carlos alberto alves
2012-11-21
16:58
Só falta o investigador saber quem os responsáveis pelos assassinatos de palestinos. Dou-lhe um doce.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Investigadora de Coimbra reduz em 26,5%
a ocorrência de flebites

Equipa de Coimbra cria aerogel em spray
que permite isolar foguetões

Bioquímica portuguesa homenageada em Estocolmo

Esperar ou não esperar
- o papel da confiança na tomada de decisões

Implantes dentários «ganham» volume ósseo

Em Portugal um tratamento específico
depende da região onde se mora

Eousdryosaurus, o pequeno dinossauro
que viveu num tempo de gigante

Um em cada quatro já traiu

A Ciência da Gestão de Ciência e Tecnologia
– reflexões de uma despedida

A ansiedade de estar doente no hospital?
O ambiente do quarto pode ajudar!

Prémio António Champalimaud reconhece tratamento
revolucionário de doenças graves da visão

João Rocha é o primeiro português
da European Academy of Sciences

O Porto na Guerra Fria

Nariz electrónico pode detectar
subgrupos de asma nas crianças

Oceanos de Esperança chegou a Boston

Braga quer construir travessas de caminho-de-ferro
com resíduos de plásticos mistos

Comer com sucesso no Mercado do Bom Sucesso

Lars Montelius é o novo director do INL

José Xavier participa no Atlas
sobre vida marinha no Oceano Antárctico

Utilizar Software de Código Aberto
permitiria ao Estado poupar milhões de euros

Trás-os-Montes apresentou no MInho cremes inovadores
que ajudam no tratamento de queimaduras, feridas profundas e psoríase

Sistema reduz de meses para dias o tempo necessário
para os cientistas testarem hipóteses

Empresa tecnológica de Braga serve milhões de pessoas

Investigadores de Coimbra avançam na luta
contra a febre da carraça e tifo epidémico

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros