Receba as notícias:

Águas contaminadas com ansiolíticos
alteram comportamento da perca

Estudo sueco publicado na «Science» debruça-se sobre os efeitos do oxazepam

2013-02-15
O comportamento da 'Perca fluviatilis' altera-se devido ao medicamento
O comportamento da 'Perca fluviatilis' altera-se devido ao medicamento

Os resíduos de medicamentos que acabam nas águas através das canalizações tornam-se muitas vezes em graves problemas ecológicos. Numa nova investigação realizada por cientistas da Universidade de Umea (Suécia), apesar dessas águas passarem por estações de tratamento, alteram significativamente o comportamento da fauna fluvial que habita os rios europeus.

O estudo, dirigido por Tomas Brodin e recentemente publicado na «Science», centra-se nos efeitos que o ansiolítico oxazepam tem sobre a perca (Perca fluviatilis). Os resultados indicam que a exposição aos níveis do ansiolítico detectado nos rios da Suécia fazem com que os peixes comam mais rapidamente, sejam mais intrépidos e tenham um comportamento menos sociável.

Esta droga psiquiátrica utiliza-se para o tratamento dos sintomas da ansiedade em humanos. Mas os seus resíduos terminam quase sempre nos sistemas aquáticos naturais, mesmo depois de terem passado por tratamentos purificadores.

Quando estão sozinhos, os peixes que foram expostos ao oxazepam, abandonam os seus refúgios seguros e a arriscar-se em zonais potencialmente perigosas”, explica Brodin. As percas perdem, de resto, o interesse em permanecer com o grupo e algumas afastam-se até grandes distâncias.

As percas que entraram em contacto com o ansiolítico também começaram a devorar a sua comida com muito mais rapidez do que os animais que não foram expostos. Segundo os investigadores, isto pode desencadear problemas ecológicos como provocar um incremento descontrolado de algas, devido ao desequilíbrio criado na cadeia alimentar dos rios.

Artigo: Dilute Concentrations of a Psychiatric Drug Alter Behavior of Fish from Natural Populations

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

O flagelo das alergias

«Vender» empregos é o que vai dar!

O grande desafio:
reparar autoestradas axonais para tratar lesões

Estudo avalia impacto da crise económica nos médicos

A burocracia e as TIC
(esta dádiva de algum deus suspeito!)

When bad news are good news for neurodegenerative diseases

Nova lei da investigação clínica
publicada hoje em Diário da República

Dor condiciona actividades diárias dos doentes mais idosos

Fraunhofer Portugal Challenge premeia a ciência nacional

Investigadores da UC localizam a distribuição celular
da proteína envolvida na Alzheimer

Cocktails de pesticidas prejudicam a saúde dos solos

Polémica das Ciências do Mar:
resposta ao coordenador do painel de avaliação

Cancro de Mama “Triplo-negativo” e Metástases do Cérebro
«vencem» bolsas de investigação da Associação Laço

Galaxy Zoo abre as portas do Universo

“Será realista o mundo de Avatar ?”

São João da Madeira vence “Dá Power ao Electrão”

“Jogar” na Sala de aula: estudo da UC defende
a utilização de dispositivos móveis no ensino

Fobias: quem tem medo compra um cão!

Bolsas para Ciências do Mar: críticas vindas a público
são totalmente desprovidas de fundamento

Estudo sociológico sobre jovens portugueses/as
vence prémio mundial

Alunos do secundário desvendam a física das partículas na UMinho

Sabe escolher azeite de qualidade?
Se vai só pela acidez está errado!

Projecto internacional da UA mostra vantagens
da iluminação pública inteligente com LED

Candidatos denunciam irregularidades
na atribuição de bolsas da FCT

Cientista português ligado
a nova investigação sobre Alzheimer

Cancro e diabetes: políticas a longo prazo
reduzem incidência de casos

Quinta do Seixo é caso de estudo
para especialistas europeus em biodiversidade

Trinta concorrentes disputam meia-final do FameLab

Veneno de caracol marinho letal pode facultar
novos tratamentos para a dor crónica em humanos

Cientistas portugueses no maior projecto da UE
contra a degradação dos solos europeus