Receba as notícias:

Águas contaminadas com ansiolíticos
alteram comportamento da perca

Estudo sueco publicado na «Science» debruça-se sobre os efeitos do oxazepam

2013-02-15
O comportamento da 'Perca fluviatilis' altera-se devido ao medicamento
O comportamento da 'Perca fluviatilis' altera-se devido ao medicamento

Os resíduos de medicamentos que acabam nas águas através das canalizações tornam-se muitas vezes em graves problemas ecológicos. Numa nova investigação realizada por cientistas da Universidade de Umea (Suécia), apesar dessas águas passarem por estações de tratamento, alteram significativamente o comportamento da fauna fluvial que habita os rios europeus.

O estudo, dirigido por Tomas Brodin e recentemente publicado na «Science», centra-se nos efeitos que o ansiolítico oxazepam tem sobre a perca (Perca fluviatilis). Os resultados indicam que a exposição aos níveis do ansiolítico detectado nos rios da Suécia fazem com que os peixes comam mais rapidamente, sejam mais intrépidos e tenham um comportamento menos sociável.

Esta droga psiquiátrica utiliza-se para o tratamento dos sintomas da ansiedade em humanos. Mas os seus resíduos terminam quase sempre nos sistemas aquáticos naturais, mesmo depois de terem passado por tratamentos purificadores.

Quando estão sozinhos, os peixes que foram expostos ao oxazepam, abandonam os seus refúgios seguros e a arriscar-se em zonais potencialmente perigosas”, explica Brodin. As percas perdem, de resto, o interesse em permanecer com o grupo e algumas afastam-se até grandes distâncias.

As percas que entraram em contacto com o ansiolítico também começaram a devorar a sua comida com muito mais rapidez do que os animais que não foram expostos. Segundo os investigadores, isto pode desencadear problemas ecológicos como provocar um incremento descontrolado de algas, devido ao desequilíbrio criado na cadeia alimentar dos rios.

Artigo: Dilute Concentrations of a Psychiatric Drug Alter Behavior of Fish from Natural Populations

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Da eficácia do exercício físico no tratamento das depressões

Vacina contra o Ébola revela-se cem por cento eficaz

A verdade sobre a infertilidade

INSA e OMS lutam contra a obesidade infantil

Burro mirandês em risco de extinção

De como a diabetes afecta a fertilidade

UTAD e Federação Portuguesa de Voleibol avaliam
performance dos jogadores da selecção nacional

Portugal conquista pela primeira vez medalha
na Olimpíada Internacional de Química

IST recebe 69 Milhões de horas
num dos supercomputadores mais rápidos do mundo

Criadores do «Magalhães» chegam ao Uruguai

Minho quer extrair colagénio da pele de tubarão

Hepatite C “pode estar erradicada dentro de alguns anos”

Área ardida em Portugal terá redução drástica
se houver prevenção de incêndios

Milheirinhas: os machos mais coloridos
cuidam melhor da plumagem

Aveiro abre caminho ao tratamento do vírus Ébola

Rastreios gratuitos a cancro de cabeça e pescoço
até sexta-feira em 12 hospitais

Universidades do Porto, Aveiro e Técnica de Lisboa lideram
produção científica das instituições científicas do Ensino Superior

Quimioterapia pode prejudicar doentes terminais

Todos os seropositivos devem receber terapia
independentemente da carga viral

Coimbra confirma eficácia de terapia inovadora
em vários tipos de cancro

Exterior dos jardins de infância não promove
desenvolvimento saudável das crianças

Novo medicamento pode retardar Alzheimer

Torres Vedras campeã do Mundo em robótica

Injecções em árvores vão controlar pragas de insectos

Oftalmologista português distinguido nos EUA

Jovem com VIH em remissão após tratamento precoce

Portugal é o 12º país europeu com mais projectos
submetidos ao Horizon 2020

Perigos dos microplásticos e dos fármacos preocupam ambientalistas

Quando soube que tinha cancro pensei:
cheguei ao fim da vida!

Cérebro dos desportistas responde 82% mais rápido
em situações de forte pressão