Receba as notícias:

Investigadores conseguem desactivar 'neurónios do frio'

Estudo abre caminho para o desenvolvimento de novos fármacos analgésicos

2013-02-13
Os ratinhos deixaram de sentir frio mas não ficaram insensíveis ao calor
Os ratinhos deixaram de sentir frio mas não ficaram insensíveis ao calor
Cientistas da Universidade da Califórnia do Sul (EUA) conseguiram desactivar selectivamente a sensibilidade ao frio em ratinhos de laboratório, mantendo a sensibilidade ao calor e às sensações tácteis.

Em trabalhos anteriores tinha-se já percebido que a proteína TRPM8 – canal presente nas células nervosas – era a responsável pela sensação de frio. Esta proteína que se expressa em neurónios sensoriais activa-se com temperaturas baixas e com agentes químicos refrescantes, como o mentol, gerando a resposta correspondente.

Neste novo estudo, publicado no «Journal of Neuroscience», os investigadores conseguiram isolar e desactivar os neurónios que expressam a proteína TRPM8, o que lhes permitiu avaliar a acção específica dessas células nervosas.

Os cientistas utilizaram um grupo de controlo de roedores normais e outro com os neurónios TRPM8 desactivados. Colocaram os dois grupos numa superfície com diferentes temperaturas (entre 0 e 50 graus centígrados), onde os ratinhos se podiam mover livremente.

Os cientistas observaram que os ratinhos do grupo de controlo tinham tendência a manter-se em zonas de temperatura temperada (30º centígrados), evitando tanto as zonas de frio como as mais quentes. O outro grupo apenas evitava as regiões mais quentes. Segundo os autores, este facto indica que os animais sem essas células nervosas não conseguem sentir frio, apenas calor.

A equipa fez também outro tipo de teste para avaliar a coordenação dos movimentos e as respostas ao tacto, não tendo observado diferenças entre os grupos. Esta descoberta pode ter aplicações indirectas no tratamento da dor, se fosse possível actuar de uma forma semelhante para desactivar os neurónios implicados no processo de dor sem alterar as demais sensações.

O problema dos medicamentos contra a dor é que ou actuam simplesmente para reduzir a inflamação (que é apenas uma das causas) ou eliminam toda da capacidade de sentir”, diz David McKemy, um dos autores. “Um dos nossos objectivos deste estudo é preparar caminho para que futuros medicamentos se dirijam directamente à dor sem deixar o paciente totalmente insensível”, conclui.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa

Historiadores de linguística de todo o Mundo
reúnem-se na UTAD

A espantosa capacidade de regeneração do pâncreas

Ébola não é porventura tão temível como a gripe

Bloquear os canais de potássio pode salvar vidas

Técnicas de meditação associadas ao budismo tibetano
podem melhorar o desempenho do cérebro

O meu automóvel conduz, estaciona e recarrega-se sozinho

Congresso Mundial de Investigação marinha
no Oceanário de Lisboa

Iraniana é a primeira mulher
a ser distinguida com o «Nobel» da Matemática

Alunos da UMinho desenvolvem protótipos todo-o-terreno

Todos pela Antártida

A Roseta foi ao cometa

Concelhos despovoados e com poucos bombeiros
são os mais atingidos pelos fogos

As barreiras dos serviços de saúde
que afectam os imigrantes

As barreiras dos serviços de saúde que afectam os imigrantes

“La réalité n’existe pas”

Como os mamíferos e as moscas se alimentam:
semelhanças surpreendentes

Células "secundarias" do sistema nervoso são afinal cruciais
para a cognição e doenças mentais

As duas caras da misteriosa Azobenzeno

Investigadores do Minho premiados no Brasil

Avanços na compreensão da doença de Parkinson
abrem novas portas terapêuticas

Ciência Hoje não tem férias! Apoie este jornal!