Receba as notícias:

Coletes «salva-vidas» com tecnologia portuguesa

Sensores colocados nos coletes emitem
informações para aparelhos informáticos

2013-01-23
Por Sara Pelicano
O projecto Vital Responder introduziu tecnologia portuguesa em coletes que permitem monitorizar profissionais como os bombeiros durante o exercício da sua actividade. São colocados sensores que fazem monitorização cardíaca. Os sensores estão ligados a uma placa de dados que armazena e transmite a informação recolhida pelos sensores para aparelhos informáticos como computadores, tablet, PDA (assistente pessoal digital) e outros.

“O projecto é baseado numa tecnologia que a Universidade de Aveiro que fez spin-off em 2007. Esta tecnologia vestível permite embeber no tecido sensores. Pegamos nessa tecnologia e evoluímos para as necessidades que bombeiros, polícias e paramédicos têm. Para os monitorizar, uma vez que é sabido que são profissionais mais sujeitos a eventos cardiovasculares que outros, devido à fadiga extrema e ao stress contínuo a que são sujeitos”, explica João Paulo Cunha, professor na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e coordenador do projecto.
No caso de problema com o profissional, o aparelho emite um sinal de alerta para os outros colegas da equipa e permite que haja uma resposta mais rápida. “Se o sinal de GPS funcionar minimamente, os
Vital Responder permite monitorizar, localizar, coordenar e assim minimizar potenciais riscos à segurança dos profissionais.
Vital Responder permite monitorizar, localizar, coordenar e assim minimizar potenciais riscos à segurança dos profissionais.
colegas podem mesmo saber onde é que o colega com problemas se encontra e haver um auxílio mais rápido”
, adianta o especialista em engenharia biomédica.

O sucesso desta tecnologia já foi comprovado em corporações de bombeiros do Norte do país. “Temos 1300 horas de eventos disponíveis e já temos já publicações desses resultados”, pormenoriza João Paulo Cunha.

O trabalho tem sido desenvolvido de forma interdisciplinar, reunindo cientistas da Universidade de Aveiro, à qual João Paulo Cunha pertencia, da Universidade do Porto, profissionais de saúde, da indústria têxtil e bombeiros.

A esta interdisciplinaridade juntam-se também profissionais internacionais através da Carnegie Mellon University (CMU). “Há uma professora da CMU que está a aplicar esta tecnologia nas suas aulas. É tecnologia portuguesa que foi para os Estados Unidos da América e não o contrário”, sublinha João Paulo Cunha.

O Vital Responder é um projecto desenvolvido a pensar no mercado, onde poderá chegar entre três a cinco anos.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Cientistas portugueses revelam estratégia
para gerar células sensoriais ciliadas

Células estaminais neurais diminuem
no envelhecimento e na lesão cerebral

HÁ UM HOMEM DE CERTA IDADE
QUE CONTROLA ISTO TUDO

Google financia investigação da Universidade de Coimbra

Santuário de pesca no Índico concilia
conservação e alívio da pobreza

Mais quatro cientistas portugueses escolhidos para a EMBO

Endoscopia em 2035: Que futuro antecipar?

“Login, logo existo?”

MORREU MARIANO GAGO

Siemens desenvolve sistema de sensores
que facilita o estacionamento nas cidades

Artista português e cientista da Harvard Medical School
criam escultura inspirada na biologia celular

Quais as principais características
nutricionais e funcionais da bolota?

UBI acelera processo na luta contra o cancro

Coimbra estuda dieta das aves das Galápagos

Olfacto humano ajuda a desvendar crimes violentos

Aluno da FCUL cria barómetro de eficiência energética

UA desenvolve tecnologia para armazenar
e dar mobilidade à eletricidade

Industrialização e “conjuntos sociotecnológicos”
– o caso dos laticínios açorianos

No more bleeding for “iron overload” patients?

Coimbra dá importante contributo
para aplicação da terapia génica

Estudo inédito do sofrimento na deficiência visual
vale nota 20 a aluna quase cega

Prémio Terre de Femmes para bióloga da UA

Encontrado o gene responsável
pela reacção das plantas ao toque

Dores nas costas e hérnias discais

Investigação sobre Cancro, AVC e descontaminação da água
por medicamentos distingue jovens investigadoras

UTAD investiga valor nutricional do leite de golfinhos

Terapia amiga do ambiente descontamina
águas das pisciculturas

Portas abertas para novos tratamentos
para a artrite reumatóide

Gosta de merujes? Vão aparecer na sua mesa!

Estudantes de medicina apostam
na formação científica e humana