Receba as notícias:

Águas contaminadas com ansiolíticos
alteram comportamento da perca

Estudo sueco publicado na «Science» debruça-se sobre os efeitos do oxazepam

2013-02-15
O comportamento da 'Perca fluviatilis' altera-se devido ao medicamento
O comportamento da 'Perca fluviatilis' altera-se devido ao medicamento

Os resíduos de medicamentos que acabam nas águas através das canalizações tornam-se muitas vezes em graves problemas ecológicos. Numa nova investigação realizada por cientistas da Universidade de Umea (Suécia), apesar dessas águas passarem por estações de tratamento, alteram significativamente o comportamento da fauna fluvial que habita os rios europeus.

O estudo, dirigido por Tomas Brodin e recentemente publicado na «Science», centra-se nos efeitos que o ansiolítico oxazepam tem sobre a perca (Perca fluviatilis). Os resultados indicam que a exposição aos níveis do ansiolítico detectado nos rios da Suécia fazem com que os peixes comam mais rapidamente, sejam mais intrépidos e tenham um comportamento menos sociável.

Esta droga psiquiátrica utiliza-se para o tratamento dos sintomas da ansiedade em humanos. Mas os seus resíduos terminam quase sempre nos sistemas aquáticos naturais, mesmo depois de terem passado por tratamentos purificadores.

Quando estão sozinhos, os peixes que foram expostos ao oxazepam, abandonam os seus refúgios seguros e a arriscar-se em zonais potencialmente perigosas”, explica Brodin. As percas perdem, de resto, o interesse em permanecer com o grupo e algumas afastam-se até grandes distâncias.

As percas que entraram em contacto com o ansiolítico também começaram a devorar a sua comida com muito mais rapidez do que os animais que não foram expostos. Segundo os investigadores, isto pode desencadear problemas ecológicos como provocar um incremento descontrolado de algas, devido ao desequilíbrio criado na cadeia alimentar dos rios.

Artigo: Dilute Concentrations of a Psychiatric Drug Alter Behavior of Fish from Natural Populations

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Esperar ou não esperar
- o papel da confiança na tomada de decisões

Implantes dentários «ganham» volume ósseo

Em Portugal um tratamento específico
depende da região onde se mora

Eousdryosaurus, o pequeno dinossauro
que viveu num tempo de gigante

Um em cada quatro já traiu

A Ciência da Gestão de Ciência e Tecnologia
– reflexões de uma despedida

A ansiedade de estar doente no hospital?
O ambiente do quarto pode ajudar!

Prémio António Champalimaud reconhece tratamento
revolucionário de doenças graves da visão

João Rocha é o primeiro português
da European Academy of Sciences

O Porto na Guerra Fria

Nariz electrónico pode detectar
subgrupos de asma nas crianças

Oceanos de Esperança chegou a Boston

Braga quer construir travessas de caminho-de-ferro
com resíduos de plásticos mistos

Comer com sucesso no Mercado do Bom Sucesso

Lars Montelius é o novo director do INL

José Xavier participa no Atlas
sobre vida marinha no Oceano Antárctico

Utilizar Software de Código Aberto
permitiria ao Estado poupar milhões de euros

Trás-os-Montes apresentou no MInho cremes inovadores
que ajudam no tratamento de queimaduras, feridas profundas e psoríase

Sistema reduz de meses para dias o tempo necessário
para os cientistas testarem hipóteses

Empresa tecnológica de Braga serve milhões de pessoas

Investigadores de Coimbra avançam na luta
contra a febre da carraça e tifo epidémico

Uma «estranha» forma de atracção

A tinta que «pinta» a energia da luz solar em energia eléctrica

Amamentar diminui o risco de depressão pós-parto

Portugueses do IMM abrem caminho
a nova terapêutica para leucemia pediátrica

Quando o chichi «dá» luz!

Menos nicotina não quer dizer mais cigarros

Não-me-esqueças, a planta rara redescoberta no Corvo

Da felicidade à dor: entender a função da serotonina

Treinar o cérebro para melhorar a capacidade mulitarefa