Receba as notícias:

Investigadores conseguem desactivar 'neurónios do frio'

Estudo abre caminho para o desenvolvimento de novos fármacos analgésicos

2013-02-13
Os ratinhos deixaram de sentir frio mas não ficaram insensíveis ao calor
Os ratinhos deixaram de sentir frio mas não ficaram insensíveis ao calor
Cientistas da Universidade da Califórnia do Sul (EUA) conseguiram desactivar selectivamente a sensibilidade ao frio em ratinhos de laboratório, mantendo a sensibilidade ao calor e às sensações tácteis.

Em trabalhos anteriores tinha-se já percebido que a proteína TRPM8 – canal presente nas células nervosas – era a responsável pela sensação de frio. Esta proteína que se expressa em neurónios sensoriais activa-se com temperaturas baixas e com agentes químicos refrescantes, como o mentol, gerando a resposta correspondente.

Neste novo estudo, publicado no «Journal of Neuroscience», os investigadores conseguiram isolar e desactivar os neurónios que expressam a proteína TRPM8, o que lhes permitiu avaliar a acção específica dessas células nervosas.

Os cientistas utilizaram um grupo de controlo de roedores normais e outro com os neurónios TRPM8 desactivados. Colocaram os dois grupos numa superfície com diferentes temperaturas (entre 0 e 50 graus centígrados), onde os ratinhos se podiam mover livremente.

Os cientistas observaram que os ratinhos do grupo de controlo tinham tendência a manter-se em zonas de temperatura temperada (30º centígrados), evitando tanto as zonas de frio como as mais quentes. O outro grupo apenas evitava as regiões mais quentes. Segundo os autores, este facto indica que os animais sem essas células nervosas não conseguem sentir frio, apenas calor.

A equipa fez também outro tipo de teste para avaliar a coordenação dos movimentos e as respostas ao tacto, não tendo observado diferenças entre os grupos. Esta descoberta pode ter aplicações indirectas no tratamento da dor, se fosse possível actuar de uma forma semelhante para desactivar os neurónios implicados no processo de dor sem alterar as demais sensações.

O problema dos medicamentos contra a dor é que ou actuam simplesmente para reduzir a inflamação (que é apenas uma das causas) ou eliminam toda da capacidade de sentir”, diz David McKemy, um dos autores. “Um dos nossos objectivos deste estudo é preparar caminho para que futuros medicamentos se dirijam directamente à dor sem deixar o paciente totalmente insensível”, conclui.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Santuário de pesca no Índico concilia
conservação e alívio da pobreza

Mais quatro cientistas portugueses escolhidos para a EMBO

Endoscopia em 2035: Que futuro antecipar?

“Login, logo existo?”

MORREU MARIANO GAGO

Siemens desenvolve sistema de sensores
que facilita o estacionamento nas cidades

Artista português e cientista da Harvard Medical School
criam escultura inspirada na biologia celular

Quais as principais características
nutricionais e funcionais da bolota?

UBI acelera processo na luta contra o cancro

Coimbra estuda dieta das aves das Galápagos

Olfacto humano ajuda a desvendar crimes violentos

Aluno da FCUL cria barómetro de eficiência energética

UA desenvolve tecnologia para armazenar
e dar mobilidade à eletricidade

Industrialização e “conjuntos sociotecnológicos”
– o caso dos laticínios açorianos

No more bleeding for “iron overload” patients?

Coimbra dá importante contributo
para aplicação da terapia génica

Estudo inédito do sofrimento na deficiência visual
vale nota 20 a aluna quase cega

Prémio Terre de Femmes para bióloga da UA

Encontrado o gene responsável
pela reacção das plantas ao toque

Dores nas costas e hérnias discais

Investigação sobre Cancro, AVC e descontaminação da água
por medicamentos distingue jovens investigadoras

UTAD investiga valor nutricional do leite de golfinhos

Terapia amiga do ambiente descontamina
águas das pisciculturas

Portas abertas para novos tratamentos
para a artrite reumatóide

Gosta de merujes? Vão aparecer na sua mesa!

Estudantes de medicina apostam
na formação científica e humana

Investigadora da Universidade de Coimbra premiada
pela Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas

UC estuda o impacto do novo metro igeiro de Macau

Hepatite C: nova realidade, novos horizontes

Saúde do cérebro e do coração começa na boca